Versículo do Momento

LEIA A BÍBLIA

dezembro 29, 2015

CRISTÃO VERDADEIRO

SE VOCÊ É CRISTÃO VERDADEIRO VEJA ESTE VÍDEO, POIS HÁ DE IMPACTAR A SUA FÉ SE É VERDADEIRA OU FALSA!

https://www.youtube.com/watch?v=UwkJ22N23w

dezembro 25, 2015

NATAL, AFINAL O QUE É NATAL?

NATAL, AFINAL O QUE É NATAL?

Para falarmos o que é Natal, primeiro gostaríamos de pensar e de refletirmos o que não é Natal, para assim valorizarmos verdadeiramente o que é e o sentido do Natal.

1 - Não é Natal o que está acontecendo no Oriente Média. Nos países como no Iraque, em Israel, na Líbia, na Palestina e principalmente na Síria. Uma guerra civil em que está destruindo o país, deixando-o em petição de miséria, em que o povo está destruindo o próprio país e a população, por um lado um regime de ditadura de Bashar al-Assad e por outro lado um grupo religioso extremado, chamado de Estado Islâmico provocando uma situação caótica em que milhares estão morrendo como vítimas da guerra civil, outros milhões estão fugindo, deixando tudo para trás e os que estão fugindo, milhares estão morrendo afogados na travessia do Mar Mediterrâneo para a Grécia e Europa, de fome e em campos de refugiados. Este não é o espírito e a mensagem do verdadeiro Natal. Veja o Vídeo de acordo com o link abaixo.
https://www.youtube.com/watch?v=8ZN75IeJJlo


2 - Não é do espírito de Natal o atentado que aconteceu em Paris, França, no dia 13 de novembro de 2015, em que morreram 130 pessoas de várias nacionalidades e mais de 350 feridos. Isso não é Natal porque a mensagem do mesmo não é de violência, de tristeza, de morte, de vingança e desesperança; mas de paz, de alegria, de esperança, de amor e de muito amor. Este, sim, é o espírito de Natal. O link do vídeo abaixo demonstra em parte o desespero do atentado em Paris.

https://www.youtube.com/watch?v=nY5IhoEe-SQ

3 - Não é Natal o que está acontecendo em nosso país querido, o Brasil. Tantas mentiras, enganações, falsidade, corrupção, ganância pelo poder, roubo, não só de coisas materiais através de canetadas, como o aumento de impostos e etc, assinando decretos e leis que estão nos assaltando; mas o roubo das imateriais que são a paz, a certeza, a esperança de dias melhores. Ninguém tem certeza neste país, a não ser o certeza que estamos caminhando cada vez mais para dias difíceis e piores. Este estado instalado no país não é o espírito de Natal. O espirito de Natal nos enche de paz, de esperança, de certeza de dias melhores, de solidariedade e de justiça, foi o que os anjos anunciaram, aos pastores, que eram desprezíveis que não serviam nem para testemunhas diante de um processo jurídico, mas que foram os que receberam o anjo do Senhor com uma mensagem celestial como vemos em (Luc. 2:8-20), cheia de esperança de dias melhores que os encheram de alegria e louvores ao Deus criador de todas as coisas.

https://www.youtube.com/watch?v=kAU6n1kiMfg

4 - Não é Natal o correr para as lojas para comprarem e endividarem-se, passando o ano seguinte atribulados, mal humorados tentando administrarem as dívidas. o Natal de Jesus não fala de ninguém se endividando, nem trocando presentes, mas apenas de visitas, primeiro dos anjos aos pastores, depois dos pastores ao menino Jesus. Dois anos após os magos do Oriente trouxeram ao menino Jesus e ofertaram-lhe ouro, incenso e mirra, (Mat. 2:11). Percebemos que não foram os homens que receberam os presentes, mas o menino Jesus, presentes geralmente dados ao filho de um rei foi o que Ele recebeu.

5 - Não é Natal o ir ao supermercado, encher o carrinho de comida, bebida, comer com ansiedade, embriagar-se, passar mal, brigar, causar confusão, as vezes até morte, no dia que era para ser de alegria terminar em profunda tristeza para familiares e milhares de pessoas. Este não é o verdadeiro espírito de Natal de Jesus.

O QUE É, AFINAL, O NATAL?

6 - O Natal é o presente de Deus para a humanidade carente e decepcionada diante de tantas mazelas, catástrofes, violência, guerras, sofrimento dos exploradores, desesperançosa diante de líderes corruptos e sem escrúpulos em busca de paz, de esperança, de consolo, de direção e de um líder que é capaz de trazer o que a humanidade mais precisa, a verdade que a ela é negada por interesses econômicos, comerciais, poder, interesses religiosos e políticos. O Natal tem essa mensagem que a humanidade tanto precisa e quer como vemos em (Is. 9:6-7) que nos diz: "Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. Do aumento deste principado e da paz não haverá fim, sobre o trono de Davi e no seu reino, para o firmar e o fortificar com juízo e com justiça, desde agora e para sempre; o zelo do SENHOR dos Exércitos fará isto". Isaías já falava para uma humanidade sem paz cerca de 700 anos antes de Cristo. Presente este que o Senhor espera em troca que demos a Ele o nosso coração, como Ele pede em (Prov. 23:26) "Dá-me, filho meu, o teu coração, e os teus olhos observem os meus caminhos", para que o Senhor Jesus possa nascer em nós.

7 - O Natal é a manifestação da Glória de Deus, aos homens, na pessoa de seu filho unigênito como vemos em (Luc. 2:9), que diz: "E eis que o anjo do Senhor veio sobre eles, e a glória do Senhor os cercou de resplendor, e tiveram grande temor". Glória esta que convenceu Moisés de ser incapacitado de exercer a tarefa a qual o Senhor o incumbira e que só foi capaz pela intervenção divina direta em sua vida, (Ex. 3:11). Que convenceu o povo hebreu da presença do Senhor Deus no decorrer do deserto enquanto estava em rumo a terra prometida, (Num. 12:11). Que convenceu o profeta Isaías que era pecador, (Is. 6:5), mas a solução para o pecado estava no Próprio Deus que o perdoou e o purificou de seus pecados.

8 - O Natal são as boas novas de Deus para a humanidade, como testificamos em (Luc. 2:10), que diz: "E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo". Boas novas se referem ao Evangelho de Cristo. Ao perdão. A salvação que Ele nos proporciona que é para todo o povo. Por outro lado só são agraciados com a salvação os que creem e recebem ao Senhor Jesus como salvador, (Jo. 1:12).

9 - O Natal é a alegria de Deus adentrando na vida de cada ser humano como salvador e Senhor de nossas vidas, fazendo com que essa alegria seja grande e duradoura, (Luc. 2:10). Alegria esta que contagiou os pastores no campo, levando-os até Belém ao encontro com o Filho de Deus. Encontro este que contagiou de tal maneira que voltaram glorificando, louvando a Deus por verem Jesus nascido e por confirmarem tudo o que o anjo lhes disse, (Luc. 2:15,20).

10 - O Natal fala de salvação, (Luc. 2:11). Não nasceu nenhum outro ser para salvar no lugar de Jesus Cristo e não nascerá! Nem mesmo para ajudá-lo em tal tarefa! O texto citado acima é claríssimo, se não vejamos, "Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor". O salvador nasceu para que nós nascemos espiritualmente em Cristo. Para que sejamos regenerados de nossos pecados nELE.

Concluindo: O sentido verdadeiro do Natal se perde quando perdemos de vista os ensinamentos de seu Evangelho. Quando nos apegamos a subterfúgios como não sabemos a data certa de seu nascimento. Isso não é mais importante do que Ele ter nascido, não importa que dia e que mês nasceu. O importante é que nasceu. Não importa se o país está quebrado moral, espiritual e economicamente para os que estão em Cristo, pois o Senhor Deus não obedece a lógica, a matemática, a economia e as crises humanos, Ele é o Senhor é pode mudar qualquer cenário, por mais caótico que seja. É capaz de trazer paz em meio ao caos. Você crê nisso?

https://www.youtube.com/watch?v=OIFp3B_8aCA

Pr Flávio da Cunha Guimarães

Bibliografia

Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.


Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.

BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Cheve Linguistica do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p.

dezembro 14, 2015

O QUE É MISERICÓRDIA MESMO?

        O QUE É MISERICÓRDIA MESMO?


        LUC. 10:34-37

        Misericórdia é o sentimento doloroso causado pela miséria de outrem. É o mesmo que benignidade, bondade, compaixão, compassivo e amar o outrem. O que faltava ao doutor da Lei que chegara para Jesus e perguntou no (V. 25): “que farei para herdar a vida eterna?” #Misericórdia esta que Jesus Cristo destacara outras vezes, como vemos em (Mat. 9:13), “Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento”. Bem como em (Mat. 12:7), “Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenaríeis os inocentes”.

        Misericórdia esta que está faltando também em nossa sociedade, nas igrejas e até em nossos familiares por causa da índole má do ser humano, mesmo aqueles que se dizem cristãos ou religiosos!

        Além da índole má, da tendência do ser humano pecaminosa em praticar o mal, somos bombardeados todos os dias pelos meios de comunicações, pela mídia escrita e falada que dão uma ênfase demasiada ao ódio, a vingança, a violência e a morte através do jornalismo, filmes e novelas.

        Qual é o resultado disso?

        1 - Estamos nos acostumando, o que não deveria acontecer, com essa cultura doentia sem o amor e sem a misericórdia. Quase não há atitudes de indignação da nossa parte contra toda essa avalanche de violência que está varrendo o país de canto a canto. Este estado de apatia contraria os ensinamentos da Palavra do Senhor Jesus.

        2 - Outros, porém, vivem indiferentes como se nada de mal estivesse acontecendo. A prova disso é só darmos uma olhada no que as pessoas estão postando na internet. Mensagens de paz e amor, de bênçãos e de prosperidade quando na verdade estamos à beira de uma guerrilha, não das forças armadas contra grupos das forças armadas, mas uma guerrilhe de gangues e facções de crimes variados. Não tenho nada contra a paz e o amor, só que o momento é totalmente diferente, é preciso que a igreja do Senhor se levante para protestar contra este estado caótico em que vivemos no presente século. Atitude de indiferença essa que o sacerdote, o levita e o Dr da Lei da parábola do bom samaritano adotaram, contrariando o que o Senhor queria ensinar a pratica da misericórdia.
        Estes últimos, sim, deveriam ser misericordiosos o que não foram. Não foram porque não queriam ser, pois conhecimento de que deveriam ser eles tinham. Não foram misericordiosos porque não eram capazes, porque não fazia parte da personalidade, do caráter, dos sentimentos deles.        A personalidade, o caráter, os sentimentos deles eram dominados pela discriminação racial, social, religiosa, pelo preconceito, pelo sentimento de vingança, de ódio, de rancor, de malícia e de maldade.

        Diferente de hoje? Não!

        Quantos não querem ser misericordiosos! Escolheram odiar, vingar, violentar e matarem. Não são capazes de serem misericordiosos porque não faz parte da personalidade, do caráter, dos sentimentos nossos. A personalidade, o caráter, os sentimentos nossos são dominados pela discriminação racial, social, religiosa, pelo preconceito, pelo sentimento de vingança, de ódio, de rancor, de malícia e de maldade também! A nossa sociedade está empesteada de pessoas que a personalidade, o caráter e os sentimentos estão distorcidos.

        O que faltava ao sacerdote, ao levita e ao Dr da Lei, que está faltando a nossa sociedade também, sobrava, esbanjava em um samaritano considerado pelos judeus de incrédulo, herege, excluído do direito de ser o próximo dos judeus. O samaritano era considerado errado na doutrina, na prática da religião e inimigo dos judeus. Entretanto, foi ele quem nutriu o amor, a misericórdia real pelos inimigos. Que foi capaz de viver o que o Senhor Jesus ensinara em (Mat. 5:43-45) “Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus; Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos”.

        Eu, você, nós já passamos, já sofremos por falta de amor e misericórdia por aqueles que estão dentro das igrejas, dentro das famílias! Quantos irmãos com inveja de irmãos? Espezinhando ou aperreando a vida de irmãos? Perseguindo irmãos? Agindo de maneira vingativa de irmão em Cristo? Quantos Pastores escorraçados de igreja sem nenhuma misericórdia? Por outro lado, pessoas consideradas incrédulas, hereges foram prestativas, demonstraram amor, misericórdia para conosco, o que irmãos em Cristo deveriam fazer, entretanto não fizeram.

        Aprendendo com a parábola do bom samaritano

        1 - Aprendamos com o sacerdote, com o levita, com o Dr da Lei que religiosidade, longos anos como membros de uma religião ou de uma igreja não significa bondade, amor, compaixão e misericórdia. Aprendamos que o nosso próximo, realmente próximo nem sempre está dentro de uma igreja ou na família, mas poderá ser alguém que está fora da religião, fora da igreja ou até fora da família.

        2 - Aprendemos que o amor e a misericórdia são reais, verdadeiros e que requerem sacrifício como o Senhor Jesus demonstrou por nós em (Rom. 5:8).

        3 - Aprendemos que o amor e a misericórdia se demonstra através de atos, de atitudes. O que o samaritano fez. Pegou de seu óleo e de seu vinho que eram de seu uso pessoal, usou-os como medicamentos para cuidar do moribundo. Não foi egoísta e avarento. Pagou as diárias do assaltado. Não pensou que ia faltar-lhe dinheiro. Ele só pensou, quis tratar, amenizar a dor, o sofrimento e curar as feridas.




        Enquanto o samaritano contribuía em amenizar o sofrimento do violentado, hoje, quantos que contribuem para aumentar a nossa dor? O nosso sofrimento por falta de amor e de misericórdia?

        4 – Aprendemos que o samaritano não se importou de contaminar-se, preocupação essa do sacerdote e do levita da parábola. Quantos que não querem se contaminar? Se omitem? Mas são contaminados pelo pessimismo, pela mesquinharia, pela fofoca, pela malícia, pela maldade e pelo desamor!

        5 – Aprendemos que muitos não vão as igrejas pequenas, simples para não dizer pobres, porque estão preocupados em mancharem, contaminarem a sua reputação social.

        6 – Aprendemos que quantos que se declaram gostar do Pastor, de você que é membro, que a igreja está certa, mas não vem para a igreja a qual você congrega com a desculpa que não gostam da igreja porque é fria, porque não tem recursos. Não querem pagar o preço de trabalharem para que a igreja cresça e tenha os recursos que as grandes igrejas um dia não tiveram.
                                                                       
        7 – Aprendemos com o samaritano que transportou o moribundo, hospedou, pagou as diárias, assumiu o compromisso de pagar se por ventura gastasse mais quando voltasse. Isso é atitude de amor e de misericórdia.

        Concluindo:
        Como estamos precisando de samaritanos em nossa sociedade meio morta por falta de amor e de misericórdia! Em nossas igrejas que estão morrendo sem amor e sem misericórdia! Em nossas famílias! Quantos estropiados, esfolados material, moral, espiritual ao nosso redor, pelos sem compaixão e sem misericórdia, precisando que sejamos samaritanos para cuidar de suas feridas? Sejamos samaritanos!!!!!!!!!!!!


        Pastor Flávio da Cunha Guimarães

        Bibliografia
Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.

BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.


OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Cheve Linguistica do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p.

novembro 27, 2015

DIA DE FINADOS - COMOAGRADECER.BLOGSPOT.COM

        DIA DE FINADOS



        O Dia de Finados, é celebrado pela Igreja Católica no dia 2 de novembro.

        Desde o século II d C, alguns cristãos re-zavam pelos falecidos, visitando os túmulos dos mártires para rezar pelos mortos.
        No século V, a Igreja dedicava um dia do ano para rezar por todos os mortos, pelos quais ninguém rezava e dos quais ninguém lembrava.

        No século XIII esse dia anual passa a ser comemorado em 2 de novembro, porque 1 de novembro é a Festa de Todos os Santos. Torna-se obrigatório como exigências dos Papas Silvestre II (1009), João XVII (1009) e Leão IX em (1015) obrigam a comunidade a dedicar um dia aos mortos que é o dia 2/11.

        Prática esta, que vem dos Celtas, uma sociedade que viveu cerca de 2 mil anos a C, no leste Europeu, que acreditava na continuação da existência depois da morte. Reunia-se nos lares, não nos cemitérios, no primeiro dia de novembro, para homenagear e evocar os mortos.

         POR QUAIS RAZÕES AS PESSOAS VÃO AO CEMITÉRIO?
        1 – PRIMEIRA: Por saudades.
        2 – SEGUNDO: Para arrumar, embelezar, enfeitar os túmulos...
        3 – TERCEIRA RAZÃO: Para levar comida, oferendas...
        4 – QUARTA RAZÃO: Para acender velas.
        5 – QUINTA RAZÃO: Para rezar pela salvação...
        6 – SEXTA RAZÃO: Para invocar a ajuda...

        O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE OS MORTOS?

        1 – Que da morte não se volta (Jó 10:21) “Antes que eu vá para o lugar de que não voltarei, à terra da escuridão e da sombra da morte”.
        Precisamos entender que no tempo de Jó a doutrina da ressurreição ainda não estava estabelecida.
        Em (II Sam. 12:23) diz: “Porém, agora que está morta, porque jejuaria eu? Poderei eu fazê-la voltar? Eu irei a ela, porém ela não voltará para mim”.
        Este texto está no contexto do pecado de adultério do Rei Davi, repreendido pelo profeta Natã, o profeta diz no (V. 14) que a criança morreria, o que de fato morreu, é o que diz o (V.18), apesar de Davi buscar ao Senhor, de jejuar, orar e se humilhar diante de Deus. Sabendo que a criança era morta, de que nada podia fazer, da lamentação, da depressão, entra em ação para consolar a mãe da criança morta e toca a vida de maneira normal, se é que podemos dizer que era normal.

        Em (Luc. 16:26 e 31) relata: “E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá [...] Porém, Abraão lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite”. O texto acima mostra, de maneira clara, que não se muda o estado da pessoa após a sua morte.

        E em (Heb. 9:27-28) afirma: “E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo, Assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação”.

        Assim sendo, os mortos não ouvem. Não veem os que aqui estão. Não intercedem. Não abençoam. Não voltam, se não na ressurreição; e não podem fazer nada pelos vivos, nem os vivos pelos os mortos.

        2 – A reação dos vivos diante da morte.
        O (Sal. 88:3-4) diz: “Porque a minha alma está cheia de angústia, e a minha vida se aproxima da sepultura. Estou contado com aqueles que descem ao abismo; estou como homem sem forças”.
        Os (Versos 11-12 e 15) dizem: “Será anunciada a tua benignidade na sepultura, ou a tua fidelidade na perdição? Saber-se-ão as tuas maravilhas nas trevas, e a tua justiça na terra do esquecimento? [...] Estou aflito, e prestes tenho estado a morrer desde a minha mocidade; enquanto sofro os teus terrores, estou perturbado”.

        As expressões dos (Versos 3,4 e 15 “angustia”, “sepultura”, “contado”, “aflito” e "perturbado" descrevem um quadro de certeza, porém uma certeza que não gostaria de tê-la.

        O salvo verdadeiramente pode ter segurança em relação a morte desde que parta desta vida com Cristo. Os textos a seguir nos dão esta garantia. Leia-os: (Jo. 5:24-25. Ef. 2:5. II Tim. 1:10. I Jo. 5:12.

        Em morrendo, sela-se o destino final. Se salvo, salvo eternamente. Se perdido, perdido eternamente.

        Pr Flávio da Cunha Guimarães

        Bibliografia

Disponível em: http://www.calendarr.com/brasil/finados/, acessado em 31/10/2015.

História de Tudo, Disponível em: http://www.historiadetudo.com/dia-finados, acessado em 31/10/2015.


OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

novembro 26, 2015

CONSCIENTIZAÇÃO CONTRA OS PRECONCEITOS

        A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO CONTRA OS PRECONCEITOS

        Na sexta-feira, dia 20, o dia Nacional da Consciência Negra, que é feriado em alguns Estados, em outros, ponto facultativo, dependendo das autoridades políticas. Por outro lado, já tramita no Congresso o Projeto de Lei, de Nº 296/15 para que o dia 20 de novembro se torne feriado Nacional. Dia este mais que merecido que fique na memória do povo brasileiro, não como um dia a menos de trabalho, mas o registro da história que foi manchada, os mais de 300 anos de escravidão. Que jamais esqueçamos o preconceito que os negros sofreram e ainda sofrem, bem como as injustiças e a violência que são cometidas, principalmente contra as mulheres negras neste país.
        Tudo isso, para mim, é por falta de amor ao próximo, pois a Palavra de Deus em (Mat. 22:39) diz: “E o segundo (mandamento), semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.
        Se é por falta de amor ao próximo, nada mais justo do que falarmos de amor, de sentimento puro, desprovido de qualquer interesse, santo e divino. Amor de verdade, não o amor faz de conta.

        Não se pode negar que os preconceitos existem e são mundiais.

        Há o preconceito de cor. O negro casado com a mulher branca. O homem branco casado com a negra nem tanto, o que não é bem visto pela sociedade. Além de o negro ser considerado como uma raça inferior, e até geradores de marginais. Pensar assim é inadmissível!

        Há o preconceito de altura. A namorada ou a esposa, mais alta do que o namorado ou esposo, não é visto com bons olhos por alguns. Pensar assim é uma tremenda idiotice.

        Há o preconceito de idade. A mulher não pode ser de mais idade do que o homem. Não é bem-visto esse tipo de união. Quanto tabu!

        Há o preconceito de condição social. Ricos não se misturam com pobres. Pobre é gentalha. Pobres não casam com ricos. Se casa é porque está interessado na riqueza do outro da outra.

        Há o preconceito profissional. Médicos, engenheiros, advogados, doutores, desembargadores, juízes, promotores, políticos etc; são considerados superiores a outras profissões, por exemplo: ao lavrador, ao funcionário de serviços gerais, a empregada doméstica, aos garis, os que varrem ruas e etc.
        Ninguém é mais importante que ninguém! Todos são importantes no que fazem. Quando se faz por amor, de maneira digna, para ganhar o seu pão de cada dia de maneira honesta.

        Há o preconceito quanto ao estudo. Quem estudou se considera ou é considerado mais capaz, mais importante, mais inteligente, mais intelectual do que o analfabeto. Por outro lado, conhecemos analfabetos muito mais inteligentes, muito mais capacitados do que muitos estudados. Não estou fazendo apologia ao não estudo. Pelo contrário, é preciso estudar e muito. Estamos citando apenas alguns preconceitos entre tantos. Não falaremos, por exemplo, do religioso.

        Quem ama não olha cor, altura, idade, condição social, profissional, grau de estudo. Simplesmente ama, como Deus ama indistintamente.

        O nosso objetivo é conversarmos sobre O Dia Nacional da Consciência Negra que é celebrado, no Brasil, em 20 de novembro, por força da lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011. A data foi escolhida por causa do dia da morte de “Zumbi dos Palmares”, que se deu em 1695. O Dia lembra à resistência do negro contra a escravidão, desde o primeiro transporte de africanos para o Brasil em 1549.

        É preciso desenvolver a consciência de que o racismo, o preconceito seja qual for, é anti-bíblico, é pecado. Esta consciência é necessária por algumas razões:

        1ª – PRIMEIRA: O preconceito ainda existe, e é mundial. Dizer que não existe preconceito contra o negro, é mentir, é tentar negar os fatos descaradamente. Jogadores negros são chamados de macacos constantemente; jogam banana em jogadores, como fizeram com Daniel Alves na Espanha. O Tinga, o Arouca e até o Neymar sofreram com o racismo. Fazem gestos para os jogadores imitando macacos. São cenas inaceitáveis.



        2ª – SEGUNDA RAZÃO PARA ESSA CONSCIENTIZAÇÃO: De acordo com pesquisas, no Brasil, ocorrem em média, 5.572 mortes de mulheres a cada ano. De acordo com o Portal Brasil, morrem mais mulheres negras assassinadas do que brancas. Elas são as principais vítimas, exceto na Região Sul. Na Região Nordeste, o percentual é o maior, 87%. Isto é um absurdo!

        3ª – TERCEIRA RAZÃO PARA ESSA CONSCIENTIZAÇÃO: A cota nas faculdades, concursos públicos e etc, achamos bom, com um detalhe, não só atesta que o racismo existe, bem como é um atestado de que o negro não tem capacidade, inteligência suficiente para ingressar nas universidades e mercado de trabalho por capacidade própria. Mas os negros têm contrariado esse pensamento esquizofrênico no Brasil. Citaremos apenas três importantes nomes: Machado de Assis, em que o nome completo é: Joaquim Maria Machado de Assis. Pelé: Edson Arantes do Nascimento. E, Joaquim Barbosa, que é: Joaquim Benedito Barbosa Gomes. São negros que a pátria tem orgulho deles.
       
        4ª – QUARTA RAZÃO PARA ESSA CONSCIENTIZAÇÃO: Não existe na Bíblia a palavra preconceito. Todavia ela fala de acepção de pessoas. Acepção significa preferência por pessoas. O mesmo que tratar com desigualdade, de maneira preferencial em detrimento de outra. Temos 2 textos para colocarmos. O 1º é (Atos 10:34) que diz: “abrindo Pedro a boca, disse: Reconheço por verdade que Deus não faz acepção de pessoas”. Se Deus não trata de maneira desigual, por que haveremos de tratar?

        O 2º texto é (Tiago 2:9) que diz: “Mas, se fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado, e sois recriminados pela lei como transgressores”. Deus está nos intimando, através deste texto, para que tratemos todas as pessoas, sem distinção de condição social, econômica, intelectual, religiosa, cor e sexo sem preconceito, sem racismo. Vamos assumir este propósito!


        Pr Flávio da Cunha Guimarães

        Bibliografia


OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.


Tales Pinto, disponível em: <http://www.escolakids.com/20-de-novembro-dia-da-consciencia-negra.htm>, acessado em 20/11/2015.




novembro 09, 2015

O PECADO DA IRA NA IGREJA

        O PECADO DA IRA NA IGREJA
        São mais de 50 textos bíblicos que falam da ira de um modo geral, até mesmo da ira de Deus. No entanto, queremos falar da ira do ser humano e, em particular, dentro das igrejas.
        O texto para a nossa leitura está em (Ef. 4:26) “Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira”.



        DEFININDO A IRA
        Segundo o dicionário Aurélio, ira é o mesmo que cólera, raiva, indignação, desejo de vingança. É preciso distinguir entre a ira e cólera; a raiva e ódio. O ódio e a raiva são a ira reprimida. São emoções destrutivas tanto para os que as sentem como para quem se torna objeto delas. A ira é um impulso momentâneo, que provoca também os maus pensamentos, fazendo com que muitas vezes façamos acusações injustas, provocando brigas e conflitos nas relações interpessoais.

        A ira leva as pessoas a se comportarem de maneira feroz, animalesca, destrutivas, agressivas, demonstrando imaturidade emocional e espiritual. A ira é a causa de desejo descontrolado de vingança, de brigas, de agressividade, de hostilidade e até de destruição. É um descontrole, que chega a modificar o semblante, a expressão facial da pessoa.

       A IRA NA IGREJA
       Para aqueles que pensam que na igreja não existe ira, cólera, ódio, ressentimentos porque se vive em um ambiente religioso, espiritual, na presença de Deus, estão tremendamente enganados! Permita-me contar um episódio que aconteceu conosco em uma igreja. Um membro chegou para mim e disse-me que quem recebia salário era eu. Com isso ele queria me intimidar a não dizer as verdades que ele e a igreja precisavam ouvir, se não quem perderia o salário seria eu. Em outras palavras, seria mandado embora do ministério da igreja. Tal atitude é a demonstração de ira, de raiva, de hostilidade ou no mínimo, em nos dizer: “Eu não gosto de você, não vou com a sua cara”.

        Vejamos o que o Apóstolo Paulo escreveu a Igreja da cidade de Éfeso, (Ef. 4:26) “Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira”. Ele não escreveu para não crentes, pelo contrário, ele escreveu para uma igreja, constituída de membros que se diziam cristãos. Visto que estavam pecando ao irarem e essa ira permanecer, continuar dominando os pensamentos, o caráter e a personalidade de alguns daqueles membros.

        É muito triste dizer isso, mas há muita ira, ódio, mágoas, ressentimentos reprimidos nos membros de nossas igrejas. Por que há tantas discórdias nas assembleias deliberativas das igrejas? Por que há tanta divisão de igrejas? Por que pastores e familiares saem de igrejas tão feridos e atacados? Por que falam tão mal de pastores? Por que tem aqueles que gostam tanto de querer humilhar pastores?

        Não encontramos outra explicação a não ser duas: 1 – Membros que não foram ainda transformados pelo poder de Deus. São membros carnais, como o Apóstolo Paulo diz a igreja em Corinto 3:1-3. 2 – Por não serem transformados pelo poder da Palavra de Deus, esses membros de igrejas agem motivados pela ira, com a intenção de destruir as pessoas, principalmente aqueles que estão acima delas, porque não querem se submeterem a autoridade espiritual.

       COMO LIDAR COM A IRA
       A primeira coisa a fazer é tomar consciência, se autoconhecer, o que só é possível quando somos confrontados com a Palavra de Deus, o que fará perceber que comportamentos desse tipo são manifestações de ódio por si mesmo. Por mais que alguém possa nos provocar, nos irritar procuremos controlar a nossa ira, a nossa raiva. Como em todos os outros pecados, o amor próprio ainda é o melhor remédio, pois sabemos que não faz bem para nós nem para os que estão ao nosso redor.

        Segundo: Busquemos, no Senhor, a capacidade de perdoarmos a nós mesmos, aos outros que nos provocam para tirar aquele peso de consciência, de culpa que fica martelando em nossas mentes, que com certeza o inimigo há de usar para nos acusar.

        Busquemos em Cristo colocar em prática o fruto do Espírito Santo, o que o Apóstolo Paulo ensina em (Gal. 5:22-23) "Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei".


        Busquemos praticar os ensinamentos do Senhor Jesus Cristo, em sua Palavra, como em (Ef. 4:32) “Antes sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo”; e (Col. 3:13) “Suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também”. Vamos assumir este propósito, para com o Senhor Jesus agora!

       Pr Flávio da Cunha Guimarães

       Bibliografia

Bíblia de Promessas. Tradução João Ferreira de Almeida. RC. 2ª Edição, Co-edição JUERP e King's Cross Publicações, 2009.

Rosemeire Zago, Disponível em <http://www2.uol,com,br/vyaestela/ira.htm>, acessado em 04/11/2015.

outubro 29, 2015

A SOBERBA: UM DOS SETE PECADOS CAPITAIS

A SOBERBA: UM DOS SETE PECADOS CAPITAIS

        Queremos neste post trazer uma pequena reflexão sobre a soberba, o orgulho ou a arrogância, visto que as três palavras são sinônimas. Estamos vivendo o tempo em que a soberba domina os corações, a vida nossa de um modo geral. Você concordando ou não, mas para nós isso é resultado de um individualismo exagerado, um egocentrismo nojento, repugnante, malvado, cruel e desumano, que está atrelado ao estado emocional, o complexo de inferioridade, já que não conseguimos atingir os padrões de beleza, de inteligencia, de desempenho profissional e intelectual impostos pela sociedade. A soberba, o orgulho ou a arrogância, nada mais é do que a pessoa se compara com as outras e se achar diminuído(a), daí incorporar o espirito, o sentimento de elevação e altivez, a pretensão de ser superior aos outras pessoas. A autoconfiança exagerada em si mesmo. É uma manifestação negativa com a pretensão de superioridade, que pode manifestar individualmente ou em grupos quando manifesta menosprezo por pessoas consideradas inferiores, como o racismo, a xenofobia, o elitismo e o corporativismo. Isso caracteriza a soberba.

        E o que a Bíblia diz a respeito da soberba? Vejamos alguns textos bíblicos. Em (Prov. 11:2) ela diz que “Em vindo a soberba, virá também a afronta; mas com os humildes está a sabedoria”. Portanto, o soberbo tem falta de sabedoria. Além disso a soberba resultará em ofensas, humilhações, o ferir, o magoar, o desonrar as pessoas de bem, a começar pelos familiares.

        Já em (Prov. 13:10) ela diz que “Da soberba só provém a contenda, mas com os que se aconselham se acha a sabedoria”.
        Como há contendas, brigas, desentendimentos, conflitos, desrespeito onde há a soberba! Um percentual muito grande de contendas entre cônjuges, vizinhos, colegas de trabalho, separações conjugais são por causa da soberba. As pessoas não querem baixar a crista diante dos outros. Não querem que os outros tenham razões, porque se acham donos da verdade.

        Mas não é só isso. Em (Prov. 16:18) diz que “A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda”.
        Podemos perceber que as pessoas soberbas vivem uma vida miserável, não economicamente, às vezes, mas quanto a relacionamentos humanos. É uma vida de dor, de sofrimento, principalmente de espírito. Vivem arruinadas, destruídas, derrotadas, amarguradas, de mau humor, de mal com a vida.

        Porque esse sentimento é tão ruim, causa tanto estrago?
        Foi a soberba que fez com que o anjo de luz se tornasse o anjo das trevas, que é Lúcifer, como lemos em (Is. 14:13) “E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, aos lados do norte”.

        Que a nossa oração seja no sentido que o Senhor nos livre deste pecado deste sentimento tão ruim e perverso, que causa dor e sofrimento, não só nos soberbos, mas também nos entes queridos. Que o Senhor tenha misericórdia de nós nos livrando deste pecado horrível.

        Pr Flávio da Cunha Guimarães

outubro 24, 2015

VOLTANDO AO PAI

VOLTANDO AO PAI

        Em (Luc. 15:11-24) descreve a vida de um filho que tinha tudo para ser bem-sucedido, viver em família e feliz, mas escolheu viver uma vida desastrada, de derrotas e dor distante do lar paternais.


        Jesus Cristo conta a parábola assim: “Um certo homem tinha dois filhos; E o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me pertence. E ele repartiu por eles a fazenda. E, poucos dias depois, o filho mais novo, ajuntando tudo, partiu para uma terra longínqua, e ali desperdiçou os seus bens, vivendo dissolutamente. E, havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades. E foi, e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos, a apascentar porcos. E desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada. E, tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti; Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros. E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou. E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e perante ti, e já não sou digno de ser chamado teu filho. Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa; e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão, e alparcas nos pés; E trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos, e alegremo-nos; Porque este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a alegrar-se”. OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 22 outubro 2015.

        A pergunta que precisa ser feita é a seguinte: Por que um jovem rico, com sua família, vivendo bem, decidiu ir embora de sua casa? Imaginemos algumas situações o porquê o jovem decidiu ir embora.

        EM PRIMEIRO LUGAR: O jovem foi embora de casa pela influência de pessoas, de amigos errados.
        A Bíblia em (I Cor. 15:33) diz que: “Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes”.
        E como corrompe! Com certeza o jovem da parábola deixou-se ser influenciado pelas más conversações, pelas más companhias, para tomar a atitude radical que tomou.
        Quantos jovens hoje estão vivendo uma vida amarga por causa de amizades, por causa de influência má e de amigos!

        E aqueles casos, em que estamos bem, aí aparecem aqueles que estão mal, aqueles com uma raiz de amargura e, essas pessoas, a bíblia diz que elas contaminam os que estão por pertos. E como contaminam! Mas o segredo é não se deixar contaminar por essas pessoas!
        Quantos influenciados por pessoas que fracassaram na vida, sejam na vida profissional, amorosa ou espiritual.
        Pessoas que estavam mal, que eram frustradas levando outras pessoas que estavam bem a deixarem o centro da vontade de Deus para trilharem por caminhos tortuosos e perigosos! São dezenas de casos que conhecemos.

        O (Sal. 1:1) diz: “Bem-Aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite.

        O segredo é não andar debaixo do conselho de quem está mal, de quem perdeu ou fracassou na vida, de quem está fora da vontade de Deus.
        A parábola do filho pródigo fala que este jovem perdeu o que tinha, conheceu pessoas erradas, foi a lugares que nunca deveria ter ido, se envolveu em negócios que nunca deveria ter se envolvido, acabou em uma situação que Deus não desejou para a vida dele.

        EM SEGUNDO LUGAR: Assim como aquele filho decidiu deixar a casa do pai, também decidiu voltar, reconhecer que a casa do pai era o melhor lugar de onde nunca deveria ter saído.
        Que bom que ele reconheceu, porque tem muitos que não reconhecem por causa do orgulho; por causa da rebeldia sem causa; por causa das frustrações, das revoltas por não ter um pai ou uma mãe biológica, mas que tem um pai ou uma mãe de criação, que deu o de melhor que podia dar, com muito amor no coração; todavia não é reconhecido pelos pirralhos revoltados na vida! Aí se arrebentam todos em companhias de pessoas erradas.
        Essa parábola fala da situação de muitas pessoas que se afastaram do propósito de Deus para suas vidas e que pelo mesmo caminho que foram devem voltar.
        Se este é o seu caso, volte para a sua casa, para a sua família; para Deus antes que a vida complique mais do que já está; antes que seja tarde demais.

        EM TERCEIRO LUGAR: Para o filho pródigo, o pai tinha mais valor morto do que vivo.
        Não era e não é normal o pai entregar a herança para o filho em vida. Isso acontece em casos raros. Querer a herança com os pais em vida era, e é, o mesmo que desejar a morte deles.
        Imaginemos a tristeza daquele pai. Quantos pais tristes com filhos hoje que esbanjam, desperdiçam, jogam fora tudo o que os pais constroem.
        Quantos filhos que querem viver às custas dos pais. Quantos filhos tristes também por causa da irresponsabilidade dos pais, que não querem deixar nada para os filhos? Nem mesmo um bom exemplo de vida, um bom nome! Que o Senhor nos livre de tamanho sacrilégio!

        EM QUARTO LUGAR: Ainda bem que o pai se encontrava vivo para que o filho o visse, para que pedisse perdão pelas ofensas a ele dirigidas. Quantos que saem de casa que não tem a oportunidade de reconciliação?
        Não sejamos turrentos, teimosos, orgulhosos, duros de coração, a ponto de um ente querido partir desta vida sem haver reconciliação.
        Se você que lê estas linhas tem alguma pendencia, seja qual for, vá o mais depressa possível até a pessoa, faça as pazes, enquanto há tempo, pois o amanhã não nos pertence. Assume este propósito agora, em nome de Jesus Cristo.

        EM QUINTO LUGAR: Sigamos o exemplo do pai do filho pródigo que recebeu seu filho com muita festa, alegria, roupa nova, o colocando na mesma posição de filho que ele ocupava. Como é difícil perdoar certas ofensas, algumas atitudes para conosco! Mas é preciso para o nosso bem, saúde física e espiritual.
        Com isso aprendemos a lição de perdoar, pois o pai não faria toda essa festa se não tivesse perdoado o filho. Perdoar é o que o Senhor Jesus nos ensina.

        EM SEXTO LUGAR: Vemos uma realidade que é real, ainda, em nossos dias.
        O filho mais velho ficou chateado, enciumado, invejado, carente porque o pai recebeu seu irmão que fez tantas coisas erradas, o que pai respondeu: você sempre esteve comigo e sempre teve o direito de desfrutar de tudo, todavia o seu irmão estava perdido, estava morto e reviveu.
        Da mesma forma que aquele pai perdoou o filho e o recebeu, Deus receberá com alegria, todos aqueles que reconhecem os seus erros, pedem perdão e querem voltar-se para Deus.

        A igreja, os líderes também lhe receberão com alegria.
        Hoje é o dia da decisão, de voltar para a casa do Pai. Voltar para a casa do pai é voltar ao lugar que sempre foi seu, de onde nunca deveria ter saído. Deus lhe espera para lhe abençoar e restaurar a sua vida espiritual. Volte para o Senhor enquanto há tempo.


        Autor desconhecido e fonte também. Se alguém conhece, favor nos fornecer.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

FALE CONOSCO

Nome:


Email:


Assunto:


Mensagem:


PAZ VERDADEIRA SÓ EM JESUS! Jo. 14:27 "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou..."