BEM VINDO


Recados Online

A EXCELÊNCIA DO AMOR

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

POR QUE AS AUTORIDADES FALAM DE PAZ E NÃO HÁ PAZ?

        POR QUE AS AUTORIDADES FALAM DE PAZ E NÃO HÁ PAZ?

        "Porque eles se fazem de cegos; moram em lugares privilegiados; tem guardas dia e noite; saem com carros brindados, com guardas para os protegerem e, em suas residências não faltam luz nem água; não assistem TV que mostra a miséria do país, recebem salários altos; seus filhos estudam fora do país, ganham muito e nada fazem; por isso a violência não chega até eles, estão blindados, se fossem ao encontro do povão, por certo não diriam isso!" Comentário de Eurides Xavier Garcia.




        Em (Gen. 6:1-5, 11-12) que diz: “1 E aconteceu que, como os homens começaram a multiplicar-se sobre a face da terra, e lhes nasceram filhas, 2 Viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram. 3 Então disse o SENHOR: Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem; porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos. 4 Havia naqueles dias gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes que houve na antiguidade, os homens de fama. 5 E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente [...] 11 A terra, porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência. 12 E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra”.

        No post anterior abordamos o tema: AS CAUSAS DE TANTA VIOLÊNCIA SÃO:
        1 – PRIMEIRA CAUSA: Consequência do pecado da humanidade herdado de Adão e Eva.
        2 – SEGUNDA CAUSA: A falta de uma educação de berço, que vem dos pais, do lar.
        3 – TERCEIRA CAUSA: Os casamentos dos filhos de Deus com as filhas dos homens.
        Hoje abordaremos o tema: POR QUE AS AUTORIDADES FALAM DE PAZ E NÃO HÁ PAZ?


        É pensando no quanto a humanidade, a partir das autoridades constituídas, estão enganadas em relação a paz tanto mundial quanto as guerras; nacional quanto aos sequestros, tráficos de drogas e violência doméstica; quanto a pessoal, que é a paz de espírito, pois para as autoridades, a paz depende de boa educação, distribuição de renda, igualdade social, melhoria de vida para todos, o que é muito bom; todavia, não resolve, não elimina o que leva as pessoas a praticarem a violência o que trataremos mais para frente.

        Por que digo isso? Porque se a paz dependesse de boa educação escolar, melhores condições econômicas e país desenvolvido, a violência não seria um problema mundial, inclusive nos países ricos e cidadãos estudados, como vemos dentro das universidades e classe social alta em nosso país. É pensando na paz verdadeira que só é alcançada em Jesus Cristo.

        1 – POR CAUSA DA: Má formação religiosa.
        Em tempos remotos, a violência era praticada para se conquistar prestígio, território, alimento, riquezas e subjugar povos como escravos. Houve um período na história da humanidade, já no domínio do Cristianismo, principalmente na Idade Média, que a violência foi exercida de maneira brutal, em nome de Deus, da parte da “santa igreja”, com objetivos políticos, religiosos e econômicos para subjugar povos a santa igreja; isso deve a má formação religiosa e teológica, por orgulho em se achar como a igreja ou a religião única e verdadeira, não aceitando o confronto com a verdade da Palavra de Deus, por não respeitar pensamentos diferentes e por intolerância mesmo. Pessoas, aos milhares, morreram queimadas vivas, enforcadas, torturadas, afogadas, estraçalhadas como bruxas, não sendo bruxas. Como inimigas da igreja, quando eram amigas da igreja querendo a santidade da mesma.

        Por que a igreja agia assim? Porque estava vivendo longe dos ensinamentos da Palavra do Senhor. Sendo ela que deveria propagar e promover a paz, era a igreja o instrumento que perturbava a paz. Uma tremenda incoerência. Mas ainda bem que os tempos mudaram, não totalmente, pois até pouco tempo, havia uma guerra de décadas entre católicos e protestantes na Irlanda; no presente momento está em evidência “O Estado Islâmico” e “Al-Qaeda” que estão espalhando o terror.

        Por que de tudo isso? A má formação religiosa, teológica, desconhecimento bíblico como nos diz (Ef. 2:14) “Porque ele (Jesus) é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio”; por radicalismo e por sede de poder mesmo.

        2 – COMO CONSEQUÊNCIA DA: Violência, de vida pecaminosa e a maldade que havia no coração do homem, a diminuição da vida humana, é o que lemos no (V.3c) “porém os seus dias serão cento e vinte anos”. Até Noé se vivia mais de 900 anos. A partir da multiplicação da violência, o Senhor Deus encurtou a idade do homem para 120 anos. Aí fico pensando nas crianças, adolescentes, jovens, com uma vida toda pela frente, morrendo novos por causa da violência gratuita em nosso país e pelo mundo. Mata pessoas por motivo torpe, banal e a bel prazer. Diante deste quadro, como estamos precisando de paz que só o Senhor Jesus pode dar!

        3 – POR VIVEREM UMA VIDA PECAMINOSA, consequentemente as pessoas viviam e estão vivando distantes dos caminhos do SENHOR. É o que nos diz o (V.12b), “porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra”. A ideia na língua original, o hebraico, é que tanto a carne como o caminho das pessoas estavam destruídos, covas, (Harris, p. 1548-1549); portanto, podres, estragados, cheirando mal diante de Deus, o comportamento da humanidade que é o sentido do Dicionário Aurélio online.

        Diferente de hoje? De jeito nenhum! O Senhor Deus ainda não colocou um fim na humanidade corrompida porque está usando de sua misericórdia. Está dando tempo para alguns se converterem. Mas a fome, a seca, a falta de chuva, a carestia dos alimentos, as doenças incuráveis podem ser um prenúncio, um sinal da insatisfação do Senhor Deus com a atitude violenta que a humanidade está praticando e com a imoralidade descarada em que estamos vivendo.


        O nosso dever é sermos “o sal da terra e a luz do mundo”, (Mat. 5:13-14), pois o sal além de dar o sabor, também preserva o alimento para não apodrecer. A luz além de alumiar, dar direção na escuridão, ela não se deixa contaminar. Portanto, vamos propagar a paz em Jesus Cristo, vivermos em paz verdadeira entre pessoas, entre os povos e paz interior, a paz de espírito. Assumamos este propósito para as nossas vidas, amém!




        Pr Flávio da Cunha Guimarães

        Bibliografia

1 Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.

2 Bíblia de Promessas. Tradução João Ferreira de Almeida. RC. 2ª Edição, Co-edição JUERP e King's Cross Publicações, 2009.

3 Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

4 BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

5 HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 p, p. 235.

OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

6 WALKER, Williston. História da Igreja Cristã. Tradução de D. Glênio Vergara dos Santos e N. Duval da Silva. 2ª Edição. Rio de Janeiro e São Paulo, JUERP / ASTE, 1980, 784 p.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

A HUMANIDADE CLAMA POR PAZ!

        A HUMANIDADE CLAMA POR PAZ!




        O mundo está clamando, implorando e precisando de paz. Não a paz sem guerra, de um mero cumprimento, saudação de irmão para outro irmão na fé, que as vezes não significa que há paz no coração dos que saúdam, pois essa paz é meramente um ato formal, visto que, as vezes, por trás há corações rancorosos, cheios de ressentimentos, maldosos e invejosos, falando mal de quem cumprimentam com a paz.
        O mundo precisa de paz que é a paz de espírito, a paz da boa convivência, a paz que respeita as diferenças, a paz que não violenta o seu próximo para lhe arrancar os seus bens materiais e que não tira a vida de ninguém.
        Chega de tanta violência, a começar pelo nosso país. Os dados estatísticos são alarmantes, de acordo com o “Bom Dia Brasil”, de 14/ 01/2015. É pensando na paz plena que só o Senhor Jesus Cristo pode dar que queremos falar sobre as causas da violência.

        Desde antes de Noé, a humanidade tem convivido com a violência. Violência brutal, desumana e irracional.

        O texto de (Gen. 6:1-5, 11-12) relata que: “1 E aconteceu que, como os homens começaram a multiplicar-se sobre a face da terra, e lhes nasceram filhas, 2 Viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram. 3 Então disse o SENHOR: Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem; porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos. 4 Havia naqueles dias gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes que houve na antiguidade, os homens de fama. 5 E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente [...] 11 A terra, porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência. 12 E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra”.

        A humanidade está clamando, implorando e precisando de paz. Chega de tanta violência, a começar pelo nosso país. A população já está saturada diante de tanta violência.

        AS CAUSAS DE TANTA VIOLÊNCIA SÃO:

        1 – PRIMEIRA: Consequência do pecado da humanidade herdado de Adão e Eva que encheu o coração do ser humano de maldade e a maldade se multiplicara em intensidade e em prolongamento, período grande, bem como o coração corrompido. É o que vemos nos (V. 5 e 11-12).
        Os psicólogos, os sociólogos, os antropólogos que estudam o ser humano, seu comportamento, costumes e relacionamento social, não admitem que a causa da violência é o mal que há dentro de cada ser humano; mas a causa primário para tanta violência está no pecado da humanidade. Tanto é verdade que o primeiro homicídio que temos relato na história da humanidade é o de Caim contra seu irmão Abel. Pecado este que só o Senhor Jesus pode solucionar, como nos diz a Palavra de Deus em (I Jo. 1:7) “Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado”. Não há outro remédio, só Jesus Cristo. Comunhão é não matar ninguém.

        2 – SEGUNDA CAUSA: A falta de uma educação de berço, que vem dos pais, do lar. A falta de uma conscientização que vem do diálogo dentro da família. Os pais tem se omitido a educar os seus filhos. Tem transferido a educação dos filhos para as babás, para as creches, para a TV, para as escolas. Quando tomam a iniciativa para educar, muitos não tem estrutura para ensinar bons princípios. Gritam com os filhos. Dizem palavrões horríveis diante dos filhos e para os filhos; xingam os filhos de nome que não posso dizer aqui. Eu escuto e vejo por aí. Esses filhos crescem com as emoções e a autoestima aos cacos. Daí tanto ódio no coração. Tanto ressentimento. Tanta revolta. Tanta necessidade de extravasar os sentimentos maus.

        3 – TERCEIRA CAUSA: Os casamentos dos filhos de Deus com as filhas dos homens. O que lemos no (V.2) “Viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram”.
        Há várias teorias para explicarem esses casamentos, o que não queremos discuti-las aqui, mas expressarmos o que pensamos, pois para mim filhos de Deus são os descendentes de Sete, conforme relata o seu nascimento em (Gen. 4:25), o capítulo 5 de Gênesis fala da genealogia de Sete, linhagem esta que chegou a Jesus Cristo, os que criam, temiam e cultuavam ao Deus.
        Já as filhas dos homens, são as descendentes de Caim, incrédulas, sem temor a Deus e que não cultuavam ao Senhor, pois em (Gen. 4: 17...) fala de seu casamento e de seus descendentes.

        O pecado, a incredulidade que consequentemente impede a pessoa de prestar um culto verdadeiro ao Senhor Jesus Cristo, contribuem diretamente para a degeneração do ser humano, levando-o a prática da violência. É por isso que há esta violência brutal, animalesca enraizada em nossa sociedade. A solução é só uma, Jesus Cristo transformando a vida das pessoas. E este é o meu desejo para você neste ano de 2015. Convide Jesus Cristo para transformar a sua vida e seja um
promotor da paz. A paz depende de cada ser humano se dobrar diante do Senhor Jesus em adoração verdadeira.
        Pr Flávio da Cunha Guimarães

1 Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.

2 Bíblia de Promessas. Tradução João Ferreira de Almeida. RC. 2ª Edição, Co-edição JUERP e King's Cross Publicações, 2009.

3 Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

4 BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

5 HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 p, p. 235.

OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

6 WALKER, Williston. História da Igreja Cristã. Tradução de D. Glênio Vergara dos Santos e N. Duval da Silva. 2ª Edição. Rio de Janeiro e São Paulo, JUERP / ASTE, 1980, 784 p.


segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

PROMESSAS EGOÍSTAS A DEUS!

        PROMESSAS EGOÍSTAS A DEUS!

        A primeira solene promessa, ou voto do homem para com o Senhor Deus, a encontramos em (Gen. 28:20-22).

        Atentemos para as palavras grifadas nas promessas, nos votos de Jacó a Deus. Leiamos o texto: “E Jacó fez um voto, dizendo: Se Deus for comigo, e me guardar nesta viagem que faço, e me der pão para comer, e vestes para vestir; E eu em paz tornar à casa de meu pai, o SENHOR me será por Deus; E esta pedra que tenho posto por coluna será casa de Deus; e de tudo quanto me deres, certamente te darei o dízimo”.

        Promessas ou votos, um tanto interesseiros e egoístas, pois Jacó queria ser abençoado primeiro para depois ser fiel a Jeová. Quando na verdade, devemos ser fieis a Deus para que Ele possa nos abençoar.

        Vejamos as condições que Jacó coloca para Javé para cumprir as suas promessas, quando na verdade é o Senhor Deus quem deve estabelecer as condições.

        A Primeira condição: Jacó deseja, ele quer a presença, a companhia do Senhor em sua jornada: “Se Deus for comigo”.

        A Segunda condição: Ele deseja, ele quer os cuidados, a proteção do Senhor sobre a sua vida: “e me guardar nesta viagem que faço”.

        A Terceira condição: Jacó deseja, ele quer o sustento do Senhor: “e me der pão para comer”.

        A Quarta condição: Ele deseja, ele quer a garantia que será provido de vestimentas: “e (der) vestes para vestir”.

        A Quinta condição: Jacó deseja, ele quer retornar em paz a casa de seu pai: “E eu em paz tornar à casa de meu pai”.

        Percebemos que Jacó prometeu, votou visando as suas necessidades básicas. Em resumo: A garantia de sua vida. Por que? Porque ele era fugitivo de seu irmão Esaú, que queria tirar a sua vida, porque Jacó enganou, trapaceou o seu irmão, Esaú, tirando-lhe, roubando-lhe a bênção de primogenitura.

        Em (Gen. 28:21-22), começando na parte final do (V.21) lemos os votos, as promessas de Jacó a Deus pelos cuidados de Jeová para com a sua vida. “O SENHOR me será por Deus; E esta pedra que tenho posto por coluna (que servira de travesseiro) será casa de Deus; e de tudo quanto me deres, certamente te darei o dízimo”.

        Analisando o que Jacó pedira ao Senhor e o que ele prometia, votava dar ao Senhor, era muito pouco. Não exigia nenhum sacrifício de sua parte.

        Em Sexto lugar: Jacó promete, ele vota que o Iavé será o seu Deus. Isso significa que o El Shaddai ainda não era o seu Deus verdadeiro. Faltava-lhe uma experiência marcante, transformadora de Jacó para com o Senhor Deus.

        Em Sétimo lugar: Ele não prometeu construir um altar, um templo para adorar a Jeová. Apenas colocou uma pedra simbolizando como sendo a casa de Deus. O que ele prometia, não exigia dele um sacrifício. Não demonstrava a sua fé genuína. Pelo contrário, ele queria ver a manifestação de Deus primeiro para depois oferecer o mínimo de sua vida ao Senhor. A pedra não lhe custou nada! Ele a achou na natureza em sua viagem. Foi posta apenas como simbolizando a casa de Deus.

        Em Oitavo lugar: Ele promete dizimar para o Senhor Deus. O dízimo era dever ou privilégio para ele entregar a Javé. Prometer o que é obvio, é muito pouco para Deus diante de tudo o que Ele fez por Jacó; o que tem feito e o que fará por nós. Fico imaginando quantos hoje que pensam iguais a Jacó? Se o Senhor me curar desta doença mortal, irei para a igreja e serei um crente. Se o Senhor me der um emprego, serei dizimista. Se eu ganhar essa causa na justiça darei uma oferta para Jeová. Quantas outras promessas e tentativas de negociarem com Deus.

        Em Nono lugar: Por outro lado aprendemos uma lição maravilhosa com este texto. Aprendemos que o Senhor Deus é paciente para com o ser humano. Deus foi paciente com a pouca fé de Jacó, como tem sido paciente para com, não só a nossa pouca fé, mas também para com os nossos erros, falhas e até pecados. Javé foi trabalhando, moldando a vida de Jacó. Foi se revelando a ele. Até que ele entendesse que teria que viver totalmente na dependência do Senhor Deus. Para isso Jacó teve que pagar o preço por causa de suas trapalhadas e trapaças para com o seu irmão. Foi explorado pelo o seu sogro; teve que trabalhar 14 anos para ter a esposa amada. Depois trabalhou como sócio de seu sogro, período em que foi abençoado pelo o Senhor Deus e enriqueceu.

        Aprendeu a viver na dependência do Senhor pela dor. Quando voltava para a terra dos pais, lutou com um anjo, foi ferido na coxa, sem condições físicas para lutar, entendeu que dependia totalmente do Senhor para viver e ter paz. Que possamos aprender essa lição para as nossas vidas, sem no entanto, passarmos pela dor que Jacó passou.


        Para terminar: Queremos desafiar você, leitor deste post, a fazer os seus votos, as suas promessas para o Senhor Deus. Promessas de fidelidade; de santificação; de pureza de pensamento e de espírito para com o Senhor Jeová. Mais dedicação aos trabalhos do Senhor; mais compromisso em ler a Palavra de Deus; mais oração e Oferecendo mais a sua vida ao Senhor Deus em consagração. Mais cuidado, mais atenção, mais harmonia, mais amor para com a sua família. Vamos assumir este compromisso, fazermos este voto para com o Senhor Deus para o ano de 2015? Amém!

        Pr Flávio da Cunha Guimarães

       Blog que poderá lhe interessar: http://mulheresnamaodoolheiro.blogspot.com


1 HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 p, p. 235.

2 Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

3 Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.

4 BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

5 Bíblia de Promessas. Tradução João Ferreira de Almeida. RC. 2ª Edição, Co-edição JUERP e King's Cross Publicações, 2009.

OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

O NATAL É DE JESUS


        O NATAL DE JESUS

        O texto de (Luc. 2:1-7), relata o nascimento de Jesus Cristo, o que não é novidade para os cristãos e leitores da Palavra de Deus. Novidade é o que podemos descobrir neste texto.

        O texto, ao mesmo tempo que é histórico, por outro lado descreve também os planos do Senhor Deus para a humanidade. Não há coincidência para Deus, mas planos do Senhor executados pelo o Senhor.

        É histórico porque a finalidade do alistamento ou censo era para arrecadar impostos para o Império Romano. O Império Romano era famigerado por dinheiro como o é o Governo brasileiro, um câncer que corrói os salários dos brasileiros com uma carga de impostos tremenda, no entanto, presta serviços muito mal.
        É histórico porque fala do tempo de César Augusto, Imperador Romano que reinou do ano 63 a.C. ao ano 14 d.C. Seu nome completo é Caio Júlio César Otávio Augusto. Portanto o nascimento de Jesus Cristo se deu em seu império.

        São planos do Senhor, porque é Deus quem comanda a história, e, em sua vontade permissiva, permite que tudo aconteça para que suas promessas e sua Palavra cumpram-se detalhadamente.

        Belém, significa no hebraico casa de pão, para onde foram José e Maria. Pão é o que sacia a fome. Jesus Cristo mais tarde disse de Si Mesmo, em (Jo. 6:33) "Porque o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo." (Jo. 6:35) "E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim nunca terá sede." (Jo. 6:48) Eu sou o pão da vida." (Jo. 6:51) "Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo."

        O texto de (Luc. 2:4) diz que José e Maria foram alistar-se em Belém, para se cumprir o que foi profetizado em (Miq. 5:2) que diz: “E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade”.
        A palavra Efrata se refere a Judeia e significa terra frutífera. Onde nasceu o Rei da glória, o Rei dos reis, o Senhor dos senhores. Que frutificou e frutificará para sempre, tanto em número de pessoas aderindo ao Senhor Jesus Cristo, bem como frutificando na vida de cada ser humano que o recebe como salvador; abençoando, alimentando, cuidando, protegendo, guardando de todos os perigos e males.

        Os Versos de (5-7) relatam a gravidez de Maria e o parto, que se cumpriram os nove meses de gravidez e deu à luz a seu filho primogênito.

        Aqui aprendemos algumas verdades incontestáveis sobre Maria e Jesus Cristo, Seu Filho.
        1ª Primeira Verdade: Sendo Jesus Cristo o filho primogênito de Maria, que no grego, língua original do texto, significa primeiro filho de vários outros filhos. Isso quer dizer que Maria foi mãe de outros filhos com José. Esta verdade textual contraria o ensinamento religioso que afirma que Maria é mãe só de Jesus Cristo. Que ela não teve outros filhos com José. A palavra primogênito é aplicada somente para os casos de mães e pais que tiveram vários outros filhos. Pense nisso!

        2ª Segunda Verdade: O Filho de Deus. O Deus encarnado. O Rei dos reis. O Senhor dos senhores. O criador e dono do universo, nasceu em um lugar mais humilde que se possa imaginar. Em um curral de animais. O seu primeiro berço foi uma gamela, um coxo onde colocava comida para os animais, sem roupa nova e sem luxo.

        3ª Terceira Verdade: Aprendemos que o espírito de Natal não é ostentação, luxo, comercio e reclamações por falta de coisas materiais; o espírito de Natal verdadeiro, é renúncia, humildade, desapego as coisas materiais, plena harmonia e paz entre pais e filhos, filhos e pais.

        4ª Quarta Verdade e última: Se nos hotéis, pousadas e hospedarias não havia lugar para Jesus e seus pais; por outro lado, hoje não há ainda lugar na vida de muitas pessoas para Jesus Cristo. Ele continua sendo rejeitado, ainda que celebrem a festa de seu nascimento, ou de seu aniversário. É triste, mas é real. Convidamos você a dar lugar para o Filho de Deus em sua vida, enquanto ouvimos a mensagem musical com Joel do Espírito Santo é Natal.

       Para concluir: O Natal não é do comércio como vemos em nossos dias. Não é de papai noel que querem colocá-lo no lugar de Jesus Cristo. Não é de nenhuma religião. E não de famílias, mas único e exclusivo de Jesus Cristo. A Ele todo o nosso louvor como Isabel, Maria, os anjos, os pastores e os magos louvaram, exaltaram e glorificaram o nascimento de Jesus, (Mat. 1:21).


       Pr Flávio da Cunha Guimarães

       Blog que você poderá gostar: http://ordemdospastoresbatistadecampinas.blogspot.com

       Bibliografia

1 BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p. p. 13-14.

2 JUNIOR, Luder Whitlock. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

3 JÚNIOR, Almir dos Santos Gonçalves. Bíblia de Promessas. Tradução João Ferreira de Almeida. RC. 2ª Edição, Co-edição JUERP e King's Cross Publicações, 2009.

4 OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

5 RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Cheve Linguistica do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p. p. 637.

4 JUNIOR, Luder Whitlock. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

5 JÚNIOR, Almir dos Santos Gonçalves. Bíblia de Promessas. Tradução João Ferreira de Almeida. RC. 2ª Edição, Co-edição JUERP e King's Cross Publicações, 2009.

6 OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

7 RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Cheve Linguistica do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p. p. 637.

8 SHEDD, Russell P. Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.


9 TAYLOR, William Carey. Introdução ao Estudo do Novo Testamento Grego: Dicionário. 6ª Edição. Rio de Janeiro, JUERP, 1980, 247 p.

COMEMORANDO O NATAL DE JESUS



       Quinta, próxima, comemoraremos o Natal. O que não podemos esquecer, que o Natal se comemora o nascimento, o aniversário de Jesus Cristo. A festa entre, "aspas", tem que ser para o aniversariante, e não uma oportunidade para nós esbaldarmos e extravasarmos nossos desejos carnais e bebedeira. Esse não é o espirito do Natal de Jesus Cristo. Natal se refere a data de nascimento ou a cidade onde a pessoa nasceu.

        Em termos gerais, o Natal significa paz, alegria, fraternidade e generosidade. O que deveria acontecer o ano inteiro, e não somente nesse período. Como prove de um período festivo, as pessoas de um modo geral enfeitam com luzes, árvore de natal e presépio.

        Se você quer montar, construir o seu presépio, em sua casa ou no templo, monte, construa, não há nada demais, apesar que o mais importante não é o presépio em casa ou no templo, mas Jesus no coração, em nossa vida para transformar o nosso caráter e o nosso viver.

        O que não pode acontecer no Natal, nem em dia algum, é a presepada; isto mesmo, presepada, que significa atitude ridícula, ato inconsequente, brincadeira de mau gosto, ou palhaçada, que é mais normal do que se imagina no dia do Natal.

        Comemoremos o Natal sem escandalizar o aniversariante, que é o Sr Jesus Cristo. E é pensado no Natal de Jesus Cristo, que ouviremos a mensagem musical com Aline Barros, Noite de Paz. Você que é cristão verdadeiro, que entende verdadeiramente o espírito de Natal, recebe essa mensagem musical que lhe é oferecida com carinho e amor cristão.







       Pr Flávio da Cunha Guimarães
       

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

ATITUDES E PRÁTICAS QUE IMPEDEM A SALVAÇÃO

ATITUDES E PRÁTICAS QUE IMPEDEM A SALVAÇÃO

(Ap. 21:8) “Mas, quanto aos tímidos, aos incrédulos, aos abomináveis, aos homicidas, aos fornicadores, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte.”

Este texto, deveria causar nos leitores, um temor de arrepiar, diante das palavras nele contidas e seus significados das mesmas. Mas a sensação que temos é que as pessoas não tem conhecimento deste texto, ou estão insensíveis de tal maneira, com as mentes tão bloqueadas que já não se sentem tocadas pelo perigo iminente em que estão vivendo.
Temos observado, no decorrer dos anos, que uma parcela grande de pessoas tem uma ideia um tato equivocada quanto a salvação, pensando que a mesma acontece de maneira natural, independentemente das práticas e atitudes das pessoas, o que não é verdade. A salvação é oferecida a todos os seres humanos, de todos os tempos e gerações. Como a salvação é um presente de Deus aos homens e mulheres, ela está ligada diretamente em aceitar a Cristo como único salvador, ela será real somente para aqueles que aceitarem o presente de Deus que é o Senhor Jesus Cristo em seu coração. Portanto, depende de nossas práticas atitudes para que a salvação seja real em nossas vidas ou não.
O texto trata de práticas, de atitudes inadequadas do ser humano para com a sociedade, para consigo mesmo, para com a família, para com a sua salvação, e principalmente para com o Senhor Jesus Cristo, em oito palavras contidas no mesmo que são:

A PRIMEIRA ATITUDE QUE IMPEDE A SALVAÇÃO ESTÁ NA PALAVRA: TÍMIDOS.

O dicionário Aurélio online (2014), define medroso como sendo: “Sem coragem; tímido, medroso. [...] Fraco de ânimo. [...] Desleal, traiçoeiro.” Tímidos, no grego (δειλος - deilois), língua original deste texto, tem o sentido, não de quem é receoso, acanhado, retraído, Fraco, frouxo, débil, mas de temor, medo ao ponto de ser covarde; de não assumir publicamente a sua fé em Jesus Cristo, com medo de ser rejeitado(a), medo de zombaria, de sofrer preconceito ou até mesmo ser perseguido(a). Pergunte aí para você mesmo, se é uma pessoa covarde e medrosa, por não assumir uma vida com Deus, temeroso(a) do que o(a)s amigos(as) vão pensar de você. Não permita que se acovarda, e isso impeça você de ser salvo(a) por Jesus Cristo. Jesus Cristo não se acovardou, nem sentiu vergonha de morrer em uma cruz em meu, em seu, em nosso lugar pelos nosso pecados.

A SEGUNDA ATITUDE QUE IMPEDE A SALVAÇÃO ESTÁ NA PALAVRA: INCRÉDULOS.

Incrédulos no grego (πίστοις - ápistos), tem o sentido de pessoas descrentes, infiéis a Deus, que vivem segundo os padrões do mundo e não em conformidade com os padrões de Deus.

Como está a nossa fé? Grande ou pequena? Ou não temos fé? Somos incrédulos totalmente! Se está pequena ou sem fé, precisamos orar ao Senhor, como os apóstolos oraram pedindo que acrescentassem-lhes a fé, como lemos em (Luc. 17:5) “Disseram então os apóstolos ao Senhor: Acrescenta-nos a fé”. A incredulidade é um dos impedimentos para ser salvo. Não permita que a incredulidade impeça a sua eternidade com o Senhor. Portanto, ore pedindo ao Senhor para crer e confesse o Senhor Jesus Cristo como o seu único e eterno salvador.

A TERCEIRA PRÁTICA QUE IMPEDE A SALVAÇÃO ESTÁ NA PALAVRA: ABOMINÁVEIS.

A palavra abomináveis no grego (βδελυγμνοις - ebdelugmévois), de acordo com Rienecker (1985) p. 637, é “poluir, manchar, tornar detestável, cometer abominação.” Já o dicionário Aurélio online, diz que é “detestável, que provoca repulsa, que não se pode suportar, comportamento abominável.” Segundo Boyer (1978) p. 13-14,
“Há três palavras no hebraico traduzidas abominação no português, cada uma exprimindo um grau diferente da aversão de Deus a certos atos e objetos (que são:) 1. Toebhah [...] é usada para exprimir a grande repugnância de Deus a altivez: pv. 6.16,17; 16,5; [...] aos espíritos advinhantes, mágicos, feiticeiros, Dt. 18.12; à idolatria, Dt. 7.25,26; 27.15; Is. 44.19; Ml. 2.11; aos pecados sexuais, Lv. 18.22; 20.13; Dt. 24.4. [...]. 2. Shekeç, exprime, também, horror e grande aversão, mas geralmente em menor grau que toebhah. É usada especialmente no que diz respeito aos animais imundos: Lv. 11.10-42; Is. 66.17; Ez. 8.10. 3. Piggul, também exprime aversão, mas se emprega na Bíblia hebraica para indicar aversão à carne para o sacrifício, depois de tornar velha: Lv. 7.18; 19.7; Ez. 4.14. [...] imundo.”

Abomináveis são aquelas pessoas envolvidas com a idolatria. Senão vejamos o que nos diz (Dt. 7:25-26) “As imagens de escultura de seus deuses queimarás a fogo; a prata e o ouro que estão sobre elas não cobiçarás, nem os tomarás para ti, para que não te enlaces neles; pois abominação é ao Senhor teu Deus. Não porás, pois, abominação em tua casa, para que não sejas anátema, assim como ela; de todo a detestarás, e de todo a abominarás, porque anátema é”.
A palavra anátema quer dizer reprovado, condenado, amaldiçoado e excomungado. Com certeza não queremos ser amaldiçoados, mas abençoados. Para isso acontecer precisamos tirarmos todas as práticas abomináveis que o Senhor reprova na adoração, para adorarmos, venerarmos, fazermos nossas preces somente em nome do Senhor Jesus Cristo, pois semente Ele é apresentado pelo Senhor Deus como intermediário entre nós e o Senhor Jeová, é o que nos diz (I Tim. 2:5) “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem”. Culto, oração, petição somente em nome de Jesus Cristo.

A QUARTA PRÁTICA QUE IMPEDE A SALVAÇÃO ESTÁ NA PALAVRA: HOMICIDAS.

O que o dicionário Aurélio online (2014), diz sobre homicidas? Ele diz que: “Homicida é quem ocasiona a morte de alguém. O assassino. Quem tira a vida de alguém.”
Homicidas na língua grega (Φονεσιν – foneussin) em que o Novo Testamento foi escrito, tem o mesmo sentido do dicionário Aurélio online, assassinar, homicida. Só que o assassinato tem dois meios de praticá-lo, que são:
A – O culposo, quando a pessoa mata mas não tem a intenção de tirar a vida da outra pessoa. Para esse tipo de crime, a pena é menor.
B – Existe o assassinato doloso, que é o crime premeditado, planejado, arquitetado que geralmente vem com requinte de crueldade, que preveem penas maiores. A Bíblia no A T prevê os dois tipos de crimes e com penas diferentes também. Para o crime culposo, a pena era refugiar nas seis cidades escolhidas para proteger o assassino de uma possível vingança, conforme lemos em (Núm. 35:15) "Serão por refúgio estas seis cidades para os filhos de Israel, e para o estrangeiro, e para o que se hospedar no meio deles, para que ali se acolha aquele que matar a alguém por engano." Era uma prisão domiciliar. Para o crime doloso a pena era vida por vida, conforme lemos em (Núm. 35:21), quem “por inimizade ferir com a sua mão, e morrer, a pessoa ferida, certamente morrerá aquele que o ferir; homicida é; o vingador do sangue, encontrando o homicida, o matará."
Lógico e evidente que o texto de Apocalipse não prevê pena de morte. Nem prevê a justiça dos homens, mas a de Deus. Está se referindo ao crime em que não há arrependimento em tempo algum de quem o praticou. Sem arrependimento de pecado não há salvação. O arrependimento sincero pelos crimes praticados, a pessoa é absolvida por Deus Pai e goza da salvação eterna. Só vai para o lago de fogo, que é a segunda morte, os que não se arrependem de verdade. Portanto o nosso apelo é que você arrependa-se de seus pecados enquanto ainda há tempo, enquanto aqui vive.

A QUINTA PRÁTICA QUE IMPEDE A SALVAÇÃO ESTÁ NA PALAVRA: FORNICADORES.

A palavra grega para fornicadores é (πρνοις – pórnois) que vem de porneia. São destas palavras que vem a palavra pornografia. O sentido envolve os atos imorais, prostituição, a prática sexual que o Senhor Deus reprova.
Quando o livro de Apocalipse foi escrito, a cultura pagã estava impregnada de vícios sexuais de toda a espécie. O que (Gál. 5:19) ilustra muito bem os vícios sexuais do passado, que são: adultério, prostituição, impureza e lascívia. Impureza é o mesmo que imundícia e refugo ou depravação moral do espírito. Já a palavra lascívia significa licenciosidade, sensualidade exagerada, bem como a prática sexual por violência. O que a sociedade moderna não é diferente. Quanta violência sexual, pedofilia tem acontecido?
O que as autoridades deste país não entendem, é que, quanto mais a sociedade descamba para a banalização sexual, mais violenta ela fica e se torna. Exemplo: O Império Romano foi um dos mais depravados sexualmente, por outro lado também foi um dos mais violentos da história da humanidade. Essa violência brutal que estamos vivendo em nosso país, é devido a imoralidade em todos os sentidos.

A SEXTA PRÁTICA QUE IMPEDE A SALVAÇÃO ESTÁ NA PALAVRA: feiticeiros.

Em Primeiro Lugar vejamos o que o dicionário Aurélio online diz a respeito de feiticeiros. Ele diz que é a pessoa que faz feitiço; que é bruxo e mago. Quem pratica artes diabólicas ou incorpora espíritos sobrenaturais. Astrólogo; adivinho; quem pratica a magia.
Em Segundo Lugar, vejamos o que a Bíblia diz. O grego (Φαρμάκοις – Farmakois), língua original do Apocalipse, refere-se também aos usuários de drogas. Por isso que os usuários de bebida alcoólica e drogas ilícitas, são mais propensos, mais vulneráveis a uma possessão maligna do que os não usuários.
Diz Champlin (1980), v.1, p. 509, que os antigos feiticeiros ou mágicos usavam drogas como os modernos bruxos usam, bem como o incenso e a bebida alcoólica para encontrar o poder dos deuses, ou prejudicar o próximo, em que o termo grego significa veneno. Champlin cita Platão em que diz: “precisamos aconselhar e exortar e instar com os homens a que não recorram a tais práticas, mediante as quais assustam as multidões, tirando-lhes o discernimento, como se fossem crianças.”, p. 509. Feiticeiro, bruxo, mágico, adivinho e ocultismo estão relacionados a palavra grega acima.
Portanto, a salvação de tais pessoas está relacionada, de acordo com (Ap. 9:21) ao arrependimento. É o que lemos: “E não se arrependeram dos seus homicídios, nem das suas feitiçarias, nem da sua prostituição, nem dos seus furtos”. Arrependimento, portanto, é a atitude certa ou correta para se obter a salvação.

A SÉTIMA PRÁTICA QUE IMPEDE A SALVAÇÃO ESTÁ NA PALAVRA: IDÓLATRA

Diz o dicionário Aurélio online (2014) que é Culto prestado a ídolos, venerar, Estátua ou simples objeto cultuado como deus, imagem. Objeto no qual se julga habitar um espírito, e por isso é venerado.
Diz o dicionário de grego (1980) que é culto prestado a imagem. O texto de (Gál. 5:19-21) diz que os idólatras não herdarão o Reino de Deus. Entendemos, pois, que a adoração ou veneração somente ao Senhor Deus e a Seu Filho, Jesus Cristo. Portanto, precisamos rever os nossos conceitos sobre adoração a Deus. Qualquer adoração, veneração ou petição que não seja feita ao Senhor e em nome de Jesus Cristo, torna-se abominação a Deus como vimos acima.

E A OITAVA PRÁTICA QUE IMPEDE A SALVAÇÃO ESTÁ NA PALAVRA: MENTIROSOS.

Mais uma vez vejamos o que o dicionário Aurélio online (2014) diz sobre os mentirosos. Mentir é o ato de enganar, fraude e falsidade. É afirmar coisa que sabe que é contrária à verdade. Tem a ver com o caráter degenerado da pessoa que mente. O grego do texto de (Ap. 21:8) traz a ideia de falso.
No Evangelho de Jesus Cristo, que João escreveu, (8:44) diz que a mentira está diretamente ligada ao diabo, que ele é o pai da mentira e faz parte de seu caráter. Daí que a mentira é uma prática que impede a salvação, pois ao mentir, a pessoa adquire o caráter de satanás. Portanto, nada de mentira, mas sempre dizendo a verdade. É com este propósito que queremos concluir com a pergunta: Você é capaz de entender a gravidade que nossas vidas estão envolvidas, quanto a salvação, através de nossas atitudes e práticas inadequadas para com o Senhor Deus?
Queremos conclamar, convocar você para viver uma vida debaixo da graça de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Com um viver de pureza, de santidade. Procurando agradar ao Senhor e não aos homens. Para isso é preciso fazer confissão de nossas falhas, pecados e erros. Você pode fazer isso! Você quer fazer isso agora?

Pr Flávio da Cunha Guimarães

Bibliografia

1 BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p. p. 13-14.

2 CHAMPLIN, Russell Norman. Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. V.2, Ed. Hagnos, 9ª Edição, 2008, São Paulo, 995 P, P. 703.

3 CHAMPLIN, Russell Norman. O Novo Testamento Interpretado Versículo por VersículoV.6. Ed. Milenium Distribuidora Cultural LTDA, 1ª Edição, 1980, São Paulo, 666 P, P. 647.

4 JUNIOR, Luder Whitlock. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

5 JÚNIOR, Almir dos Santos Gonçalves. Bíblia de Promessas. Tradução João Ferreira de Almeida. RC. 2ª Edição, Co-edição JUERP e King's Cross Publicações, 2009.

6 OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

7 RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Cheve Linguistica do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p. p. 637.

8 TAYLOR, William Carey. Introdução ao Estudo do Novo Testamento Grego: Dicionário. 6ª Edição. Rio de Janeiro, JUERP, 1980, 247 p.

9 SCHOLZ, Vilson e Roberto G. Bratcher. Novo Testamento Interlinear Grego – Português. 1ª Edição. Barueri, SBB, 2008, 979 p.

10 SHEDD, Russell P. Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.