BEM VINDO


Recados Online

A EXCELÊNCIA DO AMOR

segunda-feira, 23 de março de 2015

#PLENO, CHEIO DE #AFEIÇÃO.

        Em (Rom. 12:10-11) dizem: “Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros. Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor”.

        Estes dois versículos falam de afeição plena entre as pessoas. O que ao meu ver está faltando, e muito em nossa sociedade. É só darmos uma analisada no que vemos nos programas de TV.
        É muita exploração, roubo, assalto, sequestro, maldade, violência, homicídio e etc.
        O ser humano, a começar pela nossa pátria, está dominada pelo ódio; sentimento de vingança, desforra, levar vantagem em tudo.

        O que a Palavra de Deus está nos ensinando nesta manhã é que devemos ter plena afeição pelo próximo. A Palavra está ensinando o contrário do que a sociedade vive e ensina.
        O texto lido começa dizendo: “Amai-vos” que é o mesmo que estar pleno de afeição, pleno de gentileza, pleno de ternura entre os que querem bem como entre pais e filhos, entre irmãos.
        O que não tenho visto dentro de nossa sociedade, nem mesmo dentro das igrejas e dentro das famílias.

        Esta plena afeição é o resultado do amor verdadeiro, da verdadeira afeição, que faz com que ninguém procura a sua própria honra, levar vantagem sobre o outro.
        Pelo contrário, todos querem honrar os outros.
        Estamos vivendo em uma sociedade que se vive exatamente o contrário do ensino bíblico. Poucos são os que querem honrar o outro. Querem a honra para si mesmos. Uma sociedade egoísta, individualista, cheia de maldade e exploração.
        Mas não é isso que o Senhor Deus quer e ensina para nós.

        O texto continua falando da plena, cheio de afeição quando diz: “Preferindo-vos em honra uns aos outros”.
        Está dizendo para considerar, estimar, respeitar uns aos outros.
        Vai além, a Palavra de Deus está dizendo que é para considerar os outros como melhores do que nós.
        Aqui há uma implicação que afeta diretamente o nosso ego, que é individualista, egoísta, orgulhoso, carente de reconhecimento e de valorização.
        Ninguém, poucos, raros são os que querem abrir mão de direitos, de privilégios ou serem humildes de espírito, para considerar alguém melhor, mais importante do que nós, principalmente, se em nossa avaliação, nos consideramos mais capacitados, mais estudados, com mais dinheiro do que os outros.
        Quando há amor verdadeiro. Quando há plenitude ou estamos cheios de afeição, considerar os outros melhores do que nós, não é problema, se torna uma coisa natural.

        Diante destes ensinamentos da Palavra do Senhor, fico pensando, concluindo o quanto ainda estamos distantes daquilo que o Senhor quer que sejamos.
        O Senhor Jesus Cristo, está nos convidando, nesta manhã, para que vivamos a plenitude dos ensinamentos de Sua Palavra, em nossas vidas.
        Quando todos os seres humanos viverem os ensinamentos da Palavra de nosso Deus, aí sim, teremos um mundo melhor.
        Você quer viver verdadeiramente os ensinamentos da Palavra de Deus? Faça este propósito, para a sua vida.

       Pr Flávio da Cunha Guimarães

Bibliografia:

1 - Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

2 - Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.

3 - Bíblia de Promessas. Tradução João Ferreira de Almeida. RC. 2ª Edição, Co-edição JUERP e King's Cross Publicações, 2009.

4 - BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

5 - OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

6 - RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Cheve Linguistica do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p.

quinta-feira, 19 de março de 2015

#MANIFESTAÇÃO CONTRA A #CORRUPÇÃO E A FAVOR DO #IMPEACHMENT

        O povo brasileiro está de parabéns pela demonstração de civilidade, de ordem, de cidadania, de consciência de que não quer corrupção, não quer mentiras, não quer enganação, não quer gastos absurdos com obras superfaturadas, não quer aumento de impostos, de petróleo e de produtos alimentícios, para pagar a conte de governo corrupto, para tirar o país da crise que os governantes provocaram. O povo não quer que gaste mais do que arrecada.
        O povo não quer que ajude países que não tem a mesma conduta política que a brasileira, como Bolívia, Cuba, Irã, Venezuela, enquanto ajuda países lá fora, a nossa educação, saúde e segurança estão em estado de precariedade, para não dizer que estão em petição de miséria.
        O povo quer prestação de contas de maneira clara dos partidos políticos, dos poderes legislativo, judiciário e executivo. Este é um direito nosso. Afinal, é o nosso dinheiro, dos impostos altos que pagamos, que está indo para o ralo da roubalheira. Chega!
         É pensando em um Brasil melhor para os nossos filhos e netos que lutamos, manifestamos, denunciamos e vamos para as Ruas dia 12/04. Divulgue, proteste, mas também oraremos para que a situação mude em nosso país.

        Pr Flávio da Cunha Guimarães

segunda-feira, 16 de março de 2015

A #ESSÊNCIA DO AMOR VERDADEIRO

        Em (Rom. 12:9-10) lemos: “O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem. Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros”.

        Dizer que amamos alguém é fácil! O difícil é demonstrarmos este amor na vida prática, através de atitudes e atos. Jesus Cristo, o Deus Homem; João e Paulo, os apóstolos, foram os que mais falaram sobre o amor nos textos sagrados, a Bíblia. Eles não só falaram sobre o amor, mas viveram a essência do amor. Jesus Cristo morreu por nós, em nosso lugar como prova de seu amor por nós, o que lemos em (Rom. 5:8) “Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores”.

        O Apóstolo Paulo foi perseguido, apanhou, sofreu, como lemos em (II Cor. 11:23c-25) “[...] em prisões, muito mais; em perigo de morte, muitas vezes. Recebi dos judeus cinco quarentenas de açoites menos um. Três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo”. Foi preso, condenado a morte pelo amor a Jesus Cristo e aos pecadores sem salvação, como lemos em (II Tim. 4:6) “Porque eu já estou sendo oferecido por aspersão de sacrifício, e o tempo da minha partida está próximo”. O que aconteceu com o Apóstolo João também, em que foi perseguido, preso, exilado na Ilha de Patmo e sofreu por causa de seu amor a Jesus Cristo, o que lemos em (Ap. 1:9) que diz: “Eu, João, que também sou vosso irmão, e companheiro na aflição, e no reino, e paciência de Jesus Cristo, estava na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de Deus, e pelo testemunho de Jesus Cristo”.

        Os três: Jesus Cristo, Paulo e João tinham duas coisas em comum: 1º – O amor em sua essência; 2º – Sofreram por causa deste tão grande amor, por Jesus, pelo Evangelho e pelos perdidos sem salvação.

        O que o Apóstolo Paulo fala de amor no texto de (Rom. 12:9-10) ele está falando do que vivenciou, da essência desse amor. Ele experimentou os dois lados do amor. Aqueles que o amavam verdadeiramente, e aqueles que diziam que amavam, mas na prática eram inimigos, não só do Apóstolo Paulo, mas do Próprio Reino do Senhor Jesus Cristo, inimigos do Próprio Senhor Jesus.

        Portanto, ele tinha autoridade para dizer, no (V.9) que, quando há amor verdadeiro, em sua essência, não há lugar para fingimento nem hipocrisia. Fingimento e hipocrisia são palavras sinônimas, em que hipocrisia significa também, querer demonstrar uma virtude, um sentimento louvável que não se tem. É ser impostor, falso e falsa devoção. O que geralmente é acompanhado de mentiras.

        O seguidor de Jesus Cristo não pode ter esse comportamento. Se existe fingimento e hipocrisia é porque ainda não entendeu a essência do Evangelho que é o amor. Quando há amor verdadeiro, em sua essência, não há lugar para a prática do mal contra o próximo; odiar o seu semelhante; aborrecer outras pessoas; desprezar os outros com sentimento de repulsa que leva a separação. O texto fala de aborrecer o mal, quer dizer: Rejeitar a ideia de praticar o mal contra alguém. O mal precisa ser detestado pelo cristão que ama verdadeiramente.

        Todavia, não basta rejeitar o praticar o mal, é preciso apegar o bem. Fazer o bem sem olhar a quem. Apegar ao bem é o mesmo que colar, cimentar, concretar, unir, juntar-se firmemente ao bem.

        Percebemos que o Apóstolo Paulo pensava de maneira contrária a prática do mal. Qual vamos escolher? A decisão é nossa. Queremos convidar você a praticar somente o bem. Isso só é possível quando estamos em Deus e Deus está em nós. Para isso é preciso que você aceite a Cristo como o Seu salvador, enquanto aqui vive, pois no momento em que morremos, selamos o nosso destino e não há mais o que fazer.


        Pr Flávio da Cunha Guimarães

        Bibliografia:

1 - BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

2 - OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

3 - RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Cheve Linguistica do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p.

sábado, 14 de março de 2015

QUAL É O PREÇO DE JESUS CRISTO?

        QUANTO VALE JESUS CRISTO?

        Autor: Pr #Flávio da Cunha Guimarães

        Em (Zac. 11:12-13) diz: “Porque eu lhes disse: Se parece bem aos vossos olhos, dai-me o meu salário e, se não, deixai-o. E pesaram o meu salário, trinta moedas de prata. O SENHOR, pois, disse-me: Arroja isso ao oleiro, esse belo preço em que fui avaliado por eles. E tomei as trinta moedas de prata, e as arrojei ao oleiro, na casa do SENHOR”.
        Em (Mat. 26:15) diz: “E disse: Que me quereis dar, e eu vo-lo entregarei? E eles lhe pesaram trinta moedas de prata”. Judas Iscariotes vendeu o Senhor Jesus pelo preço de um escravo. Em (27:3) diz: “Então Judas, o que o traíra, vendo que fora condenado, trouxe, arrependido, as trinta moedas de prata aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos”.

        Entre o escrito de Zacarias e de Mateus, passaram mais ou menos 400 anos. Olha, observa a clareza e a precisão dos detalhes. Coincidência? Não! Planos do Senhor Deus Pai, revelação e inspiração do profeta do Senhor.

        QUAL É O PREÇO DE JESUS CRISTO? QUANTO VALE JESUS CRISTO PARA AS AUTORIDADES DOS JUDEUS?

        Para as autoridades judaicas, Jesus Cristo valia nada mais, nada menos do que 30 medas de prata. O preço de um cemitério, (Mat. 27:7), o que as autoridades religiosas compraram para enterrar os estrangeiros que não tinham valor, a não ser como escravos, em que não podiam ser enterrados junto com os judeus. Para Judas Iscariotes valia apenas o preço de um escravo.

         QUAL É O PREÇO DE JESUS CRISTO? QUANTO VALE JESUS CRISTO PARA NÓS?

        Para muitos hoje vale uma noite de rodeio. Vale um show no CAP. Vale uma noite de Carnaval. Vale uma briga em família que é o suficiente para não seguir a Cristo e permanecer na igreja do Senhor. Em outras palavras, não tem valor.

         QUAL É O PREÇO DE JESUS CRISTO? QUANTO VALE JESUS CRISTO PARA NÓS?

        Vale as nossas vidas. Vale a nossa salvação, (Mat. 1:21): “E dará à luz um filho e chamarás o seu nome Jesus; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados”. Em (Jo. 3:17): “Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele” e em (I Tim. 1:15): “Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal”. Nós nos consideramos os principais pecadores? Parece que não, pois achamo-nos melhores do que muitos, principalmente aos usuários de drogas, bebidas, prostitutos e marginais. Mas será que somos? Com tanta hipocrisia, falsidade e traição dentro das igrejas!

        QUAL É O PREÇO DE JESUS CRISTO? QUANTO VALE JESUS CRISTO PARA OS MÁRTIRES?

        Para os mártires do Cristianismo que foram centenas, além dos anônimos, valia a própria vida deles. Vale a vida daqueles que estão morrendo pelo estado islâmico por causa do nome do Senhor.

        QUAL É O PREÇO DE JESUS CRISTO? QUANTO VALE JESUS CRISTO?

        Não tem preço. É impagável. Nos diz o (Sal. 49: 6-8): “Aqueles que confiam na sua fazenda, e se gloriam na multidão das suas riquezas, Nenhum deles de modo algum pode remir a seu irmão, ou dar a Deus o resgate dele (Pois a redenção da sua alma é caríssima, e cessará para sempre)”.
        A vida não tem preço, porque o Senhor Jesus deu a sua vida pela nossa regeneração, para nos resgatar e nos redimir de nossa condenação eterna. Ele derramou o seu sangue, o preço do sangue que Ele pagou, (At. 20:28) “Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue”. (I Cor. 6:20) “Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus”. (I Cor. 7:23) “Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus”.

        O preço de Jesus Cristo custa a minha, a sua, a nossa renúncia do eu e do pecado para segui-lo de todo o nosso coração. Custa a nossa fidelidade a Ele. Custa a nossa fé genuína e verdade somente NELE, porque nenhum outro pode salvar. Custa o nosso amor sincero como Ele nos amou.
        O preço que teríamos que pagar Ele pagou por nós. Ele quer somente que creiamos, que o aceitamos e o amemos de todo o coração.

        Bibliografia:

1 - Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

2 - Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.

3 - Bíblia de Promessas. Tradução João Ferreira de Almeida. RC. 2ª Edição, Co-edição JUERP e King's Cross Publicações, 2009.

4 - BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

5 - RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Cheve Linguistica do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p.

quarta-feira, 11 de março de 2015

#INDIVIDUALISMO PÓS MODERNO

        Apesar de haver teorias diferentes que falam da origem do individualismo, mas queremos compactuar com a ideia de que o individualismo teve sua origem no renascimento, entre os séculos XV e XVI, na Europa, principalmente na Itália, espalhando-se por vários outros países daquele continente.
        O objetivo do movimento foi tirar Deus do centro da vida das pessoas, o teocentrismo, para colocar o homem no comando de todas as coisas, inclusive da sua própria vida, de seu próprio destina, o que é chamado de antropocentrismo. Isso deu uma guinada, uma mudada de 190 graus em termos de valores culturais, religiosos, comerciais e relacionamento humano.
        O individualismo defende o indivíduo como valor supremo, como unidade moral autônoma, enfatizando a liberdade de escolha, a realização pessoal, a obtenção prazerosa e o viver sem depender do outro. 
        Ao nosso ver, isso contribui, entre outros fatores, diretamente para o sociedade viver as mazelas e os males que aí estão.

        1 – PRIMEIRO MAL: O INDIVÍDUO COMO VALOR SUPREMO.
        Em outras palavras, as pessoas vivem como se não tivessem ninguém ao seu redor. Ignoram as pessoas. Vivem indiferentes uns para com os outros. Vizinhos há anos que não se conhecem. Que mal se cumprimentam. Não respeitam os direitos dos outros. Os sentimentos. Os laços no relacionamento humano são pequenos e medíocres. As pessoas vivem isoladas. Em seu mundo digital ou egoístico imaginário. Daí tanta gente depressiva, com depressão. Tanta carência. Tanto vazio interior. Falta educação de berço, boas maneiras, falta de amor para com o próximo. Observe as pessoas ao seu redor. A imagem diz muito deste individualismo digital.

        2 – SEGUNDO MAL: O INDIVÍDUO COMO UNIDADE MORAL AUTÔNOMA.
        Essa ideia de Individuo como Unidade Moral Autônomo, traz dois males para a sociedade.

         A - Indivíduo como indivíduo. Vivemos em uma sociedade de valores perversos, maléficos em que levam as pessoas a pensarem que não dependem de ninguém, nem mesmo de Deus. As pessoas passam umas pelas outras nem se olham, muito menos se cumprimentam. É um individualismo egoístico e orgulhoso. Orgulho do nada. Cada qual tem a sua moral, a ponto de achar que ninguém tem o direito de lhe dizer o que é certo ou errado. O certo é avaliado pelo o querer, pelo desejo, pelo prazer, pela realização pessoal, pelo amor frágil sem compromisso. Moral esta que é relativa, que está longe dos padrões de Deus.

        B – Este viver Individualístico, egoístico, orgulhoso, o Indivíduo individual. Afeta toda a sociedade em seu pensar, de que ninguém tem nada a ver com a sua vida. As pessoas pensam que elas vivem só para elas. No entanto, ninguém vive só para si mesmo! Todos nós dependemos de alguém. Se não dependemos agora, já dependemos no passado, ou vamos depender no futuro.
        O sapato que calçamos quem é que fez? Logo, dependemos da mão de obra de alguém. Da fabrica que o fabricou. Do emprego para ganhar o dinheiro para comprá-lo. Assim é para com roupa que vestimos. O alimento que comemos, que dependemos não só do produtor, de seu maquinário, mas principalmente de chuva, de sol, de oxigênio e porque não dizer que dependemos de Deus?

        O ser humano não viver só por si mesmo. É o único ser vivente que se a mãe ou o pai não der de comer na boca, o liquido, a higiene morre de fome. Todo esse individualismo egoístico, orgulhoso que está estampado na sociedade que se diz moderna, contraria os ensinamentos do Senhor Jesus Cristo e sua Palavra, como lemos em (Rom. 12:9-21) “O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem. Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros. Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor; Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração; Comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade; Abençoai aos que vos perseguem, abençoai, e não amaldiçoeis. Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram; Sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios em vós mesmos; A ninguém torneis mal por mal; procurai as coisas honestas, perante todos os homens. Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens. Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor. Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem”.

        O individualismo moderno está na contra mão do senso que precisa ser comum para que reine a paz, a concórdia, a felicidade, a ajuda mútua em que o texto bíblico acima ensina. A situação caótica em que vivemos socialmente está diretamente ligado a detonação dos princípios ensinados neste texto da Palavra de Deus. Convidamos, você, a refletir sobre o individualismo que está contrariando a Palavra do Senhor e se necessário for mudança de sua parte, que possa fazê-la para o bem de sua vida, de sua família e da sociedade em geral. A imagem abaixo ilustra muito bem, ou resume o que queremos que os leitores entendam.



       Pr Flávio da Cunha Guimarães

Bibliografia

1 - Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

2 - Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.

3 - Bíblia de Promessas. Tradução João Ferreira de Almeida. RC. 2ª Edição, Co-edição JUERP e King's Cross Publicações, 2009.

4 - BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

5 Érico Douglas Vieira, Márcia Stengel
Disponível em: <http://www.uff.br/periodicoshumanas/index.php/ecos/article/view/740>, Acessado em: 03/03/2015.

6 José Valmir Dantas de Andrade em 03/04/2007 na edição 427

7 - OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.


terça-feira, 10 de março de 2015

A #MULHER NO MUNDO PÓS #MODERNO

        Não é só a mulher como pessoa física e cidadã que é explorada, mas até a imagem é explorada no mundo pós moderno, principalmente em propagandas. Veja só esta imagem que está disponível em

<https://www.google.com.br/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#q=imagem%20de%20mulher%20explorada>, em 10/03/2015

        A mulher, no decorrer da história da humanidade, até aos nossos dias, foi e é considerada como ser inferior, de maneira mais acentuada em alguns países orientais, usada como objeto, discriminada, explorada, inclusive sexualmente. Com uma mudança no tempo de Jesus Cristo, no início do Cristianismo, que tratou as mulheres, dando a elas a devida honra, a devida dignidade, o devido valor, o que os líderes da religião dominante não deram continuidade ao que o Senhor Jesus Cristo começou; chegando ao ponto de na Idade Média, a mulher não ter o direito de estudo, de escolher seu cônjuge, a herança da família; sua virtude era servir e ser submissa. A mulher simplesmente era despersonalizada, objeto de prazer. Situação essa que perdurou até bem recente no Brasil em que a mulher não tinha o privilégio de votar, de exercer certas funções que eram exclusividade dos homens.
        Privilégios que as mulheres foram conseguindo lentamente com o passar do tempo, com a conscientização da própria mulher de seus direitos, o que os protestantes contribuíram e muito para isso em alguns momentos pontuais; daí a criação do Dia Internacional da Mulher, pela ONU, em dezembro de 1977, para que haja o reconhecimento da dignidade e da importância da mulher na sociedade.
        Nos dias de hoje, as próprias mulheres, com as devidas exceções, não tem dado o devido valor, o devido respeito a si mesmas. Se antes, não tinham os direitos, a liberdade; hoje os tem, mas muitas usam o direito que tem de maneira que as desvalorizam, se vendem de maneira barata. É triste ver mulheres vendendo o seu corpo por causa de uma migalha de fama, para se manter ou aparecer. Veja esta por exemplo:
Disponível no mesmo link acima.

         Mulheres, jovens e meninas que são manipuladas pela mídia, pelo sistema, pela situação social, econômica e escolaridade que continuam explorando-as, o que muitas não percebem, principalmente as mais jovens e sem estudo como esta imagem demonstra, extraída de link acima.

         Fica aí a nossa reflexão para a sua reflexão neste dia tão importante para as mulheres que tem consciência de seu importante papel na sociedade.

        Pr Flávio da Cunha Guimarães

terça-feira, 3 de março de 2015

#AGRADECIMENTO AO SENHOR!

        Há tantos motivos para agradecermos ao Senhor, além de mais um ano de vida; no entanto, não agradecemos, às vezes. Não agradecemos porque não paramos para pensar no quanto o Senhor Deus nos dá todos os dias como a chuva; a água para bebermos; o sol; o alimento diário; o oxigênio que respiramos; a família que temos; o emprego; o salário; a saúde; a vida; e tantas outras bênçãos.
        Queremos convidar você para agradecer as bênçãos do Senhor sobre a sua vida, sobre a vida de sua família enquanto ouviremos a mensagem musical, com Ministério Koinonya de Louvor, Te Agradeço, oh Pai, agradecidos a Deus pela vida de cada irmão, de cada irmã que faz parte de nosso grupo de amigos e irmãos em Cristo. Que o Senhor nos abençoe nos dando prosperidade em todos os sentidos.



         Pr Flávio da Cunha Guimarães


segunda-feira, 2 de março de 2015

OS #PARÂMETROS DE DEUS NAS #ESCOLHAS

JESUS ESCOLHE OS DISCÍPULOS


        Em (I Cor. 1:26-29) lemos: “Porque, vede, irmãos, a vossa vocação, que não são muitos os sábios segundo a carne, nem muitos os poderosos, nem muitos os nobres que são chamados. Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; E Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são; Para que nenhuma carne se glorie perante ele”.

        Deus têm métodos distintos do nosso para fazer as suas escolhas, porque Ele não se limita a aparência, nem mesmo escolhe pelas faculdades que temos ou que venhamos a ter.
        A palavra vis no texto acima significa: as pessoas sem nobreza, baixas, ou coisas desprezíveis.

        Ao relacionarmos, ao lidarmos com as pessoas, sejam elas quais for, sempre olhamos para a aparência, para o conhecimento que elas tem, achando que as mesmas tem mais habilidade, mais capacidade para exercer a função ao qual pretendemos atribuir a elas.

        Deus têm um método diferente, do nosso, para fazer as suas escolhas, porque Ele não se limita a aparência, nem mesmo escolhe pelas faculdades que temos ou venhamos a ter. Deus olha o coração, a intenção, a honestidade, a bondade e a fé que devem haver dentro de cada um de nós.
        Vamos analisar passo à passo o que o texto lido acima quer nos dizer:

        OS PARÂMETROS DE DEUS NAS ESCOLHAS: AO INVÉS DE ESCOLHER OS SÁBIOS, ELE ESCOLHE OS NÉSCIOS OU IGNORANTES.
        Como entender este parâmetro de Deus? Só podemos entender esta declaração do escritor sagrado, o Apóstolo Paulo, se recorrermos ao contexto do capítulo 1 de Primeira Epístola aos Coríntios e à cultura grega. Os gregos eram e ainda são conhecidos no mundo inteiro por sua sabedoria. A Grécia é o berço dos maiores filósofos que já existiram na história da humanidade. Daí não compreenderem o Evangelho do Senhor Jesus em sua essência. Deus escolher homens ignorantes para divulgar o Evangelho de Jesus Cristo, para os gregos era irracional. No entanto o Senhor Deus escolheu os néscios ou ignorantes para envergonhar os sábios, segundo o conhecimento intelectual. Os gregos consideravam uma loucura o fato do Salvador da humanidade, que é Jesus Cristo, vir a este mundo para morrer de maneira tão hostil, tão humilhante, tão sofredora em favor de homens tão maus, tão pecadores, que para os gregos não passava de uma afirmação irônico, irracional, impossível de aceitar, para um grego racional.

        Mas ainda é de se notar como, às vezes, somos impedidos de fazer a obra de Deus, porque nos esbarramos na visão que temos de nós mesmos, que somos incapacitados para exercer esse chamado divino; por outro lado, há aqueles que acreditam que podem interferir no plano espiritual embasados em seu conhecimento humano. O que na verdade não podemos.

        OS PARÂMETROS DE DEUS NAS ESCOLHAS: AO INVÉS DE ESCOLHER OS FORTES, DEUS ESCOLHE OS FRACOS.
        Podemos analisar a expressão “poderosos ou fortes” do seguinte modo:
        Existem 3 coisas que conferem poder ou força ao homem, que são elas:
        Dinheiro - Poder aquisitivo, poder material. Conhecimento – Poder mental, ou psicológico. e, Força física – Poder físico.

        O que podemos analisar de imediato é que nestas três formas de poder leva-nos a pensar que somos independentes de Deus. Que se temos dinheiro, conhecimento ou força física, dependemos somente de nossa própria capacidade, e não do Senhor Jesus. Se temos alguma destas três características, temos a falsa ideia que conseguiremos tudo que temos vontade. Mas na vida real não é bem assim. Por isso que Deus escolheu os fracos, porque os fracos precisavam e ainda precisam ser dependentes do Senhor; precisavam e ainda precisam de auxílio de Deus, de serem fortalecidos por Deus. Esta dependência vem de encontro aos planos de Deus na vida do homem; o poder de Deus se aperfeiçoa na fraqueza do homem que depende do Senhor, é o que afirma o texto em (II Cor. 12:9) “E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza” a. O poder de Deus será visto quando somos capazes de fazer o que as minhas condições naturais não permitem, mas fazemos porque o Senhor nos capacita. Diante da pergunta do Senhor Jesus Cristo em (Mt 16:16) “Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou? O que Pedro respondeu em (Mat. 16:17): E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus”.
        O que Jesus Cristo quis dizer é que somos totalmente dependentes do Senhor Jesus. Ai daqueles que pensam que não são dependentes. Pobres coitados.

        OS PARÂMETROS DE DEUS NAS ESCOLHAS: AO INVÉS DE ESCOLHER OS NOBRES, DEUS ESCOLHE OS HUMILDES.

        Nobreza está ligada a orgulho, a ostentação, a vaidade. Os que têm um nascimento nobre, em um nível social elevado estão convencidos que vivem, que são superiores aos pobres; são levados para as melhores escolas, roupa de grife, passeios turísticos. Isso tudo leva as pessoas abastardas a pensarem que são melhores, superiores, que nada foge de seu conhecimento e controle, tornando pessoas intratáveis, antipáticas, com as devidas exceções.

        Que não foi o caso do Apóstolo Paulo depois de sua conversão. Ele tinha razões para se vangloriar, porque era possuidor de um conhecimento muito grande, tanto intelectual, cultural e religioso, pois era poliglota; porém, considerou tudo isso como refugo, como lixo, em (Fil. 3:8) “E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo”, para ter o conhecimento do Filho de Deus. Em outras palavras, deixou de confiar em si mesmo, em sua capacidade natural para confiar exclusivamente em Jesus Cristo.
        Jesus escolheu pescadores, homens que não tinham o perfil de pessoa ideal para a missão tão importante, para serem os porta-vozes da mensagem do DELE. Eles aceitaram o desafio de Jesus, de serem pescadores de homens; o que Deus espera de nós, pessoas transformadas pelo deu poder, para sermos pescadores de almas também. Assumamos o propósito de ganharmos almas para o Senhor Jesus e seu Reino enquanto ainda há tempo, Amém.
        Jesus envia os discípulos.


        Pr Flávio da Cunha Guimarães

Bibliografia:


1 - ALL-COM Allen, Clifton J. Editor geral. Comentário Bíblico Broadman. Novo Testamento. Tradução de Adiel Almeida de Oliveira. Rio de Janeiro, JUERP, 1983, vol. 8, 484 P, P. 156-157.

2 - Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

3 - Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.

4 - Bíblia de Promessas. Tradução João Ferreira de Almeida. RC. 2ª Edição, Co-edição JUERP e King's Cross Publicações, 2009.

5 - BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.


6 - OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

#UMA CONVERSA FRANCA SOBRE #FAMÍLIA

        “Educa, (instrui, ensina) a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele, (Prov. 22:6).




        Estamos vivendo o tempo de famílias desajustadas, desestruturadas, desorientadas, sem rumo, sem autoridade para criarem os filhos, com sérios problemas de convivência e uma violência generalizada. Filhos mal-educados, desobedientes, revoltados, violentos, que dão um trabalho tremendo aos pais e causam uma preocupação muito grande aos mesmos.

        De onde vem tudo isso? Qual é a raiz de todos estes males?

        1 - EM PRIMEIRO LUGAR: A nossa tendência é acharmos culpados, tais como: O governo, o Estatuto da Criança e do Adolescente, as leis, a justiça, a Televisão, a sociedade, a escola, os amiguinhos, o Diabo e tantos outros.
        Tudo isso dão a sua parcela para a sociedade estar na situação em que se encontra. 
        Mas uma pergunta que não pode calar: Qual é a responsabilidade dos pais na formação dos filhos e dos futuros cidadãos desta pátria? Qual é a responsabilidade dos pais para que a sociedade chegasse a este pé? Os pais estão isentos de responsabilidade?
        Do nosso ponto de vista não estão isentos de responsabilidade; pelo contrário, são os principais responsáveis por esta situação caótica em que estamos vivendo.

        Não importa o que o governo faz; o que diz o Estatuto da Criança e do Adolescente; as leis, a justiça, a televisão, a sociedade, a escola ou o Diabo. Não temos que seguir leis humanas como a única verdade, a nosso lei principal é a Palavra do Sr. Quando seguimos as orientações das leis dos homens, ficamos perdidos, desorientados, sem rumo, com medo, com sentimento de culpa e sem autoridade.

        É aqui que está a raiz de tudo de ruim que está acontecendo nas famílias de nossos dias.
        Ao invés de buscarmos a orientação de Deus que criou, que sustenta e dá as orientações para as famílias, estamos buscando a orientação de homens sem o temor de Deus.
        Se você não criou os seus filhos nos caminhos do Senhor; não deu a disciplina correta, não adianta lamentar pelo leite derramado. Busque a Deus, fale do amor de Deus para os seus filhos. Converse com eles se já são adultos. Se ainda criança, corrija o comportamento inadequado; peça ajuda de especialistas em distúrbios comportamentais. E o Senhor Jesus abençoará no mais.

        Voltemos a pergunta anterior: De onde vem tudo isso? Qual é a raiz de todos estes males?

        2 – EM SEGUNDO LUGAR: Os nossos filhos estão com comportamento mau, dando trabalho, nos envergonhando, a culpa é nossa como pais que somos.
        Deixe-me perguntar o seguinte: O comportamento mau de nossos filhos começou derrepente? De uma hora para outra? Depois de adolescentes ou jovens? Lógico que não! O comportamento mau começou desde que eram pequenininhos. Quando ainda crianças e pouco fizemos para corrigirem.

        Quando percebemos o mau comportamento da criança, nós como pais, geralmente nos omitimos, não corrigimos porque é criança, é inocente, é judiar se corrigir. Com um agravante: Quando os filhos fazem alguma coisa errada, ainda achamos engraçado, sorrimos e nos calamos.
        Essa atitude de achar engraçado, de sorrir a criança a recebe como que os pais estão aprovando a sua atitude, estão gostando e é como se estivessem dizendo: Continuem fazendo que não há nenhum problema.

        Quando os filhos, ainda pequenos, batem no rosto dos pais ou chutam, os pais nada fazem, as vezes! Quando os filhos desentendem, brigam com outras crianças, os pais que sempre saem em defesa dos filhos achando que estão certos. Isso é um atestado para que a criança cresça arrumando encrenca porque sabem que os pais vão defende-las.
        Filhos que chegam com objetos que não saíram de casa com eles e os pais não perguntam qual é a origem. Que pode ser pequenos furtos, ao agirem assim, estão dizendo para os filhos que podem continuar porque é normal, é assim mesmo!

        Aqueles filhos que aonde chegam faz um vendaval, um furacão, mexem e espalham tudo. Não respeitam lugares, momentos, não há limite. Os pais, apenas observam passivos sem nenhuma atitude enérgica. Esses filhos, são sérios candidatos, a darem num futuro próximo, sérios problemas, envergonhar e entristecer os pais.
        Se seus filhos são assim, corrija-os, falem com amor, mas de maneira enérgica e com firmeza. Sem ceder as chantagens deles. Se é sim, é sim; se é não, é não. Se prometer alguma coisa, cumpra-se o que prometeu.
        Converse com os filhos. Se não resolver, coloque-os de castigo e explique o porquê está pondo de castigo. Você pai ou mãe é que determina o horário que sairá do castigo.
        Comece a tirar coisas que eles gostam. Se tudo isso não funcionarem, usa a vara como a Bíblia ensina, em (Prov. 13:24) “O que não faz uso da vara odeia seu filho, mas o que o ama, desde cedo o castiga”. (Prov. 22:15) “A estultícia está ligada ao coração da criança, mas a vara da correção a afugentará dela”. (Prov. 23: 13-14) “Não retires a disciplina da criança; pois se a fustigares com a vara, nem por isso morrerá”. “Tu a fustigarás com a vara, e livrarás a sua alma do inferno”.

        Para terminar:




        Quem manda em sua casa? Os pais ou os filhos? Onde está a sua autoridade dada por Deus como pai e mãe? Exerça a sua autoridade, pois o Senhor cobrará de você se não a exercer como cobrou do sacerdote Eli. Vamos assumir o propósito de colocarmos ordem em nossas casas, em nome de Jesus. Amém!

       Pr Flávio da Cunha Guimarães