BEM VINDO


Recados Online

A EXCELÊNCIA DO AMOR

sexta-feira, 3 de julho de 2015

O QUE AS #TREVAS TEM A VER COM A MINHA VIDA?

       Você já ouviu falar de trevas? Com certeza, já ouviu! Sabe os significados? Talvez ainda não!
       Diante de vários significados e usada em diversos campos, queremos fazer uma abordagem no sentido espiritual ou religioso.
       Trevas significa: Escuridão total; ausência completa de luz.
       Significado figurado: Ignorância; ausência de conhecimento; expressão de estupidez; obscuro inconsciente; o abismo impenetrável; lugar que desperta a apreensão; o medo e o horror.
       Significado espiritual: Energia maligna, o domínio do mal.
       A Bíblia diz em (I Jo. 5:19) que: “Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno”. A expressão no grego que é (ὅλος = holos) significa o todo, o inteiro, a totalidade.

       Apesar de ter aqueles que não acreditam nas trevas sobrenaturais, na existência dos demônios, na atuação deles; isso não quer dizer que eles não existem. A prova de existência dos demônios são, não só bíblicas, mas também as ações dos próprios seres humanos.
       Existem aqueles que estão a serviço do bem, a serviço do Senhor Jesus Cristo; por outro lado, existem também, aqueles que estão a serviço do mal, de Satanás. A violência animalesca; a criminalidade brutal; a corrupção generalizada; os assaltos com mortes; sequestros; a depravação sexual da humanidade, nada mais é do que a prova que as trevas existem, está em ação, fazendo a sociedade mundial sofrer horrores, diante de tanta maldade no coração do ser humano, que foi criado para ser bom, mas tornou-se, com as devidas exceções, uma espécie maligna em suas atitudes. Daí que a Bíblia diz em (Ef. 6:12), “Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais”.
       Ainda que a Mídia que é enganosa, boa parte dela está a serviço do mal, do maligno, ensina que a solução para uma mudança no comportamento da humanidade está na escola, na cultura, no esporte, no lazer etc; pode até dar a sua parcela de contribuição quanto a melhoria, porém muito pequena para a mudança radical que a humanidade precisa. Se assim o fosse as drogas, a violência, maldade, os assaltos, os sequestros, os estupros e a depravação sexual não ocorria dentro destas instituições, nem mesmo pessoas com doutorados praticariam tais delitos, ou seriam dependentes!
       Uma mudança radical no comportamento da humanidade, só se dará através de um encontro do ser humano com o Senhor Jesus Cristo, porque desse encontro as pessoas têm um encontro consigo mesmas, ainda que a maioria das pessoas não aceitam, como solução para mudar o comportamento da humanidade esse encontro com Deus.
       A prova está em quantas vidas que saíram do submundo das drogas, dos vícios, da escravidão sexual, que foram transformadas pelo poder do Senhor, após um encontro com Deus. Para dissipar as trevas espirituais que dominam a vida dos homens, somente através da presença da luz. Luz esta que Jesus Cristo diz de Si Mesmo, em (Jo. 12:46), "Eu sou a luz que vim ao mundo, para que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas". Bem como em (Jo. 9:5), "Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo".
       Pense no quanto o Senhor Deus pode fazer por nós, mudar o nosso destino, a nossa vida, dando paz, felicidade, perdão, esperança enquanto estamos dispostos a recebermos, em nossas vida a luz do mundo, que o Senhor Jesus Cristo.
       Medite no que leu enquanto ouve a mensagem musical com Ministério Trazendo a Arca, Na Escuridão a Salvação, através do link: https://www.youtube.com/watch?v=TitMQJ3lpM0

        Pr Flávio da Cunha Guimarães

       Bibliografia
1 Dicionário Online. Disponível em <http://www.dicio.com.br/trevas/>. Acessado em: 02 Julho 2015.

2 Dicionário Informal. Disponível em: <http://www.dicionarioinformal.com.br/trevas/>. Acessado em: 02 Julho 2015.

3 OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Cheve Linguistica do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p, p. 591.

SCHOLZ, Vilson e Roberto G. Bratcher. Novo Testamento Interlinear Grego – Português. 1ª Edição. Barueri, SBB, 2008, 979 p, p. 893.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

OS CRENTES #CHUPETINHAS

        Autor: Silas Tanabe
        Disponível em <http://iprfbrasil.blogspot.com.br/2012/01/crente-chupetinha.html>, acessado em 10/06/2015, e adaptado pelo Pr Flávio da Cunha Guimarães

        Todos nós conhecemos alguns crentes chupetinhas. Mas antes de qualquer coisa, é bom que não se confunda os crentes chupetinhas com os crentes iniciantes, ou os novos crentes. Existem algumas características a serem observadas:

        PRIMEIRA CARACTERÍSTICA: Os crentes recém-nascidos na fé, os iniciantes requerem cuidados especiais, atenção, paciência para o seu desenvolvimento espiritual. Eles precisam ser discipulados até andarem sozinhos, crescendo saudavelmente em sua fé.


        SEGUNDA CARACTERÍSTICA: Os crentes chupetinhas são aqueles que já têm anos de igreja, mas vivem choramingando, querendo chamar a atenção para os seus problemas, querendo ser mimados(as), paparicados(as), atendidos(as) de maneira preferencial. Se o líder não faz o que eles(as) querem, faz cara de coitados para a igreja ver.

        TERCEIRA CARACTERÍSTICA: Os crentes chupetinhas não desejam crescer no conhecimento da Palavra; na fé; na comunhão com o Senhor e espiritualmente. Na verdade, querem mostrar a sua insatisfação. Que suas vontades jamais podem ser contrariadas. O tempo passa, ao invés de amadurecerem na fé, para darem atenção aos iniciantes; os crentes chupetinhas querem que os demais lhes dês atenção, senão eles(as) dizem: “Vou sair desta igreja”. “O pastor não me dá atenção”; “não me visita”; “vou para outra igreja”! “No mundo eu tinha mais atenção do que na igreja”. “Cadê o amor cristão”? “Vou abandonar tudo”!

        Os crentes chupetinhas fazem exatamente assim. Abandonam a igreja. Se arrebentam financeiramente; moralmente; espiritual; no relacionamento familiar. Sofrem. Para entenderem que necessitam de Deus e da igreja. Aí voltam, quando voltam; humildes, quebrantados, para amadurecerem espiritualmente.

        QUARTA CARACTERÍSITICA: É a chantagem emocional, para comover os irmãos de fé. É o tipo de pessoa que costuma se guiar pelos sentimentos, jamais pela razão ou pelos olhos da fé.

        QUINTA CARACTERÍSTICA: Os crentes chupetinhas não aceitam o não ter toda atenção. Querem colo, mimo, exclusividade. Ao reclamarem, o Pastor tem que correr para lhes dar a chupeta para consolá-los(as). Se o líder não fizer como elas querem, do jeito delas, elas fazem cara de dengosos, de chateados e emburram. Não escondem de ninguém a cara de emburrados porque querem chamar a atenção para si.

        OS crenteS chupetinhaS SÃO carnaIS e seus frutos são maus

        SEXTA CARACTERÍSTICA: Os crentes chupetinhas, longe de serem meros bebês espirituais, são agentes de carnalidade na igreja e seus frutos são maus. De seus mimos e pirraças surgem sementes de murmuração contra a liderança, contra as decisões da igreja. Os cargos eclesiásticos exercidos na igreja, são dados como mimo. O longo tempo de membros que aparentam experiência, não significa espiritualidade. Para Deus o que importa são os frutos produzidos para abençoar vidas, abençoar o Reino do Senhor, já mais o tempo de membros de igreja. A falsa espiritualidade, escondem ciúmes e inveja para com aqueles que, de fato, estão produzindo bons frutos para o reino de Deus.

        SÉTIMA CARACTERÍSTICA: Os crentes chupetinhas geram contendas com aqueles que não querem se envolver com suas contendas. Todavia, a bíblia diz claramente que estes tipos de crentes não são espirituais, mas carnais, sendo um foco maligno na igreja. Em (1 Co 3.1-3) diz: “Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim como a carnais, como a crianças em Cristo. Leite vos dei a beber, não vos dei alimento sólido; porque ainda não podíeis suportá-lo. Nem ainda agora podeis, porque ainda sois carnais. Porquanto, havendo entre vós ciúmes e contendas, não é assim que sois carnais e andais segundo o homem?”

        Diante do texto exposto acima, queremos lembrar duas coisas aos pastores líderes:

        PRIMEIRA: Temos que aprender a lidar com os crentes chupetinhas; pois os(as) mesmos(as) são carentes afetivos(as); são imaturos(as) espirituais; ainda carecem entender os propósitos de Deus para as suas vidas, para a vida da comunidade espiritual a qual fazem parte.

        SEGUNDA: Os Crentes chupetinhas, ainda que dão trabalho, criam problemas no seio da igreja, eles(as) precisam ser amados(as) como os demais, pois são vidas carentes de amor como qualquer outra pessoa que o Senhor Jesus ama independentemente de sua condição espiritual. É pensando na importância de amarmos a todos indistintamente que devemos orar para que os mesmos cresçam espiritualmente e deem frutos para o Reino do Senhor e para a sua glória.

        OITAVA CARACTERÍSTICA: Os crentes chupetinhas atrapalham a obra de Deus. De que maneira? Como? O texto bíblico de (Heb. 5:12-14) responde dizendo: “Porque, devendo já ser mestres pelo tempo, ainda necessitais de que se vos torne a ensinar quais sejam os primeiros rudimentos das palavras de Deus; e vos haveis feito tais que necessitais de leite, e não de sólido mantimento. Porque qualquer que ainda se alimenta de leite não está experimentado na palavra da justiça, porque é menino. Mas o mantimento sólido é para os perfeitos, os quais, em razão do costume, têm os sentidos exercitados para discernir tanto o bem como o mal”.

        Crentes com essas características impedem o crescimento do Reino do Senhor entre os homens, afeta a vida espiritual da igreja, porque são carentes afetivos, querem atenção. A solução para os crentes chupetinhas, não será outra, a não ser o amadurecimento espiritual na prática da Palavra do Senhor Jesus. Os crentes chupetinhas, precisam aprender, da Palavra, para colocar em prática para o aperfeiçoamento, para ter o conhecimento para discernir tanto o bem quanto o mal, coisa que os crentes chupetinhas são incapazes de discernir.

        COMO O PASTOR DEVE LIDAR COM OS CRENTES CHUPETINHAS?
         O Pastor deve ter alguns cuidados ao lidar com os crentes chupetinhas.

        PRIMEIRO CUIDADO: Ame os crentes chupetinhas indistintamente, buscando o crescimento espiritual deles no conhecimento da Palavra para que frutifiquem no Reino de Cristo de maneira responsável, ao invés de serem tropeço para o crescimento da obra do Senhor Jesus.

        SEGUNDO CUIDADO: Ajude os crentes chupetinhas que querem verdadeiramente serem ajudados. Do contrário, estará dando pérolas aos porcos, como nos diz a Palavra de Deus em (Mat. 7:6). Se não querem ajuda para o amadurecimento espiritual, os põem de lado, vai em busca dos sem salvação para que deixem o caminho da condenação eterna.

        TERCEIRO CUIDADO: Não coloque os crentes chupetinhas como liderança, porque, além da má influência, do péssimo exemplo que dão, quando for preciso interferir no setor, fazer alteração em seu setor, eles(as) irão explodir em seu sentimento de injustiça, dizendo que estão sendo perseguidos, trazendo consequências desgastantes para a igreja, levando muitos as lágrimas.

        QUARTO CUIDADO: Jamais alimente o ego dos crentes chupetinhas. Tudo que eles querem é o reconhecimento público, o louvor, a glória para si mesmos, jamais para o Senhor Jesus que é digno de toda a honra, o louvor, a glória.

        QUINTO CUIDADO: Não ceda diante das chantagens dos crentes chupetinhas. O Diabo, às vezes, usa-os para neutralizar a igreja em sua marcha evangelística. Ainda que pague o preço de perder o ministério, que para isso tentarão fazer dentro da legalidade.

        SEXTO CUIDADO: Mantenha os crentes chupetinhas sob seus olhares, em disciplina, porém com justiça, em amor; pois os crentes chupetinhas não são inocentes.

        ORE PARA QUE OS CRENTES CHUPETINHAS SE CONVERTAM. Assim sendo, deixarão de ser o potencial foco de murmuração na igreja, fonte de pecado, em busca de reconhecimento, valorização, para produzirem frutos dignos de honra e glória para o Senhor da Glória.

        Uma perguntinha para encerrar analisando a nós mesmos: Estamos sendo crentes chupetinhas ou crentes adultos prontos a darem a nossa contribuição para o desenvolvimento do Reino do Senhor em nossas vidas, bem como nas vidas das pessoas ainda sem salvação? Tiremos as nossas conclusões enquanto há tempo de frutificarmos no Reino do Senhor para a Glória DELE.

terça-feira, 30 de junho de 2015

DEUS ATENDE AS #ORAÇÕES?


      O irmão Jece da Silva Braga que o diga! Sendo ele evangelista, fundador de trabalhos Batistas, como frentes missionárias, congregações, igrejas, no Estado da Bahia; mas ao mesmo tempo funcionário gerente do então BANEB, (Banco do Estado da Bahia), quando de viagem de volta de uma frente missionária, em seu carro, sofreu um acidente, dia 25/06/1990, às 05:00h da manhã, caindo embaixo de uma ponte, em que quebrou o fêmur, fraturou algumas costelas, sofreu também alguns cortes pelo corpo, ficando debilitado, preso nas ferragens do carro.
      Foram 09:00h de sofrimento preso às ferragens sem poder pedir socorro, pois, os carros não paravam.
      Durante as 09:00h de sofrimento, ele contou que passaram 27 carros pelo local, que não viram que estava acidentado.
      Depois de 09:00h de sofrimento, foi que então teve a ideia de orar da seguinte maneira: Senhor, faça com que “eu desmaie, pois não aguento mais de dor. Mande um carro que fure o pneu e pare neste local para que eu possa ser socorrido. Mesmo que esteja dormindo, acorde-me na hora. Ele terminou a oração e dormiu”.
      Na hora que o carro parou, ele ouviu a voz dizendo: “O pneu furou”!
      Foi então quando ele gritou: “socorro, porque estou morrendo”!
      As pessoas que estavam trocando o pneu, ouvindo os gritos, o socorreu, sendo ele salvo para a honra, para o louvor e para a glória do nosso Grande Deus que ouve as nossas orações.
      Concluímos que, o nosso Deus é o Deus maravilhoso. Ele ouve, atende e responde as nossas orações.
      Ele mandou o socorro para o irmão Jece, o sustentou durante as horas de sofrimento.
      Deus lhe deu toda a lucidez para orientar o que deveria fazer, fazendo-o forte para resistir.
      Deus atende as nossas orações. Creia meu querido irmão, minha querida irmã nas providências de Deus.
      Quem contou esta história verídica, em o Jornal Batista, edição de 16/09/90 foi o irmão Isaque Meireles.
      Eu não tenho dúvidas que o Senhor responde as nossas orações! Você tem?
      Pense na resposta de Deus para as suas orações enquanto ainda pode orar ao Senhor que tudo pode e faz. Amem!

      Pr Flávio da Cunha Guimarães

ORAÇÃO DE #CONFISSÃO


        Em (Tia. 4:7-8), a Palavra do Senhor Jesus Cristo diz: “Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.
Chegai-vos a Deus, e Ele se chegará a vós. Limpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai o coração”.

        Neste texto aprendemos algumas lições importantes sobre a resposta de Deus as nossas orações.

        A PRIMEIRA LIÇÃO: A oração de confissão, será respondida pelo o Senhor Deus, quando ela for feita pelas vidas daqueles que se sujeitaram, se submeteram, alinharam-se a autoridade do Senhor.
        A língua original aqui é um imperativo, uma ordem, que tem a ideia de continuar sujeito, submetido, alinhado permanentemente a autoridade do Senhor sobre nós. Tem que ser uma ação urgente. De igual modo é a palavra chegar, aproximar do (V. 8).
        Isto quer dizer que, para Deus responder as nossas orações, precisamos ser submissos a sua vontade soberana para nós.
        Estamos nós submetendo-nos a vontade soberano do Senhor para as nossas vidas? Faça a sua análise aí, porque estou fazendo a minha aqui!

        A SEGUNDA LIÇÃO: Para Deus responder a oração de confissão, é necessário resistir ao Diabo para que ele fuja de nós. Isso só será possível mediante a nossa sujeição a Deus por livre e espontânea vontade.
        Se estamos sujeitos a Deus, lógico e evidente, que não estamos sujeitos ao Diabo. Se estamos sujeitos ao Diabo, consequentemente não estamos sujeitos a Deus. Estamos sujeitos a um ou a outro. Não há como estar sujeito a ambos.
        Com o Diabo não se brinca, pois ele não brinca com o ser humano. Ele age para roubar, matar e destruir, é o que nos diz a Palavra do Senhor Jesus Cristo em (Jo. 10:10).
        Francamente a quem estamos nos sujeitando? A Deus ou ao Diabo? A escolha é nossa!

        A TERCEIRA LIÇÃO: Deus só responde as nossas orações de confissões, se achega a nós quando preenchemos as suas exigências em obediência.
        São poucos os que estão dispostos a obedecer ao Sr. Desobedientes temos aos montes.
        É diante destas verdades que tem muitas pessoas enganadas nas igrejas, ainda que bem-intencionadas, porém sem o devido conhecimento da Palavra do Senhor, pois os seus mentores espirituais não os instruem verdadeiramente na Palavra de Deus. Faltam-lhes o conhecimento.
        Eu não quero que você fique sem conhecimento de qual é a vontade de Deus. Não quero também, que você seja desobediente, pois isso traz sofrimento para as pessoas.
        Assumamos o compromisso de sermos obedientes a partir desta manhã ao Sr nosso Deus.

        A QUARTA LIÇÃO: Aprendemos que Deus responde as nossas confissões, quando limpamos, purificamos nossas mãos sujas de pecados.
        O texto diz: “Limpai as mãos, pecadores”.
        O único produto, o líquido que limpa do nosso pecado, é o sangue do cordeiro de Deus, o que lemos em (Jo. 1:29) “No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”.
        Bem como (I Jo. 1:7), “Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado”.
        Você está convidado(a) a confessar os seus pecados ao Senhor Jesus Cristo para receber a purificação, bem como a resposta do Senhor as orações de confissões.

        A QUINTA LIÇÃO E ÚLTIMA PA-RA HOJE: Para o Sr Deus responder as nossas orações de confissões é preciso afastar de nossas vidas o duplo ânimo, a dupla mente, a mente dividida, inconstante e instável.
        Como tem pessoas de mente divididas, inconstantes, instáveis em nosso meio!
        Pessoas que não sabem o que querem. Uma hora querem uma coisa; daqui a pouco já não o querem mais. Têm certeza agora; logo em seguida já não o têm mais. Dizem: agora amo, pouco tempo depois já não ama mais.
        Estes tipos de pessoas são inconstantes espiritualmente também.
        Pessoas com estas características tornam-se presas fáceis, tantos de pessoas, bem como do diabo.
        É por isso que a Palavra do Senhor Jesus Cristo diz, que é para resistir ao Diabo e Ele fugirá de vós.

        Para terminar a nossa conversa de hoje, quero convidar você a observar as cinco lições que aprendemos neste texto:
        Primeira: Seja sujeito a Deus para obter a respostas de suas orações;
        Segunda: É preciso resistir ao Diabo usando a palavra e a oração de confissão.
        Terceira: Se achegando ao Senhor de maneira espontânea e por amor.
        Quarta: Que precisamos estar limpos de pecados, que só o sangue de Jesus Cristo derramado na cruz é capaz de nos purificar.
        Quinta: Pedir ao Senhor Deus que nos dê uma mente constante, firmada nos seus propósitos. Vamos assumir este propósito enquanto ainda há tempo, pois amanhã poderá ser tarde demais, porque ninguém poderá garantir que estaremos com vida.

        Pr Flávio da Cunha Guimarães.

Bibliografia

1 - MOULTON, Harold K. Léxico Grego Analítico. Trad. EvertonAleva de Oliveira e Davi Miguel Manço. Ed. Cultura Cristã, 2007, São Paulo, 460 p.

2 - OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

3 - RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Cheve Linguistica do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p.

4 - SCHOLZ, Vilson e Roberto G. Bratcher. Novo Testamento Interlinear Grego – Português. 1ª Edição. Barueri, SBB, 2008, 979 p.

sábado, 20 de junho de 2015

#GERAÇÕES #IMEDIATISTAS


       Tenho me preocupado com as gerações imediatistas, que aí estão, que não medem as consequências de seus atos, atitudes, o que pensam quanto ao futuro para as suas vidas; vivem o aqui e o agora; sem planos, sem objetivos para serem alcançados na vida, com as devidas exceções.
       Gerações que não estão preocupadas com o futuro, seja ele profissional, material, sentimental ou espiritual.
       Por que? Qual são as causas desse imediatismo?
       São Gerações sem referencial familiar, sem um modelo em quem se espelhar. Que acabam se espelhando em modelos como jogadores, artistas ou até mesmo em bandidos, que levam para o submundo da vida, que quando descobrem, além da frustração, já é tarde demais para sair desse submundo de drogas, de violência, de criminalidade.
       Gerações influenciadas pelos modismos, que vem através das propagandas, programas de televisão, a mídia de um modo geral, internet ou até mesmo através das amizades.
       Gerações que não querem relacionamento profundo, duradouro nem mesmo com a família. Vivem debaixo do mesmo teto, porém como estranhos. Parece que tudo é descartável. Por isso vivem como zumbis vagando de um lado para outro, surfando nas ondas do modismo social, que passam com rapidez como as ondas do mar que quebram na areia na praia, que as fazem inseguras, vazias de propósitos que buscam preencher o vazio interior em coisas que não tem durabilidade, por exemplo: Drogas, sexo e aventuras diversas.
       Gerações que de modismo em modismo; de egoísmo cada vez mais acentuado; individualismo que ignora não só as necessidades das pessoas que estão ao redor, ignoram as próprias pessoas como se elas não significassem nada para essas gerações; o mais grave é que ignoram as suas próprias necessidades. Olhando para os seus próprios umbigos; vivem em meio as multidões, porém isoladas como uma ilha no oceano. Quando se associam a alguém é porque pensam como elas pensam; fazem o que elas fazem; agem como elas agem, ou é para levarem alguma vantagem desta associação. Assim sendo, estão fechadas em seus mundinhos não se abrem para novas amizades, relações interpessoais e para o que é diferente do que pensam e vivem.
       Gerações que vivem um vazio existencial. Não sabem de onde vem. O porque aqui estão. Muito menos para aonde querem ir.



       São as pessoas dessas gerações que são e serão os professores nas escolas; são e serão os líderes em todas as estâncias em nosso país.
       Será que isso explica o porquê de tanta violência? Tantos crimes? Tanta irresponsabilidade em todos os aspectos? Tanto consumo de drogas licitas e ilícitas?
       A solução não está só na educação que recebem em família, que por sinal está deficitária. Não está só na escolarização, o conhecimento recebido nas escolas. Mas passa também por uma vida vivida dentro dos planos de Deus para nós, o que tem se omitido ao povo. Se fala muito de bênçãos, de prosperidade; muito pouco de compromisso com o próximo, principalmente para com o Senhor.
       Só teremos gerações compromissadas quando houver uma fusão entre educação familiar, escolaridade responsável e vida transformadas pelo o Poder do Senhor Jesus Cristo. Você crê nisso? Então medite neles, passe para frente esses conceitos.

       Pr Flávio da Cunha Guimarães

quarta-feira, 17 de junho de 2015

HOMENAGEM AOS #PASTORES


       No segundo domingo de junho, é comemorado o dia do pastor, como pessoa vocacionada, chamada especial por Deus, para uma missão especial, que não só prega o Evangelho de nosso Senhor Jesus para a salvação de vidas, bem como cuida das ovelhas, que são vidas preciosas para o Senhor Deus, que estão sob os cuidados do Pastor; é também o amigo conselheiro de todas as horas.
       Ser pastor, deve ser somente através da convicção de uma chamada divina, por duas razões simples:

       PRIMEIRA: Ser pastor, não é profissão; ser pastor é por vocação, por amor ao Senhor Jesus, o Sumo Pastor; por amor as vidas que estão sendo destruídas pelo pecado, em que o pastor luta para tirá-las da condenação eterna.

       Segunda: Não sendo profissão, o pastor não é cobiçoso de coisas materiais; avarento; ganancioso por enriquecimento a qualquer custo; por fama ou sucesso.

       Receber o seu salário é digno, é bíblico, pois a mesma ensina em (Lc.10:7): “E ficai na mesma casa, comendo e bebendo do que eles tiverem, pois digno é o obreiro de seu salário”. O que muitos acham que o pastor tem que trabalhar na obra de Deus de graça; todavia, não é o que a Bíblia ensina, nas palavra do Senhor Jesus no texto acima. Por outro lado, o pastor não pode ser envolvido por torpe ganância, explorador da fé inocente das ovelhas.

       Eu tenho orgulho de ser pastor. Ter deixado tudo, emprego muito bom, ganhando muito bem para ser pastor. Não me arrependo de ter tomado essa decisão em minha vida, ainda jovem, apesar de nem sempre o pastor ser honrado como tal.

       Aos pastores que tem acesso a este blog e a este post, quero parabeniza-los pelo nosso dia, o segundo domingo de junho, orando para que o Senhor nos conservem cada vez mais fiéis a Ele nesta tarefa nobre, que é pastorear.
       Um abraço em Cristo,
       Pr Flávio da Cunha Guimarães

terça-feira, 2 de junho de 2015

“CARTA AOS PAIS”

     “QUERIDOS PAIS”

       Analisando nossas vidas como pais, que tipo de valores nossos filhos têm aprendido conosco? Valores passageiros, temporários ou valores que os filhos levarão para a eternidade?

       Para sermos sinceros, a maioria de nossos filhos, tem aprendido valores passageiros, temporários que não tem valores, não são duráveis. Gastamos uma grana preta para comprarmos carro do ano, importado; brinquedos caríssimos, Smartphone, tablete, que são ultrapassados rapidamente; roupa de marca; escola particular e tantas outras coisas para agradar os filhos.

       Não quero dizer que sou contrário a ter tudo isso. Se pode ter, não há nada demais. O que não pode é estamos preocupados com o status, com o conforto, em agradar os filhos com bens materiais, sem dar-lhes o que eles mais precisam, o que mais necessitam, o que durará para sempre, que é o amor, o carinho, a atenção, a valorização, a disciplina, o exemplo de uma vida de fé, de caráter, de temor a Deus.
       Os pais tentam barganhar com os filhos. Dar as coisas materiais, negando-lhes as essenciais, ditas acima, principalmente os valores espirituais.

       Outro fator importante. Queremos que nossos filhos cresçam pacientes, bondosos, considerando, respeitando os outros; no entanto eles cresceram, ou crescem convivendo com pais descontrolados, que esbravejavam palavrões, xingamento em discussões acirradas dentro do lar, enquanto dirigem no transito, criadores de problemas com vizinhos; resumindo, pais encrenqueiros. Como querer filhos pacientes, bondosos, considerando, respeitando os outros se não viram o exemplo dentro de casa?

       Queremos que nossos filhos sejam honestos, bons pagadores, não mentirosos. Como termos filhos com essas qualidades, se cresceram vendo os pais dando calotes, sonegando impostos, mentindo descaradamente. Os filhos são aquilo que ensinamos a eles, não só com palavras, muito mais com nossas atitudes.

       Não querermos que nossos filhos se envolvam com drogas, afinal oferecem um perigo tremendo em todos os sentidos. Mas enquanto cresciam viam os pais anestesiados pelo álcool, em casa e nas festas; Pais, familiares usando craque, cocaína e tantas outras drogas; com um agravante, familiares que ainda facilitam os usuários de drogas, dando dinheiro para comprarem. Se não queremos nossos filhos usando drogas, não usemos também.

       Queremos nossos filhos bem casados, felizes, relacionamento harmonioso. Mas como? Se cresceram dentro de famílias desajustadas, cheias de ódio, inveja, ciúme, competição, palavrões, brigas, incompreensões, explosões e separações! Esses filhos aprendem o que sobre prioridades na vida? Se os pais, se os familiares não valorizam o relacionamento familiar como deveria? Se o dinheiro, se a realização pessoal, profissional nos cegam, tornando-se prioridade para nós?

       Como ensinar para os nossos filhos sobre moralidade e ética, se ficamos, se deixamos em frente da TV assistindo horas e horas de violência, sexo explícito, infidelidade conjugal? Se não bastasse tudo o que vê na TV que não presta, ainda tem os líderes de comunidades, de igrejas que dão péssimos exemplos para a sociedade em geral!

       Que não façamos como muito dizem: “Faça o que digo, mas não faça o que faço”! O ideal é dizermos: faça o que eu faço, como o Apostolo Paulo disse para a Igreja em Corinto, (I Cor. 11: 1), “SEDE meus imitadores, como também eu de Cristo”. Que o Senhor tem misericórdia de nós que, às vezes, somos péssimos exemplos para os nossos filhos!

       Vamos terminar com uma advertência do Senhor Jesus Cristo, em (Mat. 18:6-7) que diz: “Mas, qualquer que escandalizar um destes pequeninos, que creem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma mó de azenha, e se submergisse na profundeza do mar. Ai do mundo, por causa dos escândalos; porque é mister que venham escândalos, mas ai daquele homem por quem o escândalo vem”!
       Estamos convidados a colocarmos em prática estes ensinamentos, amém!

       Pr Flávio da Cunha Guimarães

       Extraído e adaptado de: KEMP, Jaime. Nós Temos Filhos. Ed. Sepal, 4ª edição, São Paulo, 2000, 129 p. P. 9-11

sábado, 9 de maio de 2015

UMA #MÃE DE CAUSAR #INVEJA

        Em (Êx. 2:2-3,10) diz assim: “E a mulher concebeu e deu à luz um filho; e, vendo que ele era formoso, escondeu-o três meses. Não podendo, porém, mais escondê-lo, tomou uma arca de juncos, e a revestiu com barro e betume; e, pondo nela o menino, a pôs nos juncos à margem do rio [...] E, quando o menino já era grande, ela o trouxe à filha de Faraó, a qual o adotou; e chamou-lhe Moisés, e disse: Porque das águas o tenho tirado”.

        A história da vida de Moisés todos nós já conhecemos, por isso não entraremos em detalhes aqui. Pois quero tratar do tema: UMA MÃE DE DAR INVEJA.


        Uma mãe de dar inveja, há de ter, há de nutrir algumas qualidades especiais em seu caráter, principalmente diante das adversidades da vida; diante de sua fé para com o Senhor Deus.

        Quem é essa mãe? Estou falando de Joquebede, a mãe de Moisés, que poderia ser, você mãe, que está a nos ouvir nesta manhã, através da Rádio Cidade.


         EM PRIMEIRO LUGAR: Uma mãe de dar inveja, é uma mãe precavida, que se antecipa antes que uma tragédia aconteça em sua família.
        Joquebede escondeu o seu filho por três meses. Quando não podia mais escondê-lo, tratou de providenciar um meio que ele pudesse ser salvo.
        Como seria bom, se todas as mães fossem como Joquebede! Antecipando diante das adversidades, dos perigos que a vida nos oferece, para proteger os seus filhos amados do que é pior ou até da morte.

        Joquebede era uma mãe cuidadosa para com os filhos.
        Além de esconder o filho por três meses, ela tomou uma arca, betumou-a, impermeabilizou-a para que o filho não morresse afogado e o colocou no Rio Nilo, história que já conhecemos.

        Há de se destacar aqui a palavra Arca, tanto em (Gênesis do capítulo 6-9), bem como em (Êx. 2:2-5), a Arca assume o papel do salvação do afogamento.
        Em gênesis, a salvação da raça humana. Em Êxodo, o texto lido acima, a salvação do povo escolhido de Deus.
        Joquebede, tem participação, portanto, no processo que o Sr Deus tem de salvar o seu povo da morte. Daí o nosso tema: Uma Mãe de dar Inveja. Ela se deixou ser usada pelo o Senhor.
        Quantas mães que poderiam se deixar ser usadas pelo o Senhor, mas preferem se deixar ser usadas pelo o inimigo de nossas vidas! Que não seja o seu caso!

        EM SEGUNDO LUGAR: Uma mãe de dar inveja é aquela mãe que crê na providencia de Deus em salvar o filho querido, como de fato, ele foi salvo. Não morreu afogado. Não foi comido por crocodilos do Rio Nilo. Nem morto pelo decreto de Faraó. Mas salvo pela filha de Faraó.
        Deus é tremando em suas ações. Por isso que (Is. 43:13) “parte c” diz: “Agindo eu quem impedirá?”
        Ele age como quer, quando quer, por meio que Ele quer, através de quem Ele quer!
        Queremos desafiar, você mamãe, a confiar nas providências divinas nos momentos difíceis de sua vida, de sua família, de seus filhos, deixando o Senhor Deus agir, para que você seja vitoriosa como mãe. Amém!


        EM TERCEIRO LUGAR: Uma mãe de dar inveja, é uma mãe amorosa para com os filhos.
        Joquebede criou o próprio filho, todavia sabendo que o criava para a filha de Faraó, a princesa. Nem por isso deixou de amá-lo.
        Uma mãe que ama o filho, mas que sabe dividir o filho amado com a princesa, para que o mesmo permanecesse com vida para ambas.
        Que você mamãe, que nos ouve, possa saber dividir o seu filho, a sua filha, com o genro ou com a nora, sem ciúmes que tem prejudicado tantos relacionamentos conjugais.
        Que saiba entregar o seu filho, a sua filha para o Senhor Jesus Cristo, para que seja abençoado(a), como Moisés o foi uma benção para o seu povo.

        Para terminar:
        Que possamos aprender algumas lições com a mãe Joquebede.
        Mães cuidadosas, zelosas e amorosas para com os filhos, que fazem de tudo para que os filhos vivam diante dos perigos, que para Moisés, era o extermínio da vida; que hoje são as mais variadas formas de vícios, de violência e a destruição da família.
        Mães que creem no poder sobrenatural de Deus, que é capaz de preservar com vida nossos filhos amados; que o Senhor Deus tem planos maravilhosos para eles. Podemos dizer amem! Assim seja! Faça este propósito para a sua vida.

        Pr Flávio da Cunha Guimarães

        Bibliografia

OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 p.

segunda-feira, 4 de maio de 2015

#UNIÃO #SÓLIDA NA IGREJA

        No texto de (Rom. 12:16-17) nos diz que: “Sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios em vós mesmos; A ninguém torneis mal por mal; procurai as coisas honestas, perante todos os homens”.

        Pelo fato do Apóstolo Paulo recomendar a unanimidade na igreja, era porque a união não estava acontecendo no ceio da mesma. O que estava acontecendo no ceio da igreja? O que impedia, o que atrapalhava a unanimidade na igreja?
       
        Vários problemas, entre tantos podemos citar alguns, tais como:

        PRIMEIRO – Pessoas de classes sociais diferentes. Como escravos, pobres congregando com altos oficiais, senhores do império romano, bem com a nata, os ricos da sociedade romana juntos adorando ao Senhor Jesus no mesmo espaço. Isso contribuía para a desunião da igreja, bem como para a descriminalização no ceio da igreja.

        SEGUNDO – Os escravos que tinham posições, ofícios, dentro da igreja em que lideravam os seus senhores, ministrando-lhes o ensinamento da Palavra; o que provocava descontentamento, intrigas, divisão, rebeldia, insubmissão, orgulho no ceio da igreja.

        TERCEIRO – Uma igreja fracionada, com sérios problemas de relacionamento, enfraquecia espiritualmente, deixando de cumprir o seu propósito dentro do Reino do Senhor Jesus Cristo.

        Como promover a unanimidade na igreja se tinha raças, cores, culturas, idades, gostos, intelectos, emoções, sentimentos, interpretações diferentes? Uma igreja permeada pelo orgulho, individualismo, altivismo, vaidade; pessoas que se achavam donos de igreja, que dividiam a igreja; matavam a espiritualidade da igreja.
        É muito triste quando as pessoas estão matando a igreja, não percebem isso ou não querem perceber por causa do orgulho, por causa da vaidade o que vemos em nossas igreja hoje.

        Foi para uma igreja, com essas características, que o experiente Apóstolo Paulo escreveu o texto lido para orientar a igreja quanto a unidade.

        Esse era o desafia do Apóstolo Paulo, que é o nosso também! Fazer uma igreja unida, manter a igreja unida.

        É neste contesto que o Apóstolo Paulo manda a igreja: “Sede unânimes entre vós”.

        Unanimidade significa: Que é do mesmo sentimento, da mesma opinião, de acordo comum. Que tenha o mesmo sentimento, a mesma atitude.

        Faltava a unanimidade naquela igreja, como tem faltado nas igrejas de nossos dias porque faltava o essencial, o amor que é a essência da vida, a essência de qualquer relacionamento, a essência de qualquer organismo humano, o que tem faltado nas igrejas atuais.

        Sendo a unanimidade, a harmonia o resultado do amor; da mesma maneira a dissenção, os conflitos, as confusões no ceio das igrejas são resultados da altivez, do orgulho enraizado no coração do ser humano. O que leva a pessoa desprezar a outra. Desprezo este pelo fato da pessoa não ser regenerada ainda pelo Espírito Santo.

        Mas graças a Deus que a GRAÇA divina exclui a arrogância, o orgulho humano porque a graça de Deus transforma o homem o que ele não pode fazer por si mesmo. Já estamos transformados pela graça divina? No que depender de nós as igrejas viverão em unanimidade? Deixe a GRAÇA de Deus transformar a sua vida para um viver cheio de paz interior, de felicidade, de amor, de esperança, de realizações na sua vida espiritual, pessoal, familiar, profissional e promovendo a unidade na igreja a qual faz parte, amém!




       Pr Flávio da Cunha Guimarães

Bibliografia

1 - Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

2 - Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.

3 - BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

4 - CHAMPLIN, Russell Norman. O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo. V. III. Ed. Milenium Distribuidora Cultural LTDA, 1ª Ed., 1980, São Paulo, 887 P, P. 820-821.

5 - MOULTON, Harold K. Léxico Grego Analítico. Trad. EvertonAleva de Oliveira e Davi Miguel Manço. Ed. Cultura Cristã, 2007, São Paulo, 460 p.

5 - OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

6 - RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Chave Linguística do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 1985, São Paulo, 639 p. p 277.