sexta-feira, 18 de julho de 2014

CONTENTAMENTO!

        O nosso texto está em (Fil. 4:11) “Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho”.
         Imagem Extraída de: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+descontente&newwindow=1&safe=active&espv=2&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ei=VNnJU7bOLbHnsASqsYHIDw&ved=0CAYQ_AUoAQ&biw=1366&bih=667#imgdii=_, E, 18/07/2014.
         Para conversarmos sobre contentamento, precisamos primeiro conversarmos sobre o descontentamento.
        Estamos vivendo o tempo de um descontentamento muito grande e generalizado.
        Descontentamento para com os governos e suas instituições que não resolvem os problemas que afligem a sociedade em geral. A cada eleição as novas promessas, se é que são novas, para os velhos problemas, esses, sim, são os mesmos. Obras superfaturadas e inacabados. Desvio de nosso dinheiro que pagamos os impostos altíssimos. Corrupção. Violência que piora cada vez mais. Aumento dos salários e a quantidade de políticos sem necessidade dos mesmos. Educação e Saúde de péssima qualidade. Reajuste de salário abaixo da inflação em que no decorrer dos anos vai diminuindo, minguando, principalmente para os aposentados. Aprovação de leis estapafúrdias, intencionais que estão detonando costumes bons, história, tradições, princípios éticos e morais, que tem contribuído para fazer da sociedade uma torre de Babel.
        Descontentamento para com a justiça injusta. Lenta. Demorada. Que cumpre Leis feitas pelo Congresso, entre outras estâncias; Leis frouxas, falhas, cheias de brechas que favorecem a bandidagem. Bandidos cheios de regalias nas prisões, com algumas exceções, enquanto o cidadão do bem, trabalhador sem regalias, sofrendo fiscalizações que até parecem perseguições.
        Descontentamento para com a falta de estrutura dentro das famílias. As famílias, com as devidas exceções, tornaram-se uma fábrica de pessoas de mal caráter, rebeldes, desobedientes, bandidos, de comportamento imoral tremendo, em que tudo é válido e permitido, com raras exceções, por causa também da influência perniciosa da mídia tendenciosa incutindo comportamento moral que atenta contra os ensinamentos do Senhor.
        Descontentamento, esse, que em sua maioria, tem razão de ser.

        Descontentamento para consigo mesmo. Pessoas que não gostam de si. Não amam-se. Quando se olham no espelho de sua consciência; no espelho de seus sentimentos, há, não só descontentamento, como também a reprovação e vivem culpando a si mesmas. Se achando feias, cheias de defeitos, falhas, desamadas, que embaraçam os pensamentos, os sentimentos em que contribuem para viverem uma vida infeliz, de fracassos e derrotadas.
        Chega de passividade do povo brasileiro. Já passou da hora de o povo reagir. Colocar um basta em todo esse bordel público em que estamos vivendo a céu aberto.

        Até aqui conversamos de descontentamento. Agora queremos conversar sobre o contentamento. Como? De que maneira? O que contribui para o contentamento?

        EM PRIMEIRO LUGAR:
        Para a maioria, o contentamento é ter dinheiro, riquezas, fama, glamour, doutorado e posição social.
        Essa ideia é falsa, é puro engano. Quantas pessoas ricas, famosas que estão descontentes, infelizes por causa do alcoolismo? Das drogas? De doenças graves? De depressão? E mal relacionamento familiar!
        De imediato, já podemos perceber que a saúde, a família e a paz interior são mais importantes para que alguém esteja contente do que dinheiro, riquezas, fama, glamour, estudos e posição social.

        EM SEGUNDO LUGAR:
        Para que o Povo Brasileiro esteja contente, é preciso mudar muita coisa neste país, desde da estrutura política, Judiciária, a mentalidade, a educação que vem de família.
        Para mudar de verdade, de maneira radical, é preciso Fazer a Maior, a mais Importante Manifestação Democrática na História deste País! Dia 05 e 26 de outubro, de 2014, todos os cidadãos que votam, anularem os seus votos, já que não podemos deixar de votar. Não dá para entender uma democracia que não nos dá o direito de não votar se acharmos que nenhum candidato merece o nosso voto. Se somos obrigados a votar, isso não é democracia. Será o maior protesto pacifico deste país.
        Estou pensando seriamente em anular o meu voto em outubro. E convido você a estar pensando, analisando essa possibilidade.

        Será que Deus está contente com tudo isso? Com certeza que não!
        Com todo esse descontentamento, o Senhor Deus está descontente também com a humanidade, porque o descontentamento do ser humano é consequência de seu afastamento de Deus. Por não conhecer o Sr.
        É o que lemos em (Is. 1:3) “O boi conhece o seu possuidor, e o jumento a manjedoura do seu dono; mas Israel não tem conhecimento, o meu povo não entende”.
        Deus está descontente com uma parcela muito grande, de pessoas, pela falta de conhecimento que a mesma tem de Deus, que faz este ser humano sofrer, o que o Senhor Jeová não quer e não tem prazer no sofrimento de sua criatura, a sua imagem e semelhança.
         Imagem Extraída de : https://www.blogger.com/blogger.g?blogID=2357926840808709595#editor/target=post;postID=1886829131512205578, Em 18/07/2014.
        A grande mudança radical que todos nós esperamos, só será possível, só acontecerá verdadeiramente, quando nascermos de novo como o Senhor Jesus Cristo ensinou a Nicodemos em (Jo. 3:7) [...] “Necessário vos é nascer de novo”.
        Como mudará uma sociedade, se não mudar a maneira de pensar, a mentalidade desta sociedade?
        Só é possível estarmos contentes quando aprendermos com o Senhor Jesus Cristo como o Apóstolo Paulo aprendeu. Com certeza não foi fácil para ele, mas aprendeu. Se ele aprendeu, nós também podemos aprender. Quero convidar você a conhecer melhor o Senhor Jesus Cristo para ser plenamente contente enquanto ainda há tempo.

        Pr Flávio da Cunha Guimarães

        Bibliografia
1 - Marcelo Ribeiro de Oliveira. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere, marcelo@blasterbit.com

PAZ! QUANDO VAMOS DESFRUTAR DA VERDADEIRA PAZ?

         Imagem extraída de: https://www.google.com.br/search?q=IMAGEM+SOBRE+GUERRA&newwindow=1&safe=active&rlz=1C1KMZB_enBR591BR591&espv=2&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ei=XqvJU63BCdHgsASuvIKwCA&ved=0CAYQ_AUoAQ&biw=1366&bih=624#imgdii=_, Em 18/07/2014
        O mundo está em guerra constante e declaradamente. Não só a guerra entre nações, povos com armas mortais, como os mísseis, como vemos em Israel e Palestinos; mas uma guerra sem mísseis; é a guerra de ideais bem claras. Querem impor novos costumes, nova moralidade, que na verdade é imoral, que chegam a baixar o nível das discussões, com ameaças e retaliações.
        Guerras de informações. Guerras de gangues para conquistarem territórios. Guerra de poder. Guerra no reino espiritual, entre as trevas que simbolizam o mal, Lúcifer, com a Luz, que simboliza o bem, o Senhor Jesus Cristo.
        Guerras dentro dos lares. Pais que sofrem com os filhos mal criados, rebeldes que querem viver as custas dos pais. Filhos que sofrem com pais sem juízo, violentos, dependentes dos vícios, que dão péssimo exemplo para os filhos.
        O mundo está debaixo de conflito constante. Uma guerra sem fim.
        O mundo precisa de paz. O mundo clama, grita, implora por paz!
        “Paz é mais do que a ausência de conflito; paz é a presença de Deus” na vida do ser humano, (Nosso Andar Diário, outubro a dezembro de 2012).
        Todavia, a paz verdadeira, completa só é possível para os que estão em Cristo, o que o Próprio Senhor Jesus Cristo disse em (Jo. 14:27) “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize”. Pense na verdadeira paz para a sua vida!

        Imagem extraída de: https://www.google.com.br/search?q=IMAGEM+SOBRE+A+PAZ&newwindow=1&safe=active&rlz=1C1KMZB_enBR591BR591&espv=2&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ei=p6rJU-uVJ5HNsQTO0IKwDg&ved=0CAYQ_AUoAQ&biw=1366&bih=667, Em 18/07/2014.

        Pastor Flávio da Cunha Guimarães

sábado, 12 de julho de 2014

CRISE NA EDUCAÇÃO DAS FAMÍLIAS!

         Hoje me propus falar sobre a Crise na Educação das Famílias.


       Ao entrar em vigor o (ECA), o Estatuto da Criança e do Adolescente, através da Lei Nº 8. 069, de 13 de julho de 1990, a educação dentro das famílias que já vinha em decadência, piorou, despencou de vez, porque os pais que já atribuíam a educação dos filhos a babá, a TV, a creche, a escola, não colocando limites, piorou acentuadamente, porque os pais sentiram-se intimidados em corrigirem os filhos, que por natureza pecaminosa já tem a tendência natural de praticar o que é errado, o mal.


       Além do ECA, há outro fator que tem contribuído para a má educação dentro das famílias, que leva os pais a abrirem mão de suas prerrogativas em educar os filhos, que é a interferência demasiada do Governo, através do Estado, como Instituição no gerenciamento das famílias, como a Lei da palmada etc.

       Além do ECA e da interferência do Estado na educação da família, tem a influência com artilharia pesada, da Televisão há décadas detonando os princípios já enfraquecidos, com um nova moralidade, propagando a violência, o satanismo, a bruxaria, o ocultismo, o homossexualismo, o lesbianismo, o triângulos amorosos através de desenhos animados, filmes e novelas, como sendo um comportamento normal para a sociedade brasileira, o que está atingindo o alvo, pois os brasileiros estão incorporando tais ensinamentos em seu viver sem ao menos questionar as consequências de tais princípios.


       Assim sendo, a educação familiar deixou de existir na maior parte dos lares brasileiros, famílias estas que estão em crise total, conceitual e educacional, em plena decadência.


       Perderam os seus referenciais; os seus princípios; os seus limites; os seus valores; a sua cultura; os costumes que vieram de gerações a gerações.


       Querem exemplos? É raro, é raríssimo, ver em nossos dias, as famílias sentadas à mesa para a refeição, para agradecer, em oração a Deus, o alimento. O que os nossos antepassados faziam e era muito bom para a unidade da família.


       Só os pais falavam enquanto faziam a refeição. Os filhos só falavam quando perguntados ou quando dirigiam a palavra a eles.


       Hoje os filhos fazem birra à mesa; escolhem o que comer; evitam sentar à mesa para comerem junto com os pais.


       Os filhos quando saiam da mesa, pediam licença. Para dormir pediam a bênção dos pais.


       Havia respeito; havia amor; havia educação para com os pais e idosos.


       O tratamento era sim senhor(a). muito obrigado(a). Desculpe-me. Cumprimentavam-se: Bom dia, boa tarde, boa noite, bênção.


       A educação se aprendia em família. Havia limite para os filhos. Hora de chegarem em casa.


       Em nossos dias já não oram mais para agradecer ao Sr pela refeição.


       O tratamento aos pais é desrespeitoso. Os coroas; os velhos; o coro velho; os chatos; os atrasados; os ultrapassados; os antiquados.


       Os modernos estão afundados nas crises existenciais; afundados na imoralidade; afundados nos vícios, nas drogas que estão devastando a saúde, a vida dos usuários e das famí-lias.


       Mesmo afundados em tudo isso, os filhos exigem dos pais o que os pais não podem dar a eles. Filhos marmanjos vivendo na dependência, as custas dos pais. Filhos levantando 11, 12h do dia, quando os pais levantam 5, 6h da manhã para trabalharem.


       No passado, apesar da rigidez na educação familiar, surgiram os gênios como Shakespeare, Isaac Newton, Albert Einstein, Galileu Galilei, Ludwig Van Beethoven, Leonardo Da Vince, Wolfgang Amadeus Mozart, Machado de Assis e tantos outros... Hoje, com a educação moderna, com toda a tecnologia como Internet, Celulares Smartphone, TV Digital etc, tem-se fabricado, surgido gênios da criminalidade, do mal que aterrorizam a sociedade.


       Todo tipo de mal aumentou. Não há vagas em presídios para tantos criminosos; estão superlotados, abarrotados. Ainda há em torno de 192.611 mil condenados soltos porque não tem como prendê-los, pois não há vagas nas penitenciárias.


       A criminalidade aumentou em quantidade, em gênero com requinte de crueldade, estupro, pedofilia, além da corrupção em todos os escalões governamentais.


       O por que toda essa mazela? Famílias desorientadas? Sem rumo? Desmanteladas? O por que a sociedade virou uma grande babel?


       Além dos motivos já apresentados acima; a natureza pecaminosa do ser humano contribuir para este caos, as TVs, em geral, com suas telenovelas incentivam a bigamia, a traição, a mentira, o ser esperto é o que leva vantagem. A Mídia, de um modo geral, incentiva, impõem um império imoral como normal para a sociedade brasileira, com as devidas exceções, que perdeu a capacidade de raciocinar, de pensar, de questionar, de criticar e absorve todo o lixo que a Mídia impõem como verdade absoluta.


       A sociedade prefere aceitar como verdade absoluta o que a Mídia noticia e ensina, do que as verdades absolutas divinas na Palavra de Deus.


       Se você me pergunta se tem jeito? Eu lhe direi que sim.


       Em primeiro lugar, as famílias precisam ter consciência que como estão, não é normal.


       Em segundo lugar, precisam estar inconformadas com a situação em que estamos vivendo.


       Em terceiro lugar, precisam querer mudar a situação, a começar pela sua família, por você.


       Em quarto lugar, precisam buscar ajuda. A que vem de Deus para uma mudança radical dos valores, dos princípios, da educação. Voltar ao passado para buscar o que foi deixado, o que jamais poderia se perder na família, o amor, a fidelidade, o respeito e os limites para cada pessoa dentro da família.
       Em quinto lugar, buscar a Deus de verdade com contrição e temor. Se fizer, podemos ter esperança de dias melhore para a família.

       Pr Flávio da Cunha Guimarães

       Bibliografia:


1 - Marcelo Ribeiro de Oliveira. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere, marcelo@blasterbit.com.

2 - CHAMPLIN, Russell Norman. Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. II. Ed. Hagnos, 9ª Edição, 2008, São Paulo, 995 P, P. 680-683.

3 - http://www.jesussite.com.br/acervo.asp?Id=269, Pr Carlos Alberto Bezerra.

4 - Francisco Dias. Bom Dia. A degradação da família. Endereço eletrônico: http://www.jornalbomdia.com.br/colunistas/a-degradacao-da-familia, em 23/05/2013.

COMO AGRADECER?

Como agradecer ao Pai Celeste pelo dom da Vida? Além de ser uma dádiva de Deus, o mantê-la é a manifestação da misericórdia do Pai de amor. Basta alguns minutos sem oxigênio para a vida acabar, ser varrida no planeta. E isso não depende de nós, mas do Senhor que nos criou e nos sustenta.
Como agradecer a salvação pela graça? Não custou nada para nós, pois o Senhor Jesus pagou o grande preço que nós teríamos que pagar, com o seu sacrifício na cruz do calvário. Salvação esta que está ao alcance de todos os seres humanos, (1) bastando tão somente reconhecerem que é um pecador, e como pecadores estão ofendendo a santidade de Deus; desfigurando a imagem e semelhança em que fomos criados; estão perdidos indo para o sofrimento eterno. (2) Arrepender-se de seus pecados, não só os cometidos por ação, por omissão, Tia. 4:17, mas também o pecado original em que herdamos mediante a desobediência de Adão e Eva. (3) Confessá-los ao Senhor Jesus de coração, com sinceridade para obter o seu perdão; confissão é assumir o propósito de não praticar os mesmos pecados. (4) Crer no Senhor Jesus como o único que pode nos salvar, visto que foi o único que morreu crucificado para nos dar a remissão de nossos pecados, Jo. 14:6 e I Jo. 1:7. (5) Aceitá-lo pela fé como nosso salvador único, pois é o único intermediário entre Deus e os homens, entre os homens e Deus como nos diz Jo. 14:6 e I Tim. 2:5, ainda que há aqueles que querem colocar outros seres como intermediários, bem como outros meios de salvação, que a Bíblia nega outros além do Filho de Deus.
Como agradecer? A saúde, o alimento, o sol, a noite, o calor, o frio, a água, enfim, tudo que temos que trás o equilíbrio para a vida no planeta!
Como agradecer pela família que temos enquanto tantos outros não tem uma família?
Como agradecer as pessoas que Deus coloca diante de nós, as amizades que são tão salutares para o nosso viver?
Como agradecer a inteligência que Ele nos dá? Que faz do homem o ser vivente neste plano mais inteligente, capacitado e dotado de consciência!
A maior gratidão para com o Criador é querer viver na dependência dEle, reconhecer que a vida só tem sentido quando vivemos nEle, com Ele e para Ele; isso por livre e espontânea vontade. A Ele toda a honra, o louvor, a glória para todo e sempre, amém!
Pastor Flávio da Cunha Guimarães. 

REMOVENDO OS IMPEDIMENTOS!

        Em (Mt. 7:1-5) o Senhor Jesus Cristo diz: “NÃO julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós. E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão”.

        Jesus Cristo, através deste texto, quer nos ensinar três coisas básicas, que são impedimentos em nossas vidas em sociedade, para termos uma comunhão íntima com Ele.

        1 – A Injustiça ao Julgarmos, pois somos injustos e preconceituosos. O que já conversamos anteriormente.

        2 – A Incoerência quanto o Criticarmos e julgarmos os outros. Incoerentes quando reprovamos nos outros aquilo que nós fazemos e achamos normal. O que nem sempre damos conta que estamos sendo incoerentes na maneira de ver, pensar e agir.

        3 – A Hipocrisia. “A hipocrisia consiste em duas coisas” básicas: (Russell, P. 331)

        PRIMEIRA: “O hipócrita não reconhece o seu próprio pecado, que é maior que o pecado alheio”, (Russell, P. 331).
        Que os seus defeitos, os seus erros, as suas falhas de caráter são maiores e piores do que a dos outros.

        SEGUNDO: O hipócrita finge que é justo ou interessado espiritualmente; o hipócrita quer que os outros endireitem suas vidas, o que ele(a) não se preocupa em endireitar na sua. É o que o ditado popular diz: “Faz o que eu mando, mas não faz o que eu faço”.
        O hipócrita é, está impossibilitado de julgar alguém, visto que os seus pecados, os seus defeitos e erros, são maiores do que os dos outros, mas o hipócrita não reconhece. O hipócrita é doente e enfermo da alma, do espírito.
        O hipócrita nem sempre reconhece que é hipócrita. O grande desafia é provar que a pessoa é hipócrita, se ela mesma não reconhece os seus próprios erros e pecados, os quais condena nos outros.
        Ninguém consegue ver longe se não pode ver perto espiritualmente.
        A única maneira de alguém se convencer que é Injusta, Incoerente e Hipócrita, é lendo a Palavra de Deus; é ouvindo os ensinamentos do Senhor Jesus Cristo. Mesmo assim, tem aqueles(as) que ainda continuam hipócrita.

        Precisamos remover esses impedimentos de nossas vidas, não para julgarmos alguém, pois o julgamento pertence ao Senhor, como nos diz (Jo. 5:22) – “E também o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo o juízo”, mas para que possamos viver uma vida melhor, com o próximo, que percebe esses defeitos em nós, provocamos contendas que acabam causando um certo distanciamento entre as partes, contribuindo para um isolamento o que afetará a autoestima e a felicidade.
        E, para convivermos melhor com o Senhor Jesus Cristo, pois a Injustiça, a Incoerência e a Hipocrisia impedem uma comunhão íntima com o Senhor.
        Quando o (V.4) diz: “Deixa-me tirar o argueiro do teu olho”, o tempo do verbo é um imperativo de ação enfática e contínua, que é o sentido na língua original, o grego.
        Isso significa que precisamos retirar os impedimentos com determinação e todos os dias, enquanto aqui vivermos.
        A palavra tirar significa lançar fora, remover com determinação e com ação continua.
        O (V.4) termina com uma pergunta: “estando uma trave no teu?”
        É uma pergunta conclusiva que, não só pede uma resposta, por outro lado indica a quem vai responder qual é a resposta. A resposta é a que está no (V.5) – “Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão”.
        Para ver um pequeno cisco no olho de alguém, é preciso ver bem, ver claramente, ver com intensidade. Estamos nós vendo desta maneira?

        Para vermos com clareza e intensidade, precisamos remover os impedimentos; aí sim, veremos que a pior cegueira é a mental, é a espiritual.
        Quando estivermos vendo com clareza, jamais vamos nos comparar aos outros, achando que somos melhores, superiores moral e espiritualmente.
        Por outro lado, quando nos comparamos com o Senhor Jesus Cristo, que é o nosso modelo, padrão de acordo com (Ef. 4:13), que diz: “Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo”, é que reconhecemos o quanto somos falhos!
        O quanto julgamos sem misericórdia; o quanto estamos negando a misericórdia do Senhor sobre nós. O que não é justo diante do Senhor o querer a misericórdia de Deus para nós e para os outros o juízo do Senhor sobre eles.
        Tanto a trave como o argueiro precisam ser retirados de nossos olhos. Isso é questão que envolve sentimento.

        Ainda que conhecemos muito a Bíblia; ainda que somos mais desenvolvidos espiritualmente do que muitos outros, mesmo assim somos falhos, parciais e preconceituosos. Precisamos que o Senhor remova o impedimento da ignorância que está em nossas vidas para que vejamos com os olhos de Deus. Amém!

        Pr Flávio da Cunha Guimarães

Bibliografia:
1 - Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.
2 - Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.
3 - BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.
4 - Bíblia de Promessas. Tradução João Ferreira de Almeida. RC. 2ª Edição, Co-edição JUERP e King's Cross Publicações, 2009.
5 - RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Cheve Linguistica do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p.
6 - Marcelo Ribeiro de Oliveira. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere, marcelo@blasterbit.com
7 - CHAMPLIN, Russell Norman. O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo. Vol. I. Editora Milenium Distribuidora Cultural LTDA, 1ª Edição, 1980, São Paulo, 806 P, P. 330-331.
8 - ALL-COM Allen, Clifton J. Editor geral. Comentário Bíblico Broadman. Novo Testamento. Tradução de Adiel Almeida de Oliveira. Rio de Janeiro, JUERP, 1983, vol. 8, 484 P, P. 156-157.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

É PROIBIDO JULGAR!

        Em (Mt. 7:1-5) o Senhor Jesus Cristo diz: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós. E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão”.

        Esclarecendo algumas palavras do texto bíblico.
        “Argueiro” – Significa Pequena partícula ou cisco, uma palhinha.
        “Trave” – Significa “Grande tronco de árvore, empregado para sustentar uma construção, viga”.
        “Hipócrita” – "É a pessoa que finge qualidade ou sentimentos bons, que realmente não tem”. Pessoa fingida, falsa.

        Essa é a ideia que o Senhor Jesus Cristo quer ensinar com este texto.
        No (V. 1) Jesus Cristo diz: “Não julgueis, para que não sejais julgados”.
        Jesus Cristo está usando um imperativo. Ele está ordenando.
        É para não julgar em hipótese alguma, ainda que a outra pessoa dê motivo. Porque quando julgamos as pessoas, estamos trazendo para nós, de imediato, o juízo do Senhor sobre nós.
        Por trás de um julgamento há a censura, a crítica amarga, a injustiça, a inveja pois somos falhos em nossas avaliações, nem sempre vemos com o mesmo olhar de amor, de bondade, de misericórdia que o Senhor vê.
        A ideia é que o Senhor nos julga e é um julgamento constante. Proporcional, todavia justo.
        Com isso não quero dizer que já é o juízo final. Esse juízo de Deus é no dia a dia. Podemos perceber que as pessoas que vivem julgando os deslizes alheios dos outros, criticando o viver das pessoas, que tem inveja são infelizes, vivem uma vida miserável, de sofrimento e não sabem o porquê, com raras exceções!

        No (V. 2) Jesus Cristo fala da incoerência, da proporcionalidade, pois quem julga, vê um pequeno cisco no olho do irmão, que dá a ideia de ficar reparando, bisbilhotando, mexericando, intrigando a vida dos outros, para achar defeito, erro, pecado, o que falar, o que criticar, esquecendo de olhar para dentro de si mesmo para ver os seus defeitos, erros e pecados muito maiores.

        Quantos que vivem a ver os defeitos, os erros ou até os pecados dos filhos dos outros, mas não veem os defeitos, os erros, os pecados de seus filhos. Pensam que os filhos dos outros são ímpios, pervertidos; e que os seus são puros, perfeitos e santos. Quanto engano!
        Há um ditado antigo que diz “que se cuspirmos para cima, cairá em nosso rosto”. Também dizem “que não podemos jogar pedra no telhado dos outros se o nosso é de vidro”.
        O Senhor Jesus Cristo ao fazer estas colocações Ele está enfatizando a ideia, a conotação de hipocrisia, de falsidade que há naqueles que vivem a julgar as pessoas pelo seu padrão moral.
        A pergunta de Jesus Cristo pressupõe uma resposta conclusiva. Por que não bisbilhota a sua própria vida? Por que não vê, repara a trave, a grande tora, o grande tronco de árvore que está em seu olho?

        A ideia que Jesus Cristo quer enfatizar é que as pessoas em seu moralismo, legalismo religioso não conseguem demonstrar afeto, amor, bondade, misericórdia para com o seu próximo, porque estão cegas ou se fazem de cegas.
        Veem os pequenos erros, defeitos dos outros, mas não querem ver os seus grandes defeitos, erros e pecados de suas vidas ou de seus familiares. Isso caracteriza como um péssimo habito, um péssimo defeito de caráter das pessoas.

        Para terminar, sem esgotar todo o conteúdo, que eu e você, estejamos fora desta lista de pessoas que ficam procurando pequenos defeitos nos outros para criticar, para julgar, usando o nosso moralismo sem afeto para condenar pessoas que tem sentimentos melhores, maiores, mais puros do que os nossos.
        Que possamos aprender nesta manhã, assumirmos o propósito de não julgarmos, não criticarmos as pessoas, ainda que estejam erradas, pois é atribuição do Senhor Jesus Cristo.

        Pr Flávio da Cunha Guimarães

Bibliografia:
1 - Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.
2 - Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.
3 - BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.
4 - Bíblia de Promessas. Tradução João Ferreira de Almeida. RC. 2ª Edição, Co-edição JUERP e King's Cross Publicações, 2009.
5 - RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Cheve Linguistica do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p.

6 - Marcelo Ribeiro de Oliveira. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere, marcelo@blasterbit.com

OTIMISMO BARATO!

Extraído de: http://copadomundo.ig.com.br/2014-07-08/galvao-bueno-ronaldo-e-casagrande-viram-piada-em-montagens-nas-redes-sociais.html, em 09/07/2014.

O Galvão Bueno, dia 08/07/2014, após a Alemanha fazer um treino VIP de 7 x 1 e não fizeram mais porque estavam apenas fazendo um treino recreativo com a cambaleante seleção brasileira, para a final de domingo, declarou que o Felipão escalou mau o time. Pelo menos o Felipão assumiu a responsabilidade para si, palmas para ele. Já o Galvão Bueno não assume nada. Mas ele é culpado tanto quanto o Felipão, de incutir na mente dos brasileiros um otimismo irracional, emocional e superstições irreais, fazendo comparações entre Amarildo que entrou no lugar do Pelé, em 62 com a camisa 20 e o Brasil foi campeão, com a entrada de Bernard com a camisa 20, no lugar de Neymar em 2014, que poderia fazer a mesma coisa; além de invocar o Olodum (grupo musical Baiano), ("A palavra Olodum é de origem yorubá e no ritual religioso do candomblé significa "Deus dos Deuses" ou "Deus maior", Olodumaré, que não representa um orixá, e sim, o Deus criador do universo e dele senhor"), extraído de: (https://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20080128184212AAfDCAK, em 09/07/2014), como amuleto que traz sorte para a seleção e por isso ganharia o jogo. Ele esqueceu que os alemães são otimistas racionais de faculdade mental que vem do racionalismo alemão; não acreditam em superstições, nem em otimismo emocional barato que não leva a ganhar jogo de copa do mundo; por isso que são considerados frios e calculistas. Jogo e título se ganham com muito trabalho, entrosamento, treino, time compactado, tática, comprometimento e empenho como a Alemanha fez; e não com otimismo barato, superstições e porque a amarelinha tem nome. Besta é o povão acreditar em tudo o que diz o Galvão, pois a decepção é muito maior. Eu já pressentia que o Brasil perderia o jogo, é bem verdade que não esperava de 7, o número da perfeição, o número do Deus da Bíblia. Por isso fiquei triste, sim, decepcionado, não! Que possamos aprender as lições, que otimismo sem razão dá ibope para o Galvão, e, ficaremos com cara de patetão! É melhor pensar como Joachim Löw, para que jogar o segundo tempo se no primeiro já havia fechado o bolão?

Extraída de: http://copadomundo.ig.com.br/2014-07-08/galvao-bueno-ronaldo-e-casagrande-viram-piada-em-montagens-nas-redes-sociais.html, em 09/07/2014.

Pr Flávio da Cunha Guimarães

VALORIZE A VIDA QUE DEUS LHE DEU!

        João 10:10 - “O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância”.
        Fico observando as pessoas, que estão ao nosso redor, vivendo como se a vida não tivesse valor, como se a vida não significasse nada para elas.
        Não entendem que a vida é um dom de Deus, de um valor tão grande, que o Senhor deu, entregou a vida de seu Único Filho para morrer, uma morte horrenda numa cruz pelas nossas vidas.
        Pessoas que estragam as suas vidas! Fazem de suas vidas pessoais um inferno! Não só deles, mas também dos que estão ao seu redor, porque não entendem o propósito do Senhor para as suas vidas.
        Quando adoecem, e, doença grave, os que tem dinheiro, gastam fortunas para ter vida e saúde, o que, as vezes, já é tarde demais.
        Deus nos deu esta vida para vivermos felizes, realizados, sendo bênçãos para outras vidas! Sendo bênçãos para o Senhor Jesus; no entanto, o Senhor Deus tem estado muito triste com o viver de muitos, porque as pessoas, de um modo geral, estão vivendo de maneira banal, porque não entendem que a vida só é feliz, plenamente realizada quando vivemos a vida plena, cheia de Jesus Cristo em nossas vidas.
        Para isso é preciso reconhecer que sem Jesus Cristo somos infelizes, pecadores perdidos, confessarmos os nossos pecados, pedirmos perdão ao Senhor Jesus Cristo, recebê-lo pela fé em nossos corações, para nos tornarmos filhos de Deus, como nos diz (Jo. 1:12) – “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome”.
        Seja, a partir de agora, um (a) filho (a) de Deus, e não
apenas uma criatura de Deus. Esse é o meu desejo sincero de coração.
        Pr Flávio da Cunha Guimarães

terça-feira, 8 de julho de 2014

“O Dilema – A Solidão e Ansiedade do Homem Moderno”.

              O Livro que tem como título: “O Homem a Procura de Si Mesmo”, de Rollo May, trata de temas que são importantíssimos para os nossos dias. O “Nosso Dilema – A Solidão e Ansiedade do Homem Moderno”, (P. 12-13).
             Vivemos em uma sociedade em que muitas pessoas, mas muitas mesmo, vivem dilemas tremendos.
Os consultórios dos psicólogos, dos psiquiatras, dos médicos neurológicos nunca estiveram tão cheios como em nossos dias.
             Quais são os principais problemas interiores de nossos corações? Quais são os nossos conflitos interiores que nos traz tantos dilemas, ansiedade e solidão? É a Infelicidade, a incapacidade para tomar as decisões básicas da vida, sobre casamento e carreira profissional; daí vem o desespero generalizado, falta de objetivo na vida.

             Percebemos uma sociedade infeliz, incapacitada para tomar decisões; quando toma decisões, toma decisões precipitadas, erradas, sem avaliar, sem lavar em consideração as consequências. Daí sofre, desilude, desespera. Vêm as mazelas. Corrupção, violência generalizadas. Imoralidade em todas as camadas sociais. Uma vida com Deus superficial; em busca das bênçãos de Deus sem um compromisso com o Deus das bênçãos.
            As pessoas estão no meio da multidão, todavia solitárias, tomadas de ansiedade, insegurança, medo que evolui para pânico. Problemas, sentimentos que se arrastam por décadas. Como Otto Rank percebeu na década de vinte do século XX como “os sentimentos de inferioridade, incapacidade e culpa” (P. 13) que dominavam a população dos USA, o que está acontecendo no Brasil. Na década de 30, do Século XX, Karen Horney observou “a hostilidade entre indivíduos e grupos, muitas vezes unida ao espírito competitivo”, (P. 13), o que ainda predomina em nossa sociedade pós-moderna.

             “GENTE VAZIA” VIVENDO NA SOLIDÃO

              Os problemas fundamentais do homem detectados no meado do Século XX é o vazio interior, da alma. Um vazio existencial. As pessoas não sabem o que quer com nitidez. Não sabem o que sente. São confusas quanto os seus sentimentos. As pessoas estão ocas, vazias; por isso vagam, oscilam de um lado para outro. De igreja em igreja. De modismo em modismo, em busca de preencherem esse vazio, o que não conseguem, porque só o Senhor Jesus pode preencher o vazio que há dentro de nós, em nossas almas. “Esperam que o cônjuge atual ou futuro preencha uma falta, um vácuo no seu intimo e ficam ansiosos, zangados quando ele ou ela não o consegue” (P.13) preencher, atender as expectativas; daí a troca de parceiros, de parceiras regularmente. Além da busca em preencher o vazio nos estimulantes psicotrópicos, nas drogas e etc.
             Jovens que são mães de vários filhos em que cada um é de um pai diferente. Bem como homens jovens pais de vários filhos em que cada um é de uma mãe diferente sem condição de sustentar ou pagar um pensão, recaindo sobre os avós criarem os netos. O anormal está se tornando normal. São pessoas que vivem, não em função de uma causa nobre; em função da sociedade; em função da família; em função de Deus; mas vivem em função do modismo, de coisas fúteis, passageiras, sem valor perene; em função de seus gostos, desejos e prazeres, vivendo em meio a multidão, mas solitárias.


              A TRISTE CONSTATAÇÃO:
              Rollo May cita a triste conclusão que alguém chegou a confidencia-lo na seguinte frase: “Sou apenas uma coleção de espelhos refletindo o que os outros esperam de mim”, (P.13). As pessoas de um modo geral não vivem pelos seus planos, seus objetivos; vivem em função dos outros; se comparando com os outros, competindo com os outros, se sentindo fracassados em relação aos outros. Vivem como as ondas, as marolas do mar que vão e vem na direção em que o vento assopra. Não há como serem felizes vivendo dessa maneira. Pessoas sem Perspectivas e sem futuro.

               O QUE EXPLICA ESSE COMPORTAMENTO?
               É porque ainda não superaram os recalques, os traumas, as frustrações no decorrer da infância e adolescência. Falta consistência. Falta uma boa base familiar. Falta uma experiência radical com o Senhor Jesus Cristo.
              Quero convidar você que já buscou em tantas coisas preencher o vazio que há dentro de você, no entanto ainda não teve um encontro radical com o Senhor Jesus, deixe o Senhor Jesus renovar o seu interior. Faça isso agora!

              Pr Flávio da Cunha Guimarães

Bibliografia:
1 - MAY, Rollo. O Homem à Procura de si Mesmo. Tradução de Áurea Brito Weissenberg. 1982, Editora Vozes. 9ª Edição, Petrópolis/RJ, 230 p, p. 13-14.
2 - Marcelo Ribeiro de Oliveira. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere, marcelo@blasterbit.com
3 - Todas as fotos foram extraídas de: https://www.google.com.br/search?q=imagem+de+pessoa+solit%C3%A1ria&newwindow=1&safe=active&rlz=1C1KMZB_enBR591BR591&espv=2&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ei=AEu_U_WjHYapsATD1YHYCg&ved=0CAYQ_AUoAQ&biw=1366&bih=667#imgdii=_ , Em 10/07/2014.

SOCORRO: PRECISO DE AJUDA, PRECISO DESABAFAR!

SAL. 42:1-5,8.

O salmo 42 é classificado como um dos salmos de lamento.
Ao lê-lo percebemos, fica claro para que o salmista está vivendo uma ansiedade, um conflito, uma angústia profunda em lágrimas, V. 3,5.
Quantos de nós estamos vivendo essa ansiedade, essa angústia, esse conflito e essas lágrimas! Por quê? Porque “a minha alma não respeita a minha fé”, William Lane em sala de aula.
A angústia, a ansiedade, o conflito e a lágrima do salmista só podia ser por causa da opressão do inimigo, o que é claro no V.9.
O salmo não especifica qual é esse inimigo.
Como o Hebraico fala de coisas concretas, podemos entender então que esse inimigo era real, mas não sabemos qual era o inimigo que poderia ser um exército, alguém de dentro da comunidade.
Se para o salmista o inimigo era real, mas invisível para nós pelo fato do salmista não especificar qual era.
Por outro lado em nossas vidas há inimigos que são invisíveis, mas reais que são eles:
O complexo de inferioridade. Ele corrói relacionamentos humanos em geral; no trabalho; na família; na igreja; para com Deus.
Gera ciúmes; Contendas; Disputas etc.
Leva ao orgulho, à vaidade, o desprezar alguém ou ser desprezado, daí gera outra situação que é a de se sentir um pobre coitado, ninguém gosta de mim!
A visão distorcida é outro inimigo invisível, a mania de se sentir perseguido(a), desprezado(a), ninguém gosta de mim, ninguém liga pra mim, se vê como vitima, um(a) infeliz. Que pode levar a pessoa só ver maldade nos outros.
Esses inimigos atrapalham a auto-estima e o relacionamento em todos os níveis.
Qual é o meu, o nosso inimigo que tem atrapalhado o nosso relacionamento com os amigos; com a igreja; com a famílai e com Deus?
Cuidado com os inimigos invisíveis de sua vida, que nem sempre são invisíveis para aqueles que estão ao nosso redor; esses inimigos estão minando sua vida, sua saúde mental, física e espiritual.

O PEDIDO DE SOCORRO, DE AJUDA DO SALMISTA É DEVIDO A SENSAÇÃO DE QUE ESTÁ SÓ, ABANDONADO, ATÉ MESMO POR DEUS, O QUE ELE PERGUNTA NO V. 9: “POR QUE TE ESQUECESTE DE MIM?”
Esta é a sensação de muitos em nossos dias, na sociedade e até mesmo dentro de nossas igrejas, a sensação de solidão e de abandono.
Mas Deus não esquece, não abandona a ninguém. Ele continua ativo, dirigindo todas as coisas, inclusive nos sustentando pelo se poder, amor e misericórdia. Se há abandono, somos nós que abandonamos a Deus!
Aparentemente o salmista não está vivendo uma vida pecaminosa, pelo menos não há confissão, portanto não há pecados aparentes.
Por que, então, se sentia abandonado?
Vamos entender melhor quando olhamos com atenção para o V. 10 que fala da aparente inação, inércia de Deus.
Quando os inimigos, adversários questionam o salmista: “Onde está o teu Deus?”
A angústia do salmista está, não só na aparente inércia e inação de Deus, bem como na acusação dos inimigos em cobrar a ação de Deus na vida do salmista; pensavam os inimigos do salmista, se Deus não estava presente é porque o salmista estava em pecado. Alem disso, o salmista fica angustiado porque em seu pensamento Deus devia fazer justiça aos seus inimigos pelo fato de ser, ele, o salmista, justo.
Essa situação gera em nós também os mesmos sentimentos que houve no salmista, de que Deus tem que punir os que não crêem nele, zombam dele, que fazem injustiça a nós. É a teologia do merecimento, da recompensa de alguns grupos, de que Deus é obrigado a fazer justiça a nosso favor porque somos filhos e temos direitos. Esses se esquecem que somos pecadores, portanto não merecemos nada. O que Deus nos dá e faz por nós, o faz pela sua bondade e misericórdia.
Deus não abandonou o salmista. Deus não abandonou, não abandona e não abandonará aqueles que são seus filhos; e filhos só são aqueles que creram e aceitaram a Cristo como salvador único e Senhor de suas vidas, é o que diz João 1:12.
Deus não esquece e não abandona os seus filhos, são os homens que distanciam, abandonam e esquecem a Deus por causa de seus pecados, Isaías 59:1-2 é bem claro a esse respeito.
Quantas pessoas vivendo na multidão, dentro de uma igreja, no ceio da família, mas com a sensação de solidão! De abandono!
Se este é o nosso caso, nos sentindo abandonados, mesmo sendo filhos de Deus, lembremos que não estamos só, desamparados, se não vejamos o salmo 37:25: “Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem sua descendência a mendigar o pão”.
Salmo 94:14 “Pois o Senhor não rejeitará o seu povo, nem desamparará a sua herança”. E,
Romanos 11:1a “Pergunto, pois: Acaso rejeitou Deus ao seu povo? De modo nenhum”.
Mas há uma questão a se considerar: Como Deus agirá, abençoará vidas que estão entupidas, borradas, enlamaçadas pelo pecado?
Isaías 55:1-2 diz: “Eis que a mão do Senhor não está encolhida, para que não possa salvar; nem surdo o seu ouvido, para que não possa ouvir; mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados esconderam o seu rosto de vós, de modo que não vos ouço”.
Todavia, quando esse homem, essa pessoa angustiada, pedindo socorro, precisando desabafar se abre para Deus, o que o salmista o faz nos Versos 5 e 11 “Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei pela salvação que há na sua presença. A Ele que é o meu socorro, e o meu Deus”. Deus vem ao seu encontro em socorro.
Quero finalizar dizendo que o salmista precisava apenas desabafar. Ele sabia que podia contar com Deus!
Quantos que precisam desabafar, mas não conseguem porque não tem coragem! Pensam que os outros vão pensar que é um fracassado. Ou porque não tem quem os ouçam! Não crêem em Deus por isso não vão a Ele. Mas se precisa de socorro procure alguém mais de idade, de sua confiança e desabafe! Vá ao Senhor o maior, o melhor e o mais confiável amigo para nos ouvir. Abre o seu coração diante dele em oração, quem sabe você irá em lágrimas. Conte ao Senhor  em oração as suas tristezas. As suas angústias. Seus conflitos. Os seus sofrimentos. Os seus lamentos. Espera em Deus e Ele lhe responderá! Eu creio assim! Você crê?
Autor: Pastor Flávio da Cunha Guimarães.

DESVIO DO CATOLICISMO APOSTÓLICO ROMANO

ALGUNS MOTIVOS O PORQUÊ DA REFORMA DE MARTINHO LUTERO E O PORQUÊ DISCORDAMOS DO ROMANISMO: APOSTASIA DA IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA.
O gráfico não foi possível transportá-lo para ilustrar melhor os desvios do catolicismo romano e como se separou de Cristo e da Bíblia. Citaremos algumas de suas doutrinas que aprovaram que não tem apoio na Bíblia.

FONTES: Pr Dilmo, Livros de História do Cristianismo: Justo Gonzales, Walter Wolker, Wikipédia, a enciclopédia livre e a Bíblia Sagrada.

1 - O CLERO CATÓLICO INSTITUIU AS PRECES PARA OS MORTOS E O SINAL DA CRUZ, ambos surgiram nos anos 300 a 310 d C. A Bíblia proíbe qualquer atividade voltada para os mortos, (Ex. 22:18; Lev. 19:31; 20:27 e Deut. 18:9-12). A Bíblia não fala de sinal da cruz, Paulo fala das marcas de Cristo em seu corpo porque sofreu por causa do nome do Senhor, Gal. 6:17 e não sinal da cruz.

2 - O CLERO CATÓLICO INSTITUIU O USO DAS VELAS EM 320, POIS CREEM QUE É PARA ILUMINAR O CAMINHO DO ESPÍRITO ATÉ O SEU DESTINO FINAL. A Bíblia diz que Jesus Cristo é a luz do mundo (Luc. 2:32; Jo. 1:4; 3:19; 12:35 e Ap. 21:23. Quem tem Jesus Cristo como a luz de sua vida enquanto aqui vive, ao morrer não precisará de luz de velas para chegar a eternidade, portanto, dispensa as velas. Afinal, quem lucra com a venda das velas queimadas nos templos, cemitérios etc que nada podem fazer pelos mortos salvos ou não salvos?).

3 - O CLERO CATÓLICO INSTITUIU O CULTO AOS SANTOS A PARTIR DE 375. Cultos aos santos que é idolatria. Idolatria é abominação ao Senhor (Deut. 7:25-26; 27:15 e Isaías 44:13-19). Só presta culto a santos os ignorantes, os sem conhecimento bíblico ou se fecharem os olhos para os seguintes textos bíblicos: (Êxodo 20:3-6) o que a Igreja Católica Apostólica Romana extrai de seu catecismo. (Êxodo 34:17; Deut. 4:16,23 e 5:8-9) que proíbe o fazer imagem... (Deut. 27:15) diz que quem faz imagem e se dobra diante dela para reverenciá-la é maldito. Daí que no Novo Testamento, o Apóstolo Paulo esclarece em (I Cor. 10:20) que os cultos aos santos nada mais é do que culto aos demônios. Em (I Cor. 10:14) Paulo recomenda para fugir da idolatria, bem como João, em ( I Jo. 5:21) para se guardar da idolatria, pois é obra da carne conforme (Gal. 5:20). O pior de tudo é que os idólatras não herdarão o reino de Deus, (I Cor. 6:9-10 e Apoc. 21:8). NOTA DE ESCLARECIMENTO: Idolatria não é só se curvar diante de uma imagem chamada de santo, é também reverenciar as novelas, o futebol, o carro, o estudo, a vaidade de se achar justo de tal maneira que merece ser salvo e etc.

4 - O CLERO CATÓLICO INSTITUIU A MISSA: Celebrada diariamente, adotada em 394 que para o catolicismo é a repetição do sacrifício de Cristo na cruz em nosso favor e a favor dos mortos não salvos, o que contraria o que a Bíblia diz em (Hebreus 7:26-27; 9:28; 10:12).

5 - O CLERO CATÓLICO INSTITUIU O CULTO A VIRGEM MARIA EM 431. O que foi dito acima e os textos sobre idolatria se aplicam a Maria também.

6 - O CLERO CATÓLICO INSTITUIU O USO DA BATINA SACERDOTAL EM 500, que nada mais é do que as vestes do sacerdócio do Antigo testamento (Êxodo 39:1-32). O Catolicismo é uma mistura de Judaísmo, de Paganismo, de Candomblé e espiritismo kardecista, de religião de mistério com pouca coisa de Cristianismo.

7 - O CLERO CATÓLICO CRIOU A DOUTRINA DO PURGATÓRIO EM 503. A Bíblia não fala de purgatório nos textos inspirados por Deus, mas somente nos textos históricos que chamamos de "Livros Apócrifos" que a Igreja Católica Apostólica Romana incluiu em suas versões como forma de combater a Reforma Protestante, em que chamamos de "Contra Reforma", no ano 1546, para à partir daí dizer que a Bíblia dos protestantes era falsa.

7 - O PAPA BONIFÁCIO III SE DECLARA BISPO UNIVERSAL EM 606. O que se pretendia? Ser autoridade espiritual sobre todas as igrejas, inclusive sobre o Cristianismo ortodoxo em que já havia se dividido em Igreja Católica Apostólica Romana e Cristianismo Ortodoxo que o centro era em Constantenopla, hoje Istambul na Turquia.

8 - O CLERO CATÓLICO INSTITUIU A OBRIGATORIEDADE DE SE BEIJAR OS PÉS DO BISPO UNIVERSAL EM 609. Nada mais que o gesto de submissão e obediência diante da prepotência de um pecador.

9 - O CLERO CATÓLICO INSTITUIU, A PARTIR DE 754, O PODER TEMPORAL DA IGREJA. O que é Poder Temporal da Igreja? "Designa-se por poder temporal a influência de poder, tanto de governação como político, que exerce o Vaticano sobre as pessoas, em especial o poder do Vigário de Cristo - o Papa - em contraste com o seu poder espiritual sobre a Igreja Católica e outros grupos, também chamado de poder eterno. Este poder ou atividade permitiu o autogoverno dos Estados Pontifícios, que atualmente se limitam ao Estado do Vaticano. No seu apogeu, os Estados Pontifícios tornaram-se um Estado com a sua própria moeda e legislatura, em pé de igualdade com qualquer outra nação da Europa. Há quem chame este estado nacional, governado por uma autoridade religiosa, uma 'teocracia', comparando-se assim com alguns regimes islâmicos que vivem também uma forma de teocracia. Alguns historiadores classificam a coroação de Carlos Magno, em 800, como o momento no qual a Igreja Católica começou a implementar uma política internacional do poder temporal. O poder temporal sempre foi discutido em política, em filosofia e em teologia, sobretudo nos países onde o Vaticano exerce esse poder em vários graus, sendo que este poder é aplicado de formas distintas que variam com a personalidade do Papa, o contexto histórico internacional, e o apoio popular do povo católico. Um exemplo do uso questionável dessa influência do poder sobre o mundo deu-se na época da Inquisição. Para alguns críticos, na época da Inquisição Católica, o poder temporal era exercido com mais influência e, portanto, estava mais distante dos Evangelhos e da Cúria Romana. A resposta mais popular a esse tipo de crítica é que o objetivo final dessa política é, ou foi, a extensão do Evangelho a todos os povos. Por razões práticas, de Realpolitik, o poder temporal do Papa terminou em 20 de setembro de 1870, quando o exército italiano entrou em Roma e completou o movimento denominado Risorgimento. Formalmente, o poder temporal terminou em 1929 com o Tratado de Latrão que estabeleceu a convivência da Cidade do Vaticano com a Itália". Wikipédia, a enciclopédia livre, em 30.04.2011.
“Além da autoridade religiosa, o papa contava também com o poder temporal da Igreja, isto é, o poder advindo da riqueza que acumulara com as grandes doações de terras feitas pelos fiéis em troca da possível recompensa do céu. 'Calcula-se que a Igreja Católica tenha chegado a controlar um terço das terras cultiváveis da Europa Ocidental. Era, portanto, uma grande senhora feudal' numa época em que a terra constituía a base de riqueza da sociedade. O papa, desde 756, era o administrador político do Patrimônio de São Pedro, o Estado da Igreja, constituído por um território italiano doado pelo rei Pepino, dos francos. O poder temporal da Igreja levou o papa a envolver-se em diversos conflitos políticos com monarquias medievais. Exemplo marcante desses conflitos é a Questão das Investiduras, no século XI, quando se chocaram o papa Gregório VII e o imperador do Sacro Império Romano Germânico, Henrique IV". Fonte:  http://www.historiadomundo.com.br/idade-media/a-igreja-medieval.htm, Extraído em 30.04.2011. O que entendemos do Poder Temporal da Igreja nada mais é do que o envolvimento político da igreja para obter vantagens em vários aspectos, entre eles, o prestigio e o enriquecimento.

10 - O CLERO CATÓLICO INSTITUIU EM 783 A ADORAÇÃO AS IMAGENS E RELÍQUIAS. O que foi dito sobre idolatria acima se aplica aqui também.

11 – O CLERO CATÓLICO INSTITUIU EM 850 A ÁGUA BENTA - "Origem: Foi Santo Alexandre ─ que governou a Igreja do ano 121 até 132 ─ quem mandou usar o sal na bênção da água", Fonte: http://cultura-catolica.blogspot.com/2007/12/gua-benta.html. Copiado literalmente em 30.04.2011. Prática que vinha sendo usada, mas não oficializada o que aconteceu em 850, quando Instituiu o Uso da Água Benta (benzida). Acreditando-se que tem poder de curar enfermos e afastar os demônios. Práticas e crenças estranhas ao que a Bíblia ensina, pois a Bíblia relata que as curas sobrenaturais foram ação direta de Deus no homem e o exorcismo só tem poder de fazê-lo aqueles que já foram lavados pelo sangue de Cristo, são salvos, tem uma vida pautada dentro da Palavra de Deus e está cheio do poder do Espírito Santo. A Bíblia em (Marcos 3:15) diz: "E para que tivessem o poder de curar as enfermidades e expulsar os demônios".

12 - O CLERO CATÓLICO INSTITUIU EM 890 O CULTO A SÃO JOSÉ: O santo padroeiro (patrono) da Igreja Católica. O que foi dito sobre idolatria acima se aplica aqui também. É lamentável as pessoas serem enganadas como são. O patrono da igreja tem que ser Jesus Cristo que é o fundador da igreja conforme (Mat. 16:15-18; Atos 4:11; Ef. 1:22; 4:15; 5:23; Col. 1:18 e 2:10, ).

13 - O CLERO CATÓLICO INSTITUIU A CANONIZAÇÃO DOS SANTOS PELO "Papa João XV (985-996), em 993, realizou a primeira canonização formal. O primeiro santo canonizado foi Santo Ulrico, Bispo de Augsburgo (Baviera), falecido em 973", fonte: (http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?id=&e=4459), Extraída em 30.04.2011. Uma aberração! Falta dia para tantos santos. Concorrem dois ou mais santos no mesmo dia. Prático essa estranha ao que a Bíblia ensina. Ela chama de santos todos os que foram lavados pelo sangue do cordeiro, (Col. 1:22; Heb. 10:29; I Tes. 3:13 e II Tes. 1:10), mas a Bíblia não fala que ao morrerem vão interceder, abençoar ou oferecer mérito a alguém.

14 - O CLERO CATÓLICO INSTITUIU EM 1.003 O "Dia dos Fiéis Defuntos, Dia de Finados ou Dia dos Mortos". "HISTÓRIA DO DIA DE FINADOS. Desde o século 1º, os cristãos rezam pelos falecidos; costumavam visitar os túmulos dos mártires nas catacumbas para rezar pelos que morreram sem martírio. No século 4º, já encontramos a Memória dos Mortos na celebração da missa. Desde o século 5º, a Igreja dedica um dia por ano para rezar por todos os mortos, pelos quais ninguém rezava e dos quais ninguém se lembrava. Desde o século XI, os Papas Silvestre II (1009), João XVIII (1009) e Leão IX (1015) obrigam a comunidade a dedicar um dia por ano aos mortos. Desde o século XIII, esse dia anual por todos os mortos é comemorado no dia 2 de novembro, porque no dia 1º de novembro é a festa de "Todos os Santos". O Dia de Todos os Santos celebra todos os que morreram em estado de graça e não foram canonizados. O Dia de Todos os Mortos celebra todos os que morreram e não são lembrados na oração", Mons. Arnaldo Beltrami, extraído de: http://www.velhosamigos.com.br/DatasEspeciais/diafinados.html, em 30.04.2011.
"Desde o século II, alguns cristãos rezavam pelos falecidos, visitando os túmulos dos mártires para rezar pelos que morreram. No século V, a Igreja dedicava um dia do ano para rezar por todos os mortos, pelos quais ninguém rezava e dos quais ninguém lembrava. Também o abade de Cluny, santo Odilon, em 998 pedia aos monges que orassem pelos mortos. Desde o século XI os Papas Silvestre II (1009), João XVII (1009) e Leão IX (1015) obrigam a comunidade a dedicar um dia aos mortos. No século XIII esse dia anual passa a ser comemorado em 2 de novembro, porque 1 de novembro é a Festa de Todos os Santos. A doutrina católica evoca algumas passagens bíblicas para fundamentar sua posição (cf. Tobias 12,12; 1,18-20; Mt 12,32 e II Macabeus 12,43-46), e se apóia em uma prática de quase dois mil anos".
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_dos_Fi%C3%A9is_Defuntos.
Um tremendo engano para os fiéis. De nada adianta ir visitar entes queridos, acender velas, levar comida, flores ou rezar a eles ou por eles. Prática essa que contraria a Bíblia em (Heb. 9:27-28). Os textos de Jó e Mateus citados acima foram tirados de seu contexto que de maneira nenhuma dão base para tal prática. Os textos de Tobias e II Macabeus não são reconhecidos pelos judeus, pela igreja primitiva e nem pelos protestantes como inspirados. Portanto, não há base para o rezar pelos mortos.

15 - O CLERO CATÓLICO INSTITUIU EM 1.008 ANULAÇÃO DE MATRIMÔNIO: O Papa Pio X anulou qualquer matrimônio efetuado sem o sacerdote da Igreja Romana. A Igreja Católica se colocava acima de qualquer autoridade humana ou institucional. Aqui entra a questão do poder temporal da igreja citado acima. O papa se considerava deus na terra. Aliás, o que está escrito no kipar do papa significa exatamente isso: VICÁRIUS FILLII DEI (NO LUGAR DO FILHO DE DEUS). Isso é uma blasfêmia, pois quem está no lugar de Jesus Cristo é o Espírito Santo, se não vejamos o que os texto bíblicos dizem: (João 14:16-18; Mateus 28:19; Lucas 24:49; Atos 1:8; Atos 2:1-4; Apocalipse 13:1,5-6; 17:1-5).

16 - O CLERO CATÓLICO INSTITUIU EM 1.074 O DECRETOU, O DOGMA DO CELIBATO SACERDOTAL. A bíblia não proíbe o casamento entre sexos heterogêneos, isso é coisa da Igreja Católica, pelo contrário, a Bíblia recomenda o casamento, (Gen. 2:18; I Cor. 7:3,5,9).

17 - O CLERO CATÓLICO EM 1.076 INSTITUIU O DOGMA DA “INFALIBILIDADE DA IGREJA”. "A infalibilidade papal é o dogma da teologia católica, a que afirma que o Papa em comunhão com o Sagrado Magistério, quando delibera e define (clarifica) solenemente algo em matéria de ou moral (os costumes), ex cathedra,[1] está sempre correto. Isto porque acredita-se que, na clarificação solene e definitiva destas matérias, o Papa goza de assistência sobrenatural do Espírito Santo, que o preserva de todo o erro", Wikipédia, a enciclopédia livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/Infalibilidade papal. "Na Igreja Católica Romana, um dogma é uma verdade absoluta, definitiva, imutável, infalível, inquestionável e absolutamente segura sobre a qual não pode pairar nenhuma dúvida [1]. Uma vez proclamado solenemente, nenhum dogma pode ser revogado ou negado, nem mesmo pelo Papa ou por decisão conciliar [1] Por isso, os dogmas constituem a base inalterável de toda a Doutrina católica [2] e qualquer católico é obrigado a aderir, aceitar e acreditar nos dogmas de uma maneira irrevogável [3]", Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/Dogmas_da_Igreja_Cat%C3%B3lica, Extraído em 30.04.2011. Quantas barbaridades a Igreja Católica cometeu nos séculos de Cristianismo?! Perseguições, Cruzadas, "santa inquisição" e etc. Se a igreja não falhasse, o papa João Paulo II não teria pedido perdão por crimes que a igreja cometeu no passado!

18 - O CLERO CATÓLICO INVENTOU O ROSÁRIO. "A oração do Santo Rosário surge aproximadamente no ano 800 à sombra dos mosteiros, como "Saltério" dos leigos. Dado que os monges rezavam os salmos (150), os leigos, que em sua maioria não sabiam ler, aprenderam a rezar 150 Pai Nossos. Com o passar do tempo, se formaram outros três saltérios com 150 Ave Marias, 150 louvores em honra a Jesus e 150 louvores em honra a Maria. Segundo uma tradição a Igreja católica recebeu o Rosário em sua forma atual em 1206 quando a Virgem Maria apareceu a São Domingos Gusmão e o entregou como uma arma poderosa para a conversão dos hereges e outros pecadores daquele tempo. Desde então sua devoção se propagou rapidamente em todo o mundo com incríveis e milagrosos resultados", Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Santo_Ros%C3%A1rio, Extraído em: 13/10/2013. "O rosário, o saltério da Santíssima Virgem, é uma oração piedosa e simples a Deus, ao alcance de todos... Como ponto de partida deste artigo, escolhemos (diz o Padre Ennio Domenico Staida , O.P.) a definição de rosário dada pelo Papa Pio V... A bula Consueverunt é um ponto-chave na complexa história desta devoção, e determina, nela, uma etapa fundamental. A história do rosário não nasce com ela, mas é graças a ela que acontece uma espécie de consagração oficial e são fixadas as suas formas, substancialmente as mesmas de hoje. Os momentos históricos determinantes do desenvolvimento do rosário estão entre os séculos XII e XVI (2). É no início do século XII que começa a se difundir a oração da Ave-Maria". Pe. Ennio Domenico Staida , O.P. http://paroquiasantanaliv.sites.uol.com.br/rosario.htm, extraído em 30.04.2011. O ilustre Padre Ennio usa dezenas de textos bíblicos para tentar dar base ao rosário, textos esses que estão isolados de seu contexto e que não se referem a rosário. Jesus Cristo não ensinou a orar contando e em partes como o Padre Ennio ilustra. É mais um artifício para enganar, um amuleto para o fiel se apegar a religião que nenhum valor tem. Desvios esses porque desviaram de Cristo, que é o cabeça da Igreja, o que Paulo fala de maneira clara em Colossenses 2:18-23.

19 - O CLERO CATÓLICO, EM 1.184, INSTITUIU A “SANTA INQUISIÇÃO”. Um pouco de História: "O termo Inquisição refere-se a várias instituições dedicadas à supressão da heresia no seio da Igreja Católica. A Inquisição foi criada inicialmente para combater o sincretismo entre alguns grupos religiosos, que praticavam a adoração de plantas e animais e utilizavam mancias.[1] A Inquisição medieval, da qual derivam todas as demais, foi fundada em 1184 no Languedoc (sul da França) para combater a heresia dos cátaros ou albigenses. Em 1249, implantou-se também no reino de Aragão, como a primeira Inquisição estatal e, já na Idade Moderna, com a união de Aragão e Castela, transformou-se na Inquisição espanhola (1478 - 1821), sob controle direto da monarquia hispânica, estendendo posteriormente sua atuação à América. A Inquisição portuguesa foi criada em 1536 e existiu até 1821). A Inquisição romana ou "Congregação da Sacra, Romana e Universal Inquisição do Santo Ofício" existiu entre 1542 e 1965". Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/Inquisi%C3%A7%C3%A3o, extraído em 30.04.2011. Como chamar de "Santa Inquisição" um movimento que tinha a intenção de perseguir e matar, como matou, milhares na Europa e chegando as Américas em nome de Deus e da Religião? Na verdade os líderes católicos nutriam um ódio contra os Mulçumanos e quem contrariava, protestava contra os desvios da Igreja Católica.

20 - O CLERO CATÓLICO, EM 1.190, INSTITUIU A VENDA DE INDULGÊNCIAS. "No início da Igreja, especialmente a partir do século III, as autoridades eclesiásticas concediam aos cristãos as indulgências para reduzir as penitências muito longas e severas. No século VI os participantes do Concílio de Borgonha substituíram para a prática de graves penitências canônicas por penitências mais leves. Tornou-se habitual a penitência de obras menos exigentes, tais como orações, esmolas e jejuns. Até o século X as indulgências consistiam em donativos piedosos, peregrinações e outras boas obras. Em seguida, no século XI e XII, o reconhecimento do valor destas obras começaram a associar-se não tanto com a penitência canônica, mas com remissão da pena temporal devida ao pecado.[7] . Em 1300 o Papa Bonifácio VIII institui o primeiro jubileu cristão por meio da bula Antiquorum fide relatio, que concedeu uma indulgência extraordinária e plenária aos fiéis que fizessem uma peregrinação a Roma, ao túmulo de São Pedro.[8] A partir de então os jubileus e a anunciação de uma indulgência extraordinária foram comemorados com uma periodicidade de 50 anos, que se baseava no costume judaico (Êx 23, 10-11). As esmolas das indulgências eram utilizadas em diversas obras de caridade, em igrejas, hospitais, leprosarias, instituições beneficentes e escolas.[7]". "Abusos... Apesar das restrições, o final da Idade Média viu o crescimento considerável de abusos, tais como a livre venda de indulgências por profissionais "perdoadores" [2] (quaestores em latim). A pregação destes, em alguns casos era falsa, atribuindo às indulgências características muito além da doutrina oficial, alguns afirmaram que "Assim que uma moeda tilinta no cofre, uma alma sai do purgatório" [10].
Reforma Protestante: A Igreja reconheceu a existência de abusos ao longo dos séculos, e usou sua autoridade para corrigi-las.[9] Porém distúrbios posteriores na concessão indulgenciária seriam contestadas na Reforma Protestante.[2]. Em 1517 o Papa Leão X ofereceu indulgências para aqueles que dessem esmolas para reconstruir a Basílica de São Pedro em Roma.[7] O agressivo marketing de Johann Tetzel em promover esta causa provocou Martinho Lutero a escrever suas 95 Teses (Tetzel seria inclusive punido por Leão X por seus sermões, que ia muito além ensinamentos reais sobre as indulgências). Embora Lutero não negasse o direito do Papa ou da Igreja de conceder perdões e penitências,[11] ele não acreditava que dar esmolas seria uma boa ação, mas um ato semelhante à compra das indulgências e o perdão das penas temporais.[12]". Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/Indulg%C3%AAncia, em 30.04.2011. Uma tremenda exploração da inocência, do desconhecimento e a ignorância dos fiéis com um desejo muito grande de enriquecimento e de poder.

21 - O CLERO CATÓLICO, EM 1.200, O PÃO DA CEIA FOI SUBSTITUÍDO PELA HÓSTIA. “A eucaristia é um dos sete sacramentos da Igreja Católica Romana. A ceia do Senhor foi celebrada na forma original por doze séculos, mas no ano de 1200 A.D. o romanismo substituiu o pão sem fermento pela “hóstia sagrada”. 
No Concílio de Latrão em Roma (1215-1216 A.D.), o papa Inocêncio III deturpou as palavras figuradas de Cristo registradas no quarto evangelho “Isto é o meu corpo e isto é o meu sangue” criando o dogma da Transubstanciação . Em 1414-1415 A.D., no Concílio de Constança o papa João XXIII, retirou o vinho da cerimônia e as igrejas passaram a servir aos fiéis somente a hóstia, contrariando claramente a ordenança bíblica e o costume da igreja pós-apostólica de ministrar a ceia sob os dois emblemas, pão e vinho, como se percebe ao analisar os documentos patrísticos do primeiro século da era cristã. O Concílio de Trento (1545-1563 A.D.), em 1551, deu o golpe final contra a Ceia do Senhor, esclarecendo e aprovando definitivamente o dogma da Transubstanciação”. Fonte: http://www.webartigos.com/articles/61410/1/A-CEIA-DO-SENHOR-OU-O-SACRIFICIO-DA-MISSA/pagina1.html#ixzz1L3kMOQlg. Em 30.04.2011.
Quando Jesus serviu а Ceia serviu pão e vinha a todos os discípulos é o que consta em (Mat. 26:17-30), o padre não serve o vinho aos fiéis, serve só a hóstia, só ele toma o vinho.

22 - O CLERO CATÓLICO, EM 1.215, CRIOU A CONFISSÃO AURICULAR. Até então se fazia confissão ao Senhor e essa era a compreensão dos judeus, (Mat. 9:1-6 e Mar. 2:7). À proporção que o poder foi subindo a cabeça dos papas, eles quiseram assumir o lugar de Deus. Daí que Leonardo Boff foi banido da Igreja Católica porque questionou esse "poder" com a seguinte frase: "Todo poder absoluto se corrompe absolutamente".

23 - O CLERO CATÓLICO, EM 1.215, CRIOU O DOGMA DA TRANSUBSTANCIAÇÃO. Um pouco de história: A origem da hóstia é o pão ázimo (matzá). A palavra vem do latim hostia (=vítima); significa “vítima oferecida em sacrifício para uma divindade e partícula de pão ázimo que se consagra durante a comunhão. Em hebraico, as palavras correspondentes são Korban e Matzá, respectivamente... Mas a macabra ironia começa um pouco depois. Em 1215, no IV Concílio Laterano, foi estabelecido o dogma da transubstanciação, que afirma que o pão e o vinho da comunhão não somente simbolizam, mas milagrosamente se transformam no corpo e no sangue de Cristo. Esta doutrina, associada a outras medidas discriminatórias contra os judeus [4], tornou-se fonte de anti-semitismo cristão. Destacam-se duas calúnias:
1) Profanação da hóstia: Durante muito tempo, circularam acusações de que a hóstia era profanada pelos judeus, que tentavam roubá-la para esfaqueá-la, atormentá-la e queimá-la numa tentativa de “recrucificar” Jesus. Muitas estórias circulavam para ilustrar. Em 1298, a acusação de profanação da hóstia fez com que toda a população judaica de Röttingen fosse queimada, seguindo-se um massacre dos judeus por toda a Alemanha e na Áustria. 100.000 pessoas foram assassinadas e em torno de 140 comunidades judaicas dizimadas. Em Praga, em 1389, um sacerdote carregando uma hóstia foi acidentalmente salpicado de areia por algumas crianças judias que brincavam. Em conseqüência disto, 3.000 judeus foram massacrados.
2) Libelo de Sangue: afirma que judeus matam cristãos para obter sangue para Pessach e outros rituais. Acreditava-se que os judeus precisavam beber sangue cristão a fim de que sua aparência pudesse continuar humana; o sangue cristão também ajudava a eliminar o foetur judaicus, “fedor de judeu”, que era transformado em “odor de santidade” possuído pelos cristãos. Outra versão desta acusação era que os judeus seqüestravam bebês cristãos, matavam e moíam seus corpos para fazer matzá para Pessach. Esta calúnia é tão absurda que seria cômica se não tivesse tido conseqüências tão trágicas. Ao povo judeu é proibido beber o sangue de qualquer animal, muito menos sangue e carne humanos. Apesar de sua óbvia falsidade a qualquer pessoa com um mínimo de conhecimento das leis dietéticas judaicas, milhares de judeus foram assassinados por causa desta mentira. E pior: ela continuou até nossos dias… Entre 1880 e 1945, o libelo de sangue espalhou-se largamente no centro da Europa Oriental. O jornal nazista Der Stürmer apresentava regularmente figuras de rabinos chupando o sangue de crianças alemãs. E a calúnia persiste, travestida, principalmente na mídia muçulmana extremista antiisraelense… O aparecimento de tais doutrinas mostra uma completa ignorância do estilo de vida do povo judeu, bem como uma falta de diálogo e relacionamento cristão-judaico. A própria Igreja Católica só o declarou falso depois da década de 1960. Parece absurdo que tal coisa ainda aconteça nos dias de hoje, mas o anti-semitismo não morre facilmente... Entre os que comemoravam Pessach escondidos, buscando driblar a Inquisição, e os que abrem as portas de suas casas no Seder, tanto para que entre o que tem fome como para se verifique que não há sangue no ritual nem carne de criancinha cristã, seguimos celebrando a liberdade e esperando por maior tolerância entre os homens de boa vontade. Mais que tolerância – aceitação”. http://steinhardts.wordpress.com/2008/04/19/a-hostia-e-o-pao-asimo/

24 - O CLERO CATÓLICO, EM 1.220, A ADORAÇÃO A HÓSTIA. Dispensa comentário, pois faz parte dos sete sacramentos.

25 - O CLERO CATÓLICO, EM 1.229, INSTITUIU A PROIBIÇÃO DA LEITURA BÍBLIA. “O italiano Giovanni Maria del Monte fora eleito Papa no ano de 1550, reinando sobre o trono papal com o nome de Júlio III até o ano de 1555, sucedendo o Papa Paulo III... Em seu papado, Júlio III ordenou a reabertura do clássico e famoso Concílio de Trento em 01/05/1551, instalando assim novos bispos alemães, com o intuito de instalar uma reforma na Igreja Católica antes do protestantismo tomar conta de toda a Europa... Ao concluir os seus estudos, os bispos apresentaram a Júlio III um documento intitulado de “Direções concernentes aos métodos adequados para fortificar a Igreja de Roma”,o qual se encontra arquivado na Biblioteca Imperial de Paris, fólio B, número 1088, vol. 2, ps. 641 a 650. Destacaremos somente a parte final da referida obra:
“Finalmente (de todos os conselhos que bem nos pareceu dar a Vossa Santidade, deixamos para o fim o mais necessário), nisto Vossa Santidade deve pôr toda a atenção e cuidado de permitir o menos possível a leitura do Evangelho, especialmente na língua vulgar, em todos os países sob vossa jurisdição. O pouco dele que se costuma ler na Missa, deve ser o suficiente; mais do que isso não devia ser permitido a ninguém. Enquanto os homens estiverem satisfeitos com esse pouco, os interesses de Vossa Santidade prosperarão, mas quando eles desejarem mais, tais interesses declinarão. Em suma, esse livro (a Bíblia) mais do que qualquer outro tem levantado contra nós esses torvelinhos e tempestades, dos quais meramente escapamos de ser totalmente destruídos. De fato, se alguém o examinar cuidadosamente, logo descobrirá o desacordo, e verá que a nossa doutrina é muitas vezes diferente da doutrina dele, e em outras até contrária a ele; o que se o povo souber, não deixará de clamar contra nós, e seremos objetos de escárnio e ódio geral. Portanto, é necessário tirar esse livro das vistas do povo, mas tende muito cuidado, para não provocar tumultos. Bolonie, 20 Octobis 1553, Vicentius De Durtantibus, Egidus Falceta, Gerardus Busdragus”. Anchieta Campos. http://anchietacampos.blogspot.com/2008/04/proibio-da-leitura-da-bblia-no.html, em 30.04.2011. A proibição era necessária ou uma mudança da igreja romana para a prática dos ensinamentos do Senhor. Do contrário os questionamentos aos líderes da igreja romana continuariam. A Bíblia foi caçada, perseguida, queimadas em praças públicas e jogadas no oceano atlântico, mas sendo ela a Palavra de Deus, sobreviveu a todas as atrocidades e aí está para ser examinada, vivida e praticada.

26 - O CLERO CATÓLICO, EM 1.295, ESTABELECEU O USO DAS CAMPAINHAS NA MISSA. Qual a razão para isso? As missas eram rezadas em latim, em que os fiéis não entendiam e o padre a celebrava de costas para o povo, enquanto este rezava o rosário. No momento da eucaristia se tocava a campainha para o silêncio do povo.

27 - O CLERO CATÓLICO, EM 1.317, A INSTITUIÇÃO DA REZA DA “AVE MARIA”. “COMO SURGIU A REZA: ‘AVE MARIA’? Vem do ano 1317, foi escrita e difundida pelo papa João XXII anos 1316-34. A palavra AVE era saudação dos romanos ao seu imperador nas arenas; quando o anjo saudou Maria disse-lhe: SALVE! Lucas 1:28. Nessa reza João XXII misturou doutrina espírita com textos bíblicos para confundir, pois a expressão ‘Rogai por nós agora e na hora da nossa morte’ é estranha ao Cristianismo e na Bíblia. 
Os cristãos jamais apelaram para os mortos, mesmo que tenham sido santos! Essa frase foi introduzida na reza, maliciosamente, pois sugere Maria como Mediadora, contrariando as Escrituras Sagradas que dizem: 'Só há um MEDIADOR entre Deus e os homens, Jesus Cristo!’ (I Tim. 2:5). Cristo não ensinou rezas, ensinou orações. Rezar é repetir textos decorados, usando o rosário como instrumento de repetição. Ele disse: ‘Ao orar não useis de vãs repetições, pois não é por muito falar que se é ouvido’, (Mat.6:7)". http://www.radioresgatefm.com/artigo_heresia_ave_maria.html, EM 30.04.2011. A reza é uma coisa monótona, repetitiva, vazia e sem sinceridade para muitos. A Bíblia não fala de reza a Maria, mas de oração a Deus-Pai através do Filho.

28 - O CLERO CATÓLICO, EM 1.415, ELIMINA O VINHO AO POVO NA COMUNHÃO. Já foi dito acima sobre o pão, a hóstia e o vinho.

29 - O CLERO CATÓLICO, EM 1.545, ESTABELECEU A DOUTRINA QUE EQUIPARA A TRADIÇÃO (A HISTÓRIA DA IGREJA) A BÍBLIA. Isso é uma aberração. É simplesmente menosprezar a Bíblia.

30 - O CLERO CATÓLICO, EM 1.546, VEIO O ACRÉSCIMO DOS LIVROS APÓCRIFOS NAS VERSÕES DAS BÍBLIAS USADAS PELA IGREJA CATÓLICA. Foram aprovados pela Igreja Romana em 18 de abril de 1546, e passaram a fazer parte da Bíblia editada pela referida denominação para combater a Reforma Protestante com a "Contra Reforma Católica", para alegar que a Bíblia dos protestantes não era verdadeira. Os livros Apócrifos são: Tobias, Judite, Sabedoria de Salomão, Eclesiástico, Baruque, 1 Macabeu, 2 Macabeu, acréscimo ao livro de Ester, 10:4 – 16:24, Cântico dos três Santos Filhos (acréscimo ao livro de Daniel, 3:24-90), História de Suzana (acréscimo ao livro de Daniel, cap.13), Bel e o Dragão (acréscimo ao livro de Daniel, cap. 14). “Apócrifos [do grego apókripho: oculto, escondido] no sentido religioso diz respeito aos livros "não genuínos", "espúrios", não reconhecidos como de inspiração divina, quer pela comunidade judaica, quer pela cristã-evangélica. São chamados livros não canônicos... Os livros apócrifos foram escritos nos 400 anos do Período Interbíblico, isto é, entre Malaquias e Mateus, ou entre o Antigo e o Novo Testamento, época de ausência total da revelação divina. Este é o principal motivo para excluir-lhes a canonicidade, além do fato de não terem sido mencionados em outros livros reconhecidamente divinos”. Autor:  Pr Airton Evangelista da Costa. http://www.estudosgospel.com.br/a-biblia-responde/bibliologia/quais-sao-os-livros-apocrifos.html, em 30.04.2011.


31 - O CLERO CATÓLICO, EM 16 DE JULHO DE 1.251, INVENTARAM O ESCAPULÁRIO. Nada mais do que duas tiras de pano sobre os ombros que os líderes católicos usam. Foi estendida à Igreja Universal no ano de 1726, pelo papa Bento XIII. Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre: 30.03.2011.

32 - O CLERO CATÓLICO, EM 1.854, INVENTOU O DOGMA DA IMACULADA CONCEIÇÃO DE MARIA. "Em sua Constituição Apostólica Ineffabilis Deus (8 de dezembro de 1854), que definiu oficialmente a Imaculada Conceição como dogma, o Papa Pio IX. Desde o cristianismo primitivo diversos Padres da Igreja defenderam a Imaculada Conceição da Virgem Maria". (http://pt.wikipedia.org/wiki/Imaculada_Concei%C3%A7%C3%A3o), 30.03.2011. Por desconhecerem a Palavra de Deus, ela é clara quanto a Maria mãe de Jesus ter uma vida sexual normal e ser mãe de vários filhos. Se não vejamos os textos que falam por si, (Mat. 12:46-47; 13:55-56; Mar. 6:3; Jo. 2:12 e Gal. 1:19). Para esses textos os líderes católicos dão a explicação que é o costume oriental de chamar os parentes de irmãos, mas os textos dão até os nomes dos irmãos de Jesus. Se o argumento textual não é suficiente, vamos para o argumento gramatical, (Luc. 2:7 e Jo. 3:16), todas as vezes que a Bíblia se refere a Jesus Cristo como filho de Maria, ela usa a palavra "PRIMOGÊNITO" (primeiro filho de vários outros). Mas todas es vezes que se refere ao filho de Deus, ela usa a palavra "UNIGÊNITO" (Único filho). Será que isso não é claro?

33 - O CLERO CATÓLICO, EM 1.870, CRIARAM O DOGMA DA INFALIBILIDADE PAPAL. Uma tremenda heresia. Querem afirmar que o papa não falha, não peca, não erra, portanto, pode perdoar pecados. Mas uma vez desconhecem a Bíblia, pois a mesma diz em (Ecles. 7:20; Rom. 3:23; 11:32; Gal. 3:22 e I João 1:8-10) que todos pecaram, e destituídos estão da glória de Deus, não há um justo se quer e que só o sangue de Jesus Cristo que pode nos purificar de todos os pecados. A única exceção é Jesus Cristo que não tem pecado. Maria, mãe de Jesus precisou dele para ser salva. Os papas todos são pecadores, precisam do perdão e da salvação em Jesus Cristo.

34 - O CLERO CATÓLICO, EM 1.950, INVENTARAM O DOGMA DA PRESENÇA REAL E CORPORAL DE MARIA NO CÉU. A isso se chama de ascensão de Maria. Uma tremenda mentira em que os fiéis acreditam, pois não há nenhum relato bíblico sobre Maria indo para o Céu; mas sobre Jesus Cristo, sim, (João 14:1-6; Atos 1: 9-11). Eu creio que Maria está salva por crer em Jesus Cristo, seu filho, mas só o seu espírito está no céu aguardando a ressurreição na volta de Jesus Cristo.

35 - EM 2011; 2020 ou 2200... o que será aprovado pela Igreja Católica Romana para aborrecer a Deus e enganar os fiéis?

Pr. Flávio da Cunha Guimarães