Versículo do Momento

LEIA A BÍBLIA

novembro 23, 2017

NÃO ESTOU SATISFEITO COM A BANDIDAGEM EM NOSSO PAÍS! VOCÊ ESTÁ?

NÃO ESTOU SATISFEITO COM A BANDIDAGEM EM NOSSO PAÍS! VOCÊ ESTÁ?
Autor: Pr Flávio da Cunha Guimarães

Sejamos honestos e sinceros para conosco mesmos. Estamos nós satisfeitos com as leis frouxas de nosso país que abrem brechas para bandidos e políticos se safarem? Leis que dão privilégios para os bandidos e políticos enquanto gente do bem fica refém deles? Eu não Estou!


Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+de+pessoas+descontentes&newwindow=1&safe=

Acessado em: 23/11/2017

Estamos nós satisfeitos com a bandidagem mandando nesse país, estabelecendo as suas próprias leis dentro de comunidades, espalhando terror, pavor e medo, o povo fica calado e coagido porque corre o risco de vida? Eu não estou!

Estamos nós satisfeitos com a Justiça que condena uma mulher a 4 anos de reclusão porque roubou um pote de margarina, enquanto os que desviam milhões e bilhões de reais estão soltos e tem juízes do S T F (Supremo Tribunal Federal) soltando? Eu não Estou!

Você Está satisfeito com tanta impunidade, bandidos que são soltos antes de cumprirem as penas, isso quando são presos? Eu não estou!

Chegamos ao ponto que não dá para suportar mais tanta imoralidade dentro das instituições e empresas que envolvem os governos federal, estadual e municipal, nas câmaras, congresso Nacional e na justiça em todas as instâncias! Tanta corrupção de todas as partes e escalões! Tanta banalidade para com a vida humana! Chegamos no limite que não dá mais para suportar tanta violência e de maneira brutal! Está na hora de o povo brasileiro colocar um basta em toda essa baderna! Dizer: Chega de desmando! De incompetência de se submeter a comando de bandidos!

Chega, também, de os pais fazerem de conta que educam os filhos! Está na hora dos pais começarem colocar limites para os filhos, disciplinar e corrigir o comportamento errado e estapafúrdio se o mesmo persistir. Chega de tanto absurdo! Pirralhos que acabaram de sair das fraldas pintando, bordando, mandando e desmandando dentro das casas dos pais e comendo às custas deles. E os pais acham que a desobediência, a rebeldia é assim mesmo, que tudo que os filhos fazem de errado é normal, sem saberem que já foi feita uma lavagem cerebral na sociedade brasileira e por consequência já atingiu os filhos!

Pais passivos diante das atitudes agressivas dos filhos. Filhos que desde pequenos batem no rosto dos pais, chutam-nos, mordem-nos, xingam-nos e gritam para com os pais. Faltam com o respeito para com os idosos em geral, avós e tios e os pais não corrigem os filhos!Acorda pais enquanto há tempo!

Pais que não dizem "NÃO" para os filhos porque a maioria não tem autoridade e exemplo de vida para dizer não; mas os filhos dizem não para os pais com muita facilidade e cara de pau. Pais que veem os filhos fazendo artes, mexendo em coisas e quebrando-as nas casas dos outros, dizem não para os filhos e os mesmos continuam como se nada fosse dito. Os pais, neste caso, dizem não por dizer, os filhos continuam fazendo as mesmas coisas, os pais não tomam atitude e nem providência! Se é não, é não e pronto! Tem que fazer o seu não prevalecer, mas não o fazem! Reajam pais! Eduquem seus filhos antes que os bandidos eduquem em seu lugar! Adotem seus filhos antes que os traficantes os adotem! Instruam os seus filhos antes que algum cabeça de vento queira instruírem os seus filhos em seu lugar!


Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+de+filhos+rebeldes&newwindow=1&safe=active&source=

Acessado em: 23/11/2017

Filhos que crescem não respeitando os pais, não respeitarão as autoridades, desde a escola e juízes, até a autoridade de Deus. Filhos esses que terão grande tendência para serem marginais, mau caráter, violentos quando for colocado limites para eles e revoltados contra a sociedade, contra si mesmos, contra a família e contra Deus.

Chega de omissão dos pais, das autoridades e dos líderes religiosos! Está na hora de corrigir o que está errado, nunca será tarde demais enquanto se tem vida! Está na hora de denunciar os crimes e criminosos, seja que for! Está na hora de se criar leis decentes neste país e se puna de verdade os criminosos inveterados! Está na hora de fechar a fábrica de bandidos, que são os filhos sem estrutura familiar, que crescem sem amor, sem carinho, sem atenção, sem disciplina e sem a correção necessária com amor! Está na hora de mudar a cultura, a maneira de se pensar neste país! A começar por nós! Pense, reflita, analise e tire as suas conclusões sobre o que compartilhamos. Não custa fazermos nossa parte! Se gostou, recomende aos familiares e amigos a leitura.

"Mas para vós, os que temeis o meu nome, nascerá o sol da justiça, e cura trará nas suas asas; e saireis e saltareis como bezerros da estrebaria", (Malaquias 4:2).

novembro 17, 2017

AS RIQUEZAS DO CÉU


AS RIQUEZAS DO CÉU
Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+para+riqueza&newwindow=1&safe=active&source=

Acessado em: 17/11/2017

Apocalipse 21:1-2, 10, 18-21

É pecado ter riquezas, possuir as coisas e bens materiais? Não! De jeito nenhum! As riquezas, as coisas e os bens materiais, desta vida, são maus e malignos? De jeito nenhum! Abraão era homem muito rico e era homem de Deus. O Apóstolo Paulo diz em I Tim. 4:4 o seguinte: “Porque toda a criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças”. Se as riquezas foram criadas por Deus, logo, elas são boas. O que não é bom é o coração do homem que se deixa escravizar pelas riquezas. Quem faz as riquezas malignas é o homem quando a utiliza para ostentar sua condição e posição social, querendo se colocar superior, humilhando, desprezando e passando encima dos demais. É fazer das riquezas o seu deus.

Maus e malignos são os corações das pessoas que se deixam dominar e escravizarem pelas riquezas. Daí exploram, cometem injustiça, roubam, até matam, não amam, tem inveja, olho gordo, cobiça e trocam as pessoas pelos objetos. Os objetos passam a ter mais valor do que gente. Neste caso, não são as pessoas que possuem, tomam posses e dominam as coisas; mas as riquezas, os objetos e os bens materiais que possuem e dominam as pessoas. As pessoas são possuídas, dominadas e escravizadas pelas as riquezas. Quantas pessoas possuídas, também, pela cultura, artes, fanatismo e ideologias?

Vejamos o que o Apóstolo Paulo diz em I Tim. 6:10: “Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores”. O texto confirma exatamente o que dissemos acima! O Apóstolo não está afirmando que o mal está em possuir as riquezas e nem nas riquezas em si, mas em amar de maneira exagerada e intensa as riquezas, o que deixará de glorificar ao Senhor para glorificar a si mesmo ou os próprios bens. Daí que vivem mal em muitos sentidos. Vivem doentes espiritual: Desviam da fé. Doentes do espirito e da mente porque ficam obcecados. Com dor de consciência. Gemendo ainda que ninguém ouça. Atribulados. Ansiosos. Com medo. Preocupados em não perderem as riquezas. Dormem mal. Não tem tempo para a família, para as pessoas e nem para Deus porque o deus deles são as riquezas, Mat. 6:19-21.

As riquezas quando usadas de maneira correta são bênçãos para as nossas vidas. Dão prazer. São parte da felicidade. Promovem bem-estar tanto para quem as tem como para aqueles que delas desfrutam conjuntamente e promovem o Reino do Senhor Jesus Cristo entre os homens.

Não precisamos viver aqui uma vida mal, desviados da fé, com dor de consciência, gemendo, atribulados, ansiosos, com medo de perder as riquezas, dormindo mal, não tendo tempo para a família e para Deus, atribulados, avarentos e escravos dos bens materiais, se o nosso alvo principal é o Senhor Jesus! Não! Não precisamos porque não levaremos nada de material para a vida além, nem mesmo o corpo físico, I Corintios 15:44,50. Não é preciso levar riquezas daqui. Não podemos levar bens materiais. E não é preciso, o Céu é rico! Aqueles que para lá irão desfrutarão de todas as riquezas do Céu que lá já tem. Assim como a atual Jerusalém faz parte e está inserida neste planeta chamado terra, a nova Jerusalém fará parte e estará inserida no Céu. A nova Jerusalém, onde os salvos irão habitar, a Bíblia a descreve como sendo rica. Lógico e evidente que as riquezas não são materiais de pedras preciosas reais. A descrição é para mostrar a superioridade, as riquezas da Jerusalém celestial em relação a Jerusalém terrestre, o que lemos em Apocalipse 21:10,18-21 e descreve.

Uma das riquezas que é encontrada na Jerusalém celestial e a faz superioridade a Jerusalém terrestre, é que a terrestre teve a sua origem com os homens, daí as mazelas em que lá tem: Violência, guerras, atentados a bombas, sequestros e assassinatos. Já a Jerusalém celestial e de além, ela tem origem em Deus, daí a paz eterna, a segurança e a vida eterna. Ela não é de baixo, mas descerá do Céu, isso demonstra ser ela superior bem como as suas riquezas. A Jerusalém celestial desafia qualquer descrição! A sua beleza não tem limite! É lindíssima! Será de rua de ouro puro e maciço. Uma cidade magnânima, isto é, que tem grandeza, generosa e nobre. É magnífica, isto é, ela é engrandecida, exaltada, glorificada, grandiosa, suntuosa, cheia de pompa, de esplendor, pura e limpa de qualquer poluição.

Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=imagens+da+glória+de+Deus&newwindow=1&safe=active&source=

Acessado em: 21/11/2017

A sua qualidade é muito, mas muito superior a Jerusalém terrestre. É perfeita em sua glória, porque ela tem contato direto com a glória de Deus Pai! O seu culto é perfeito! A vida nela é perfeita! A proteção é perfeita! A comunhão é perfeita! A segurança é perfeita! A justiça é perfeita! A qualidade de vida é perfeita! E lá todos serão tratados como verdadeiros cidadãos em pé de igualdade! Há abundância de tudo!De amor, de paz, de harmonia, de concórdia, de justiça, de luz e de glória. De glória sem fim! Não é preciso levar riquezas, se fosse possível levar, lá há riquezas em abundância! Rica na graça e na glória do Senhor Deus.

Devido à avareza e a ganância, há aqueles que trocam as riquezas eternas e melhores, pelas riquezas passageiras e piores, sem uma análise, sem escrúpulo e pudor, pensando que poderão desfrutar das riquezas do Céu, após a separação das riquezas da terra, mediante a morte, o que não é possível. Para desfrutar das riquezas do Céu, é preciso decidir, enquanto aqui vive; decidir viver uma vida dedicada ao Senhor Jesus. É preciso resolver a questão da salvação enquanto aqui vive. É preciso começar a caminhar com Jesus aqui, para continuar em sua presença lá. Ele deixou isso claro em João 14:6; I Timóteo 1:15 e Atos 2:21. Não existe riqueza maior e mais preciosa do que a salvação em si. Jesus perguntou ao jovem rico: “Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus”, Lucas 12:20-21. O convite é para que possamos nos preparar para desfrutarmos das riquezas do Céu. Vamos fazer isso!

Bibliografia
1 - BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

2 - JUNIOR, Luder Whitlock. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

3 - MOULTON, Harold K. Léxico Grego Analítico. Trad. Everton Aleva de Oliveira e Davi Miguel Manço. Ed. Cultura Cristã, 2007, São Paulo, 460 p.

4 - OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2014.

5 - SHEDD, Russell Philip. Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. São Paulo, 1978, A T 929 p.

novembro 15, 2017

CASAMENTO DO PONTO DE VISTA DOS HOMENS E DE DEUS.


CASAMENTO DO PONTO DE VISTA DOS HOMENS E DE DEUS.

Autor: Pr Flávio da Cunha Guimarães

Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+para+casamentos&newwindow=1&safe=active&source=

Acessada em: 15/11/2017

Queremos discutir essa diferença do casamento do ponto de vista dos homens e do ponto de vista de Deus, por que nem sempre, as pessoas de um modo geral, percebem essa diferença. E por que não percebem? Por que estamos perdendo a capacidade de pensarmos no casamento do ponto de vista de Deus, e estamos pensando só do ponto de vista do homem ou da sociedade. Estamos diante de uma sociedade tão secularizada e condicionada a pensar como a mídia pensa, que nem sempre às pessoas veem diferença entre o casamento do ponto de vista dos homens e o casamento do ponto de vista de Deus. Mas para nós há essa diferença e é o que propomos apresentar neste post.

1 – O casamento do ponto de vista dos homens, não passa de um ritual social para dar satisfação à sociedade e não a Deus. Os envolvidos se preocupam com a formalidade. E o que é formalidade? O ato de pouca importância. Regras impostas pela sociedade e conveniências sociais. O ato que a pessoa tem que cumprir da maneira que se impõe ou praxe. São as regras de condutas, costumes, preceitos, normas e etiquetas.

2 – O casamento do ponto de vista dos homens, preocupa-se com as aparências e não com a essência. Aparência não diz como as coisas são em si mesmas. Ela é enganosa e ilusória. A aparência se preocupa com o externo e não com a essência. Mas temos que nos preocupara muito mais com a essência do que com as aparências, visto que Deus quer a essência, o que Ele pensa e quer do casamento e o que os homens pensam e querem.

3 – O casamento do ponto de vista dos homens, tudo vale. Vale ficar. Vale ir para a cama antes de casar. Vale adulterar. Vale trair. Vale largar. Vale desrespeitar. Vale divorciar. Vale trocar de homem e mulher quantas vezes quiser. Vale fazer bacanal em roda de amigos, onde rola de tudo, festa em que reina a devassidão e a orgia. E do ponto de vista de Deus vale o que? Nada disso vale!

4 – O casamento do ponto de vista dos homens, o consideram um ato instantâneo. O ato de satisfazer os desejos: Desejos sexuais. Desejo de aparecer bem na foto. Desejo de ser importante, ainda que seja só por um dia, por um hora ou até mesmo alguns minutos. Desejo de satisfazer as carências.

5 – O casamento do ponto de vista dos homens, só é importante no ato da cerimônia, depois seja o que Deus quiser. É o ato nupcial que não houve namoro e noivado para se conhecerem, entenderem o que pensam, gostam e querem na vida a dois. Não há planejamento para constituírem um lar e uma família. Quem casa assim o seu casamento acaba em um ato também. Assim como começa rápido, termina rápido também. Em um ato de uma briga, desentendimento, discussão ou até mesmo uma agressão. No ato quando vão a vista para colocar fim a vida a dois. Para esses, tudo o que envolve o relacionamento conjugal, torna-se secundário, de pouca importância e de pouco valor. Daí há um vazio de propósitos na vida dos envolvidos. Não preocupam-se com planejamento familiar e financeiro. Vivem pelos instintos e desejos.

6 – O casamento do ponto de vista dos homens, os sentimentos que predominam são o egoísmo, o orgulho, a revanche, o ciúme e o levar vantagem em tudo. Não pesam a questão: “ser feliz ou ter razão”. Consequentemente esse casamento não é durável, logo acaba.


Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?newwindow=1&safe=active&biw=1366&bih=588&tbm=isch&sa=1&ei=

Acessada em: 15/11/2017

7 – Já o casamento do ponto de vista de Deus, ele começa em um processo: O gostarem um do outro, o namorarem, o se conhecerem, o noivarem, o amarem, o casarem para constituir uma família sólida, responsável e com propósito de envelhecerem juntos. Olhando uma pesquisa que o IBGE divulgou sobre casamentos, se constatou que cada vez mais os brasileiros casam mais velhos e cada vez mais se separam mais jovens. A média de idade para a separação caiu também. Bem como o número de separação dos casados é muito maior do que antes de 2011, se fica menos tempo casados.

8 – O casamento do ponto de vista de Deus, os envolvido entendem a importância de renunciar o EU para o bem estar dos dois. O pedir perdão e o perdoar um ao outro. A reconciliação. O respeito mútuo. O entenderem que os desejos têm que ser os desejos dos dois. O que prevalece não é a vontade egoísta e imposta sobre o outro, mas sim, a vontade do Senhor em primeiro lugar. Daí há disposição em renunciar caprichos quando é preciso renunciar. Até mesmo desejos e vontade que não afeta a personalidade e o caráter.

9 – O casamento do ponto de vista de Deus, é cheio de amor, de calor humano, de bondade, de mansidão, de ternura, de bons tratos, de boas maneiras, de compreensão, de cortesia, preocupação de fazer um ao outro feliz. Não há lugar para o individualismo e o eucentrismo.

10 - O casamento do ponto de vista de Deus, dura para sempre. A separação será somente pela fatalidade, com a morte. Esse é o casamento que queremos para nós? Se não é, ainda está em tempo de ser. Nunca é tarde para mudar.


Para concluir:

Queremos considerar os desejos dos pais dos noivos que veem o casamento do ponto de vista de Deus, pensamos nós que sejam assim, ao darem seus filhos em casamento. Cremos que os sogros, o que eles mais querem e esperam dos filhos envolvidos em um enlace matrimonial, é que amem um ao outro de paixão, de coração e que sejam fiéis um ao outro; que tenham olhos só um para o outro; que aja respeito, honra, cuidado, proteção, carinho, com paciência e cooperação mútua; que tratem com carinho, com paciência e com muito amor; que sejam companheiros em todos os momentos da vida; que se preocupem com a felicidade um do outro; que a estima seja grande um para com o outro; considere, depois de Deus, o cônjuge a pessoa mais importante em suas vidas; que a mulher seja a única na vida do homem e bem como, o homem seja o único na vida da mulher.

novembro 14, 2017

FAÇA O BEM SEM ESPERAR UM VINTÉM


FAÇA O BEM SEM ESPERAR UM VINTÉM
Autor: Pr Flávio da Cunha Guimarães

Fazer o bem ou a caridade a alguém, não é e não deve ser, com a intenção de sermos glorificados, exaltados, louvados e recompensados, principalmente em relação a perdão de pecados e a salvação eterna. Se fazer o bem salvasse, Jesus Cristo não precisaria ter morrido, em uma cruz, de maneira algoz e desumana. Fazer o bem deve ser tão somente por amor ao próximo, ao Senhor Jesus e para a glória do Senhor DELE.

Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+para+caridade&newwindow=1&safe=active&tbm=

Acessada em: 14/11/2017

O adágia popular: “Faça o bem sem olhar a quem”, que algumas pessoas citam e dizem que está na Bíblia, o que não está. O que está na Bíblia, e, é semelhante, é o que lemos em Gálatas 6:10: “Então, enquanto temos tempo, façamos bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé”.

Fazer o bem ou a caridade a alguém, não é e não deve ser, com a intenção de sermos glorificados, exaltados, louvados e recompensados, principalmente em relação a perdão de pecados e a salvação eterna. Se fazer o bem salvasse, Jesus Cristo não precisaria ter morrido, em uma cruz, de maneira algoz e desumana. Fazer o bem deve ser para a glória do Senhor Jesus. Todavia, muitos de nós já fizemos o bem e a caridade, pensando, não no bem e porque amamos verdadeiramente o próximo, mas para o nosso próprio benefício, para o perdão de nossos pecados, para a nossa salvação e por amor próprio.

Por outro lado, há os que já fizeram o bem e ajudaram alguém em um ato de bondade ou de caridade. Fizeram isso com a melhor das intenções, como prova de seu amor, carinho e consideração a quem ajudaram. Fizeram porque queriam o melhor, principalmente para que a pessoa amada e querida não sofresse. Visto que, quando a pessoa amada e querida sofre, os ente queridos sofrem também, principalmente se é alguém da família.

Todavia, nem sempre o bem que fazemos para as pessoas a quem amamos, reconhecem, valorizam e retornam a nós o que receberam de nossa ajuda. Pode até mesmo ocorrer que depois de ajudarmos, as pessoas, elas se afastem de nós; sejamos rejeitados, desprezados, julgados, condenados, xingados, ofendidos por elas; tornem-se nossas inimigas e falem mal de nós. Já aconteceu com você? Conosco já aconteceu e não foi com uma só pessoa.


Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+para+ingratidão&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=

Ingratidão

Tal atitude é uma tremenda ingratidão, mas a ingratidão é real e ela existe. Se é real e existe, logo, todos nós estamos sujeitos a ela e sua ação. Essa ingratidão nos faz pensar, em quantos fariseus existem em nossos dias, em nosso meio, a começar pelos nossos familiares e em nossas igreja. A ingratidão de ente querido doe e doe muito! Quando essa ingratidão acontece, e, mesmo nós sabendo que acontece, é decepcionante e é revoltante. Por que é revoltante? Por que queremos, ainda que de maneira inconscientes, o sermos valorizados, reconhecidos e haja gratidão! Quando não há a gratidão, a valorização e o reconhecimento, decepcionamos, entristecemos e até revoltamos. O que não deveria. Não deveria porque tudo o que fazemos é para a glória do Senhor Deus e não nossa. A prática da caridade é mandamento do Senhor Deus desde Antigo Testamento: “Quando também fizerdes a colheita da vossa terra, o canto do teu campo não segarás totalmente, nem as espigas caídas colherás da tua sega”, (Levítico 19:9; 23:22 e Deuteronômio 24:19).

Como humanos, que somos, é até normal a decepção, o entristecer e o revoltar. O que não pode ser normal e não pode acontecer, são tais sentimentos atrapalharem e afetarem nossas vidas conjugais, familiares, nosso trabalho secular, o trabalho de evangelização, principalmente a vida com Deus e vivermos mal-humorados, resmungando e remoendo essas coisas.

Não deveríamos esperar receber dos homens qualquer reconhecimento, louvor, honra, glória ou recompensa dos homens, mesmo porque o verdadeiro reconhecimento, louvor, honra e glória, não vem dos homens, mas do Senhor. Esse reconhecimento e recompensa são o que valem. Os homens fingem e mentem, mas o Senhor Deus jamais!

Toda falta de valorização, de reconhecimento e de gratidão, aconteceu da porte dos líderes religiosos de Israel para com o Senhor Jesus Cristo. Ele foi quem mais o bem fez em prol dos desvalidos, mas foi o mais rejeitado de todos os líderes religiosos. O texto de Mateus 12:22-32 fala de maneira clara a esse respeito. Os Vs. 22-23 falam do bem que Ele fez a uma pessoa possessa que trouxeram a Ele. Possuída por um demônio, um espírito mau, cega e muda. O tripé de possessão demoníaca, cegueira e mudez, forma uma trindade má ou do mal, que afeta diretamente o ser humano, em suas três áreas, como: Área espiritual, física e emocional.


A cura:

A cura foi tão maravilhosa, fenomenal e extraordinária que a multidão ficou tão admirada que ficou em estado como se estivesse fora de si e com uma grande emoção. Se perguntando: Será que é verdade o que vimos! É isso mesmo! Tão grande e extraordinário era o milagre!


Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+para+ingratidão&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=

A ingratidão para com o Senhor Jesus:

O V. 24 diz que os fariseus disseram que Jesus expulsou o demônio, curou da cegueira e mudez pelo espírito de Beelzebu. Ao meditar sobre tal episódio, pensamos no contraste entre a reação da multidão em relação a atitude dos fariseus incrédulos, materialistas, mesquinhos, orgulhosos, invejosos, ciumentos, carentes e murmuradores, se opondo ao Senhor Jesus, depois de todo o bem que Ele fez a um infeliz, a cura espetacular ao endemoniado, cego e mudo. Ao invés de louvarem, exaltarem, glorificarem e agradecerem ao Senhor Jesus, os fariseus preferiram sentenciar a Cristo com uma crítica maléfica. O que dá para entender é que os fariseus queriam humilhar, acusarem sem causa, rejeitarem deliberadamente, julgarem de maneira injusta, condenarem sem prova, falarem mal de um inocente, xingarem e ofenderem o Senhor Jesus propositadamente. Não reconhecerem, não valorizaram e não retribuíram o bem que Jesus Cristo estava fazendo a um patriota deles.


A ingratidão ainda continua em nossos dias para com o Senhor Jesus Cristo.

As pessoas, de um modo geral, não se importam com a morte do Senhor Jesus Cristo na cruz do Calvário. Não perguntam por que e para que Ele morreu naquela cruz! Foi para fazer o bem a todos nós, para trazer perdão e salvação que Ele sujeitou tamanha humilhação. A maioria continua ignorando e desprezando, não só o sacrifício de Cristo na cruz, mas a Própria pessoa do Senhor Jesus e toda a sua obra redentora. Desprezando e rejeitando o seu Evangelho. O que o Senhor Jesus já sabia. “Quem vos ouve a vós, a mim me ouve; e quem vos rejeita a vós, a mim me rejeita; e quem a mim me rejeita, rejeita aquele que me enviou”, (Lucas 10:16 e João 12:48). A língua original, o grego, traz a ideia que é uma rejeição continuada e para sempre. Não é isso que está ocorrendo no presente momento e de maneira mundial?


Já sabia

Jesus Cristo já sabia que a recompensa não viria de todos os homens, ainda que diante dos milagres, a multidão que o seguia, ficou maravilhada e glorificou a Deus Pai. Ele sabia que a verdadeira recompensa e glorificação viria de Deus Pai, como Ele mesmo diz em João 8:54: “Jesus respondeu: Se eu me glorifico a mim mesmo, a minha glória não é nada; quem me glorifica é meu Pai, o qual dizeis que é vosso Deus”, (João 11:4; 12:23 e 16:14). O assentar a direita de Deus Pai, é uma honra imensurável e foi o que aconteceu com o Senhor Jesus Cristo, “[...] e assentou-se à destra do trono de Deus”, (Hebreus 12:2; Salmo 110:1; Romanos 8:34 e Marcos 16:19).


Concluindo:

A diferença quanto a nossa reação em relação a recompensa, o reconhecimento e o receber as glórias, comparando ao Senhor Jesus, não está só em Jesus Cristo ser o filho de Deus, nós o somos também, (João 1:12; Tito 3:7 e Gálatas 4:4-7). A grande diferença está no agir e no reagir ao recebermos ou não recebermos as glórias. Jesus disse a verdade e a verdade é sempre dura, (Mateus 12:25-28), mas Ele disse com amor e ternura no coração, sem ressentimentos e mágoas. Nós ficamos magoados, ressentidos e tristonhos. Precisamos aprender com o Senhor Jesus, a darmos respostas verdadeiras, porém, com amor e ternura. Precisamos aprender também a fazermos o bem sem a intensão de recebermos a recompensa dos homens, mas de Deus Pai. Contentemos com a recompensa do Senhor, essa é certa, verdadeira e ela basta!


Bibliografia:

1 – BOYER , Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

2 – JUNIOR, Luder Whitlock. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

3 – MOULTON, Harold K. Léxico Grego Analítico. Trad. Everton Aleva de Oliveira e Davi Miguel Manço. Ed. Cultura Cristã, 2007, São Paulo, 460 p.

4 – OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2014.

5 – RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Chave Linguística do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p.

6 – SCHOLZ, Vilson e Roberto G. Bratcher. Novo Testamento Interlinear Grego – Português. 1ª Edição. Barueri, SBB, 2008, 979 p. e,

7 – SHEDD, Russell Philip. Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. São Paulo, 1978, A T 929 p.

outubro 31, 2017

FIM DA ESCREVIDÃO RELIGIOSA


FIM DA ESCREVIDÃO RELIGIOSA
Pastor Flávio da Cunha Guimarães



O catolicismo se libertou do catolicismo depois da Reforma de Lutero.

Imagem do Gloogle



Disponível em://www.google.com.br/search?q=Imagem+de+lutero&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjXzeKyxJvXAhVMlJAKHdlaCfwQ_AUICigB&biw=1366&bih=637#imgrc=3Brab83eyiUAjM:

Acessada em: 31/10/2017

INTRODUÇÃO

Apesar da festa de Halloween ser muito antiga, dizem os entendidos no assunto, que é de origem Celta, todavia, não era difundida e tão conhecida mundialmente como o é em nossos dias. Os americanos se encarregaram de propagarem a festa das bruxas, e no Brasil as TVs, a principal é a Rede Globo, se encarregaram de difundir, por ser ela uma defensora do espiritismo, e as escolas de ensino fundamental, sufocando assim, um dos grandes eventos da Cristandade e da história, que é a Reforma Luterana, ou Reforma Religiosa ou ainda a Reforma Protestante, que faz aniversário de 500 anos (quinhentos anos), neste 31 de outubro de 2017. Por que a mídia em geral não dá ênfase a Reforma Protestante e sim a festa das mascaradas? Por que não dá Ibope? Por que contraria a convicção da maioria da sociedade? Por que há preconceitos em relação aos protestantes?


Objetivo da Reforma Luterana:

O mundo vivia debaixo da escravidão teológica, dogmática, religiosa e a exploração da “boa fé” da população, ditada pela Igreja Católica Apostólica Romana, ha séculos, de maneira que o povo gemia diante de tanta opressão, repressão e exploração financeira! A Igreja Católica, vendia o perdão dos pecados para os que estavam no purgatório e para os vivos também, pecados passados, presentes e ainda os que viriam cometer e praticarem futuramente. É o que diz a Tathyana Zimmermann Fernandes quando afirma: “uma vez que os clérigos corruptos passaram a cobrar uma quantia em dinheiro para conceder o perdão dos pecados, vendendo as indulgências, que seriam "papéis" ou "títulos" que, supostamente, livrariam os fiéis de seus pecados” (1). O Professor de História da Igreja Católica e Doutor em Engenharia Mecânica, Felipe Aquino, católico professo, fala sobre a indulgência da seguinte maneira: “podemos ajudá-los obtendo para eles indulgências, para libertação das penas temporais devidas por seus pecados. Pelas indulgências, os fiéis podem obter para si mesmos e também para as almas do Purgatório, a remissão das penas temporais, seqüelas dos pecados” (2). Prática essa que atingiu o auge no papado de Leão X que esteve no Vaticano de (1513 a 1521). Quem se levantasse contra as práticas absurdas do clero em protesto, era considerado inimigo de Roma, traidor, herege e rebelado contra o sistema católico, portanto, levado a juízo ao tribunal da inquisição e na maioria era pena de morte.

Quando começou?

Começou por volta do IV século d C, foi modelando, no decorrer dos séculos, ao ponto de em 1517, ano da Reforma Protestante ou Religiosa, se tornar um comércio religioso descarado, vergonhoso e escandaloso. A igreja católica vendia, desde o perdão dos pecados, pedaços de ossos de apóstolo ao melhor lugar no céu, até um lugar ao lado de Deus. Cada moeda que caia no ofertório, era uma alma que ia para o Céu. Fazia-se filas e mais filas, de fiéis, para ofertarem no cofre das indulgências. “O Livro Negro do Cristianismo”, de autoria de: Laura Malucelli, Jacopo Fo e Sérgio Tomat traz uma listra de 35 itens de pecados que poderiam comprar o perdão. A igreja católica dizia que podia comprar o perdão de qualquer tipo de pecado ou crime.

Apesar da igreja católica já ter reconhecido esses erros monstruosos, falhas, desvios teológicos, doutrinários e pedido perdão, todavia essa cultura ficou enraizada na mente da sociedade, de que ao ofertar para fins de caridade, tal prática contribui para o perdão dos pecados e a salvação do pecador, isso tanto no catolicismo, espiritismo kardecista e em meio alguns seguimentos protestantes.

Os perigos para o Cristianismo:

1 – Essa prática, do catolicismo, era um incentivo as pessoas a pecarem, de maneira premeditada, com a falsa confiança que poderiam comprar o perdão dos pecados através da igreja.

2 – A Igreja Católica arrogava e ainda arroga, para si, o direito de perdoar e de remir os pecados de seus fiéis. Portanto, se colocando no lugar de Jesus Cristo, desprezando todo o martírio e sacrifício DELE na cruz do Calvário para nos redimir de nossos erros, pecados e crimes, contrariando os ensinamentos das Escrituras que dizem que Jesus Cristo morreu para nos redimir de nossos pecados, (Lucas 1:68; Lucas 24:21 e Romanos 8:21).

3 – Se a igreja pode perdoar os pecados, Jesus Cristo não precisava morrer em uma cruz. Deus deveria ter criado a igreja e poupado o Próprio Filho da morte horrível na cruz.

4 - Essa prática feria e fere frontalmente as Escrituras, visto que as mesmas dizem que só Jesus Cristo pode perdoar pecados, (Marcos 2:5-10 e Mateus 9:6). A Bíblia diz que todos pecaram e foram destituídos da glória de Deus (Rom 3: 23). Se todos pecaram, como pode um pecador perdoar pecados de outrem? Só podemos perdoar alguém que nos prejudicou, que nos ofendeu e que nos causou males (Efésios 4:32). Jesus diz isso de maneira clara em (Mateus 18:21-22). Mas o pecado nosso, a nossa transgressão dos ensinos divinos só Deus, em Cristo, pode nos perdoar. A oração do “Pai Nosso” é clara, (Mateus 6:12,14-15). Os homens de Deus tiveram essa consciência que só Deus em Cristo pode perdoar os pecados da humanidade, (Êxodo 32:32; Atos 7: 60; Daniel 9: 19; Salmos 130: 4; I Coríntios 15: 3 e I João 1: 8).


CONCLUSÃO

Foi contra todo esse abuso religioso, que Martinho Lutero se levantou, com outros reformadores, como João Calvino, em 31 de março de 1517, iniciando-se, ali, a Reforma chamada de Protestantismo para os cativos da escravidão religiosa do clero. O protestantismo forçou o próprio catolicismo se libertar do catolicismo arcaico, opressor, clerical, preso nos templos e com práticas violentas, para um catolicismo mais moderno, mais humano, mais justo, mais do povo e para o povo. Mudou a homilia; as missas em latim para a língua de cada país; da proibição da leitura da Bíblia para a leitura da mesma; o uso dos cânticos de louvor e adoração nas missas; do catolicismo apostólico romano para também o catolicismo apostólico brasileiro; do catolicismo tradicionalista para o catolicismo pentecostal e mudou a metodologia das missas. Mas a essência que precisa mudar, essa não mudou. Continua achando que o papa não tem pecado, que ele pode perdoar pecados, que Maria pode salvar e por isso que a adoram.

(1) Tathyana Zimmermann Fernandes

Extraído de: http://prof-tathy.blogspot.com.br/2009/06/indulgencia.html

Acessado em: 31/10/2017.

(2) Felipe Aquino

Extraído de: https://formacao.cancaonova.com/igreja/doutrina/indulgencias-significado-e-uso/

Acessado em: 31/10/2017.

julho 10, 2017

QUE MÚSICA CANTAREMOS?


QUE MÚSICA CANTAREMOS?
Êx. 15:20-21 e At. 16:22-25

Pastor Flávio da Cunha Guimarães


Há os que não cantam quando estão bem, nem quando estão maus. Há os que não cantam quando estão mal, mas cantam quando estão bem. E há os que cantam quando estão bem ou maus. E nós cantamos quando estamos o que?

Imagem do Google.

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+de+louvor&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwij8Mbc7__UAhUCxpAKHd1WDZQQ_AUICigB&biw=1366&bih=662#newwindow=1&safe=active&tbm=isch&q=Imagem+de+louvor&chips=q:imagem%20de%20louvor,g_2:congregacional&imgrc=_

Acessada em 10/07/2017

Cantar quando tudo está bem, é fácil e é tranquilo; difícil, é cantarmos quando estamos debaixo da disciplina de Deus, debaixo dos problemas, debaixo dos sofrimentos, debaixo da dor, debaixo das investidas de Satanás contra nós, para nos destruir como tentou destruir Jó. Assim como Jó (Capítulos 1 e 2) não foi aliviado por Satanás, nem por isso ele foi destruído, sua fé também não; ele não desistiu de crer e nem de Deus; nós também não seremos aliviados por Satanás, não seremos destruídos, nem desistiremos de crer nas providências de Deus, de sua bondade, de seu amor e de sua misericórdia, se formos fieis, a Ele, como Jó o foi.

Diante do quadro exposto acima há aqueles que preferem reclamar, resmungarem, blasfemarem, culparem a Deus ou a alguém de seus sofrimentos e vivem mal humorados, de mal com a vida, do que louvarem, cantarem, crerem, serem fieis a Deus como Jó e Paulo e Silas. Que culpa tem Deus de nossos pecados? De nossos erros? De nossas decisões impensadas, precipitadas e imprudentes?

Há aqueles que não cantam quando estão debaixo da disciplina de Deus. Debaixo das consequências de seus erros, decisões imprudentes, precipitadas e pecados. É o caso do povo de Israel na escravidão da Babilônia. O Sal. 137:1-4 nos diz que quando os israelitas estavam cativos na Babilônia, estavam tristes, abatidos, depressivos, desmotivados, saudosos de sua terra, a Jerusalém, que agora só restava lembranças dela. Por que estavam cativos lá? Por que distanciaram do Senhor Deus, em seus pecados abomináveis. No sofrimento, não tinham ânimo para cantar. Por que não fizeram por onde não chegarem e estarem lá na escravidão da Babilônia? Diz o Salmo 137 que o povo estava chorando, pendurara as harpas nos salgueiros, negaram a cantar as suas canções de Sião e alegrarem os corações dos babilônicos. A maioria de nós é assim! Os problemas roubam a nossa alegria e o nosso louvor ao Senhor.

Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+de+pessoa+com+problemas&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwipkLi08f_UAhUDNJAKHY_mArUQ_AUIBigB&biw=1366&bih=613#imgrc=Ge0nlJ5Qj9Uu_M:

Acessada em: 10/07/2017

Cabe então uma pergunta: Que glória há em cantarmos em meio a alegria e bênçãos? Quando tudo está bem? Após a chegada das bênçãos? Isso todos fazem! O que a maioria não faz, é cantar quando está tudo muito difícil. Quando paira um nuvem negra sobre as cabeças.

Miriã cantou junto com as mulheres israelitas após a travessia do Mar Vermelho, Êx. 15:20-21. Por que não cantaram antes, quando estavam entre o Mar Vermelho e o exército de Faraó? Ali, por certo, estavam em aperto, ansiosos, nervosos, tensos e angustiados. É importante cantarmos após as vitórias? Sim! Mas cantarmos nas derrotas, quando tudo vai mal, é aí que está a grandeza da fé! A grandeza da esperança! A grandeza da alma do ser humano! A grandeza da vida com o Senhor, o que é diferente da maioria!

Ana contou após o nascimento de seu filho, Samuel. É o que nos diz I Sam. 1:67-80. Todavia, antes de engravidar, Ana chorava, não comia, o seu coração estava mal, com amargura de alma, atribulada de espírito, desgostosa, tristeza na alma, I Sam. 1:7-10,15-18. De igual modo, Zacarias cantou após o nascimento de seu filho, João Batista, Luc. 1:67-80. Por que não cantaram antes da gravidez e do nascimento de seus filhos?

A grande virtude, o bacana, a glória, se é que há glória para os homens; está em cantarmos, não quando tudo vai bem, mas quando estamos debaixo da disciplina de Deus, debaixo dos problemas, debaixo dos sofrimentos, debaixo da dor, debaixo das investidas de Satanás contra nós para nos destruir, debaixo das provações, provocações e privações. É aí que demonstramos quem somos, cantarmos quando vai tudo muito mal. Quando os nossos sonhos são destruídos e vão de água abaixo. Aí é difícil. Mas é aí que somos convidados a cantar para demonstrarmos a grandeza de nosso espírito e de nossa fé. É aí que precisamos reunir forças de onde não há mais forças, para cantarmos ao Senhor nas horas mais adversas possíveis.

O legal é cantarmos em meio ao sofrimento, com esperança de dias melhores! Com certeza que o Senhor está no controle de tudo! Que Ele está permitindo o sofrimento porque Ele quer o melhor para nós! Que Ele nos ama, o que nem sempre entendemos assim! Que o sofrimento passará! Sabendo que a vitória está de nosso lado! Na certeza que a vitória virá como o sol que nasce todos os dias! Mesmo em sofrimento, cantaremos com alegria na alma? Estamos nós cantando enquanto a dor e os sofrimentos não passam?

Seria masoquismo cantarmos nas horas em que estamos debaixo da disciplina de Deus, debaixo dos problemas, debaixo dos sofrimentos, debaixo de dor, debaixo das investidas de Satanás contra nós para nos destruirmos? Debaixo das provações? Como cantarmos nessas horas de dor e sofrimento? Não é masoquismo! Isso é certeza e convicção que o Senhor Jesus está no comando de nossas vidas. Se é masoquismo, então o Apóstolo Paulo e Silas eram masoquistas. Nos diz At. 16:22-25 que eles tiveram as roupas rasgadas. Isso para um judeu era uma tremenda humilhação. Foram surrados de vara em grande quantidade. Foram presos sem dever. Lançados na prisão. Lançados significa que foram jogados com violência na prisão. Com os pés presos em tronco demonstra que eram presos perigosos. Mas que perigo ofereciam anunciando a mensagem de salvação? Mesmo assim oravam e cantavam ao Senhor na prisão. Em lugar deles faríamos o que? Para mim, não era masoquismo, e sim, certeza que ali estavam, ainda que em sofrimento, ali estavam para a glória de Cristo, o que de fato glorificaram. Ali estavam em plena comunhão com o Senhor Jesus. Ali estavam desfrutando de uma íntima relação com o Senhor e salvador, a ponto de amenizar a dor que sentiam. A dor era de menos diante dos propósitos de Jesus Cristo para eles e para os ouvintes ao alcance da voz deles.

Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+de+pessoa+com+problemas&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwipkLi08f_UAhUDNJAKHY_mArUQ_AUIBigB&biw=1366&bih=613#newwindow=1&safe=active&tbm=isch&q=Imagem+de+pessoa+feliz&imgrc=_

Acessada em: 10/07/2017

Precisamos entender os propósitos, do Senhor Jesus, para as nossas vidas, para que cantemos ao Senhor Jesus independente de qualquer situação. Se sofremos é para a glória do Senhor Jesus. Se não sofremos é para a glória do Senhor. Se cantamos no sofrimento é para a glória de Jesus Cristo. Mas se não cantamos não há nenhuma glória. Glorifiquemos, pois, ao Senhor Jesus em nossas vidas e com o nosso louvor, ainda que estejamos em sofrimento, amém!

julho 04, 2017

OS NOMES DE DEUS


OS NOMES DE DEUS
Pastor Flávio da Cunha Guimarães

Um post para aqueles que querem subsídios apologéticos para o enfrentamento quanto as seitas que reivindicam a exclusividade quanto a um só nome de Deus, que é Jeová, e é este o único nome verdadeiro.

INTRODUÇÃO:

O objetivo deste post, em primeiro lugar: É desmistificar a questão do nome de Deus e responder as perguntas a seguir. Afinal, Deus tem um só nome? Tem mais do que um nome? Qual é ou quais são os nomes verdadeiros de Deus? Só pode ser chamado ou tratado por um único nome? Se tem um só nome, qual é? Acarreta em erro, em pecado ou em heresia chamar Deus de Deus? As seitas estão certas ao afirmarem que Deus só tem um nome verdadeiro? O que a Bíblia diz sobre o nome de Deus? As religiões que não invocam Deus como Jeová, estão incorrendo em erro grave, em heresia e professando a fé falsa? Quem não invoca pelo o nome de Jeová, mas sim Deus, está invocando um Deus falso?

O objetivo em segundo lugar: É fazer apologia dos verdadeiros nomes de Deus, revelados nas Escrituras, em face as seitas que insistem em afirmar que Deus só pode ser chamado de Jeová, porque creem que esse é o único nome verdadeiro de Deus. Grupos esses, que têm travado um debate acirrado, tanto na internet como pessoalmente, alegando que o nome de Deus a ser pronunciado tem que ser o tetragrama, YHWH – Jeová, que os demais nomes e títulos de DEUS, derivaram-se deste nome e são falsos, o que é questionável, senão veremos:

1 - OS NOMES DE DEUS SÃO:

1.1 – O nome de Deus na língua hebraica mais antigo é: אֵל El, que significa o Deus forte e Poderoso. O Deus verdadeiro de Israel. Percebe-se que Israel tem “EL” no final, que traz o significa do nome: O que luta com Deus. É o nome de Deus mais antigo que se tem conhecimento. É também o nome pessoal de Deus. Diz Harris, (2008), p. 69 (1), que “hã`el haggãdôl” “o grande El”, o Deus superior a todos os deuses, “(Jr. 32.18; Sl. 77.13 e 95.3); [...] ‘El que faz maravilhas (Sl. 77.14); `el `elim, ‘Deus dos deuses’ (Dn. 11.36); `el `elohê lekol-bãsar, ‘El, o Deus dos espíritos de toda carne’ (Nm 16.22; 27.16)”. El acompanhado de uma outra palavra falará dos atributos de Deus, como Salvador de Israel; Fiel; Santo; Verdadeiro; Todo-Poderoso; Eterno; Onisciente; Onipotente; de Glória; Justo e Zeloso, (HARRIS, 2008, P. 69-70) (2). EL Também é um dos nomes mais usado nas Escrituras Sagradas. El, nas Sagradas Escrituras, tem a intenção de distinguir o verdadeiro Deus dos falsos que tem o mesmo nome que consta em outras culturas. EL é o nome tão completa e tão característico para Jeová como o é ELOHIM e YHWH. Deus se revelou na criação de todas as coisas como אֱלֺהים Elohim, o Deus Criador, (Isaías 45:12; (Apocalipse 4:11). Se revelou como o Deus יֵשׁוּﬠַ Yeshua, o Deus Salvador, na pessoas de seu Filho, Jesus (Mateus 1:21; I Timóteo 1:15). Jesus é divino, santo, poderoso, da mesma essência e com os mesmos atributos como o é Jeová. E se revelou como o Deus רוּהַ rûah, o Deus Espírito, o Consolador, (João 14:16,26; 15:26 e João 16:7), a Trindade de Jeová o que não querem reconhecer, o que discutiremos abaixo.

1.2 – O primeiro nome de DEUS que aparece na Bíblia, em (Gênesis 1:1), é אֱלֺהים `elohim, o nome de Deus no plural, que manifesta a Trindade e a totalidade da Divindade. Este nome de DEUS é citado na Bíblia 2.570 vezes. Foi através deste nome que o povo de Deus, Israel, O conheceu. O nome quer dizer que Deus é o criador de todas as coisas e manifesta a Trindade divina. É assim que as Escrituras se referem a Deus, (HARRIS, 2008, P. 68-73 (3). Nos três primeiros capítulos de Gênesis aparecem os três nomes principais e mais importantes de Deus. Em Gênesis 1:1 aparece Elohim. Em Gênesis 3:8. Diz Fonseca, Bíblia Apologética de Estudos, (2005), p. 2 (4), que os “Testemunhas de Jeová [...] Negam a doutrina bíblica da Trindade, procurando enfraquecer o conceito de pluralidade presente na forma Elohim – plural de Eloah (Deus, na língua hebraica). [...] RESPOSTA APOLOGÉTICA: Deus é apresentado pela primeira vez na Bíblia com o nome hebraico Elohim. Em Gênesis 1.1, o verbo está no singular (criou) e o sujeito no plural (Deus). Elohim é a forma de Eloah, mas o significado é o mesmo: Deus. Quando analisamos o contexto bíblico (1.26; 2.22; 11.7), podemos compreender a unidade composta de Deus na Trindade, ou seja, um único Deus eternamente subsistente em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. Embora o nome Elohim, por si só, não prova a unidade composta, o contexto, porém, apoia a unidade de Deus: ‘façamos... nossa’ (1.26,27); ‘eis que o homem é como um de nós’ (3.22); ‘desçamos e confundamos’ (11.7. v. tb. 1.26,27)”.

Em Êxodo 3:14 encontra-se a resposta de Deus a pergunta de Moisés: “Qual é o seu nome?” E Deus responde: “EU SOU O QUE SOU”. Ele não respondeu ser Jeová, o que os Testemunhas de Jeová querem que Ele seja chamado. Fonseca, Bíblia Apologética de Estudos, (2005), p. 65 (5), diz que: A “Tradução do Novo Mundo traz: ‘Mostrarei Ser’. E, em João 8:58: ‘eu tenho sido’. Seu objetivo, com isso, evidentemente, é inferiorizar Jesus, negando ao Filho de Deus a divindade que lhe é devida. Dessa forma, tal tradução evita a associação natural entre o EU SOU, da referência em estudo, e o EU SOU, do evangelho de João. RESPOSTA APOLOGÉTICA: O texto da Tradução do Novo Mundo não corresponde ao original bíblico, mas atende unicamente ao propósito da Sociedade Torre de Vigia: negar a divindade de Jesus Cristo. Nas palavras de Jesus, em João 8:58, o Senhor repete, a respeito de si mesmo, o nome de Deus revelado a Moisés, conforme a referência em estudo. Os judeus que ouviram Jesus pronunciar essas palavras entenderam a identificação e, por isso, pegaram em pedras para atirar nele. Queriam condená-lo por blasfêmia por ter pronunciado o nome de Deus (coisa que eles, em hipótese alguma, faziam). Mas Jesus preferiu o santo nome de Deus em referência a si mesmo: ‘Antes que Abraão existisse, EU SOU’. Como se não bastasse, a edição anotada da Tradução do Novo Mundo (com referências de 1986, p.84) afirma que a locução grega Ego eimi ho on significa: ‘Eu sou o Ser’ ou ‘Eu sou o Existente’. Mas em João 1.18 a mesma expressão (ho on) é empregada para definir a relação que há entre o Deus Pai e o Deus unigênito, Jesus Cristo. Tal tradução, elaborada pela Sociedade Torre de Vigia, deve ser rejeitada, porque adultera o texto bíblico com o único objetivo de dissociar Jesus da unidade divina e classificá-lo como mero representante de Jeová Deus”, EL.

Em Êx. 3:15 Deus diz a Moisés: “Este é meu nome eternamente”. Esta afirmativa de Deus a Moisés levou os Testemunhas de Jeová a usarem, afirma Fonseca, Bíblia Apologética de Estudos, (2005), p. 65-66 o seguinte: “este versículo para argumentar(em) que são as únicas pessoas que adoram o verdadeiro Deus, uma vez que somente elas chamam Deus de Jeová. Para essa seita, quem chama Deus de Deus ou Senhor pode estar chamando ou orando a um deus falso. Se alguém deseja falar com o Deus verdadeiro, segundo afirmam, deve chamá-lo pelo nome de Jeová. RESPOSTA APOLOGÉTICA: Esse entendimento só surgiu em 1931, quando os adeptos dessa seita adotaram o nome organizacional de Testemunhas de Jeová, indicando, como base bíblica para isso, Isaías 43.10. Antes, afirmavam: ‘O nome Deus quer dizer o Altíssimo, o Criador de todas as coisas. O nome Jeová significa os propósitos do Eterno para com suas criaturas. O nome deus Todo-Poderoso quer dizer que o seu poder é ilimitado. O nome altíssimo dá a entender que Ele é o Supremo e que além dele não existe nenhum outro. E o nome Pai quer dizer que Ele é o doador da vida’. O senhor Jesus nunca iniciou suas orações dizendo: ‘Deus Jeová’ ou ‘Jeová Deus’, mas: ‘Pai’ (Mt 11.25; 26.39-42; Lc 10.21; 22.42; 23.34-46; Jo 11.41; 12.27,28; 17.1-26)” (6).

Em Gênesis 1.2 onde lemos [...] “E o Espírito de Deus [...]”, diante deste texto os Testemunhas de Jeová usam em sua versão bíblica, afirma Fonseca, Bíblia Apologética de Estudos, (2005), p. 2, que “A Tradução do Novo Mundo (versão da Bíblia das Testemunhas de Jeová), para negar a personalidade do Espírito Santo, traz ‘força ativa de Deus’, em lugar de ‘Espírito Santo’. Em todas as passagens da TNM (Tradução Novo Mundo, entre parênteses, grifo meu), o nome Espírito Santo de Deus é grafado com iniciais maiúsculas (Cf. Mt. 4:1-3). RESPOSTA APOLOGÉRTICA: a palavra hebraica para espírito (ruach) aparece 377 vezes no Antigo Testamento. Em 100 ocorrências é traduzida como Espírito de Deus e, nas demais, espírito do homem, vento, respiração e sopro. Assim, pelo fato de a palavra ruach ter vários significados, a Sociedade Torre de Vigia (organização que publica a Tradução do Novo Mundo) se apropria da palavra, atribuindo-lhe o significado mais conveniente à sua convicção doutrinária. A Bíblia, contudo, traz evidente e diversas referências aos atributos do Espírito Santo (Jo 15;26; At 5.3,4; 13.2; 16.6,7; Rm 8.26,27; 1Co 6.19)”, (7).

A afirmação de Fonseca, Bíblia Apologética de Estudos, encontra apoio em Marcelo Berti, em seu Blog “Como assim [outras] coisas?” Seria bom que o leitor consultar tal post. Em que escreve sobre as Traduções do Novo Mundo, das Testemunha de Jeová, em que eles alteram a tradução para dar suporte ao que querem afirmar doutrinariamente sobre Deus, Jesus Cristo, Espírito Santo. O que um ex-testemunha de Jeová, Fernando Galli faz o seguinte comentário dizendo: “Muito bom, Pr. Marcelo! É simples: O corpo governante das TJs adapta sua TNM (Tradução Novo Mundo, grifo nosso) às suas crenças. Quando fui TJ, conheci “peritos” em grego das TJs, em Cesário Lange. Eram dois: Eric Katner e Fred Willians. Ambos me disseram: Acrescentamos “outras” por ser uma tradução interpretativa, uma paráfrase, que não se choca com a verdade da criação do próprio Jesus” (mais ou menos isso)” (8).

Em Gênesis 1:26-27, lemos: “Façamos o homem à nossa imagem”. Diante desta afirmação, os testemunhas de Jeová, segundo Fonseca, Bíblia Apologética de Estudos, (2005), p. 3: “Declaram que o verbo ‘façamos’ (1ª pessoa do plural, ‘nós’) e o respectivo pronome possessivo ‘nossa’ (também 1ª pessoa do plural) deveriam ser interpretados como sendo o Criador falando ao mestre-de-obras, Jesus. Declaram, ainda, que a pluralidade se refere à majestade. O propósito desta interpretação é negar a doutrina bíblica da Trindade. RESPOSTA APOLOGÉTICA: A doutrina cristã da Trindade é biblicamente explicada pelos seguintes fundamentos: a.) Há um só Deus (Dt. 6.4; Is. 43.10; 45.5,6) b.) Esse único Deus é uma pluralidade de pessoas (1.26; 3.22. Comparar Is. 61-8 com Jo 12.37-41 e At 28.25); c.) Há três pessoas chamadas de Deus e eternas por natureza: o Pai (2Pe1.17), o Filho (Jo 1.1; 20.28; 1Jo 5.20) e o Espírito Santo (At 5.3,4). As Escrituras atribuem a Jesus a criação de todas as coisas: ‘Sem ele nada do que foi feito se fez’ (Jo 1.3)”, bem como Jo. 1:10 e Col. 1:17 que dizem: “Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu”. “E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele” (9).

1.3 – O tetragrama YHWH - Jeová, sem dúvida é uma palavra hebraica importante quanto ao nome pessoal de Deus, uma das primeiras também, citada biblicamente em um total de 5.321 vezes nas Escrituras; mas isso não garante os grupos afirmarem que é o único nome de Deus na Bíblia e que Deus só pode ser chamado de YAVÉ. Harris, 2008, p. 345-347, depois de discutir vários aspectos da palavra YHWH como derivação, grafia, sufixos, sonorização, significados, nomes de pessoas na Bíblia que correspondem ao nome Iavé, o respeito e reverência que os judeus devotavam em pronunciar o nome de YHWH, bem como o acréscimo das vogais posteriores ao tetragrama YHWH, ele concluiu a dissertação, dizendo que: “O nome de Deus identifica sua natureza, de modo que um pedido para conhecer seu ‘nome’ equivale a uma pergunta sobre seu caráter (Êx 3.13; Os 12.5(6). [...] O nome exato, Iavé, (YHWH) surge quando outros falam dele na terceira pessoa, yahweh, ‘ele é’. O nome “Iavé”, nada mais é do que indicar a natureza de Deus que faz parte do pacto ou do testamento do Senhor para com o seu povo, Êx. 6:2-4; Deut. 7:9 e Is. 26:4, como El e Elohim. Harris, (2008), p. 348 afirma que: “Em Êx 6.3 o Senhor explica a Moisés que não se dera a ‘conhecer’ aos patriarcas pelo seu nome Iavé, querendo dar a ‘conhecer’ (ver yãda´) o sentido mais amplo e profundo da palavra: o nome estava em uso (Gn 12.8; 15.2,7,8) mas não era entendido com o significado redentor que adquirira no tempo de Moisés” (10). Portanto, o nome de Deus através do tetragrama YHWH, revela nada mais do que a proximidade do Senhor, seu cuidado para com os homens e a revelação de sua aliança redentora para com os pecadores. Não existe nome mais importante ou poderoso de Deus para ser usado com exclusividade. Diz Harris, (2008), p. 348 que: “Em Gênesis 1.1 – 2.3, o termo geral `elohîm (q.u), ‘Deus’, ‘divindade’, é apropriado para o Deus transcendente da criação” (11). Logo, entendemos que, no decorrer do Antigo Testamento, os nomes de Deus como Iavé, Elohim e El, são usados de maneira revezados e alternados, por exemplo: Os Salmos de 1 a 41 usa-se Iavé; já os Salmos de 42 a 72 usa-se Elohim, como El em outras partes como vimos acima. Portanto, a revelação dada por El, a Moisés, usava os nomes para Deus “El”, “Elohim” e “Jeová”. E El fora usado desde tempos mais antigos, como o Salmo 19 diz que os Céus proclamam a glória de Deus.

Concluímos estes três pontos, dizendo que, se os demais nomes de Deus derivam do tetragrama YHWH, como querem afirmar e que os nomes derivados são falsos, logo YHWH é falso também, pois que, como pode ser falso o que procede de fonte verdadeira? Não cremos que os demais nomes de Deus derivam do tetragrama, mas são nomes independentes. E ainda que os demais nomes de Deus se derivassem do tetragrama YHWH, sendo este verdadeiro, lógico que os demais são verdadeiros. Portanto, refutemos tal afirmação que os nomes de Deus e títulos derivam do nome Jeová.

2 – O nome de Deus que Abrão, Isaque e Jacó usaram é אֵל שָדַדיEL-SHADDAY, que significa Deus Todo-Poderoso. O nome verdadeiro de Deus em que Ele revela a si Mesmo aparece em Êx. 3:15 que é `ehyeh, que é: EU SOU AQUELE QUE É. A revelação do nome de Deus, não é apenas uma verdade teológica, mas é um apelo a resposta de fé da parte de Moisés, do povo de Israel e, consequentemente nossa também. Jeová não está tão interessado que O chamemos pelo nome verdadeiro, mas que creiamos em seu Filho, Cristo Jesus que Ele nos enviou como o Único salvador dos homens, que o obedecemos de coração e tenhamos comunhão com Ele através do Único mediador entre Jeová e os homens. O tetragrama, YHWH, significa Senhor. Sem dúvida, um dos nomes ou títulos dado a Deus e é respeitado, tanto que os israelitas resistiram pronunciar esse nome posteriormente, com medo de tomarem o nome de Deus em vão, Êx. 20:7. Mas isso não garante por si só a exclusividade de chamarmos Deus só pelo nome de Jeová. Diz Cole, (1981), p. 68 (12), que podemos pronunciar o nome de Deus como quisermos, Senhor, Jeová, Javé, Yavé, El, Elohim ou Deus. Não estamos errados e não há nenhuma heresia em tal prática. Moisés a partir do momento que Javé lhe apareceu no Monte Horebe, passou usar o novo nome de Deus que a ele foi revelado, Êx. 4:24, que em hebraico é: `ehyeh `aser `ehyeh, - EU SOU O QUE SOU, que tem ligação com YHWH, “Eu Sou Aquele que é”, “Eu Sou Incomparável”. O nome de Deus revelado a Moisés, no Monte Horebe, que não tem uma tradução exata, que significa ‘“Serei entendido apenas através de Meus atos de salvação e minha revelação subsequentes’? Este sentido parece se ajustar ao padrão bíblico, pois em toda a história israelita subsequente Deus viria a ser conhecido como Aquele que tirou a Israel do Egito (20:21)”, (COLE, 1981, P. 67) (13). Logo, sé é o novo nome de Iavé, lógico que havia um nome para o Senhor anterior. E qual era? Era El e Elohim. Em Êx. 5:3, Moisés se refere ao nome de Jeová como sendo El-Shadday, o Todo-Pederoso, o Todo-Suficiente, o nome antigo que era usado na Mesopotâmia, enquanto YHWH não o era conhecido pelos patriarcas, nem usado por eles. O nome YHWH foi usado a partir de Moisés. Portanto, esse nome poderia até existir, mas não era comum para o povo escolhido de Deus. Como foi Moisés quem recebeu a revelação de Jeová para escrever, foi ele quem escreveu os livros de Gênesis a Deuteronômio, logo, ele usou o nome para Deus que ele quis, YHWH. Como o “Y”, no hebraico, tem som e funciona como “J”, logo, YHWH pode ser lido ou pronunciado como Javé também.

3 – Tudo o que temos de revelação e os nomes de El, Elohim e Javé, foram revelados ao povo do Senhor, os israelitas e seus ascendentes. O povo israelita, porém, não tivera receio e dificuldades de chamar Deus de Jeová raphah, Jeová jireh, Jeová nissi, Jeová shamá, Senhor dos Exércitos, Todo-Poderoso, Jeová, Elohim, El e El-Shadday. Agora vem as seitas dizendo que só podemos chamar Deus de Jeová, milênios depois afirmando que os nomes de Deus e títulos derivaram da palavra Jeová. Entendemos que chamarmos alguém pelo o seu nome é uma forma de respeito, sim; mas entendemos também que é preciso levar a pessoa que possui o nome muito mais a sério do que o seu nome. De igual modo, chamarmos Deus pelo seu nome, que pode ser Jeová, El ou Elohim é uma forma de respeito também; todavia, entendemos que precisamos levar a pessoa de Deus e sua vontade muito, mais muito mais à sério do que o seu nome. Se isso não for mais importante, o que será então? Revelação por revelação, se o Senhor revelou a Moisés o seu nome YHWH, o mesmo YHWH revelou o seu nome EL no início a Adão, a Sete, a Enos, a Enoque, a Lameque, a Noé e a Abrão até chagar a Moisés. Portanto, passando de geração a geração o seu nome EL. Apegar-se a detalhes minuciosos, da lei de Deus escrita, é coisa de fariseus, que eram tão minuciosos que esqueceram do espírito e a essência da mesma, à ponto de criarem mais de 600 mandamentos para cumprirem a Lei do Senhor. Os discípulos foram advertidos por Jesus contra os fariseus e seu fermento, "E Jesus disse-lhes: Adverti, e acautelai-vos do fermento dos fariseus e saduceus", (Mateus 16:6). E em (Mateus 16:12), Jesus diz: "Então compreenderam que não dissera que se guardassem do fermento do pão, mas da doutrina dos fariseus". Para uma melhor visão de como Jesus via os fariseus, leia Mateus 23. Os fariseus estavam muito, mais muito longe do que Jeová queria deles. A Igreja Católica quando se preocupou mais com os detalhes do que viver o espírito e a essência dos ensinamentos bíblicos, discutindo quantos anjos pousariam na cabeça de um alfinete, ela continuou descambando para as grandes heresias, para a prática de uma violência brutal, a cassa dos que ela considerava hereges e bruxos, produzindo uma teologia barata, uma vida cristã vazia e se tornando uma ameaça perigosa para a sociedade da Idade Média. Não será o caso das seitas hoje que se prendem a detalhes e esquecem a essência do Evangelho de Cristo? Qual é mais importante: O nome de Deus ou o Deus do nome, não importando qual nome? Qual é mais importante: Ensinar sobre o nome de Deus, ou sobre a salvação que Jesus Cristo nos trouxe? Você escolhe qual é mais importante! Algumas seitas, escolheram o nome como mais importante, em detrimento a Pessoa de Deus. Contra os fariseus do Antigo Testamento, que Iavé diz em (Os. 6:6) “Porque eu quero a misericórdia, e não o sacrifício; e o conhecimento de Deus, mais do que os holocaustos”. Conhecimento aqui tem a conotação de relacionamento íntimo, não conhecimento teórico e histérico. Jesus Cristo asseverou em (Mat. 9:13), “Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento”. E em (Mat. 13:7) “Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenaríeis os inocentes”. A seita citada acima, condena todos os que não chamam Deus de Jeová como não salvos e que estão servindo um Deus falso. Não usam de misericórdia para com os seus fiéis que começam discordar dos ensinamentos da seita, trucidando-os ao desprezo e isolamento como forma de punição.

Concluímos, pois que, o que Harris, (2008), p. 348 e Cole, (1981), p. 68, já citados acima, deixam claro, é que os nomes ou títulos como EL, YHWH OU ELOHIM tem a mesma importância e peso quanto ao nome de Deus. Chamar Deus de Deus, de Jeová, de Javé, de El, de El-Shadday e etc, não traz nenhuma implicação para a fé, para a doutrina, para a teologia e para a salvação. As seitas dão essa preferência pelo tetragrama YHWH - Jeová, por uma escolha pessoal e gosto próprio, para forçar uma base para o que elas afirmam e para vindicarem uma suposta diferença superior as religiões. Mas tal escolha ou exclusividade de nome não resiste uma análise crítica do conteúdo bíblico, textual, gramatical e teológica como vimos acima. Os testemunhas de Jeová, causam toda essa confusão, porque não aceitam as verdades bíblicas. Eles distorcem a tradução e a interpretação bíblica, isolando textos do contexto para darem sentidos espúrios as Escrituras, como vimos acima, para negarem quatro verdades bíblicas e teológicas que nem sempre as pessoas percebem. Primeira: Negam que Jesus Cristo é Jeová, o Próprio Deus encarnado; e que não é salvador Único de todos os homens. Segunda: Negam que o Espírito Santo é o Próprio Deus e que é uma pessoa. Eles afirmam que o Espírito Santo é apenas uma força agindo no universo. Terceira: Que não existe Inferno, porque ninguém será condenado no juízo final. Todos serão absolvidos. E Quarta verdade negada por elas: Que não haverá Céu em uma dimensão além. Afirmam que o Céu é aqui mesmo. Que a terra passará por uma purificação pelo fogo e todos viverão aqui eternamente, em plena paz entre os homens e os homens com os animais. São causadores dessa confusão quanto ao nome de Deus e distorções na tradução da Bíblia Novo Mundo, da Sociedade Torre de Vigia. Daí que é difícil aceitar que são realmente Testemunhas de Jeová, visto que o Deus-Jeová não é Deus de confusão, “Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos”, I Coríntios 14:33! Fica ai a nossa contribuição para a sua apreciação.

CITAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS


1 – HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 p. p. 69.

2 – Idem, p. 69-70.

3 – Idem, p. 68-73.

4 – FONSECA, Antônio e Jamierson Oliveira. Bíblia Apologética de Estudos. 2ª Ed. Jundiaí/SP, Editora Instituto Cristão de Pesquisa, 2005, 1657 p. p. 2.

5 – Idem, p. 65.

6 – Idem, p. 65-66.

7 – Idem, p. 2

8 – Marcelo Berti

Disponível em: https://marceloberti.wordpress.com/2011/11/26/como-assim-outras-coisas/

Acessado em: 26/06/2017.

9 – FONSECA, Antônio e Jamierson Oliveira. Bíblia Apologética de Estudos. 2ª Ed. Jundiaí/SP, Editora Instituto Cristão de Pesquisa, 2005, 1657 p. p. 9.

10 – HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 p, p. 345-347.

11 – Idem, p. 348.

12 – COLE, R. Alan. Êxodo – Introdução e Comentário. Trad. de Carlos Oswaldo Pinto. Ed. Editoras Mundo Cristão e Vida Nova, São Paulo, 1972, 231 p. p. 68.

13 – Idem, p. 67.

BIBLIOGRAFIA


1 – COLE, R. Alan. Êxodo – Introdução e Comentário. Trad. de Carlos Oswaldo Pinto. Ed? Editoras Mundo Cristão e Vida Nova, São Paulo, 1972, 231 p.

2 – FONSECA, Antônio e Jamierson Oliveira. Bíblia Apologética de Estudos. 2ª Ed. Jundiaí/SP, Editora Instituto Cristão de Pesquisa, 2005, 1657 p.

3 – HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 p.

4 – Marcelo Berti

Disponível em: https://marceloberti.wordpress.com/2011/11/26/como-assim-outras-coisas/

Acessado em: 26/06/2017.

maio 30, 2017

CONSCIÊNCIA: AMIGA OU INIMIGA NOSSA?


CONSCIÊNCIA: AMIGA OU INIMIGA NOSSA?

A consciência nunca será inimiga nossa! Ela nos avisa que algo está errado e quer que façamos o que é certo


Autor: Pr Flávio da Cunha Guimarães



Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=imagens+para+consci%C3%AAncia&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwik_7upg5nUAhXMFpAKHXmJBd0Q_AUICigB&biw=1366&bih=662#imgrc=hQh7nkK7VAbpKM:

Acessado em:30/05/2017

O que é consciência?

Consciência é a capacidade mental que envolve a habilidade de perceber a relação entre nós e o ambiente externo. É a capacidade de julgar e estabelecer julgamentos morais de nossos atos realizados. É o senso crítico que nos alerta quando estamos praticando, ou para fazer algo que é errado do ponto de vista da moral e ética.

A palavra consciência no grego é (ςυνείδησισ = syneidesis), que envolve conhecimento e saber, “noção firme”, “impressão moral interna das ações”, “faculdade interna de julgamento moral” e “estrutura moral e espiritual interna” (1) MOUTON, 2007, P. 403, que deveria levar as pessoas a escolherem o que é certo, o que nem sempre acontece. Podemos chamar de consciência a consciência moral. A consciência moral é nata do ser humano, pode ser apurada e intensificada ou não com os valores adquiridos dentro da família e da sociedade em que vivemos.

Mas o que é certo?

Quando tratamos do que é certo do ponto de vista da sociedades, o certo é variável. Nem sempre o que é certo para alguns, o é para os outros e de maneira universal. O que é certo para alguns não se constitui o certo para a maioria, as vezes. Tem aqueles que entendem que o certo está intimamente relacionado com o que é religioso ou com as religiões. Mas até para com as religiões o certo é também variável. Há os que entendem que o certo está relacionamento com os ensinamentos bíblicos. No entanto, até neste ponto de vista há a relatividade quanto o que é certo, pois há interpretações de diversas maneiras para com a Bíblia. E há aqueles, ainda, que acham que o certo dependerá da consciência de cada um, o que é muito perigoso e é um tremendo engano. Esta é a tendência atual que tem predominado em nossa sociedade, visto que o pensamento é que somos independentes e livres, para fazermos o que queremos e ninguém tem nada a ver com isso.

É aí que está o “x” da questão. A consciência pode nos enganar, como de fato tem nos enganado. A consciência engana, quando os desejos maus são fortes dentro de nós e dominam nossa personalidade, caráter, consciência, natureza e alimentamos sentimentos e práticas, como o egoísmo, a prostituição, a ambição, a avareza, a vingança, o ódio e o instinto violento em nossos corações. Eles podem nos guiar ou nos conduzirem para decisões e caminhos errados que causam um dano tremendo em nossas vidas e de outrem, porque perdemos a sensibilidade para percebermos o que é certo e o que é errado. Principalmente quando a consciência está cauterizada, como lemos em (I Tim. 4:2) que diz: “Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência”. Mente cauterizada, é uma mente fechada, incrédula, petrificada, pervertida que perdeu a sua função nata em defender o ser humano contra a perversidade e que leva o mesmo a viver desequilibrado. A pessoa de mente cauterizada é portador de uma mente inferior como a dos animais irracionais, pois não discernem o que é certo ou errado. O agravante é que essa mente cauterizado, é cauterizado pela ação maligna que se põe a serviço de Satanás. E como há consciência cauterizada, má e contaminada em nossa sociedade! Essa mente cauterizada leva o homem a ter uma consciência má, o que está escrito em (Heb. 10:22): “Cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé, tendo os corações purificados da má consciência, e o corpo lavado com água limpa”. A “má consciência” tem o sentido, que vem do grego, como uma consciência maligna, diabólica e contaminada pelo mau para prejudicar pessoas inocentes e bondosas, que em última análise acaba sendo prejudicial a si mesmo. E como há consciência má em nossa sociedade! Essa consciência má é dita em (Tito 1:15) “Todas as coisas são puras para os puros, mas nada é puro para os contaminados e infiéis; antes o seu entendimento e consciência estão contaminados”. Consciência contaminada, nada mais é, do que uma consciência completamente manchada, tingida e corrompida que persiste distorcida. A isso podemos chamar de consciência doente, e portanto, uma consciência inimiga do ser humano. E uma mente e consciência doentes elas precisam de tratamento. E como saberemos se a consciência e mente precisam de tratamento? Analisando as perguntas que o Pr João Batista coloca abaixo:

“a. Nos últimos dias eu assisti ou li coisas que deveria ter deixado de lado?

b. Eu estive em lugares onde teria sido melhor não ter ido?

c. Eu tive comunhão com pessoas que deveria ter evitado?

d. Eu enganei alguém?

e. Eu não fiz alguma coisa que já deveria ter feito há muito tempo?

f. Eu andei mentindo de maneira consciente, por medo de perder alguma coisa ou com receio das consequências?

g. Eu não paguei uma dívida que está pendente há muito tempo?

h. Eu falei ou pensei alguma coisa acerca de alguém que teria sido melhor não falar ou pensar?

i. Será que eu preferi fazer outras coisas ao invés de ir ao Culto ou à reunião” de oração?

Se é sim, ainda que seja só uma pergunta ou mais, isso significa que a consciência está doente e precisa ser tratada; e tratada já. Mente, consciência e coração formam um tripé e tem intima relação entre si. O coração é a sede dos sentimentos. Como vimos acima, se os sentimentos estão insensíveis, o coração não disparará a consciência para que ela possa agir. Olhemos o que nos diz (Jer. 17:9): “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?”. Já em (I Jo. 3:21) diz: “Amados, se o nosso coração não nos condena, temos confiança para com Deus”. Vemos o contraste entre o que Jeremias diz e João.

Nem sempre o coração nos condena, mas a Palavra de nosso Deus, sim. Por isso que, (I Jo. 3:20) diz: “Sabendo que, se o nosso coração nos condena, maior é Deus do que o nosso coração, e conhece todas as coisas”. Daí que o nosso padrão, não é o nosso coração, mas a Palavra de Javé. Ela está acima da consciência e dos sentimentos dos corações.

Com que e como será tratada a consciência doentia?

Não há remédio melhor e igual, para tratar a mente, os sentimentos e a consciência do que a Palavra de Yawé. Ela é infalível! O (Sal. 119:11) nos diz: “Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti”. Já o (Sal. 37:31) afirma: “A lei do seu Deus está em seu coração; os seus passos não resvalarão”. E (Deut. 6:6-9) é uma ordem dizendo: “6 E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; 7 E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te. 8 Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos. 9 E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas”. Para que? Para alguns propósito: (1) “Guarda-te, que não te esqueças do SENHOR, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão”, (Deut. 6:12). (2) E guardarás os seus estatutos e os seus mandamentos, que te ordeno hoje para que te vá bem a ti, e a teus filhos depois de ti, e para que prolongues os dias na terra que o SENHOR teu Deus te dá para todo o sempre, (Deut. 4:40).

Há diferença de consciência entre as pessoas? Sim. (1) Os mais idosos tem consciência mais aguçada do que os jovens, guardando as devidas exceções, é o que nos mostra o Apóstolo João em (João 8:9) que diz: “Quando ouviram isto, redarguidos da consciência, saíram um a um, a começar pelos mais velhos até aos últimos; ficou só Jesus e a mulher que estava no meio”. (2) Os que seguem os ensinamentos bíblicos e a Cristo, com as devidas exceções também, tem a consciência mais refinada, mais apurada e mais sensível do que os não seguidores de Jesus Cristo.

Na ausência da Palavra de Deus e seus ensinamentos, ficamos sem orientação e sem segurança do que é certo ou errado. Sem uma referência para nortear os pensamentos e a conduta. O que parece é que falta consciência na maioria das pessoas de nossos dias. Se falta consciência, como se ter consciência da consciência? Em (Rom. 13:5) o Apóstolo Paulo deixa claro que a consciência pode ser formada e educada. Se vivemos em uma sociedade sem consciência do que é certo e errado, é porque falta uma formação e educação nesse sentido. Portanto, é preciso começar a formar essa consciência para ontem.

Mas diante de tanta falta de consciência, ou diante de tanta consciência cauterizada, má, impura e contaminada, há os remanescentes, os de consciência boa, como lemos em (Atos 23:1): “E, PONDO Paulo os olhos no conselho, disse: Homens irmãos, até ao dia de hoje tenho andado diante de Deus com toda a boa consciência”. A boa consciência é aquela consciência que não há dolo e está tranquila diante de acusações injustas e alheias. A consciência boa e pura é bênção para desfrutarmos desta vida.

A consciência nunca será inimiga nossa!

Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=imagens+para+consci%C3%AAncia&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwik_7upg5nUAhXMFpAKHXmJBd0Q_AUICigB&biw=1366&bih=662#imgrc=_

Acessado em:30/05/2017

O sentimento de culpa, de vergonha, de acusação, de condenação a nós mesmos e o peso de consciência, nos ajudarão a vermos que fizemos alguma coisa errada em algum aspecto e quer nos levar a fazermos o que é certo, não para os outros somente, mas para a nossa própria consciência e para com o Senhor Deus. A culpa, a vergonha e o peso de consciência nos leva ao arrependimento e ao concerto de vida. Daí que a consciência se torna nossa amiga e aliada para o nosso bem. Ainda que a nossa consciência nos acuse de práticas erradas, acusando e condenando os nossos atos; e como a nossa consciência nos acusa, nos condena e nos defende em nossos atos! Ela é a nossa aliada para nos avisar do perigo, seja ele porque estamos desobedecendo as leis de nosso país e sujeitos a punições; seja porque estamos quebrando leis morais e éticas de boa conduta e testemunha; ou porque estamos agindo de maneira contrária as leis espirituais, ela acusa para que tomamos a atitude de mudar para o nosso bem estar. Vamos, pois, assumir o propósito de formarmos em nós, em nossos ente queridos e naqueles que estão ao nosso alcance, a boa consciência e induzi-los para a prática do bem (I Cor. 8:10).

Bibliografia


1 - MOULTON, Harold K. Léxico Grego Analítico. Trad. Everton Aleva de Oliveira e Davi Miguel Manço. Ed. Cultura Cristã, 2007, São Paulo, 460 p.

2 - OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2014.

3 - RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Chave Linguística do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p.

4 - SCHOLZ, Vilson e Roberto G. Bratcher. Novo Testamento Interlinear Grego – Português. 1ª Edição. Barueri, SBB, 2008, 979 p.

5 - Autor: Pr João Batista.

Disponível em: http://www.ibnagape.com.br/arquivos/celulas/pdf/2015/005.UMA-BOA-CONSCIENCIA.pdf

Acessado em: 29/04/2017.

maio 13, 2017

MÃE MULTIFUNCIONAL


MÃE MULTIFUNCIONAL

Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+para+m%C3%A3e+multifuncional&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjCqLqP7e3TAhUGIpAKHTZoDFIQ_AUICigB&biw=1366&bih=662#imgrc=zeTJXdlynmRCrM:

Acessada em: 13/05/2017

Foi postado um vídeo e circulou na internet, no decorrer da semana, a partir de 10/05/2017, no whatsapp, que achamos muito interessante que falava da múltiplas funções que as mães exercem. O que falaremos a seguir é para você que é mãe.

Mãe, além de ser mãe, também é cozinheira. Visto que cozinha para os filhos com muito prazer e por amor. Mas quanto ganha em média uma cozinheira? Em média uma cozinheira ganha R$ 1.260,00; entretanto, a mãe não ganha um centavo para cozinhar para os filhos, o faz por consideração e amar.

Mãe, além de ser mãe, é uma professora também. E quanto ganha, em média, uma professora para o ensino infantil? Em média uma professora dos infantis ganha R$ 1.500,00. Já a mãe educa os filhos e não cobra nada, não cobra um centavo se quer.

Mão, além de ser mãe, é também uma auxiliar de enfermagem. Mas quanto ganha, em média, uma auxiliar de enfermagem? Ganha em torno de R$ 1.580,00. Por outro lado, uma mãe de verdade, cuida da saúde dos filhos vinte quatro horas por dia todos os dias; e seu salário é zero centavo.

Mãe, além de ser mãe, também é uma operária. E quanto ganha em média uma operária? Mais ou menos R$ 1.450,00.Já a mãe trabalha duro para construir o caráter dos filhos, visando somente o secesso deles.

Mãe, além de ser mãe, também é uma guarda-costas. No entanto, quanto uma guarda-costas ganha em média por mês? Recebe em média R$ 3.500,00. A mãe fica de plantão, vinte e quatro horas, todos os dias, para que nenhum inimigo como as drogas, a prostituição, o homossexualismo e a criminalidade ataquem os filhos.

Mãe, além de ser mãe, também é uma garçonete. É isso mesmo! Garçonete. Mas quanto ganha em média uma garçonete? Mais ou menos R$ 1.200,00. Tem prezer de servir os filhos, não por obrigação, mas porque os ama.

Mãe, além de ser mãe, também é uma motorista para os filhos aquelas que dirigem. E quanto ganha em média uma motorista? Ganha em torno de R$ 1.600,00. Não só, para levá-los para as atividade do dia-dia, mas também para cunduzí-los ao Reino celestial.

Mãe, além de ser mãe, também é uma psicóloga. E quanto ganha em média uma psicóloga? Aproximadamente R$ 2.800,00 mensal. Quantas confissões! Quantos pedindo de direção e orientação para tomarem u rumo cxerto na vida?

Mãe, além de ser mãe, também é uma cabeleireira. Mas quanto ganha em média uma cabeleireira? R$ 3.500,00. Que não só penteia os cabelos dos filhos, como cata os piolhos ou cuida para que não vire praga.

Mãe, além de ser mãe, também a mãe é uma juíza. No caso de juíza quanto ganha em média por mês? Uma juíza ganha em torno de R$ 20.000,00. Quantas mães tendo que intervir entre os filhos para que não haja injustiça ou para que haja justiça entre eles.

Mãe, além de ser mãe, a mão também é uma agente que expulsa fantasmas. E quanto tem que conversar com os filhos, para conscientizá-los que sua imaginação não passa de pensamento principalmente na hora de dormir?

Se uma mãe fosse cobrar pelos serviços prestados, pala multifuncionalidade de acordo com as funções acima, ela receberia por mês mais ou menos a quantia de R$ 40.000,00.
Mãe amorosa é aquela que...



Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+para+m%C3%A3e+multifuncional&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjCqLqP7e3TAhUGIpAKHTZoDFIQ_AUICigB&biw=1366&bih=662#newwindow=1&safe=active&tbm=isch&q=m%C3%A3e+amorosa&imgrc=AJKMOTj2iGs9NM:

Acessada em: 12/05/2017

Nada cobra, trabalha de graça porque faz a multifuncionalidade por amor. O salário que uma mãe espera de seus filhos, é o amor deles. O respeito. A admiração. A valorização. E o reconhecimento. O que ela quer de pagamento é a busca dos filhos por realizações pessoais. A busca para o sucesso pessoal. No caso de mães crentes, é a busca pela realização e sucesso espiritual também dos filhos. Pode ser que para algumas pessoas, até para os filhos, você mãe, não seja nada, mas para alguns outros entendam que você é tudo na vida deles. São eternamente gratos ao Senhor pela vida de suas mães.

Fica aí a nossa homenagem e a do blog comoagradecer.blogspot.com, a todas às mães queridas, não só em seu dia, mas a todos os dias de suas vidas. Mães, vocês são especiais. Beijo no coração!


Bibliografia

1 - Vídeo do Whatsapp. Autor e fonte desconhecidos

2 - O valor citado para a cozinheira foi consultado o...

Guia da Carreira

Disponível em: https://www.google.com.br/?gws_rd=ssl#newwindow=1&safe=active&q=quanto+ganha+em+m%C3%A9dia+uma+cozinheira?

Acessado em: 13/05/2017.

3 - O valor citado para a professora infantil foi consultado o...

Guia da Carreira

Disponível em: http://www.guiadacarreira.com.br/salarios/quanto-ganha-um-professor/

Acessado em: 13/05/2017.

4 - O valor citado para a auxiliar de enfermagem foi consultado o...

Guia da Carreira

Disponível em: http://www.guiadacarreira.com.br/salarios/qual-o-salario-de-enfermagem/

Acessado em: 13/05/2017.

5 - O valor citado para a operária foi consultado o...

O Love Mondays

Disponível em: https://www.lovemondays.com.br/salarios/cargo/salario-operario

Acessado em: 13/05/2017.

6 - O valor citado para guarda-costas foi consultado o...

O Guia da Semana

Disponível em: http://www.guiadasemana.com.br/compras/noticia/profissao-guarda-costas

Acessado em: 13/05/2017.

7 - O valor citado para garçonete foi consultado o...

SINE:

Disponível em: https://www.sine.com.br/media-salarial-para-garconete

Acessado em: 13/05/2017.

8 - O valor citado para motorista foi retirado de...

Catho

Disponível em: http://www.catho.com.br/profissoes/motorista/

Acessado em: 13/05/2017.

9 - O valor citado para psicóloga foi retirado de...

Catho

Disponível em: http://www.catho.com.br/salario/action/site/imprensa.php?state=verMateriaCompleta&idNoticia=57

Acessado em: 13/05/2017.

10 - O valor citado para juíza foi retirado de...

Guia da Carreira

Disponível em: http://www.guiadacarreira.com.br/salarios/quanto-ganha-um-juiz/

Acessado em: 13/05/2017

11 - O valor citado para cabeleireira foi retirado de...

Autor?

Disponível em: http://www.quantoganha.org/quanto-ganha-um-cabeleireiro/

Acessado em: 13/05/2017.

12 - O valor citado para uma atriz por filme foi retirado de...

Autor?

Disponível em: http://www.quantoganha.org/quanto-ganha-um-ator-de-filmes-nacionais-no-brasil/

Acessado em: 13/05/2017
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

FALE CONOSCO

Nome:


Email:


Assunto:


Mensagem:


PAZ VERDADEIRA SÓ EM JESUS! Jo. 14:27 "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou..."


VISITAS POR NAÇÕES