BEM VINDO


Recados Online

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

COLOCANDO OS PINGOS NOS ÍS

COLOCANDO OS PINGOS NOS ÍS

Pr Flávio da Cunha Guimarães

Colocar os pingos nos ís, traz a ideia de falarmos de maneira franca e clara, revelar os fatos, resolver a situação para sanar qualquer dúvida que por ventura paira sobre determinado assunto, para que a verdade seja exposta de maneira evidente e elucidada. É com esse propósito que conversaremos de maneira muito transparente, usando termos que o leitor entenda para que não paire nenhuma dúvida e você mesmo faça uma análise se tem fundamento, ou não, o que vamos colocar sobre o que pensa setor da sociedade quanto a pastores e os crentes de um modo geral.

COMO A SOCIEDADE VÊ, LIDA E SE RELACIONA COM OS PASTORES?

Uma boa parte da sociedade atual lida e vê os pastores como fundamentalistas, radicais, pilantras, enganadores, avarentos, lalaus que roubam os fiéis, bem como a instituição chamada igreja. Que eles embolsam o dinheiro que entra dos dízimos e ofertas dos irmãos, chamando-os de ladrões. Precisamos afirmar, infelizmente, que tem muitos pastores, de todas as denominações, algumas mais outras menos sem escrúpulos, pilantras, enganadores, avarentos e que roubam as igrejas realmente, não só desaparecendo com todo o dinheiro das mesmas, como alguns fazem questão de colocar os patrimônios das igrejas em seus próprios nomes com segundas intenções. Mas daí afirmar que todos os pastores são mau caráter e generalizar de que todos são tendenciosos, preconceituosos, fundamentalistas e radicais ultrapassam o bom senso e o que é razoável. Como em qualquer seguimento da sociedade e profissionais liberais, existem os bons e os maus profissionais, com um adento, os maus profissionais são sempre um número muito pequeno dentro de qualquer seguimento trabalhista. Mas o trabalhador que se enquadra dentro dos adjetivos acima, sem dúvida, isso é desvio de conduta e mau caráter, que macula a reputação daqueles que prezam pela ética profissional e a moralidade, tão escassas em nossos dias, diante de um conceito que tentam justificar o desvio de conduta de que tudo é relativo e depende de ponto de vista de cada um, pois vivemos em meio aqueles que querem levar vantagem em tudo e quem não leva é porque é bobo(a). Seguindo essa linha de pensamento, vamos colocar a questão da seguinte maneira. Uma grande parte da sociedade tem uma ideia um tanto distorcida do que é ser pastor. Para eles, pastor é aquela pessoa que faz uma lavagem cerebral nos fiéis de maneira tal que os mesmos não são capazes de pensarem por si mesmos e são dirigidos ou manipulados pelos os líderes, o que não acontecem com todos os pastores e fiéis. Os mesmos que rejeitam os religiosos, dão sinais também de que são tendenciosos, preconceituosos, fundamentalistas e radicais com um agravante: Preferem e aceitam com muito mais facilidade um criminoso declarado réu, do que um pastor honesto, sincero e de vida íntegra. Essa mesma sociedade que rejeita os pastores, aceita os políticos corruptos com muito mais facilidade do que um pastor ficha limpa. Quando muito colocam em pé de igualdade. Há muitas pessoas que tem uma aversão ao título pastor como o Diabo tem da cruz de Cristo. Vamos além: O Diabo é visto e aceito com muito mais facilidade na sociedade de hoje do que um pastor. O Diabo é um santo diante de pastores. A visão que alguns tem de pastor é que ele é pior do que os criminosos e do próprio Diabo. Ainda tem uma outra questão: Há muitas famílias que aceitam com muito mais facilidade, um homossexual, um transvesti ou uma lésbica dentro de sua família, do que alguém da família ser um crente ou pastor. Não queremos dizer de forma alguma que o pastor e o crente são melhores ou superiores aos criminosos, homossexuais, transvestis e os demais do gênero. Não! De jeito nenhum! São todos seres humanos que devem ser respeitados como cidadãos. Tratados com amor e respeito iguais a todos e sem descriminalização. Assim como o movimento (LGBT) que significa lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transgêneros, exigem que sejam respeitados, os pastores e crente devem ser respeitados também.

Estamos abordando a questão da aceitação, da descriminalização e preconceitos contra grupos, títulos, pessoas, funções em que exercemos ou crenças. Os crentes, os Pastores são discriminados, mas não móvel processos contra quem os discriminam. Mas os pastores estão sendo processados quando falam baseados na Palavra de Deus contra o comportamento daqueles que não se enquadram dentro da mesma. Percebem? É só procurarmos na internet que encontraremos os vídeos dos pastores sendo já presos. Todavia, essa aversão não é só contra o título pastor, mas também contra a Bíblia, a Palavra de Deus. Tem gente que não suporta a Bíblia porque Ela não alivia os nossos pecados, Ela condena as nossas práticas que o Senhor Deus não aceita. Sonhamos para que daqui algum tempo a nossa sociedade possa viver em pleno respeito, em plena harmonia, em pleno amor e em plena paz uns para com os outros, independentemente de religião, de costumes, de práticas, de cor, função e ideologia. É pensando na necessidade de acabar com o preconceito, seja contra quem for, e termos uma sociedade vivendo em amor que apelamos para os seus sentimentos e uma reflexão quanto o que estamos vivendo como cristãos, mas o que estamos vendo é perseguição aos pastores e os crentes. Acesse o link e veja o Pastor da Igreja Batista sendo Preso. Pastor é detido em São Paulo, após pregar sobre praticas homossexuais

VEJAMOS O OUTRO LADO DA QUESTÃO.

O que essa parte da sociedade que picha pastores não sabe e não se interessa em saber, é a contribuição social que os pastores e os crentes sérios, zelosos por um bom nome dão a mesma sociedade que os rejeitam. Senão vejamos algumas dessas contribuições sociais. Quantas vidas que estavam no fundo do poço, com as vidas regaçadas, aos cacos, destruídas e destruindo outras vidas com os vícios, nas drogas que foram recuperadas e transformadas mediante a pregação do Evangelho através de um pastor ou membro de uma igreja evangélica! Quantas instituições de recuperação de dependentes químicos, dirigidas por pastores e igrejas em que centenas de vidas vão para lá porque as famílias não suportam mais, já não tem outros recursos e sem esperança! Essas instituições e os pastores que as dirigem, devolvem vidas recuperadas, libertas, limpas com novos conceitos de a vida, prontas para viverem no ceio da família e da sociedade!

Quantas famílias a beira da separação, destruído sonhos que causa uma dor muito grande a todos os que fazem parte dela, recuperadas porque a separação não se concretizou mediante a interferência pastoral, em que os que rotulam os pastores de radicais e fundamentalista não querem ver! As igrejas sérias, dirigidas pelos pastores responsáveis, são as instituições que mais valorizam, que defendem os direitos de cidadania e reintegra-os a sociedade que um dia foram marginalizados pela própria sociedade. Todos os grandes princípios mais elevados que norteiam a sociedade civilizada e os direitos humanos tiveram como base e inspiração a cultura judaico-cristã. Que bom se falassem mal dos maus, todavia vissem e falassem bem do que há de bom nos pastores e igrejas.

QUAL É A VISÃO QUE A SOCIEDADE TEM DOS CRENTES?

Para a sociedade, de um modo geral, sem a esperança em Jesus Cristo, os crentes não passam de um bando de ingênuos (1) equivocados e com expectativas irreais, pessoas que acreditam em tudo o que os pastores dizem e sem inteligência. Os robôs, os cabeças feitas através de lavagem cerebral. Os idiotas que enchem o bolso e a barriga dos pastores de dinheiro pagando o dizimo e as ofertas. Os retrógados, atrasados, sem estudos e fanáticos. Se assim não fossem, não seriam crentes. Que têm crentes ingênuos, equivocados, com expectativas irreais, que acreditam em tudo o que lhes dizem, parecendo bobos ou papagaio, sem estudos e fanáticos, isso tem. Que tem aqueles que se dizem crentes, mas dão um péssimo exemplo de vida cristã e que tem desacreditado, e, muito, o ser crente e que contribui para que uma parte da sociedade pense da forma como foi colocada acima, isso é verdade. Por outro lado, porém, há molhares de crente dentro das igrejas que não se enquadram dentro das características em que a sociedade rotula os crente. Quanto doutores, advogados, promotores, juízes, desembargadores, ministros, professores universitários, médicos, empresários e etc que são crentes! Será que são ingênuos, sem inteligência, manipulados e sofreram uma lavagem cerebral? Ser crente para nós não é o que parte da sociedade de um modo geral pensa, nem a forma como muitos dos que se dizem crentes agem, sendo realmente fanáticos, ingênuos e moralistas além do tolerado. Ser crente é ter um estilo de vida diferente dos moldes de nossa sociedade corrompida, corrupta, cheia da maus hábitos, maus costumes e vícios que fazem com que as pessoas mergulhem na imoralidade, nas drogas e na violência desumana sem precedente. Ser crente é professar a fé em um Deus vivo que é capaz de mudar o nosso caráter, personalidade, hábitos, atitudes e maneira de pensar. É desconstruir o que sabemos, a sabedoria humana e a vida escravizada pelos desejos de fazermos o que dá vontade, para que o Senhor Jesus Cristo construa uma nova vida como Ele quer em nós, (João 3:3,5,7 e II Cor. 5:17). Ser crente “tem a ver com a mente e o coração, com uma radical mudança na essência do ser, e não apenas com meras atitudes exteriores. Pode-se tentar dar muitas definições, mas ser crente jamais passará disso: uma nova criatura a viver de conformidade com o Evangelho de Jesus Cristo” (2).

SER CRENTE DO PONTO DE VISTO DO CRENTE

“Muitos acham que crente é aquele que não mata, não rouba, não mente, não tem vícios, frequenta igreja, veste-se modesta e decentemente, e não fala coisas inconvenientes. Outros acham que o crente não precisa ser diferente, isto é, pode viver do mesmo jeito que vivia antes, desde que faça as coisas ‘em nome do Senhor’. Já outros acham que, sendo crentes, adquirem um passaporte para um mundo-cor-de-rosa, tornando-se supercrentes: jamais ficam doentes, não têm crises financeiras, nem quaisquer problemas [...] Mas o termo crente está em desuso. Agora, o chique é ser evangélico. Quando mulheres famosas posam nuas, falam imoralidades e rebolam ‘em nome do Senhor’, se dizendo evangélicas e defendendo que o exterior não importa, pois ‘Deus quer é o coração’; quando bandidos contumazes cometem todo tipo de atrocidade, mas no dia seguinte a serem pegos já se postam com a Bíblia na mão e se dizem evangélicos; quando desvios de comportamento procuram ser atenuados com essa nova palavra mágica, então podemos ver que algo está errado não só no entendimento do que significa ser evangélico, mas no próprio ‘modus vivendi’ das pessoas que trazem afrontas e vitupério ao nome de Cristo. Crente e evangélico, por definição, deveriam ser essencialmente a mesma coisa - aquele que segue fielmente o Evangelho. O problema é o desvio espiritual de quem quer apenas um rótulo chique, cuja religião demonstra cristianismo sem Cristo, discipulado sem cruz, privilégios sem responsabilidades, espiritualidade sem amor, liturgia sem liberdade do Espírito, e piedade sem poder de Deus” (3ª). Acesse o link a seguir para a fonte de onde tiramos o texto entre aspas e o post que há de enriquecer o nosso conteúdo. O que significa ser crente hoje

Para finalizar afirmamos que: Ser crente é passar por uma metamorfose de mente e coração, que só o Senhor Jesus Cristo é capaz de realiza-la, mediante a fé NELE que sua graça maravilhosa é capaz de nos impulsionar a crermos NELE e a partir daí, o desejo de vivermos dentro do padrão ético, moral e espiritual que o Senhor da vida nos coloca em seus ensinamentos de sua Palavra. Isso é ser crente. Você pode dizer que é um crente?

"A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei. Romanos 13:8

Bibliografia

1 - Autor?
Disponível em: http://www.significados.com.br/crente/

Acessado em: 09/08/2016.

2 - Autor: Pr Samuel Câmara
Disponível em: http://adbelem.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=744:o-que-significa-ser-crente-hoje&catid=39:artigos&Itemid=60

Acessado em: 09/08/2016.

3 - BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

4 - JUNIOR, Luder Whitlock. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

5 - Marcelo Ribeiro de Oliveira. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere, marcelo@blasterbit.com

6 - OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

7 - RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Cheve Linguistica do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p.

8 - SHEDD, Russell Philip. Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. São Paulo, 1978, A T 929 p.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

NINGUÉM TEM CERTEZA DA SALVAÇÃO

NINGUÉM TEM CERTEZA DA SALVAÇÃO SERÁ QUE NÃO TEM MESMO?

Pastor Flávio da Cunha Guimarães

Um post que faz uma abordagem reflexiva sobre a incerteza e a certeza da salvação, com base em textos bíblicos que falam de maneira clara sobre a salvação, para esclarecimento quanto aqueles que dizem que não podemos ter certeza da salvação, e que só Deus é quem sabe se seremos salvos ou não.

Já ouvimos muitas pessoas, de religiões diversas dizendo, que ninguém tem certeza da salvação. Dizem que só Deus é quem sabe. Se alguém diz que tem certeza da salvação porque é presunçoso(a), orgulhoso(a) e que só saberemos se somos salvos ou não no juízo final. Você que está lendo este post, talvez compartilha da mesma ideia que ninguém pode ter certeza da salvação. E pensa que é muita pretensão da parte daqueles que afirmam que o salvo pode sim ter certeza da salvação. É verdade que só Deus sabe de todas as coisas, mas os salvos precisam saber também. Precisam ter certeza desta salvação. Só não tem certeza da salvação quem ainda não é salvo. Do ponto de vista filosófico diz que uma verdade só é verdade quando os opostos são verdadeiros. Logo, os que não tem certeza da salvação são opostos aos que tem certeza. Portanto, para aqueles que tem certeza da salvação é uma verdade inquestionável, pessoal e intransferível.

Do nosso ponto de vista o verdadeiro salvo pode e deve ter certeza da salvação para que possa viver em paz com sua consciência e em harmonia com seus pensamentos, sentimentos, em segurança e felicidade. Para isso vamos recorrer aos textos bíblicos que nos dão esta certeza. Iniciaremos a nossa exposição com o texto de (Efésios. 2:8-10) que diz: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; Não vem das obras, para que ninguém se glorie; Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas”. A palavra graça no grego (χάρις – Cháris) significa “graciosidade”, “amabilidade”, “presente oferecido de boa vontade”. Receber favor sem merecimento. Sermos salvos, não porque somos merecedores, somos merecedores da condenação eterna, mas somos salvos porque Deus é gracioso, misericordioso, bondoso e amoroso. Colin Brown, (1982), p. 317 diz que: “Denota o mais forte que vem ao socorro do mais fraco que precisa de socorro por causa das suas circunstâncias ou da sua fraqueza natural. Age mediante uma decisão voluntária, embora seja impulsionado pela dependência ou a proteção da parte mais fraca”. É receber de Deus a salvação sem merece-la porque somos fracos e não podemos fazer nada para nos salvar, a não ser aceitar o presente de Deus dado a nós em Jesus Cristo. Ele nos dá pelo seu amor e misericórdia. Mas para que a salvação chegue até nós é preciso também que a graça de Deus nos impulsione a crermos, a termos fé. A fé é o canal que transporta a salvação gratuita de Deus até nós. É por isso que o Senhor diz que não vem das obras para que o homem não se glorie do que ele é e faz. Ao salvar uma pessoa, Deus recria essa pessoa em Cristo Jesus (II Cor. 5:17), para sermos iguais a Cristo nas boas obras, em seu caráter. Daí que, somos salvos para praticarmos as boas obras, a caridade e não praticarmos as boas obras, a caridade para sermos salvos. É aqui que alguns grupos religiosos erram. A caridade não pode ser praticada visando o nosso bem, mas ao bem do necessitado(a). Ela deve ser exercido pela força do amor, da compaixão e da misericórdia que temos pelas pessoas, pois o ato de Deus em nos salvar Ele não visa o bem estar DELE, mas o nosso e o faz por amor, por compaixão e misericórdia. A Bíblia não ensina fazermos caridade para sermos salvos. Pelo contrário, ela nos ensina que devemos ser salvos para fazermos a caridade. O texto em estudo é muito claro.

Aqui podemos levantar duas questões?

PRIMEIRA: Há muitos dizendo que tem certeza da salvação, todavia não fazem caridade; logo, estão contrariando o ensino bíblico.

SEGUNDA: Há muitos fazendo caridade para serem salvos. Logo, estão sem salvação, portanto não tem certeza da salvação e conforme o ensino da Palavra de Deus, estão sendo enganados. Essa caridade, portanto, é egoísta porque visa o bem próprio e não a necessidade do outro. Não é feita por amor, nem para a glória do Senhor. Ainda que fazendo caridade estão perdidas, indo para o inferno e para o sofrimento eterno porque a caridade não salva a ninguém.

Os verbos no grego, no texto de (Efésios. 2:8-10), tem o sentido de ação constante, sem interrupção. Uma vez salvo, continua sendo salvo. Portanto, não perde a salvação. Uma vez salvo, o salvo demonstra que é salvo fazendo a caridade como Jesus Cristo a fez por amor e misericórdia.

A certeza e a perca da salvação são temas que tem gerado, que tem causado dúvidas em muitos dos que se dizem Cristãos. Temas que são tão claros na Bíblia, a Palavra de Deus. Por isso que precisamos esclarecer os queridos leitores sobre tais assuntos. Esses precisam ser esclarecidos quanto à certeza da salvação. Outros criticam, acusam os que creem na certeza da salvação enquanto aqui vivem de presunçosos, de pretensiosos e orgulhosos porque afirmam que tem certeza da salvação, da vida eterna com Deus, achando que isso é um absurdo, o que não o é, visto que a Bíblia é clara em dizer que podemos ter certeza da salvação sim senhor! Outros afirmam que só serão salvos os que merecem. Se for por merecimento, o será pelas obras. E pelas obras o texto em estudo diz que não vem das obras para que ninguém se glorie. Os que assim pensam demonstram que não conhecem a Bíblia. Ou interpretam mal a Bíblia. Ou pior do que isso, ainda não tiveram uma experiência maravilhosa com Jesus Cristo, pois Ele, e somente Ele é quem pode nos dar a certeza de vida eterna no céu com Ele pela sua misericórdia e não pelo nosso merecimento. O nosso objetivo é esclarecer biblicamente que o salvo pode ter certeza da salvação enquanto aqui vive.

Há uma outra palavra no texto em estudo que não pode passar despercebida, que é a palavra “dom” que acessando o link O MAIOR DE TODOS OS DONS, terá um post que trata do dom que vem de Deus, o dom perfeito. A palavra DOM no grego é (δῶρον – dôron) que significa dar, conceder, presentear. Dom, portanto, é o presente de Deus dado ao homem. Presentes esses que são a fé e a salvação. Para que a ideia fique mais clara, ilustremos da seguinte maneira. Imaginemos que alguém quer lhe dar um presente. O que você tem que fazer para receber este presente? A atitude de aceita-lo, pois se recusá-lo ele não será seu mesmo que a pessoa queira presentear você, o presente não será seu porque não quer receber. Uma vez aceitando esse presente, ele será seu e quem lhe deu não tem o direito de toma-lo de volta. É o que o Senhor Deus faz conosco com relação a salvação. A salvação é um presente de Deus a nós, se aceitamos somos salvos, se recusamos continuamos perdidos. Por isso, queremos apelar para que você receba Jesus Cristo em seu coração e terá certeza da salvação.

A SALVAÇÃO CAUSA MUDANÇAS DE ESTADO

Tomando por base o texto de (João. 1:12). “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome”. O que aprendemos e podemos dizer deste texto?

EM PRIMEIRO LUGAR: A salvação muda o nosso estado, a nossa condição diante de Deus, de criaturas para filhos de Deus. As pessoas de um modo geral, são ensinadas por religiões, dizem que todos os seres humanos são filhos de Deus o que não é verdade. De acordo com o texto logo acima essas pessoas estão equivocadas e erradas em suas convicções religiosas porque lhes ensinaram de maneira errada. O texto é claro em dizer que não somos filhos de Deus, mas tornamo-nos filhos de Deus a partir do momento em que cremos e recebemos o Senhor Jesus Cristo como o nosso salvador. Se não somos filhos de Deus antes da salvação, qual é a nossa condição em relação a Deus? Éramos apenas criaturas de Deus. Porque todos nós fomos criados por Deus em Adão e Eva. Se somos feitos filhos de Deus pelo seu poder no momento em que cremos e O recebemos, logo, antes não éramos filhos do Criador, mas criatura. Jó reconheceu que somos criados por Deus, em (Jó 4:17) quando ele diz: “Seria porventura o homem mais justo do que Deus? Seria porventura o homem mais puro do que o seu Criador?” Salomão em (Ecles. 12:1) manda lembrar-se do criador, que é Deus, dizendo: “LEMBRA-TE também do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos dos quais venhas a dizer: Não tenho neles contentamento”. Em (Isaías. 40:28) de igual modo diz que o Senhor criou todas as coisas: “Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o SENHOR, o Criador dos fins da terra, nem se cansa nem se fatiga? É inescrutável o seu entendimento”. Bem como (Rom. 1:25) vai reafirmar que Deus é o criador de todas as coisas: “Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém”. Portanto, podemos entender claramente que (João 1:12) não é um texto isolado. É um texto que recebe o reforço, a confirmação de outros textos tais como (Rom. 8:14-16) que diz: “Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus. Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus”. Bem como em (Gal. 3:26) quando diz: “Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus” e (Gal. 4:5-7) reafirma: “Para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos. E, porque sois filhos, Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai”. Uma vez transformados de escravos de Satanás em filhos de Deus, como filhos, somos herdeiros legítimos de Deus, como afirma a Palavra do Senhor em (Rom. 8:17) que diz: “E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e coerdeiros de Cristo: se é certo que com Ele padecemos, para que também com Ele sejamos glorificados”. O que (Gal. 4:7) reafirma: “Assim que já não és mais servo, mas filho; e, se és filho, és também herdeiro de Deus por Cristo”. O Senhor Promete a Salvação a todos os que creem. A todos os que reconhecem que são pecadores; a todos os que arrependem de seus pecados; a todos os que confessam os seus pecados e confessam que Jesus Cristo é o seu único salvador. O nosso texto de (João 1:12) é claro quando diz sobre o crer: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome”. Este texto não está isolado, pois temos outros textos que reforçam o mesmo. Por exemplo: (Rom. 5:10) “Porque se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, tendo sido já reconciliados, seremos salvos pela sua vida”. Em (I Pe. 1:9) “Alcançando o fim da vossa fé, a salvação das vossas almas”. Ainda (Heb. 5:9) completa a ideia: “E, sendo ele consumado, veio a ser a causa da eterna salvação para todos os que lhe obedecem”.

EM SEGUNDO LUGAR: Aprendemos e podemos dizer, que de perdidos e condenados por causa de nosso estado pecaminoso, para o estado de salvos da condenação eterna. Em que uma vez salvos, salvos para sempre. O verbo no grego do texto de (Jo. 1:12) afirma que uma vez se tornando filho de Deus, mediante a salvação, a ação de filho e a condição de salvo continua e permanece para sempre. Isso para mim é certeza da salvação. Você que está lendo estas linhas poderia perguntar: Então já que não perco a salvação posso continuar pecando? Eu digo que não! Porque o verbo salvar no grego ele tem três tempos. 1 - O tempo que no momento que cremos e recebemos a salvação em Jesus Cristo, fomos salvos da condenação eterna, é o que diz (João 5:24) “Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida”. 2 – O tempo que continuamos sendo salvos. Que é o processo de santificação, de pureza de vida para Deus, deixando os maus hábitos, os vícios e o banquete que o Diabo oferece através do mundo que alimenta os desejas da carne. É o processo de confirmar essa salvação recebida em Cristo Jesus. 3 – O tempo em que ao morreremos, seremos salvos plenamente, pois o pecado não terá poder sobre quem morre, já que saímos desta dimensão física para a dimensão espiritual plena. Além de uma vez salvos pelo amor de Deus vamos nos esforçar para corresponder esse amor demonstrado na cruz. Pecar é falhar para com Deus e se amamos a Deus não queremos decepcioná-Lo.

EM TERCEIRO LUGAR: Aprendemos e podemos dizer que o grego ensina que os homens não são pela natureza filhos de Deus; somente por meio de receberem a Cristo como salvador se obtém o direito de se tornarem filhos de Deus. E a condição que Jeová coloca é crer e receber a Cristo como nosso Senhor único e salvador.

EM QUARTO LUGAR: Aprendemos e podemos dizer que o grego enfatiza, que ao sermos salvos por Cristo Jesus, isso implica em um compromisso ativo com o Senhor; um compromisso com o que Ele ensina; o compromisso de uma dedicação de vida a Ele sem reservas.

EM QUINTO LUGAR: Aprendemos e podemos dizer que uma vez sendo filhos de Deus, somos herdeiros de Deus. Como herdeiros de Deus o que o Senhor promete como herança para os seus filhos? O Seu Reino, a reconquista do paraíso perdido por Adão e Eva, o Céu de glória e a eternidade com o Senhor.

A – Ele promete também um bom nome, (Pv. 22:1) “VALE mais ter um bom nome do que muitas riquezas; e o ser estimado é melhor do que a riqueza e o ouro”.

B – Ele promete pôr o nosso nome no Livro da Vida, (Ap. 3:5) diz: “O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos”. Em (Ap. 20:12) continua afirmando: “E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras”. O Próprio Senhor Jesus Cristo diz em (Luc. 10:20): “Mas, não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos antes por estarem os vossos nomes escritos nos céus”. Ter o nome no livro da vida é privilégio só para os que creem e recebem a Jesus Cristo como salvador. Isso garante o ser registrado no Céu para a eternidade. Para uma reflexão queremos perguntar a você que está lendo este texto: Você tem certeza de sua salvação? Já tem um bom nome porque o Senhor Jesus Cristo mudou o seu caráter? O seu nome já está escrito no livro da vida? Se ainda não tem essa certeza, quero convidar você a receber Jesus Cristo em seu coração enquanto ainda podes fazer isso. Se o não fizer agora, o Que Responderás no juízo final?

C – O Senhor Promete nos guardar dos Perigos; Promete-nos segurança, como nos diz (Isaías. 43: 2): “Quando passares pelas águas estarei contigo, e quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti”. O (Sal. 91:7, 10-12) diz coisas lindas: “Mil poderão cair ao teu lado, e dez mil à tua direita; mas tu não serás atingido. Nenhum mal te sucederá, nem praga alguma chegará à tua tenda. Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos. Eles te sustentarão nas suas mãos, para que não tropeces com o teu pé em pedra”.

D – O Senhor Promete Guiar-nos por caminhos seguros, como afirma (Isaías 58:4): “E o Senhor te guiará continuamente, e fartará a tua alma em lugares áridos, e fortificará os teus ossos; e serás como um jardim regado, e como um manancial, cujas águas nunca faltam”.

E – Deus Promete Prosperidade para os seus filhos. É o que encontramos no (Sal. 112:3) “Prosperidade e riquezas haverá na sua casa, e a sua justiça permanece para sempre”.

F – Deus Promete Fartura como vemos no (Sal. 65:12-13) em que afirma: “Destilam sobre os pastos do deserto, e os outeiros os cingem de alegria. Os campos se vestem de rebanhos, e os vales se cobrem de trigo; eles se regozijam e cantam”. Bem como em (At. 14:17) que vai afirmar: “E contudo, não se deixou a si mesmo sem testemunho, beneficiando-vos lá do céu, dando-vos chuvas e tempos frutíferos, enchendo de mantimento e de alegria os vossos corações”.

G – O Senhor Promete o perdão para os nossos pecados em vários textos de sua Palavra Bendita como podemos ver em (II Cron. 7:14) que diz: “E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra”. Em (Luc. 24:47) continua falando do perdão do Senhor: “E em seu nome se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém”. Em (Ef. 1:7) a Palavra de Deus é clara ao afirmar: “Em quem temos a redenção pelo seu sangue, à remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça”. Em (I Jo. 1:9) diz de maneira categórica: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça”.

H – Deus Promete o ter a mente de Cristo para os salvos, o que vemos em (I Cor. 2:16) “Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo”. O salvo é um privilegiado, não co0m a vida eterna no paraíso, bem como o entendimento das coisas do Senhor.

I – O Senhor Promete aos salvos o reinar com Jesus Cristo no milênio, é o que encontramos em (II Tim. 2:11-12) que diz: “Palavra fiel é esta: que, se morrermos com ele, também com ele viveremos; Se sofrermos, também com ele reinaremos; se o negarmos, também ele nos negará”. Bem como em (Ap. 20:4) que é ainda mais claro: “E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos”. E (Ap. 5:10) que não deixa dúvida quando afirma: “E para o nosso Deus os fizestes reis e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra”.

J – O Senhor Promete a ressurreição como privilégio na primeira ressurreição para os salvos como vemos em (Jo. 11: 25) que diz: “Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá”. Em (I Tes. 4:16) afirma: “Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro”. Em (Ap. 20:6) é categórico: "Bem aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos”.

K - O Senhor Promete o herdarmos a vida eterna com Deus, somente para os salvos. É o que nos diz (Tito. 3:7) “Para que, sendo justificados pela sua graça, sejamos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna”. (João. 5:24) “Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida”. (Mat. 25:46) “E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna”. Para pensarmos: já nos tornamos filhos(as) de Deus? Já somos herdeiros(as) de toda a herança que Deus nos promete? Se ainda não somos filhos de Deus, se ainda não somos herdeiros(as) de Deus, então creiamos em Cristo, aceitemos a Cristo como o nosso salvador e desfrutemos de toda a herança que Deus tem preparada para os seus filhos. O tempo de crer, de arrepender-se, de confessar os pecados e de aceitar a Cristo como seu salvador é agora. Quer fazer isso agora?

CERTEZA OU INCERTEZA DA SALVAÇÃO

A certeza e a incerteza da salvação são temas que tem gerado, causado dúvidas em muitos dos que se dizem cristãos. A salvação só é possível, só está disponível para os que creem e recebem a Jesus Cristo como único salvador, é o que diz o texto de (João 1:12), bem como os demais textos que são eles: (João 3: 16) “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. Bem como (João 3:36) “Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece”. A salvação não está no líder da religião. Ele não pode salvar. Não está em nenhuma igreja. Em nenhuma religião. Em nenhum santo. Não está em Maria, mãe de Jesus. A salvação está somente em Jesus cristo, o Próprio Senhor Jesus Cristo diz em (João 14:6) “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”. Você tem certeza de sua salvação? Está seguro(a) que ao partir desta vida estará com Cristo, estará no Céu, estará no Paraíso? Você tem essa esperança, essa segurança em seu coração, em sua mente? O Apóstolo Paulo tratando da esperança, da certeza da salvação, da ressurreição, da vida após a morte com o Senhor em (I Cor. 15:19) ele foi claro quando disse: “Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens”. O grego usado pelo Apóstolo Paulo neste texto dá a certeza da salvação a ponto do Apóstolo afirmar que quem não tem essa esperança, essa certeza de salvação enquanto aqui vive, essa pessoa é digna de dó; de pena; de compaixão, de lástima porque é o mais infeliz entre os homens.

O grego traz a ideia também de uma certeza, de uma esperança continua, que não sofre oscilação, nem interrupção em tempo algum. Portanto, a certeza da salvação, não é questão só de uma convicção da pessoa, mas a própria Palavra de Deus, o grego usado nos dá essa certeza. Essa certeza vem de um encontro pessoal com o Senhor Jesus Cristo, mediante o crer, o receber a Jesus Cristo como o único e eterno salvador.

O crer no Novo Testamento, não é apenas aceitar algumas verdades de uma religião. Aceitar uma religião como sendo verdadeira. O crer no grego, no Novo Testamento é a firme convicção que Jesus Cristo é o Único Salvador. O crer no Novo Testamento é uma entrega de vida a Jesus Cristo para que Ele possa dirigir a vida da pessoa. É uma entrega de vida aos cuidados do Senhor, a ponto de causar uma transformação interior da pessoa com a presença de Jesus Cristo na vida do que crê através do Espírito Santo; é o que o Apóstolo Paulo afirma em (II Cor. 3:18) “Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor”. O crer no Novo Testamento implica em uma transformação de caráter, de atitudes, de comportamento, de pensamentos, de mentalidade e de vida. Há muita gente dizendo que crê, que tem fé, no entanto, sem nenhuma mudança de mentalidade, de caráter, de atitudes e de vida.

CREEM EM SEU NOME

O texto de (João 1:12) diz: “aos que creem em seu nome”. Qual nome? Em nome de quem? Em nome da igreja? Em nome dos guias ou dos espíritos que baixam nas pessoas? Em nome dos santos? Em nome de Maria? Lógico e evidente que não. (João 1:12) está se referindo ao nome do Senhor Jesus. Nome este que o Apóstolo Paulo em (Fil. 2:9) O coloca acima de qualquer nome: “Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome”; bem como o Apóstolo Pedro em (At. 4:12) quando diz aos judeus: “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”.

“Aos que creem em seu nome” se refere ao nome do Senhor Jesus Cristo. O nome de Jesus Cristo tem poder. Tem poder para responder as orações. Vejamos o que nos diz a Palavra de Deus em (João 14:13) “E tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho”. Bem como (João 16: 24) é categórico: “Até agora nada pedistes em meu nome; pedi, e recebereis, para que o vosso gozo se cumpra”. Exemplo de oração respondida pelo o Senhor Jesus Cristo em (Luc. 23:42-43) “E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino. E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso”. Assim como o Senhor Jesus Cristo respondeu a oração do condenado à morte com Ele, o Senhor Jesus Cristo responderá a sua oração também. A oração para ser atendida, ela tem que ser feita em nome de Jesus. Os textos citados acima são suficientes como exemplo. O nome de Jesus Cristo tem poder para expulsar, expelir demônios, espíritos malignos, (Mat. 8: 29 e 31) são claros: “E eis que clamaram, dizendo: Que temos nós contigo, Jesus, Filho de Deus? Vieste aqui atormentar-nos antes do tempo? [...] E os demônios rogaram-lhe, dizendo: Se nos expulsas, permite-nos que entremos naquela manada de porcos”. O nome de Jesus Cristo tem poder para curar de maneira sobrenatural, como vemos em (Mat. 4:23-24) que nos diz: “E percorria Jesus toda a Galileia, ensinando nas suas sinagogas e pregando o evangelho do reino, e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo. E a sua fama correu por toda a Síria, e traziam-lhe todos os que padeciam, acometidos de várias enfermidades e tormentos, os endemoninhados, os lunáticos, e os paralíticos, e ele os curava”. É este Jesus Cristo que eu creio e que me salvou.

NINGUÉM TEM CERTEZA DA SALVAÇÃO

Para aqueles que dizem que ninguém tem certeza da salvação enquanto aqui vivemos, que só ficará sabendo que é salvo ou não no juízo final. Para aqueles que criticam os que afirmam ter certeza da salvação, chamando-os de orgulhosos, de pretensiosos, quero que estes observem o que a Bíblia diz sobre a certeza da salvação para quem crê, para quem aceita Jesus Cristo como salvador. A Bíblia é clara quanto à certeza da salvação. Vamos consultar alguns textos bíblicos para entendermos melhor o que é certeza da salvação.

O Primeiro texto: É (João 5:24) que diz: “Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida”. A palavra grega usada no final do Versículo é: μεταβέβηκεν (metabébeken) indica o estado perfeito, permanente após a mudança do estado de condenado eternamente para salvo eternamente. "Não entra em juízo" porque uma vez alvo está absolvido(a). O verbo ter está no presente, “tem” a vida eterna. Se fosse questão para o futuro, Jesus Cristo diria, terá a vida eterna.

O Segundo texto: É (João 6:47) “Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim tem a vida eterna”. Mas uma vez o verbo está no presente, "tem" a vida eterna os que creem em Jesus Cristo.

O Terceiro texto: É (João 10:28-29) “E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai”. Este texto fala, não só da certeza da salvação, bem como que nenhum poder pode arrebatar os salvos das mãos do Senhor, nem mesmo Satanás. Quem está dizendo que dá a vida eterna é o Próprio Senhor Jesus Cristo. Mas uma vez o verbo dar está no presente, "E dou-lhes...". Uma vez o Senhor dando a vida eterna, é dada para sempre.

O Quarto texto: Está em (I João 5:11-15). O (V. 11) diz: “E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho”. O verbo dar está no presente, “deu”. A “vida está em seu Filho”. Só pode dar vida eterna quem tem vida e é eterno, Jesus Cristo. Os (V. 12-13) mais uma vez diz que o verbo ter está no presente. A salvação não é questão de futuro, ela começa no presente, no momento em que cremos. O (V.14) é claríssimo quando diz: “E esta é a confiança que temos nele, que se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve”. Logo, cabe a seguinte pergunta: É da Vontade de Deus que todas as pessoas sejam salvas? A resposta é uma só: claro, lógico que sim! Portanto, sendo da vontade de Deus que todos sejam salvos, logo, aquela pessoa que pedir a Deus que o(a) salve, Deus o(a) salvará, o(a) atenderá porque é da sua vontade salvar aqueles que querem ser salvos. Será que estou sendo claro? O (V.15) é muito claro também e completa a ideia do 14, dizendo: “E, se sabemos que nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que alcançamos as petições que lhe fizemos”. Se sabemos que Deus nos ouve, logo, se pedimos que nos salvem, podemos ter a certeza da salvação, pois Ele nos ouvirá. A Palavra de Deus é clara. Para fecharmos com chave de ouro vamos ler (Rom. 8:16) que diz: “O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus”. O Espírito Santo de Deus que passa habitar no salvo, a partir do momento que converte, (Efésios. 1:13; Atos. 19:2; João 7:39 e Atos. 2:38), vai testemunhar com o espírito humano que somos filhos de Deus. Esta é uma certeza pessoal que só tem aqueles que aceitaram a Jesus Cristo pela fé como o seu Único Salvador.

Para concluir:

Só tem certeza da salvação quem crê em Jesus Cristo como o único salvador, (I João 5:11) “E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho”. A salvação não está em Maria, mãe de Jesus; não está em santo qualquer; não está em líder de religião: Confúcio, Alan Kardec, Buda, Maomé, Pastor ou no Papa; não está em reencarnação; Não está nas boas obras e caridade; nem mesmo em uma igreja ou religião; mas somente em Jesus Cristo, como afirma Ele Mesmo em (João 14:6) "Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim". Só tem certeza da salvação quem recebeu de verdade a Jesus Cristo como o seu salvador, como diz (João 1:12). Só tem certeza da salvação quem reconhecer que é pecador, como pecador, não irá para o céu, pelo contrário, irá para o Inferno. Só tem certeza da salvação quem confessar os seus pecados para o Senhor Jesus Cristo para ser perdoado. Só tem certeza da salvação quem arrependeu-se de verdade para que os pecados sejam perdoados e as pessoas sejam salvas, (Atos. 3:19). Só tem certeza da salvação quem passou pela conversão verdadeira. Se ainda não tem certeza da sua salvação, convide o Senhor Jesus Cristo para ser o seu salvador e tenha certeza da salvação.

"E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos".(Atos 4:12)

Bibliografia:

1 – BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

2 – BROWN, Colin. O Novo Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento. Trad. de Gordon Chown. 1ª Ed. Vol. II, São Paulo, ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 1980, 560 p.

3 – CHAMPLIN, Russell Norman. O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo. Vol. IV. Editora Milenium Distribuidora Cultural LTDA, 1ª Edição, 1980, São Paulo, 652 P.

4 – JUNIOR, Luder Whitlock. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

5 – MOULTON, Harold K. Léxico Grego Analítico. Trad. Everton Aleva de Oliveira e Davi Miguel Manço. Ed. Cultura Cristã, 2007, São Paulo, 460 p.

6 – Oliveira, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere, marcelo@blasterbit.com

7 - Rienecker, Fritz e Cleon Rogers. Cheve Linguistica do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p.

8 – SHEDD, Russell Philip. Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. São Paulo, 1978, A T 929 p.

sábado, 30 de julho de 2016

UM JOVEM SENSATO

UM JOVEM SENSATO

Pastor Flávio da Cunha Guimarães

Diante de uma sociedade global e tecnológica, que trazem informações em tempo real, o que se espera é que as pessoas vivam de maneira sensata, harmoniosa e em paz, mas o que percebemos é que as pessoas estão antenadas em determinados seguimentos, todavia, em determinados aspectos estão alienadas, como por exemplo, os laços familiares se tem fragilizado cada vez mais, bem como a vida espiritual, religiosa e com Deus não passa de uma superficialidade para muitos daqueles que estão dentro das igreja.


Como existe jovens sensatos e é isso verdadeiro; logo, o oposto que são os jovens insensatos, é verdadeiro, pois, infelizmente a maioria das pessoas de nossa sociedade é insensata, é o que veremos na vida de Jacó, de José e de seus irmãos o que se aplica em nossas vidas também. Antes, porém, vamos definir o que é ser sensato(a).

I - O QUE É SER SENSATO?

Cremos que as definições do dicionário Aurélio esclarecem muito bem, o que está a seguir: O(a) jovem de bom senso, é aquele(a) que é judicioso(a), prudente, previdente, cauteloso(a), discreto(a) e reservado(a). Além destas qualidades, podemos acrescentar a formação dos bons modos em família; a fé no Senhor Jesus, o temor a Deus (Prov. 1:7), a formação do caráter e consciência; a prudência em evitar se envolver em coisas arriscadas que possam custar-lhe a vida e dissabores tanto pessoal como para a família. Diante da definição de sensato em relação ao que vivemos e vemos em nossa sociedade, a sensação que temos é que muitos estão distantes de viverem uma vida de sensatez. Os problemas e os estilos de vida que os jovens enfrentam nos dias atuais são sem paralelo em toda a história da humanidade. Por outro lado, não podemos pensar que esta geração é exclusiva quanto aos problemas e dificuldades que enfrenta para viver de maneira pura e santa para Deus. Na verdade, os jovens de todas as gerações, têm enfrentado problemas semelhantes aos jovens de hoje para viver uma vida plena com Deus, com um porém nos dias atuais, a ciência, a tecnologia e as novas descobertas criaram grandes modificações em nossa formação, padrão de vida, maneira de pensar, atitudes, uma nova ética e moral. Entretanto, os problemas básicos que a juventude de hoje enfrenta são praticamente os mesmos que em séculos ou milênios atrás os jovens enfrentavam.

II - O QUE É SER INSENSATO(A)?


De acordo com o dicionário Aurélio, insensato(a) é aquela pessoa que tem falta de senso, de razão. É uma pessoa demente, louca que não revela bom senso. Os exemplos a seguir são as provas da insensatez. A corrupção, é a falta de respeito para com os contribuintes que pagam impostos altíssimos ao comprar qualquer produto, bem como as obras públicas inacabadas e superfaturadas demonstram a falta de bom senso das nossas autoridades, que deveriam dar o exemplo! O envolvimento das pessoas com os vícios e drogas, que leva a dependência, a prostituição, a contaminação com várias doenças perigosas; a violência que interrompe as vidas de maneira brutal, banal e irracional! “Em termos absolutos, o Brasil é o 4º país do mundo com maior número de mortes no trânsito, ficando atrás somente da China, Índia e Nigéria [...] Segundo o Datasus, em 2010, foram registradas 42.844 mortes no trânsito do Brasil. Esse número, atualizado em 2011, chegou a 43.256 mortes (o ranking, no entanto, foi feito com base nos números de 2010 de todos os países). Em 2014, de acordo com projeção feita pelo Instituto Avante Brasil, o número de mortes no trânsito estimado é de 48.349. Sendo assim, este ano, estima-se que ocorram 4.029 mortes por mês, 132 mortes por dia e 6 mortes por hora, ou seja, uma a cada 10 minutos. Com a chegada do Carnaval esse número pode ser ainda maior. Em 2013, só nas estradas federais, ocorreram 157 mortes nesse período” e um dos motivos agravante é a mistura de álcool com direção. Autor: Luiz Flávio Gomes. Disponível em: (http://professorlfg.jusbrasil.com.br/artigos/113704460/mortes-no-transito-brasil-e-o-4-do-mundo. Acessado em: 27/07/2016). O maior percentual de jovens mortos está entre os 14 a 25 anos e morrem mais jovens do que adultos. Apesar que os estudos não dizem as causas, mas dá para entender que são as drogas, acompanhadas da violência que contribuem para esse desastre. Isso demonstra também a falta de bom senso! As manifestações com vandalismo que acontecem em nosso país, o terrorismo espalhando medo e terror mundo a fora. Tudo isso demonstra a falta de bom senso. Mais um exemplo de falta de bom senso. “O número de mortos por disparo de armas de fogo no Brasil chegou a 42.416 pessoas em 2012, o equivalente a 116 óbitos por dia, revela a mais nova edição do levantamento ‘Mapa da violência 2015: mortes matadas por armas de fogo’”. Autor: Júlio Jacobo Waiselfisz. Disponível em: (http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-this-office/single-view/news/map_of_violence_examines_deaths_by_firearms_in_brazil_from_1980_to_2012/#.V5jVV0YrLIU), Acessado em: 16/08/2013. Quantas pessoas sem bom senso vivendo por aí! Daí a necessidade de uma vida sensata.

III - PROBLEMAS EM FAMÍLIA NÃO DEVERIA JUSTIFICAR A INSENSATEZ

Quando lemos Gênesis do capítulo 37:1 ao 48:22 vemos que José, filho de Jacó ou José do Egito, viveu em uma família cheia de problemas e ele passou pelas piores humilhações, nem por isso fez dele um jovem insensato. Na sua família tem problemas? Na de José também tinha. Na sua família tem gente mentirosa? Na de José também tinha. Na sua família tem pessoas fingidas e falsas? Na de José também tinha. Na sua família tem pessoas insensíveis e amor? Na de José também tinha. Na sua família tem filhos que causam sérios problemas para vocês pais? Na de José também tinha. Na sua família tem pessoas violentas? Na de José também Tinha, (Gen. 34:25-31). Na sua família tem pais que você acha que tem preferências por filhos? Na de José também tinha. Na sua família tem enganadores? Na de José também tinha. Na sua família há pessoas desonestas? Na de José também tinha, visto que venderam o irmão e embolsaram o dinheiro. Na sua família há pessoas rebeldes e revoltadas sem causa? Na de José também tinha. Na sua família tem irmãos que desentendem com irmãos, a ponto de se odiarem? Na de José também tinha. Como podemos ver, a humanidade continua a mesma. O tempo entre a família de José e nós, já se passaram quase quatro mil anos, todavia, os problemas continuam os mesmos. A humanidade continua pecaminosa, fazendo as mesmas coisas. O problema do ser humano é o pecado, que só o Senhor Jesus é capaz de solucionar. O que os irmãos de José tinham de sobra. Na sua família há exceção? Na de José também havia. José era a exceção. Na sua família falta o temor e o amor a Deus? Na de José também faltava. Como vemos, a humanidade continua a mesma, o que os estudiosos de comportamento humano como os filósofos, os psicólogos, os psicanalistas, os sociólogos, os pedagogos e os antropólogos dizem que os comportamentos são repetitivos, o que concordamos em parte, pois eles não levam em consideração a vida pecaminosa da humanidade em que fazem as mesmas coisas, não só pela convivência, mas também pela índole má que há dentro da cada ser humano como resultado do pecado. O tempo passa, mas a humanidade continua a mesma. Não muda. Só mudará quando Deus for o Senhor e temido por toda a humanidade.

IV - A INSENSATEZ TEM AS CAUSAS

1º - EM PRIMEIRO LUGAR: A INSENSATEZ CAUSA INSENSATEZ

Além das apresentadas acima, temos a insensatez de Jacó em amar um filho mais do que os outros e demonstrou esse sentimento em público, o que gerou descontentamento, inveja, ciúme, irritação, contendas, descontentamentos entre os irmãos e consequentemente a insensatez dos filhos, (Gen. 37:3-4,11). A insensatez leva a conspirar e a prática do mal, da violência e o desejo de matar o próprio irmão, (Gen. 37:20). Não mataram, mas venderam-no como escravo, (Gen. 37:27-28). O insensato, as vezes, é sagaz também (Gen. 37:31-33) acompanhada de mentira. A mentira, diz o ditado popular "que tem pernas curtas". Isto quer dizer que será descoberta logo. A mentira é desvio de caráter. Tem a intenção de enganar a pessoa de bem que aprecia a verdade. O que muitos não sabem, é que a mentira tem ligação íntima com satanás, como vemos em (Jo. 8:44) "Vós tendes por pai ao diabo (...), Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira". Percebemos que o Senhor Jesus Cristo faz uma ligação direta e real do mentiroso com satanás. A ligação de paternidade e filiação. Jesus Cristo fala da relação íntima, estreita e de vínculos afetivos entre o que mente e satanás. Há outra implicação. A implicação espiritual. Em (Ap. 21:8) lemos: "Mas, quanto aos (...) mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte". O que o Senhor Jesus Cristo diz claramente neste texto é que os mentirosos não são salvos. O que os espera é o lago de fogo. Isto significa sofrimento eterno. Os que andam mentindo por aí, fiquem sabendo, que não são filhos de Deus, mas do Diabo. O que Deus não quer que sejamos. O Senhor quer que sejamos filhos de Deus. E os filhos de Deus não mentem. É muito triste a gente ver tantas mentiras por aí. Mentiras políticas. Mentiras nas novelas. Mentiras religiosas. Tanta gente enganada com ensinamentos falsos. Pais mentindo para os filhos, filhos mentindo para os pais, cônjuges mentindo para cônjuges. É triste, mas é real. Não acredite em mentira. O conselho bíblico é: "E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos", (Tia. 1:22). Leia, pergunte, questione para não ser enganado(a). A não ser que você gosta de ser enganado(a). Me engana que eu gosto. Eu não quero e não gosto de ser enganado.

2º - EM SEGUNDO LUGAR: O FINGIMENTO ACOMPANHA A INSENSATEZ

De maneira fingida e falsa quisera consolar o pai que acreditou no fingimento dos filhos e na mentira que o seu filho predileto havia morrido, o que lemos em (Gen. 37:35) "E levantaram-se todos os seus filhos e todas as suas filhas, para o consolarem; (...) Assim o chorou seu pai". O fingimento também é um desvio do caráter do ser humano. Fingiram que não sabiam de nada. Que não tinham culpa. Que eram inocentes. Fingiram estar preocupados com o sofrimento do pai. Fingiram complacência, ao tentar consolar o pai em uma dor sentimental profunda, quando na verdade eram eles os causadores desta dor do pai. Jacó, como pai de José, não precisava do consolo fingido dos filhos. Naquela hora, ele precisava saber a verdade, o que a covardia dos filhos não deixou eles dizerem a verdade ao pai. Quanta insensibilidade para com os sentimentos de seu pai! Quantos fazendo os pais sofrerem em nossos dias, e fingindo que não são eles a causa do sofrimento dos pais? Quanta insensibilidade de filhos que mais parecem monstros do que um ser humano? Querem consolar os pais com um presente merreca. Com palavras vazias de sentimento de amor. Com um abraço desprovido de carinho sinceridade. Com falsas preocupações. Quando na verdade querem explorar os pais. Parem de fingimento. Criem vergonha na cara. Parem de causar tanta tristeza aos pais. Deixem de causar problemas para os filhos! Demonstrem amor sincero de coração! Falem a verdade com amor! Deixe o Senhor tirar todas as barreiras de seu coração. Seja bênção para os seus pais e para os seus filhos. Faça isso enquanto agora para o seu bem e o bem de sua família.

3º - EM TERCEIRO LUGAR: QUE A INSENSATEZ DOS OUTROS NÃO CONTRIBUA PARA A NOSSA INSENSATEZ, (GEN. 37:1-37)

Como os irmãos de José poderiam vender o próprio irmão como escravo! Isso é o cúmulo do desprezo, da ignorância, da insensatez, da falta de consideração e amor! O desprezo, a ignorância, a insensatez, a falta de consideração e a falta de amor, em nossos dias, é muito mais corriqueiro, comum do que se possa pensar ou imaginar! Há pais, familiares vendendo os próprios filhos para a prática da prostituição, para a pedofilia, o que a maioria não sabe, tanto no Brasil como em outros países, principalmente onde predomina a pobreza, a falta de estudo e o uso de drogas. Pais que foram vítimas de pedófilos, quando crianças, agora como pais negociam os filhos para a prática da pedofilia, em Lisboa. É isso mesmo! É só pesquisar na internet. Disponível em: (http://www.cmjornal.xl.pt/noticia.aspx?channelid=00000181-0000-0000-0000-000000000181&contentid=AFAAE805-D611-42B0-B6CF-99A6D881C140, Acessado Em: 22/08/2013). Casal vendeu três filhos, por R$ 15.500,00 (quinze mil e quinhentos reais), para conseguir dinheiro para jogar games online em lan house, na China. É isso mesmo! Disponível em: (http://www.tecmundo.com.br/bizarro/11858-casal-chines-vende-filhos-para-jogar-games-online.htm, pesquisado em 23/08/2013). E https://www.google.com.br/search?newwindow=1&q=Pais+vendendo+os+filhos&oq=Pais+vendendo+os+filhos&gs_l=serp.3..0i22i30.22008.24012.0.26481.12.12.0.0.0.0.366.1051.9j2j0j1.12.0....0...1c.1.25.serp..10.2.116.FcHpFFoqBM0, Acessado em: 24/08/2013). Pai vende a filha, de 14 anos, por 16 mil e 100 caixas de cerveja nos EUA. Parece absurdo, mas está nas manchetes na internet, Disponível em: (http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL954969-5602,00-PAI+VENDE+FILHA+POR+US+MIL+E+CAIXAS+DE+CERVEJA+NOS+EUA.html e Acessado em: 23/08/2013). E a mãe que entregava a filha, de 11 anos para a prostituição, ao traficante de 34, em troca de algumas pedras de craque, aqui no Brasil. Disponível em: (http://mais.uol.com.br/view/s70pk4i6az2h/mae-entrega-a-filha-de-11-anos-a-prostituicao-04024D18316ED4813326?types=A& , acessado em: 23/08/2013). Como se percebe, como se vê, a situação imoral, calamitosa, vergonhosa, criminosa é global, mundial e sobrevive há séculos. Este é o mundo, a sociedade desumano em que vivemos, porque vive sem Deus. Como igreja do Senhor, como povo de Deus, vamos viver indiferentes diante desta situação, diante de uma situação humilhante, em que satanás está deitando e rolando? Acorda igreja do Senhor! Até quando a igreja continuará alienada a situação em que a sociedade está vivendo, se é que está vivendo! A sociedade matou, assassinou o que há de mais valioso para uma sociedade sadia. Ela assassinou, ela matou, ela excluiu de sua vida, Deus e tudo o que está relacionado ao Senhor. A sociedade perdeu os sentimentos mais puros que deveriam orientar o viver de cada cidadão na sociedade. Os sentimentos que dão vida a sociedade. Os sentimentos que predominam são os ressentimentos, as rixas, a vingança, a desforra, o revanchismo, o ódio em grande grau e intensidade. Há um sentimento animalesco, satânico de querer levar vantagem, de ser o melhor em tudo. Quanto aos sentimentos que deveriam predominar, prevalecer: A bondade, a mansidão, a compaixão, o amor e a misericórdia. Sentimentos estes que encontramos na Palavra de Deus, nos ensinos do Senhor Jesus Cristo. Todavia, o que vemos, são pessoas querendo as bênçãos de Jesus Cristo, sem no entanto, um compromisso com os ensinamentos, com as verdades que Jesus Cristo ensina. Não querem viver como Jesus Cristo viveu. E tem igrejas pregando o que o povo quer ouvir. Só falam de bênçãos e prosperidade. A sociedade de hoje vive os mesmos sentimentos que os irmãos de José viveram ao vendê-lo como escravo para o Egito. Vamos pensar no que podemos fazer, contribuir para termos uma sociedade melhor, restaurada, mais humana e com o caráter do Senhor Jesus, Amém!

4º - EM QUARTO LUGAR: É INSENSATEZ PENSAR DE MANEIRA EQUIVOCADA...

Tanto do ponto de vista comportamental, como do ponto de vista espiritual. Pensa conosco: Como alguém será abençoado pelo o Senhor, com o coração cheio de ódio, de rancor, de ressentimentos, de mágoas, de desprezo e falta de amor? Ficamos a pensar, a meditar na tristeza, na angústia, nas feridas na alma, nos sentimentos de José ao sentir-se desprezado e rejeitado pelos próprios irmãos! Era para José ficar ferido, magoado, triste, com ódio, com desejo de vingança, depressivo, revoltado contra os irmãos, contra a sociedade, até contra Deus. José tinha todos os motivos para ser alguém que trilhasse o caminho dos vícios, da violência, da criminalidade. No entanto, não é isso que encontramos nos relatos nas páginas da Bíblia. Hoje tentam justificar a conduta de pessoas revoltadas, ressentidas, magoadas, feridas, envolvidas com as drogas, com a violência, com a marginalidade e criminalidade porque as pessoas sofreram maus tratos quando pequenas, porque eram pobres, passaram necessidades, o que não justifica a conduta destas pessoas porque José não foi usuário de drogas, já existia a bebida alcoólica; não foi violento e nem marginal, bem como o Senhor Jesus Cristo que viveu uma vida de pobreza, entretanto, ao invés de ser bandido, foi, é e será bênção para toda a humanidade.

5º - EM QUINTO LUGAR: JOSÉ ERA INSENSATO.


Quando tinha os seus dezessete anos, (Gen. 37:2), ele contava para o pai o mau comportamento de seus irmãos. Ele aceitava ser o preferido do pai, (Gen. 37:3 ss). A imaturidade em contar os sonhos para os irmãos, quando deveria no máximo contar para o pai ou guardar para si. Foi inocente demais para não perceber os sentimentos maus de seus irmãos para com ele, ou percebeu, mas não quis levar a sério e em consideração. Daí que sofreu as consequências e o sofrimento que passou devido a sua insensatez, a insensatez de seu pai e a de seus irmãos. O que qualquer um de nós podemos passar pelo mesmo estágio que ele passou. José não era sensato até certa idade, mas...

ELE SE TORNOU SENSATO

Para que se tornasse sensato em...

6º - EM SEXTO LUGAR: ELE PRECISOU PASSAR PELA ESCOLA DE DEUS

Ele precisou passar pela escola de Deus, a escola do Senhor para ser sensato. José não nasceu sensato! Ele aprendeu no decorrer dos anos, do tempo, com as experiências amargas dentro da própria família e fora dela a ser sensato. Daí a necessidade das experiências para a sensatez. Apesar de ter a responsabilidade de pastorear as ovelhas de seu pai, Jacó, o que parece mais é que era um supervisor dos irmãos, função dada pelo pai, ele trazia as más notícias de seus meios irmãos para o seu pai. Hoje, ele seria chamado de dedo duro. O que gerou animosidade, rixa, rejeição, ódio, inveja e desejo de vingança da parte de seus meios irmãos para com ele. Chegou ao ponto de vendê-lo como escravo para o Egito e foi parar na casa de Potifar como escravo do comandante da guarda real. Ali ele foi cobiçado, provado, odiado e injustiçado, mas ele foi...

7º - EM SÉTIMO LUGAR:

Sensato o suficiente em não adulterar com a sua ama, a esposa de Potifar. O que lhe custou alguns anos de prisão injustos, o que está relatado em Gênesis, do Capítulo 39 ao 41:37. Como escravo, tal acusação seria pena de morte. Todavia, o Senhor o livrou da morte para que fosse bênção posteriormente para os egípcios, para seus irmãos cruéis e injustos. Mesmo na prisão injustamente, José continuou sensato porquê...

8º - EM OITAVO LUGAR:

José diante de todo a maldade, injustiça e violência praticadas contra ele, poderia ter negado a sua fé e se tornado um jovem insensato. Mas não desviou da fé, dos caminhos do Senhor. Ele colocou em seu coração, crer em seu Deus Todo Poderoso, que o havia de restaurá-lo, de fazer justiça, de honrá-lo e de exaltá-lo, o que de fato aconteceu mais tarde. Há muitos, em nossos dias, que por muito menos, tem negado a fé, blasfemado contra o Senhor, murmurado contra Deus, acusado o Senhor de injusto, afastando-se das igrejas. Dando provas de insensatez. Pensam de maneira errada: "Sou fiel, frequento a igreja, dou o dizimo, ajudo as pessoas, faço caridade, mas sinto que Deus não me abençoa, que abandonou-me, esqueceu de mim". Tais pessoas, assim o fazem, porque não confiam nos planos do Senhor para as suas vidas como José confiava. José confiava na justiça de Deus. E ela não falhou. Como não falha em nossos dias. Se você duvida da justiça de Deus que prove ao Senhor. Que possamos confiar sem duvidar, e veremos as maravilhas que o Senhor fará em nossas vidas. Esperamos que os jovens aprendam a ser sensatos, ainda que através das experiências amargas da vida! Que as experiências amargas não façam dos jovens, jovens violentos, criminosos, revoltados e viciados em drogas, praticando atos de vandalismo, que multiplicam a insensatez. Mas desejamos que você, seja uma pessoa sensata como José o foi. Entendendo que as provações, permitidas por Deus, não são castigo DELE a nós porque estamos em pecado, mas para moldarem o nosso caráter e amadurecer a nossa sensatez. A escola de Deus e os métodos são diferentes dos nossos. Que creiamos que a injustiça dos homens contra os justos, tornam em bênçãos mais tarde, se permanecermos fiéis ao Senhor. Pense na sensatez que faz tão bem a nós, principalmente nas horas difíceis e de decisões importantes em nossas vidas.

9º - EM NONO LUGAR:

A sensatez dele dependeu também da sua fé em Deus que é justo e que recompensa os que são fiéis a Ele. José colocou em seu coração não pecar contra Deus e contra os homens. É o que lemos em (Gen. 39:3-4), "Vendo, pois, o seu senhor que o SENHOR estava com ele, e tudo o que fazia o SENHOR prosperava em sua mão, José achou graça em seus olhos, e servia-o; e ele o pôs sobre a sua casa, e entregou na sua mão tudo o que tinha" e (Gen. 39:7-9) que diz: "E aconteceu depois destas coisas que a mulher do seu senhor pôs os seus olhos em José, e disse: Deita-te comigo. 8 Porém ele recusou, e disse à mulher do seu senhor: Eis que o meu senhor não sabe do que há em casa comigo, e entregou em minha mão tudo o que tem; 9 Ninguém há maior do que eu nesta casa, e nenhuma coisa me vedou, senão a ti, porquanto tu és sua mulher; como pois faria eu tamanha maldade, e pecaria contra Deus?" Aqui está a grande diferença entre José e os que praticam a violência, o uso de drogas nos dias atuais, colocando a culpa na criação que tiveram, na pobreza, na sociedade que não deu oportunidade e no governo. Quantas pessoas, que foram criadas em nossos dias, com tudo de bom e de melhor! De condição social boa! Que não apanharam! Não sofreram nenhum tipo de constrangimento ou necessidade, mas estão envolvidas com as drogas, com a marginalidade e com a criminalidade? José era pobre, escravo, não teve oportunidade alguma; sofreu constrangimento, passou por humilhação, injustiças nem por isso teve desvio de caráter e de conduta! Por que não teve desvio de caráter? Porque José tinha o temor a Deus, o que falta hoje na maioria das pessoas. A fé em Deus faz a grande diferença entre o comportamento das pessoas que tem fé e as que não tem. Creia no Senhor Jesus Cristo de todo o seu coração, e terás um caráter como o de José.

10º - EM DÉCIMO LUGAR:

José foi um jovem sensato devido a forma em que foi criado e educado. Apesar de todas as falhas do ponto de vista pedagógico, emocionais e psicológicos do pai, ele foi criado, educado em um lar onde Deus se fazia presente. Deus era invocado em adoração pela família. Deus era real. Deus se revelara ao pai de José o que Ele com certeza dizia para os filhos. Deus prometeu fazer daquela família, uma família abençoada, que seria bênção para outras famílias e foi. Infelizmente Deus não se faz presente na maior parte dos lares de nossos dias, até daqueles que estão como membros de igrejas. As famílias não invocam a Deus em verdadeira adoração. O que está presente na maior parte dos lares de nossos dias é o consumismo, o materialismo, as latas e mais latas de cerveja, palavrões obscenos, xingamento, palavras que amaldiçoam os filhos e familiares, sensualismo e idolatria. Falta uma religião séria que ensina as verdades divinas. Falta os pais contarem para os filhos o que Deus fez, faz e fará em nossas vidas. Quem Deus é. Falta o temor a Deus, o diálogo dos pais para com os filhos e vice-versa. Falta conscientização, limites para os filhos. As famílias vivem debaixo do mesmo teto, porém, como estranhos. Não há diálogo, entendimento, carinho, bom senso, boas maneiras, respeito uns para com os outros. Queremos convocar você a repensar o estilo de vida de sua família. Nunca é tarde demais para mudar, para ensinar o que é certo. A fazer o que tem que ser feito, em nome de Jesus Cristo. Busque o crer de coração. Busque o temor de Deus para a sua vida e para a sua família. Mude os hábitos, a começar por nós pais e mães, para que nossas famílias possam mudar. Tirem de suas casas tudo o que Deus reprova. Faça este propósito para você e sua família.

11º - EM DÉCIMO PRIMEIRO LUGAR:

José se tornou sensato porque temia a Deus. Em (Gen. 39:9) ele diz: "{...} como pois faria eu tamanha maldade, e pecaria contra Deus?" Era um temor, não de medo, de pavor, mas um temor de respeito, de fidelidade para com Jeová. O que está faltando hoje! Até alguns anos atrás se respeitava as autoridades civis, militares e religiosas. Se respeitava os idosos, as famílias, as coisas relacionadas a Deus como templos, a Bíblia. E se respeitava o Próprio Deus. Hoje, Deus é tratado "o cara lá de cima"; "você" e não o Senhor Deus, o Todo Poderoso. José respeitava o seu Deus e não queria entristecê-Lo, o Deus que ele cria e servia. José não queria desonrar o seu Deus, ainda que aparentemente, Deus não estava honrando a ele. A honra só veio depois de anos, depois de tanto sofrimento. Mas veio multiplicada, honra grande e gloriosa. Que possamos entender que ninguém perde por ser fiel a Deus. Por esperar em Deus. Ele é o Deus que age no tempo certo, da maneira certa, na pessoa certa, para a pessoa certa e com o propósito certo. É o Deus que muda situações que parecem impossíveis aos homens. Ele é o Deus Todo-Poderoso. Sejamos pessoas sensatas, para que o Senhor possa realizar milagres em nossas vidas e em nossos familiares. Você crê?

12º - EM DÉCIMO SEGUNDO LUGAR

A prova que José era sensato foi seu comportamento na prisão. Lugar onde se passava necessidade. Sofria tortura, mas ele se comportava de maneira graciosa. Em (Gen. 39:20,22) lemos: "E o senhor de José o tomou, e o entregou na casa do cárcere, no lugar onde os presos do rei estavam encarcerados; assim esteve ali na casa do cárcere {...} E o carcereiro-mor entregou na mão de José todos os presos que estavam na casa do cárcere, e ele ordenava tudo o que se fazia ali". José foi um jovem que teve privilégios na cadeia, não porque corrompia os guardas com propinas, mas porque era um jovem de caráter, de boa índole, de confiança, que temia a Deus. Deus o abençoou na prisão, de maneira que tudo quanto ele fazia prosperava e o Senhor o abençoava. O guarda chefe via o agir de Deus na vida dele, por isso que entregou aos cuidados dele todos os presos. Este é um fato interessante! As pessoas que estão ao nosso redor; os nossos patrões, empregados tem visto o agir de Deus em nossas vidas? Tem confiado em nós? Em nosso caráter? Tem dado a nós o mesmo credito que o guarda deu a José? Administrar os bens dos outros exige confiança e responsabilidade. Quantos que exploram as pessoas quando a elas é dado a responsabilidade de lidar com o dinheiro que não é dela? Sejamos honestos e deixemos que Deus nos abençoe para que as pessoas vejam o agir do Senhor em nossas vidas. Queremos afirmar que José foi Um Jovem Sensato, apesar de todas as adversidades que ele passou. Que o Senhor o abençoou porque ele temia a Deus. Nos diz (Prov. 1:7) que: "O temor do Senhor é o princípio do conhecimento, (ou da sabedoria); os loucos desprezam a sabedoria e a instrução". Comecemos a temer o Senhor para começarmos a ser sábios! Temamos a Deus e as pessoas vão perceber que o Senhor tem agido em nós e através de nós. Convide agora o Senhor Jesus Cristo para fazer de você um homem, uma mulher de Deus enquanto ainda há tempo de Ele fazer isso, pois chegará o momento em que as oportunidade cessarão como nos diz o Senhor em (Is. 55:6) que diz: "Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto". Chegará o momento em que morreremos e não há mais nada o que fazer, a não ser o juízo final.

13º - EM DÉCIMO TERCEIRO LUGAR

A prova que José foi sensato é que ele soube esperar com paciência em Deus que o honrou! O honrou através da maior autoridade do Egito. Faraó teve dois sonhos que ninguém sabia interpretá-los. José não só interpretou os sonhos, como sugeriu a Faraó o que deveria fazer. Deste episódio veio a sua promoção, a sua glorificação. Governador de todo o Egito, abaixo somente de Faraó. É o que lemos em (Gen. 41:40-41) "Tu estarás sobre a minha casa, e por tua boca se governará todo o meu povo, somente no trono eu serei maior que tu. Disse mais Faraó a José: Vês aqui te tenho posto sobre toda a terra do Egito". José saiu da condição de escravo para ser vice rei. De prisioneiro para ser administrador de todo o reino do Egito. De um jovem que vivia no anonimato ao mais famoso do Egito. Isso sim, que é prosperidade. Ele não precisou dar dinheiro a instituição nenhuma. Saiu das profundezas do calabouço de uma prisão, para o lugar mais alto no palácio, um trono. Lugar de glória é o que diz (Gen. 45:13) "E fazei saber a meu pai toda a minha glória no Egito, e tudo o que tendes visto {...}". Deus é o mesmo! Se honrou e glorificou a José que foi fiel, temeu, creu e teve paciência para esperar em Deus, fará conosco também. Deus tirará cada um de nós do fundo do poço, de onde estamos para nos colocar em lugar de destaque, lugar que será honrado e glorificado para dar glórias a Deus. Sejamos sensatos para com Deus!

14º - EM DÉCIMO QUARTO LUGAR

A prova que José foi um jovem sensato porque ele soube perdoar seus irmãos. Duas atitudes de José que provam que ele perdoou a maldade de seus irmãos.

PRIMEIRA ATITUDE: José teve dois filhos, o que Lemos em (Gen. 41:51-52) "E chamou José ao primogênito Manassés, porque disse: Deus me fez esquecer de todo o meu trabalho, e de toda a casa de meu pai. E ao segundo chamou Efraim; porque disse: Deus me fez crescer na terra da minha aflição". O nome dos filhos de José é a prova que ele conseguiu perdoar seus irmãos.

SEGUNDA ATITUDE: José encontrou com seus irmãos e ofereceu-lhes um almoço em sua casa. É o que lemos em (Gen. 43:34) "E apresentou-lhes as porções que estavam diante dele; porém a porção de Benjamim era cinco vezes maior do que as porções deles todos. E eles beberam, e se regalaram com ele". Se ele não tivesse perdoado a maldade de seus irmãos, não daria um almoço para eles na casa dele, daria uma prisão para eles. Seria a hora da vingança, mas José preferiu perdoar os irmãos. Quanta gente que prefere não perdoar as pessoas em nossos dias?! Precisamos alertar você que, se queremos ser bem sucedidos, felizes, vivermos em paz de espírito e abençoados pelo o Senhor, precisamos perdoar aqueles que nos fazem mal, mesmo que não peçam perdão a nós. Faz o teste do perdão!

15º - EM DÉCIMO QUINTO LUGAR

José comprovou que era sensato através de suas atitudes de humildade em reconhecer o seu pai como sua autoridade sobre ela. É o que lemos em (Gen. 48:12) "Então José tirou dos joelhos de seu pai, e inclinou-se à terra diante da sua face". José com todo o seu poder, com toda a sua honra, com toda a sua glória, com toda a sua autoridade não deixou de honrar, de respeitar, de reverenciar o seu pai. Não se sentiu maior e melhor do que o seu pai. Ele inclinou-se diante de seu pai, para que seu pai o abençoasse, bem como aos seus filhos, Manassés e Efraim, como forma de reverenciar o pai como autoridade sobre ele. Isso se chama sensatez. Não importa a posição dos filhos, nem a dos pais. Os filhos sempre vão dever aos pais o respeito, a honra e a submissão, pois os pais sempre serão autoridade sobre os filhos, não importando a posição social. E ele fez isso diante dos filhos para que servisse de exemplo. Deus está nos convocando para sermos sensatos a partir de hoje se ainda não somos. E as provas que somos sensatos são duas: A - Honrar pai e mãe; B - Temer a Deus que é o princípio da sabedoria, (Prov. 1:7). Assumamos este propósito enquanto ainda podemos honrar os nossos pais

.

"Porque também nós éramos noutro tempo insensatos, desobedientes, extraviados, servindo a várias concupiscências e deleites, vivendo em malícia e inveja, odiosos, odiando-nos uns aos outros", (Tito 3:3) e "Por isso não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do Senhor", (Efésios 5:17).

Bibliografia

1 - BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

2 - JUNIOR, Luder Whitlock. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

3 - MESQUITA, Antônio Neves de. Estudo no Livro de Gênesis.4ª Edição. Rio de Janeiro. Editora JUERP, 1979, 308 P.

4 - OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

5 - SHEDD, Russell Philip. Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. São Paulo, 1978, A T 929 p.






segunda-feira, 25 de julho de 2016

ALEGRIA A QUALQUER CUSTO!

ALEGRIA A QUALQUER CUSTO!

FIL. 4:4-7

Pastor Flavio da Cunha Guimarães

Temos a plena consciência que estar alegre vinte e quatro horas por dia, todos os doas, não é tarefa fácil, principalmente diante de tantas provações, provocações, tentações e sofrimentos diante dos vícios que tem dominado a vida de nossos entes queridos, e, diante das inquietações, das agitações políticas, econômicas, religiosas, espirituais, comportamentais em que a violência está aí ceifando dezenas de vidas por dia, que tem causado uma tristeza profunda e devastado o interior nosso, a alma de centenas de milhares de pessoas pelo mundo afora. O cenário mundial, a começar pelo nosso país, é caótico, tenebroso e de uma tristeza sem fim, pois quanto mais as autoridades se reúnem para discutir soluções, mais difícil a situação fica. Sabem porquê? Porque Deus não faz parte das discussões das soluções. Deus está excluído da agenda dos líderes mundiais, dos políticos há décadas. Toda essa situação em que estamos vivendo, é porque Deus está distante da vida do povo em geral. Onde Deus está ausente predomina a idolatria, a depravação humana, a violência devastadora, o terrorismo, a prostituição, a degradação do ser humano, ao ponto em que chegamos que está insuportável. Já não dá mais para aguentar tamanha anarquia que estamos vivendo. Mas o texto citado acima começa no (V.4) dizendo: “Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos”. Fazendo uma análise rápida, na língua original, descobrimos que o tempo do verbo está no imperativo ativo e é um mandamento. Portanto, se é um imperativo é uma ordem. E ordem se cumpre ou sofre as consequências. Sendo mandamento ou obedecemos ou estamos negligenciando. Se é ativo significa que tem a nossa participação direta, habitual, constante, sempre e a nossa ação para alegrarmos e regozijarmos. A repetição quanto ao regozijar é para reforçar a ideias porque o Apóstolo Paulo sabia que essa alegria era e é possível, ainda que estejamos em situação que não seja favorável, em conflito, em adversidade, em provações visto que a alegria não depende de circunstâncias favoráveis e externas, mas depende de uma vida com o Senhor Jesus Cristo. O Apóstolo Paulo mesmo deu o exemplo de alegria na adversidade na cidade de Filipos quando lá esteve, foi acusado injustamente, apanhou, foi preso e amarrado em um tronco, mas cantava e orava à meia noite com Silas, de modo que todos os presos os escutavam e percebiam a alegria deles, o que lemos em (Atos 16:12-31). O Apóstolo Paulo expressou a sua alegria apesar das perseguições, prisões, chicotadas e ameaça de morte o que vemos em (Fil. 1:4,18 e 2:17), bem como se interessava no gozo, na alegria e na fé de seus leitores como vemos em (Fil. 1:25 e 2:28). Quando no (V.4) ele diz da alegria, ele não só quer dar ênfase quanto a importância da alegria, como destacar que é a alegria que é fruto do Espírito Santo e não a tristeza, (Gal. 5:22). João Pennisi, (1978), p. 103, diz: “O céu é lugar de júbilo (Lc. 15:4,10,32) e de bem-aventurança (Ap. 21:4; 22:14). O reino de Deus nesta terra é também um reino de alegria (Rom. 5:2,11; 14:17). O verdadeiro Cristianismo não é uma religião sombria e os verdadeiros cristãos não são pessimistas, infelizes, amargos ou desesperados. Portanto, alegremo-nos”.

I – A FONTE DA ALEGRIA DO CRISTÃO (4:4).

Se a alegria do cristão está em Cristo, a do não cristão está nos prazeres, desejos e vontade da carne. Daí que podemos afirmar que a alegria dos não cristãos é passageira e momentânea, precisando a cada dia de alguma coisa nova e externa para se criar nova alegria, pois que a sua alegria não é duradoura. Já a alegria do verdadeiro crente ela é constante e dura para sempre, porque não está baseada em fatos externos e físicos, mas vem de dentro para fora, visto que Jesus Cristo é que nos garante essa alegria perene. Através de Jesus Cristo temos a reconciliação com Deus Pai (Rom. 5:11). Temos a esperança firme e inabalável (Rom. 5:2). Temos o Espírito Santo dentro de nós (Jo. 16:7; Rom. 14:17 e 15:13). Podemos orar e desfrutarmos do poder da oração (Jo. 16:24). Todas essas coisas são fontes de alegria. A alegria faz bem para a saúde e contribui para uma vida longínqua. A nossa felicidade cristã não depende de circunstâncias físicas, muito menos dos recursos materiais, mas da íntima comunhão com o Senhor Jesus. Motivos para tristeza não faltou para os crentes filipenses como ameaças pelos adversários (Fil. 1:28), como não tem faltado para os crentes nos dias atuais. Conviviam em meio a uma geração corrupta e perversa (Fil. 2:15), como nós convivemos também. Foram persuadidos pela falsa circuncisão (Fil. 3:2), bem como os que se declararam inimigos da cruz (Fil. 3:18). Mesmo diante de tudo isso o Apóstolo Paulo convidou-os a se alegrarem no Senhor Jesus.

II – COMO SE OBTER A ALEGRIA? (FIL. 4:5-7)

O nosso comportamento, os nossos pensamentos e nossas atitudes demonstram, negam ou influenciam em nossa alegria. Neste texto o Apóstolo Paulo oferece ótimas sugestões que contribuem para a alegria do crente...

A –SENDO MODERADOS E CLEMENTES (FIL. 4:5). A palavra usado pelo Apóstolo para moderado no grega é (ἐπεικές = epeiqués), quer dizer que devemos ser razoáveis em nossas opiniões e julgamentos. Rienecker, (1985), p. 415, diz que: “A palavra denota uma firmeza paciente e humilde, capaz de submeter-se a injustiças, desgraças e maus tratos, sem ódio ou maldade, confiando em Deus a despeito de tudo”, porque o Senhor tem conhecimento, percebe e sabe de tudo. Oh, meu Deus! O quanto precisamos aprender de Ti, de tua Palavra e com o exemplo do Senhor Jesus Cristo! Se Deus está perto, próximo é sabedor de todas as coisas. Uma pessoa moderada é de espírito magnânimo, capaz de superar as ofensas com espírito paciente, de mansidão que não luta insistentemente pelos seus direitos, mas confia-os ao Senhor. A pessoa moderada cede seus direitos a outra pessoa porque não quer ser egoísta, vingativa ou severa. O crente moderado sacrifica seus interesses para viver em paz com as pessoas, consigo mesmo e com o Senhor, tendo como inspiração Jesus Cristo e como exemplo supremo (II Cor. 10:1). Aí está o segredo da alegria do crente. Onde há alegria não há espeça para a ansiedade. Como estamos precisando dessa atitude no mundo atual e dentro das igrejas predominados de pessoas tão egoístas, interesseiras e exploradoras que querem levar vantagem em tudo! Quanta falta de paciência e clemência! Estamos precisando de pessoas dispostas a não transgredirem princípios morais, a fé e que sejam benevolentes em suas opiniões e prontas a perdoarem os erros uns dos outros porque tem uma visão global do Reino do Senhor Jesus. O Apóstolo Paulo demonstrou moderação em (I Cor. 9:6-14), quando dispensou o seu direito de ser sustentado pelos crentes daquela igreja de coração duro. Quem usa de moderação em seus julgamentos será julgado com a mesma moderação pelo o Senhor (Mat. 7:1-2).

B – MODERAÇÃO DIANTE DOS HOMENS PARA QUE SEJA CONHECIDA POR TODOS OS HOMENS (FIL. 4:5). O verdadeiro crente não procura a glória dos homens para si, de maneira que cause má impressão nos outros; pelo contrário, ele quer ser boa influência para o bem dos outros como vemos em (Mat. 5:16; Rom. 12:17 e I Tim. 3:7).

C – O CRENTE VERDADEIRO QUER SER MODERADO PORQUE ELE TEM A CONSCIÊNCIA QUE PERTO ESTÁ O SENHOR (FIL. 4:5). Perto pela onipresença. Perto na pessoa do Filho de Deus, o Deus encarnado, o Deus homem. Perto através do Espirito Santo que habita nos salvos (Rom. 8:9 e I Cor. 3:16). Perto na volta do Senhor Jesus para ressuscitar e arrebatar os salvos, quando habitaremos com o Senhor Jesus (II Cor. 5:8 e ap. 21:3. E, perto quando estaremos morando com o Senhor no Novo Céu e Nova Terra (Ap. 21:1-7), o que traz a esperança. Mas o sentido principal de “perto está o Senhor”, é estar preparado(a) para a volta de Jesus Cristo, porque a qualquer momento Ele voltará para julgar, vingar, abençoar e recompensar os que foram moderados, ou nós partiremos desta vida e não haverá tempo de ser moderado. Logo, o crente precisa ser moderado todos os dias com alegria.

III – RAZÕES PARA NÃO ANDARMOS ANSIOSOS (Fil. 4:6-7)

Ser ansioso(a), ou inquietos dependendo da versão, que no grego é (μεριμνᾶτε = merimnáte) em que o verbo está no tempo presente, imperativo e ativo. Se é ativo, isso significa que a pessoa ansiosa está provocando a ação e sofrendo-a. Isto é, ela está bebendo de seu próprio veneno. A raiz do verbo grego que é (μέριμνα = mérimna), indica que a pessoa tem uma mente dividida. Preocupada consigo mesma. A mente e pensamentos ocupados com as peripécias da vida, o que estará no lugar em que o Senhor é quem deveria estar ocupando. Portanto, o que leva uma pessoa a ficar ansiosa ocupa o lugar que deveria ser de Jeová, (MOULTON, 2007, P. 275). Logo, a ansiedade é incompatível para com o crente e para com a confiança que temos em Deus (Mat. 6:25). Daí que o Apóstolo recomenda que até a ansiedade deve ser apresentada a Deus em oração e não somente as petições de outros gêneros, porque a ansiedade arruína a alegria. Pennisi, (1978), p. 104, diz que: “A preocupação desesperada toma conta do estado mental e transforma a tranquilidade em tortura”. Tem aqueles que ficam ansiosos por coisas sem importância, triviais e dominados pela ansiedade ficam neutralizados reclamando dos outros e da vida. O exemplo melhor para isso é o da Marta o que está em (Luc. 10:38-42). Quando o Apóstolo Paulo diz que não é para estar ansioso(a) por coisa alguma, isso incluem as grandes e pequenas, a vida dos outros, dos entes queridos e a nossa. Jesus Cristo chamou a ansiedade de pouca fé em (Mat. 6:30). Quando o Apóstolo Paulo escreveu a igreja em Filipos, ele estava preso em Roma sujeito a condenação à morte, mas a igreja que recebeu a carta estava sendo perseguida, enfrentando inimigos dentro e fora da igreja, motivos suficientes para instalar a ansiedade. Todavia, o Apóstolo não queria que os crentes fossem derrotados pela angústia, seja por que causa for. Pennisi, (1978), p. 105, faz a seguinte citação em que ele não indicou o autor: “A ansiedade jamais restaurou uma vida, jamais devolveu a saúde, jamais pagou uma dívida, jamais resolveu um problema”. Para pensar nisso! Quanta verdade nessas palavras! A ansiedade é um veneno que mata a capacidade de tratar as dificuldades e dificulta o alimento espiritual na Palavra e advindo do Próprio Senhor Jesus. A ansiedade é uma péssima conselheira para a vida profissional, matrimonial, espiritual, para a saúde e alegria, pois contribui diretamente para decisões repentinas e precipitadas que só trazem tristeza.

IV – QUAL É O REMÉDIO PARA A ANSIEDADE QUE AFETA DIRETAMENTE A ALEGRIA? (FIL. 4:6).

A oração. O comentarista da Bíblia de Estudo de Genebra, (1999), p. 1418, diz que as petições pela oração e súplicas, com ações de graças são quatro termos que o Apóstolo Paulo usou, todavia, sem a intenção de distinguir quatro estilos diferentes de orações, mas ele queria dar ênfase quanto a importância na prática da oração na vida do cristão. Fazer os pedidos, ao Senhor Jesus, em oração, alivia a ansiedade (I Ped. 5:7). Em fazendo com ações de graças, que é com alegria é o antídoto para combater as preocupações. As petições devem ser de uma necessidade específica, como vemos em (Ef. 6:18), que vem da palavra grega (δέησις = deesis) que vem da raiz (δέω = deo) que traz a ideia de amarrar, atar, obstruir e impedir, (MOULTON, 2007, P.95). Logo, a petição a Deus será legal, viável e aceita se o pedido traz algum embaraço na vida das pessoas para com o Senhor Deus, em que só Ele poderá desimpedir ou desembaraçar. Assim sendo, percebemos que a maior parte das petições dirigidas ao Senhor Deus Pai que tudo responde, não tem razão de ser, pois não trazem nenhum embaraço da pessoa para com Deus. Todavia, como as orações não são só de petições, mas de ações de graças também, então vamos analisar a palavra grega (εὺχαριστία = eucaristia), que é a ação de graças ou gratidão. O que é agradável e prazeroso ao Senhor Jesus. O ser agradecido diante dos benefícios recebidos. E Rienecker, (1985), p. 415, diz que: “Expressa aquilo que nunca deve estar ausente de qualquer de nossas devoções, a saber, o grato reconhecimento das misericórdias passadas, algo bem distinto da preocupação ansiosa pelo futuro”. Em última análise, tudo em nossas vidas são motivos de orações, sejam de petições ou de ações de graças.

A – A ORAÇÃO EM TUDO. ISSO INCLUI TODAS AS CIRCUNSTÂNCIAS E TODOS OS PROBLEMAS. ORAR SEM CESSAR (I TES. 5:17). Orar sem reservas, sem hesitação que é abrindo o coração para Deus e compartilhando tudo tintinho, por tintinho! Pedir tudo para o Senhor Jesus para aliviar a dor, as preocupações reais e não imaginação ou fantasia, é o tipo de oração que descarrega o coração e a consciência, que por sua vez traz a alegria que brota de dentro para fora.

B – A ORAÇÃO DIRETA A DEUS (FIL. 4:6). Tem tanta gente enganada orando a intermediários mortos em que as religiões ensinam e a espíritos enganadores. Se a moderação é para ser conhecida pelos homens, (Fil. 4:5), as orações devem ser conhecidas por Deus (Fil. 4:6). Pennisi, (1978), p. 105 diz que: “Se alguém com ‘humildade’ achar que é insignificante demais para chegar a Deus com a sua oração, deve prestar atenção à exortação de Paulo em 4:6 e a passagens como Hebreus 4:15-16 e Mateus 6:9. Deve ter mais confiança na compaixão e no entendimento do Pai Celestial do que em qualquer morto, santo ou espírito (I Jo. 5:14). Ele nos ouve! A oração dirigida a qualquer outro é idolatria”.

C – ORANDO DE MANEIRAS DIFERENTES (FIL. 4:6).

Aqui devemos destacar que o Comentarista da Bíblia de Estudo de Genebra defende que só há duas maneiras de orações no texto em estudo: Petições e ações de graças, enquanto Pennisi pensa de maneira diferente em que há quatro tipos de orações em que destacaremos a seguir.


1 – A oração de petição que significa também solicitação que precisa ser específica e bem definida. Tem aqueles que fazem rodeios, floreiam, falam e falam e não dizem nada de interessante para Deus. Deus já sabe de antemão o que vamos pedir, todavia, Ele quer que sejamos específicos, que falemos a verdade e com sinceridade, dando nome ao que vamos pedir ou confessarmos.

2 – A oração devocional que devota ao Senhor os atributos sem restrições ao que Jeová é. Sem formalidade, decoradas e recitadas. As orações devocionais devem ser um momento particular, íntimo da pessoa com o Senhor em que ela devota a sua vida aos pés do Senhor, rendida em busca da santificação, como vemos em (Mar. 14:36; Jo. 11:41-42 e 17:1-26). Podemos orar o “Pai Nosso” decorado? Sim! Mas não ficarmos só com ele. O Senhor Jesus quer que oremos de maneira espontânea, livres e desimpedidos compartilhando sentimentos, seja qual for.

3 – A oração de súplica (Fil. 4:6). Súplica de acordo com o dicionário Aurélio é: O “Ato ou efeito de suplicar [...} Pedido [...] prece”. Súplica podemos dizer que é sinônimo de petição que é dirigida a Deus sem formalidade. É rasgar, abrir o coração diante do Senhor Jesus. Implorar o favor de Deus em prol de si ou de alguém que está em sofrimento.

4 – A oração com ações de graças (Fil. 4:6), é aquela que reconhece o que o Senhor Deus é e tudo o que Ele faz por nós, daí a gratidão. Ao conversarmos com Deus deve ser com a graça do Senhor e com as pessoas devemos transmitir graça em nossas palavras, (Ef. 5:3 e Jo. 1:16). Gratidão em tudo (I Tes. 5:18), em todas as circunstâncias, nos momentos felizes, de tristeza, de sofrimento e de lágrimas também, pois em tudo dai graças é a recomendação da Palavra de Deus. A oração ajuda a melhorar a nossa confiança, principalmente quando há o reconhecimento que somos sustentados pelo o Senhor Jeová.

V – OS RESULTADOS DE VIVERMOS EM ALEGRIA A QUALQUER CUSTO (FIL. 4:7)

1 – A PAZ. A paz completa. A paz em abundância. A paz eterna. A paz em meio as tribulações, sofrimentos e dor. A paz que tranquiliza a alma que está triste, abatida e perturbada. A paz que promove o sono tranquilo (Sal. 4:8). A paz que acrescenta anos de vida a quem vive a alegria no Senhor (Sal. 122:1 e Prov. 3:2).

2 – A ORIGEM DA PAZ (FIL. 4:7). Deus é a fonte de toda paz. Paz que estanca a violência brutal e sem piedade e cessar a guerra. A paz que não se consegue pelo poder econômico; não se consegue pelo conhecimento humano; nem pelas riquezas, mas somente em Cristo Jesus, (Is. 26:3 e Jo. 14:27 “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize”.

3 - QUE TIPO DE PAZ? A paz que excede a todo o entendimento (Fil.4:7). A paz que pensamos, que queremos como cansados de lutar, de esforços tremendos sem resultados, de dificuldades, de problemas muito difíceis e quase impossíveis. De responsabilidades que fazem parte e é normal as nossas vidas diárias que queremos nos livrar, essa paz não é bíblica, diz (PENNISI, 1978, P. 107). A paz que Deus nos dá é diferente, está além da nossa compreensão. Essa paz tranquiliza, faz viver uma vida serena em meio aos problemas e até guerras. Não conseguimos alcançá-la por nós mesmos, sozinhos com nossos planos e esforços, mas somente com a ajuda do Senhor em habitando em nós.

4 – ESSA PAZ OFERECE ALEGRIA E PROTEÇÃO (FIL. 4:7). Ela nos guardará de pensamentos e sentimentos maus. Guardará as nossas vidas e saúde (Tia. 5:14-15). Guardará os nossos corações. Coração naquele tempo era a sede para todas as faculdades humanas, sentimentos, emoções e inteligência (Rom. 9:2). Sede da vida espiritual, da condição moral e religiosa. Mente incluía pensamentos, propósitos e desígnios da nossa vida, mesmo que tenhamos que enfrentar os espinhos da carne, (II Cor. 12:7-10), como o Apóstolo Paulo enfrentou. Estevão enfrentou o apedrejamento (At. 7:54-60). Ou mesmo a cruz como o Senhor Jesus Cristo enfrentou em serena paz guiando o coração e mente. O coração fala do homem interior e de sua essência.


5 – A CONDIÇÃO NECESSÁRIA PARA DESFRUTARMOS A PAZ (FIL. 4:7). Somente em Jesus Cristo há essa paz tranquilizadora. Somente a salvação em Cristo Jesus promoverá a paz interior e nos manterá firmes nos propósitos do Senhor para nós. Pennisi, 1978, p. 108 diz: “Em vez de ficarmos ansiosos devemos orar para receber a paz de Deus que será concedida se estivermos em comunhão e união espiritual com Cristo. Quem é membro do se corpo, ramo na sua videira e pedra na edifício espiritual, tem a promessa da ajuda divina. Ninguém pode servir os próprios apetites ou as delicias enganadoras de Satanás e ao mesmo tempo esperar receber a paz e a proteção de Cristo”.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Sabemos que há determinados momentos que para mantermos a alegria plena é quase impossível. Temos a consciência que diante de alguns fatos a alegria fugirá, mas que seja por pouco tempo, como foi o caso do Senhor Jesus, no Jardim do Getsêmane (Mat. 26:37-38), durou apenas três ou quatro dias; ou seja, da noite em que foi traído até a sua ressurreição. É com um coração agradecido que continuaremos vivendo a nossa fé independente do que o mundo faz, crê, pratica e que situação estejamos vivendo. Vivendo a nossa vida moderada com fé, as quais promoverão a paz que nos traz uma vida alegre e muito feliz em Cristo Jesus. "Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e apresentar-vos irrepreensíveis, com alegria, perante a sua glória", (Judas 1:24)

Bibliografia:

1 – BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 1978, 665 p.

2 – JUNIOR, Luder Whitlock. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

3 – MOULTON, Harold K. Léxico Grego Analítico. Trad. Everton Aleva de Oliveira e Davi Miguel Manço. 1ª Ed. Ed. Cultura Cristã, São Paulo, 2007, 460 p.

4 – OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

5 – PENNISI, João. O Livro de Filipenses. 1ª Ed. Editora Vida Cristã, São Paulo, 1978, 134 p.

6 – RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Cheve Linguistica do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1ª Ed. Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 1985, 639 p.

7 - SHEDD, Russell Philip. Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. São Paulo, 1978, 929 p, A T.