BEM VINDO


Recados Online

VOLTE SEMPRE

terça-feira, 24 de maio de 2016

A DIFÍCIL ESCOLHA: MANTER A VIDA DOS BEBÊS OU PERDER A PRÓPRIA VIDA!

DIFÍCIL ESCOLHA: MANTER A VIDA DOS BEBÊS OU PERDER A PRÓPRIA VIDA!

ÊXODO 1:15-22
Pr. Flávio da Cunha Guimarães


        O Egito foi governado pelos Hicsos, reis estrangeiros por mais de 300 anos e eram reis pastores semitas, bem como de outros povos. Quando os jacobitas entraram no Egito, no tempo de José, eram eles que estavam no poder e receberam os hebreus de maneira afetiva e calorosa. A expulsão dos Hicsos se deu por volta de 1580 a C, reinando em seu lugar o rei egípcio Amose I. Isso explica o porquê os egípcios não gostavam e não se misturavam com pastores, porque os pastores eram considerados abomináveis. O faraó que escravizou os hebreus e decretou a morte dos meninos, por estrangulamento ao nascerem, tarefa dada as parteiras, tudo indica que foi o faraó Seti I. O cativeiro durou entorno de 50 a 60 anos. Moisés nasceu em 1520 a C, quando a princesa que dividia o poder com o pai, por ser a filha mais velha, por nome Hatshepsut, quem adotou Moisés e que foi soberana no Egito após a morte do pai. Seti I fora o faraó da escravidão e Ramessés II o do Êxodo. Portanto, Moisés seria o herdeiro legítimo do trono do Egito, o que renunciou como nos diz (Heb. 11: 24) “Pela fé Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó”.

        O REI ORDENOU, (V.15)
        Ordenou o que? Que os meninos hebreus fossem estrangulados ao nascerem. Isso caracterizava o assassinato em secreto, em silêncio sem prova testemunhal. Era simplesmente o genocídio. O que é genocídio? É o crime praticado contra grupo de uma nação, étnico, racial ou religioso com a intenção de destruir o grupo total ou parcial através de homicídio causando graves lesões físicas ou mental, submetendo o grupo a se autodestruir, adotando medidas para evitar o nascimento no grupo ou forçar a transferência de crianças de um grupo para outro. Foi o que faraó fez com os hebreus. Tal atitude, tal ação nada mais é do que uma atitude satânica, mas providencial ou permitida por Deus para forçar o seu povo a desejar sair do Egito para tomar posse da terra da promessa, visto que o povo estava acomodado a situação no Egito e suas regalias.

        ORDENOU A QUEM?
        Ordenou as parteiras, (V.15), que tinham por nomes Sifrá que significa “beleza” e Puá que significa “esplendor”. Os nomes não eram hebreus, tudo indica que eram semitas, mas que foram chamadas de hebreias.

        O texto fala apenas de duas parteiras. Todavia, precisamos entender que não eram só duas parteiras para atender todas as mulheres de Israel. Em torno disso há sugestões que são:
        1 – Eram únicas, o que descartamos essa hipótese;
        2 – Que foram as únicas a desobedecerem a faraó, o que também descartamos;
        3 – As únicas em que os nomes foram lembrados; e,
        4 – Ou poderiam ser as presidentes ou chefes de uma associação de parteiras. O que parece ser mais coerente. Os comentaristas aceitam as opções 3 e 4.

        O PRIMEIRO DECRETO, (V.16)
        A ordem era matar todos os meninos que nascessem dos hebreus. Tal ordem tinha a intenção de enfraquecer e destruir o povo de Deus dentro de uma ou no máximo duas gerações. Mortes essas que poderiam ser justificadas como que o bebê nasceu morto ou que morreu ao nascer, que com tempo haveria de levantar suspeitas, de que as meninas viviam os meninos nasciam todos mortos. Ordem semelhante que encontramos de um rei no Novo Testamento, em (Mat. 2:16-18). Enquanto a execução no Novo Testamento era a espada, no Egito a morte era por estrangulamento. Morte sofrida e cruel, pois os bebês não podiam se defender, além de inocentes. As meninas ficavam vivas para uma finalidade, para serem tomadas como escravas e concubinas dos egípcios. Aqui vemos dois tipos de escravidão:
        Primeira: O trabalho forçado, sem remuneração para os homens. Segunda: A relação sexual forçada as mulheres hebreias como escravas.

        LOCAL PARA O PARTO, (V.16)
        Era em casa, visto que na língua hebraica traz a ideia literal de “duas pedras”, sobre as quais as mulheres hebreias se curvavam para dar à luz. Se pensa que as mulheres deitavam de bruços para forçar o nascimento do bebê.

        DESOBEDIÊNCIA PERIGOSA, (V.17)
        Desobedecerem ao decreto de faraó, elas corriam o perigo de vida. As parteiras tiveram que fazer uma escolha clara, entre obedecer o rei ou a Deus. Em lugar delas nós faríamos o que? Embora somos convidados a obedecerem, honrarem os governantes e autoridades civis, como vemos em (Rom. 13:1-5), todavia, quando essas autoridades se colocam no lugar de Deus ou violam mandamentos, não temos a obrigação de obedecerem, mas até de contesta-las com a Palavra do Senhor. O que os Apóstolo Pedro e João, em (At. 4:18-20), fizeram quando questionados e proibidos de pregarem, como vemos na citação acima e o texto a seguir: “E, chamando-os, disseram-lhes que absolutamente não falassem, nem ensinassem, no nome de Jesus. Respondendo, porém, Pedro e João, lhes disseram: Julgai vós se é justo, diante de Deus, ouvir-vos antes a vós do que a Deus; Porque não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido”. Deus sempre em primeiro lugar. Se os homens ordenam a fazermos alguma coisa que é contra à vontade de Deus, devemos desobedecer os homens para obedecer ao Senhor.

        AS PARTEIRAS DESOBEDECERAM A FARAÓ PORQUE TEMIAM A DEUS, (V.17)
        Pelo fato de temerem a Deus arriscaram a vida para obedecerem ao Senhor. A confiança em Deus era maior do que o medo para com Faraó. Daí que Deus abençoou e recompensou a fé, a confiança e os esforços das parteiras. Em lugar das parteiras, nós faríamos o que? Cumpriríamos a ordem do rei ou confiaríamos em Deus?
        Neste episódio vejo claramente o agir de Deus, colocando o temor no coração das parteiras, encorajando-as bem como na vida do povo de Deus. O Senhor abençoou, recompensou a fé, a fidelidade delas. Por isso o primeiro decreto de faraó falhou diante da fé, do temor e da obediência das parteiras a Deus, (V.17). Diante do fracasso do decreto de faraó, ela chama as parteiras para uma prestação de contas. Para uma explicação, o que vemos nos (V.18-21). A explicação das parteiras é que as mulheres hebreias eram vigorosas e vivas. Não eram como as egípcias. Poderiam estar mentindo? Sim! Por outro lado, as mulheres hebreias eram mais fortes realmente que as egípcias, por causa do estilo de vida e o esforço maior no trabalho do que as egípcias que eram recatadas. As parteiras não disseram toda a verdade, mas era parte da verdade. É preciso entender que as grávidas hebreias sabendo que as parteiras tinham ordem de faraó para matarem os bebês meninos, elas evitavam chamar as parteiras e se esforçavam para ganhar o filho sozinhas. Só chamavam as parteiras em último caso.

        APROVAÇÃO DE DEUS AS PARTEIRAS, (V.20-21)
        Deus vendo o temor das parteiras e a atitude em preservar a vida dos bebês, não só preservou a vida delas, como diz o texto que Ele fez bem a elas. Abençoou-as com casas e o povo de Deus se multiplicava. Abençoou porque elas temiam ao Senhor, eram-Lhe fieis e pelo o respeito que elas tinham pela vida como fruto da reverência a Aquele que é o doador da vida.

        O SEGUNDO DECRETO, (V.22)


        A fidelidade e a fé das parteiras para com o Senhor, em conservar a vida dos meninos, o que fez com que o primeiro decreto de faraó falhasse, forçou-o a estabelecer o segundo decreto. A uma atitude mais radical. Que todos os pais hebreus jogassem os filhos meninos recém nascidos no Rio Nilo, o que levaria a morte por afogamento ou comidos por crocodilos, o que era normal para os egípcios porque veneravam o Rio Nilo, bem como os animais como sendo sagrados, se os pais não jogassem os filhos no Rio, os soldados o faria. A coragem e a fidelidade das parteiras fez com que fosse revelada publicamente a perversidade de faraó. Desmascarou toda a obra maligna usando o rei do Egito. O que não adiantou. Quanto pior a perseguição ao povo de Deus, mais o povo crescia e se multiplicava, o que aconteceu com a igreja primitiva. A ordem e os planos de faraó nada mais eram do que os planos de Satanás, não só contra o povo de Deus, mas para que o plano da vinda do Messias não se cumprisse, o da redenção em Cristo o que não impediu. Nem faraó, nem Herodes puderam se opor ao plano de Deus para o seu povo e a salvação dos gentios.

         CONCLUINDO
         Enquanto Faraó desejava tirar a vida dos bebês masculinos, as parteiras desejavam e contribuíam para que eles vivessem. Enquanto Faraó planejava o mal para os bebês, Deus fazia o bem. Enquanto Faraó demonstrava incredulidade para com o Deus dos hebreus, as parteiras temiam o Deus Todo Poderoso. Enquanto Faraó temia perder o poder político, Deus agia politicamente correto para fazer de um povo escravo uma nação para Ele. O que motivava Faraó a decretar a matança era o medo de perder o poder, tinha ambição pelo poder; o que motivava as parteiras era a fé e o temor ao Deus Todo Poderoso.
        Que tenhamos o temor, a fé, a fidelidade e a atitude das parteiras em preservar vidas, ainda que corramos o risco de perder a nossa própria vida.

        Pr. Flávio da Cunha Guimarães

Bibliografia

1 - BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

2 - CHAMPLIN, Russell Norman. Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. III. Ed. Hagnos, 9ª Edição, 2008, São Paulo, 935 P.

3 - COLE, R. Alan. Êxodo – Introdução e Comentário. Tradução de Carlos Oswaldo Pinto. Ed? Editoras Mundo Cristão e Vida Nova, São Paulo, 1972, 231 p.

4 - FRANCISCO, Clyde T. Introdução ao Velho Testamento. Tradução de Antônio Neves de Mesquita. 2ª Ed. Rio de Janeiro, JUERP, 1979, 288 p.

5 - GUZINK`S, David. Comentário de Êxodo 1:15-22. e-Sword-the Sword of the LORD withan electronic edge.

6 - HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 p, p. 235.

7 – JUNIOR, Luder Whitlock. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

8 - MESQUITA, Antônio Neves de. Estudo no Livro de Êxodo.
3ª Edição. Rio de Janeiro. Editora JUERP, 1971, 270 P.

9 - OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.
                  

10 – SHEDD, Russell Philip. Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.

sábado, 21 de maio de 2016

O PODER SOBRENATURAL DE JESUS CRISTO!

MAT. 8:28-34

 O PODER SOBRENATURAL DE JESUS CRISTO!

Pr Flávio da Cunha Guimarães



Poder do grego (δύνᾶμις – dúnames) significa poder majestoso, força e autoridade poderosas. A onipotência de Jesus Cristo. Poder incomparável e sem igual.

        Sobrenatural do dicionário Aurélio online é o que "ultrapassa o natural". O que está relacionado com "fenômenos extraterrenos". O que "está acima da natureza humana". O que "é  fantástico, extraordinário, excessivo". O que diz-se de "tudo que é ligado à ação da graça divina, por estar acima da essência e do agir da criatura. Aquilo que é extraordinário ou maravilhoso".

        Diz o (V.28) que Jesus Cristo chegou a cidade de Gadara e ali o seu poder sobrenatural confrontou o poder dos demônios, prevalecendo próximo ao Mar da Galileia, que em algumas versões diz gergesenos que era uma cidade grega. Indo no caminho, saíram dos sepulcros ao encontro de Jesus Cristo, dois homens endemoniados.
        Aqui já podemos ver que as pessoas endemoniadas tem hábitos, comportamentos estranhos. Saíram do cemitério, das sepulturas. As pessoas que fazem pactos com demônios frequentam cemitérios. São atormentadas que atormentam outras pessoas. Diz (Mar. 5:5) que andavam dia e noite. Gritavam. Feriam-se com pedras.  Os endemoniados aterrorizavam as pessoas que por ali passavam, de tal maneira, que transeuntes não passavam mais por ali. Se não passavam é porque a fama havia percorrido. As pessoas endemoniadas são violentas, ferozes.
        A língua original, (o grego), diz que eram muito violentos. Fortes. De grande poder. Esse poder ainda que grande; todavia, é infinitamente menor do que o Poder Sobrenatural do Senhor Jesus Cristo. Em sua caminhada resolve, decide passar por aquele local, por aquela cidade, contrariando o costume, o comum. Vai além do que é comum.

        O crente não pode viver, contentar com o que é comum, ele precisa ir além do que é rotineiro. O crente precisa experimentar o poder sobrenatural do Senhor Jesus em sua vida.

        Por que? Qual a razão que levou Jesus Cristo passar por um caminho que ninguém ousava passar? Porque em sua presciência Ele sabia que haveria de libertar duas vidas escravizadas pelo o mal que praticava o mal a outras pessoas. Havia de manifestar o seu Poder Sobrenatural e provar que era o Próprio Deus encarnado.

        A violência em nosso país; o crescente uso de drogas; a corrupção generalizada; a imoralidade; a pedofilia, tem tudo a ver com a ação demoníaca. Está forte e com grande poder. Quantos que morreram só porque erraram entradas de ruas, foram parar em favelas, redutos de traficantes! Só há uma solução para toda ação demoníaca que está destruído as famílias brasileiras, as vidas: O Poder Sobrenatural do Senhor Jesus Cristo, o que os demônios têm pleno conhecimento.

 OS DEMÔNIOS CONHECEM QUEM É JESUS CRISTO, SABEM QUE É FILHO DE DEUS, SABEM DO PODER SOBRENATURAL DELE, E NÓS, SABEMOS QUEM É JESUS CRISTO?
        Diz o (V. 29) que clamaram, gritaram que na língua original denota uma ação continua ao perguntarem para Cristo: "Que temos nós contigo, Jesus Filho de Deus?" A pergunta pressupõe uma resposta que eles (os endemoniados) e Jesus Cristo não tinham nada em comum! E não tem mesmo!
        Nós, sim, precisamos ter muita coisa em comum, a ver com o Senhor Jesus Cristo! Como o amor, a mansidão, a bondade, e etc.

        Os endemoniados perguntaram: "Vieste atormentar-nos antes do tempo?" Esta pergunta dos endemoniados revela quatro coisas para nós:

        1ª - Nos diz que eram mais de dois demônios. O (V. 31) é claro usando o termo no plural. Era legião. Em (Mar. 5:9) diz que era uma legião. Uma legião era o termo usado para descrever um batalhão de seis mil soldados romanos. Se não fossem muitos, não possuiriam uma manada de porcos.

        2 - Os demônios sabem que tem um tempo determinado, permitido por Deus para agirem. Só agem mediante a permissão do Senhor Jesus. Por outro lado, quando damos lugar para agirem, o Senhor Jesus por respeitar o nosso livre arbítrio, não impede deles agirem na vida do ser humano.

        3 - Os demônios enganam-se quanto ao tempo, até quando poderão agir mediante a permissão do Senhor. Para eles o tempo de Jesus Cristo ainda não havia chegado; para o Senhor Jesus sim.

        4 - Se a presença de Jesus Cristo atormentou os demônios, antes não eram atormentados. Por que não eram atormentados? Porque Deus se fazia presente, se impunha pela Lei, pelos mandamentos, rituais para educar o povo qual era a vontade do Senhor. Agora se faz presente pelo Espírito Santo, o Poder Sobrenatural do Senhor, (Luc. 24:49; At. 1:8). Consequentemente, a presença da igreja, que tem Jesus Cristo como cabeça dela tem que continuar atormentando os demônios.
        A igreja de Jesus Cristo nada tem a ver, em comum com os demônios como Jesus Cristo não tinha com Jesus Cristo. Eu quero que Jesus Cristo, através da igreja, continue atormentando os demônios. Quero convidar, a igreja do Senhor, continuar atormentando os demônios.

        Os (Vs. 30-32) nos ensina algumas verdades:

        1ª - Os demônios saem de determinados corpos, em seguida vão para outros corpos ou voltam para o mesmo corpo, se o mesmo não for ocupado pelo Senhor Jesus Cristo, através do Espírito Santo. De acordo com o relato do texto vão para uma manada de porcos. Diz (Mar. 5:9) que era uma legião de demônios. Legião era um batalhão de soldados romanos, que entre infantaria e cavalaria, chegavam a seis mil.

        A POSSESSÃO DEMONÍACA


De acordo com o relato de (At. 19:13,15-16) os demônios apoderam dos exorcistas como lemos: "E alguns dos exorcistas judeus ambulantes tentavam invocar o nome do Senhor Jesus sobre os que tinham espíritos malignos, dizendo: Esconjuro-vos por Jesus a quem Paulo prega [...] Respondendo, porém, o espírito maligno, disse: Conheço a Jesus, e bem sei quem é Paulo; mas vós quem sois? E, saltando neles o homem que tinha o espírito maligno, e assenhoreando-se de todos, pôde mais do que eles; de tal maneira que, nus e feridos, fugiram daquela casa".

        Em (Mat. 12:43-45) diz: "E, quando o espírito imundo tem saído do homem, anda por lugares áridos, buscando repouso, e não o encontra. Então diz: Voltarei para a minha casa, de onde saí. E, voltando, acha-a desocupada, varrida e adornada. Então vai, e leva consigo outros sete espíritos piores do que ele e, entrando, habitam ali; e são os últimos atos desse homem piores do que os primeiros. Assim acontecerá também a esta geração má".

        2ª Verdade: Os demônios estão sujeitos as ordens de Jesus Cristo. Nada fazem se o Senhor não permitir. Por outro lado, quando a pessoa vive sem o Senhor em sua vida, significa que os demônios já têm a permissão para tomarem posse.

        3ª Verdade: Jesus Cristo não ficou dialogando com os demônios; entrevistando os endemoniados como vemos em alguns grupos, perguntando qual era o nome, quantos eram, o que pretendiam. Não deixou dar show como vemos em algumas igrejas, principalmente na TV, com o intuito de demonstrar o suposto poder destas igreja e pastores sobre os demais. Somente a presença de Jesus Cristo, com seu Poder Sobrenatural os demônios já ficaram atormentados. Jesus apenas mandou saírem e saíram. Não dialogou, nem os demônios deram shows.

        4ª Verdade: Os demônios são destruidores de sonhos, de planos, e, até mesmo de vidas. Quantos que foram destruídos! Jesus Cristo, ao contrário, é reconstrutor de vidas que estão os cacos! O que Ele pode e precisa reconstruir em nossas vidas?

        5ª Verdade: O Poder Sobrenatural do Senhor Jesus Cristo libertou duas vidas escravizadas. Ele continua libertando, através de seu Poder, de seu Espírito pessoas escravas de satanás. Enumere você, leitor o que Jesus Cristo precisa libertar você e aqueles que você conhece.

        AS REAÇÕES DAS PESSOAS DIANTE DO PODER SOBRENATURAL DE JESUS CRISTO.



1 - A Reação dos Porqueiros – Fugiram de acordo com o relato do (V. 33).

Dá a entender na língua original, o grego, que fugiram, não por medo, mas para anunciar o que viram. A língua original dá a ideia que correram como nunca havia feito antes. Chegando a cidade, anunciaram, deram a notícia, divulgaram tudo o que o Senhor Jesus havia feito aos endemoniados. A ideia é que contaram e insistiram em continuar a contar o que viram.

        Precisamos seguir o exemplo dos porqueiros, anunciar, dar a notícia, divulgar tudo o que Jesus Cristo fez, está fazendo e continuará fazendo em nossas vidas de maneira continua e insistente.
        Os porqueiros deram importância, enfatizaram tudo o que aconteceu aos endemoniados libertos pelo poder sobrenatural de Jesus Cristo. E os pregadores de hoje estão dando importância a que?

        2 - A Reação dos Moradores da Cidade de Gadara conforme o (V. 34). Toda a cidade saiu ao encontro de Jesus Cristo. A ideia é que saíram e continuaram a sair. Diz (Mar. 5:15) que os habitantes da cidade foram ao encontro do Senhor, viram os endemoniados em perfeito juízo. Logo, os endemoniados eram conhecidos deles e puderam ver a transformação que Jesus fizera em suas vidas.

        Aqui temos algumas verdades para aprendermos:
        1ª – Ouvir. Ouviram sobre Jesus Cristo e seus feitos em favor dos endemoniados porque os porqueiros testemunharam o que Jesus havia feito.
        2ª – Verdade: Sair. Para Saírem ao encontro de Jesus, exigiu atitude, movimento, ação da parte deles.
        3ª – Verdade: Deliberar: Tiveram que deliberar, que decidirem sair ao encontro de Jesus.
        4ª – Verdade: Ação. Entraram em ação. Foram até onde estava o Senhor Jesus.
        5ª – Verdade: Ver. Viram a Jesus Cristo e continuaram vendo, esta é a ideia na língua original. A ideia no grego é que eles participavam do processo de ver Jesus. Com certeza Jesus Cristo desejava ser visto, mas eles também desejaram ver a Jesus. O processo foi quase completo. Só não foi totalmente complete porque rejeitaram a presença de Jesus. É o que acontece com muitas pessoas hoje.

        Os cinco passos foram dados, mas na hora de decidirem por Jesus Cristo, não decidiram favorável. Pelo contrário, agiram de maneira hostil para com Ele. Algumas coisas impediram esse encontro de ser amigável, agradável, abençoador e transformador. Tiveram a oportunidade de ouro, Única, mas desperdiçaram.


O que impediu? É o que veremos a seguir. Rogaram-lhe, imploraram-lhe, apelaram-lhe, suplicaram-lhe. A ideia é que continuaram apelando, não pela salvação, mas que retirasse-se da terra deles. Atitude movida pelo prejuízo, porque perderam os porcos. Esse foi o impedimento de Jesus não poder fazer nada por eles, a não ser aos dois endemoniados. O apego as coisas materiais. Como as coisas materiais, lazer, fúteis tem impedido a salvação das pessoas!

        O que tem impedido, ainda hoje, as pessoas terem um verdadeiro encontro, um verdadeiro compromisso com o Senhor Jesus Cristo?!

        Os porqueiros preocuparam-se com os endemoniados. Os moradores da cidade preocuparam-se com os porcos. Os porcos tinham mais valor do que os dois endemoniados libertos. Os porcos tinham mais valor do que Jesus Cristo. Os porcos tinham mais valor do que a salvação deles. Eram materialistas. Diferentes de hoje? De jeito nenhum! De maneira alguma! A ideia é de uma rejeição forte, expulsaram Jesus de suas terras!
        Quantas pessoas que tem a chance, a oportunidade que os gadarenos tiveram, todavia jogam fora! Você está diante de Jesus Cristo. Diante de seu poder sobrenatural! O que fará de Jesus e de seu poder sobrenatural? Quero convidar você vir ao encontro de Jesus Cristo para ser liberto! Ou deixará a oportunidade passar? Ou mandará Jesus Cristo embora? A escolha é sua, é minha, é nossa! Eu escolhi Jesus para me salvar e conduzir a minha vida com os seus ensinamentos. E você? Escolhe Jesus Cristo! Escolhe ser liberto! Que saibamos aproveitar as oportunidades que o Senhor Jesus tem nos dado.

        Bibliografia:

1 – Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

2 – Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.

3 – BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

4 – Marcelo Ribeiro de Oliveira. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere, marcelo@blasterbit.com

5 – MOULTON, Harold K. Léxico Grego Analítico. Trad. de Davi Miguel Manço e Everton César Aleva de Oliveira, Ed. Cultura Cristã, 2007, São Paulo, 460 p.


6 - RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Chave Linguística do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

EDIR MACEDO GANHA “OSCAR GAY”


EDIR MACEDO GANHA “OSCAR GAY”




Edir Macedo ganha “Oscar Gay” por ser amigo da causa LGBT
No ano passado o líder da Universal afirmou que sua igreja aceita os homossexuais

Por Leiliane Roberta Lopes

O Grupo Gay da Bahia (GGB) realiza todos os anos uma “premiação” para divulgar personalidades que foram amigas ou inimigas da causa LGBT.
O prêmio é chamado de “Oscar Gay” e na edição desse ano o grupo escolheu o bispo Edir Macedo como um dos amigos homossexuais, isso por conta das declarações do fundador da Igreja Universal do Reino de Deus.
Para quem não se lembra, em 2015 Edir Macedo afirmou que “Jesus incriminou os religiosos hipócritas, não os gays”. Macedo ainda disse que a Igreja Universal aceita e sempre irá aceitar os homossexuais.
“A IURD sempre aceitou e aceita todos os homossexuais como acolhe todo ser humano do jeito que é”, disse Macedo na ocasião.
No Oscar Gay 2015 o GGB apontou mais amigos que inimigos, foram 37 amigos da causa citados, incluindo o procurador-geral da República Rodrigo Janot que deu “ao Congresso Nacional prazo razoável para concluir a votação do projeto de criminalização da homo/transfobia”.
Entre os inimigos apontados pelo Grupo está a atriz Bibi Ferreira por repudiar o beijo lésbico das atrizes Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg na novela Babilônia e os funcionários do Shopping Barra, em Salvador, que não deixaram um travesti usar o banheiro feminino do estabelecimento.


Acessado em: 27/04/2016


Extraído na íntegra.

Nota 1: No mínimo é o tipo de notícia que causa polêmica, discussão acalorada, mas que não pode ser ignorada essas situações. Está em debate.

Nota 2: Em seu caso, receberia o prêmio de Oscar? Se sim, porque? Se não, se explique!

segunda-feira, 25 de abril de 2016

QUE COISA FEIA JOSÉ DE ABREU!

QUE COISA FEIA JOSÉ DE ABREU!


"Após cuspir em cliente de restaurante, José de Abreu 
desabafa: ‘Fiquei com a cabeça quente’"





"O ator José de Abreu, que na noite da última sexta-feira (22/04/2016) foi flagrado cuspindo num casal num restaurante japonês de São Paulo, deixou as redes sociais neste sábado após sofrer ofensas de internautas.
— Aprendi a administrar as minhas redes sociais. Quando começam a me agredir muito, eu dou uma cancelada e, quando volto, as ofensas somem. Ficam me ameaçando de morte. Às vezes, vou ver quem faz as ameaças e é um moleque de 15 anos — explica.
Um dia depois de discutir com um casal que, segundo ele, o insultava num restaurante, o ator conversou como EXTRA.
— O casal estava sentado ao nosso lado e a minha mulher começou a perceber que o homem começou a xingar a gente. Ele falava que o nosso dinheiro era de roubo, de Lei Rounet, nos xingava de safados. Minha mulher, percebendo que eu ainda não tinha ouvido, tentou evitar que eu escutasse. O cara ao lado começou a me chamar de ladrão e a chamar minha mulher de vagabunda. Foi natural: fiquei com a cabeça quente. Quem não ficaria? — disse.
José, que terminou seu mais recente trabalho na TV Globo em março, contou que se surpreendeu quando ouviu as ofensas do cliente do restaurante:
— Ele dizia que era fácil roubar dinheiro do povo e ir gastar em restaurante japonês. O meu dinheiro não vem de Lei Rouanet. O meu dinheiro vem da TV Globo, do meu trabalho como ator. Ontem mesmo, num hotel, eu tirei mais de cem fotografias. As pessoas não costumam me tratar assim. Eu não sou ladrão. Eu sou honesto. Não preciso que ninguém venha me dar lição de moral". [...].

Observação: Não postamos o vídeo porque entendemos que o palavreado foi chulo demais.

Autora: Thayná Rodrigues

Disponível em: http://extra.globo.com/noticias/brasil/apos-cuspir-em-cliente-de-restaurante-jose-de-abreu-desabafa-fiquei-com-cabeca-quente-19151883.html

Acessado em: 25/04/2016

Extraído na íntegra.


Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/brasil/apos-cuspir-em-cliente-de-restaurante-jose-de-abreu-desabafa-fiquei-com-cabeca-quente-19151883.html#ixzz46sUSKEWS

quinta-feira, 21 de abril de 2016

O CHORO DE DEUS

O CHORO DE DEUS

Pastor Flávio da Cunha Guimarães


        O ser humano chorar é normal, mas Deus chorar é um tanto estranho, não havia dado conta destes textos e não ouvi, nem li nada a esse respeito.

        A Bíblia diz que “Jesus chorou”, em (Jo. 11:35). “E, quando ia chegando, vendo a cidade, chorou sobre ela”, (Luc. 19:41). A cidade era Jerusalém, relatos esses que já estamos acostumados com a ideia. Entretanto, a Bíblia relata em pelos menos três textos, na Antigo Testamento que Deus chorou, (Is. 22:4. Jer. 9:1 e Jer. 13:17).

        Em (Jer, 13:17) diz: “E, se isto não ouvirdes, a minha alma chorará em lugares ocultos, por causa da vossa soberba; e amargamente chorarão os meus olhos, e se desfarão em lágrimas, porquanto o rebanho do Senhor foi levado cativo”. Entendemos que os profetas não estão falando deles, mas de Deus. Se você tem opinião diferente expõe para que cheguemos a um acordo.

        Se não ouvirdes o que? Se não ouvirdes os conselhos, os alertas, as advertências e ameaças que o Senhor faz, através do profeta Jeremias, desde o capítulo um até o treze de que uma guerra e um cativeiro estão iminentes a acontecer. Com muito sofrimento para o povo de Deus e o Deus do povo, pois Ele não queria e não quer o sofrimento para o seu povo, visto que o ama e muito! O que o povo não queria ouvir e nem entender. Daí que Deus disse que choraria, não só pela guerra, pelo cativeiro, pelo sofrimento de seu povo, mas também porque o Senhor que fizera muitas maravilhas e milagres em meio ao povo, estava preterido, trocado pelos deuses das nações vizinhas.

        Há dois tipos de choro:
        1 – O chorar por uma grande alegria, por uma felicidade intensa, ou por uma vitória grandiosa; e,
        2 – O chorar de tristeza. Tristeza pela perca de um ente querido. Tristeza causada por ofensas, maus tratos, amor não correspondido, decisões erradas que tomamos na vida que causam um dano tremendo, e, as vazes, irreversíveis.

        Diante dos textos citados acima, vemos que não só os homens choram de tristeza, mas Deus também.

        VEMOS EM PRIMEIRO LUGAR: QUE O CHORO DE DEUS É POR CAUSA DA MALIGNIDADE DE SEU POVO, (JER. 13:10).
        Malignidade esta que faz o povo recusar a Palavra de Deus através do profeta Jeremias. É demonstrada através de o andar errado do povo para com os ensinamentos do Senhor Jeová. Por ser rebelde. O texto de (Jer. 3:22) é claro: “Voltai, ó filhos rebeldes, eu curarei as vossas rebeliões”, [...].
        O pecado de rebeldia é como pecado de feitiçaria, (I Sam. 15:23). Porque o pecado de rebeldia será sempre contra alguém. Alguém superior, que aqui é Deus. A rebelião é como obstinação. A obstinação é persistência, perseverança, teimosia, birra no erro, aqui é contrariar Deus em seus ensinamentos. A rebelião é a tentativa de revogar um tratado oficial. Tratado esse que o Senhor fez com seu povo através de Abraão, Isaque, Jacó, ratificado no Monte Sinai através de Moisés e aceito pelo povo espontaneamente.
        Quanto a nós, o nosso viver para com Deus, Ele está alegre ou chorando diante de nossa vida para com Ele? Somos obedientes ou rebeldes para com Deus?


        VEMOS EM SEGUNDO LUGAR: QUE O CHORO DE DEUS É POR CAUSA DA CEGUEIRA ESPIRITUAL DE SEU POVO.
        No contexto dos capítulos um a treze, vemos claramente que o povo está cego, seduzido pela idolatria. E a pior cegueira não é a física, a que não enxergamos com os olhos, mas a cegueira mental, a falta de entendimento e de discernimento. É não querer entender o que é obvio por causa da dureza de coração e por causa do orgulho. Ser orgulhoso é ser imbecil, que era o caso do povo de Israel.
        Será que estamos vendo como Deus quer que vejamos? Já superamos o orgulho que faz parte de uma vida de natureza pecaminosa?

        EM TERCEIRO LUGAR: O CHORO DE DEUS É POR CAUSA DO MAL QUE ESTÁ POR VIR SOBRE O SEU POVO, (V. 14; 4:6 e 6:1).
        Mal este desde a guerra impiedosa dos Babilônicos, fome, morte até a ida para a escravidão os que ficaram vivos. Mal este que o povo não via, mas Deus em sua presciência via, avisava o povo, mas o povo não quis entender, aceitar e nem ver.

        Quantos males poderíamos estar livres, nesta vida e na vindoura, após a morte, se ouvíssemos os conselhos de Deus? Será que nós, o povo brasileiro estamos vendo o mal que está por vir? Estamos nós preparados para o que está ainda por acontecer diante do quadro que está a se desenhar na política, na justiça e na economia? Que o Senhor tenha misericórdia de nós!

        VEMOS EM QUARTO LUGAR: QUE O CHORO DE DEUS ERA PORQUE FALTAVA JUSTIÇA E VERDADE PARA O POVO, (Jer.5:1).
        Aonde falta a verdade sobra injustiça, violência e imoralidade. Infelizmente o povo brasileiro vive a mentira religiosa e espiritual. O povo é enganado por todos os lados. Idolatria por um lado e prosperidade e só bênçãos por outro. A injustiça, a corrupção e a violência são consequências da ausência da verdade. Analisemos a situação de nosso país!   Estamos nós ouvindo a verdade? Estamos nós dizendo a verdade? Estamos nós agindo com justiça?


        VEMOS EM QUINTO LUGAR: QUE O CHORO DE DEUS ERA PORQUE O POVO JURAVA COM FALSIDADE, (Jer. 5:2).
        Quanto juramento falso em formaturas! Em casamentos no altar, na presença de Deus! Em posse dos políticos! Professando a fé para o batismo! De sermos fiéis nos dízimos! Quanto ao juramento falso vejamos o que o Senhor Jeová diz em (Lev. 19:12) “Nem jurareis falso pelo meu nome, pois profanarás o nome do teu Deus. Eu sou o SENHOR”. E (Zac. 8:17) “E nenhum de vós pense mal no seu coração contra o seu próximo, nem ameis o juramento falso; porque todas estas são coisas que eu odeio, diz o SENHOR”.

        Quem anda com a sua vida correta para com Deus não precisa fazer juramento para confirmar a sua verdade. A verdade fica evidente e confirmada diante do que falamos, principalmente no decorrer do tempo.

        EM SEXTO LUGAR: O CHORO DE DEUS ERA POR CAUSA DO PECADO DE ADULTÉRIO DE SEU POVO, (Jer. 5:7-8).
        Adultério espiritual, (Jer. 5:7). Adultério sexual, (Jer. 5:8). Uma imoralidade generalizada, intensa. O texto acima fala de “rinchado”, isto é, do apetite sexual intenso por causa também das sacerdotisas nos cultos pagãos nos templos dos deuses.

        Diferente de nossos dias? De jeito nenhum! O que predomina as propagandas, os filmes, as novelas que entram em nossos lares através da televisão? Cabe a nós termos uma consciência crítica para censurar o que não presta para a edificação de nossas vidas espirituais.


        EM SÉTIMO LUGAR: O CHORO DE DEUS ERA POR CAUSA DA DESTRUIÇÃO DE SEU POVO, (Jer. 10:18; 13:14). O povo não via e até acreditava nos falsos profetas que diziam que a paz reinaria, contrariando a mensagem do verdadeiro profeta que era Jeremias, mas Deus era capaz de ver o futuro e antevê a destruição, daí o choro de tristeza porque não era o que Ele queria para o seu povo amado. Destruição que o Senhor não queria, mas era necessária, para ensinar ao povo, ainda que fosse pela dor, pelo sofrimento que estava distante de Deus para que se aproximasse, voltasse para o Senhor. Que nada venha destruir a nossa vida, principalmente a vida com o Senhor.

        EM OITAVO LUGAR: O CHORO DE DEUS SE DEU PORQUE O SEU POVO O REJEITOU, (7:23-26).
        Essa rejeição não está implícita, mas explicita. Não dar ouvido a voz de Deus, rejeitar a Deus como o Deus de Israel é rejeitar o Próprio Deus. O povo O trocou por Baal. Trocou o culto santo pelo o profano onde a licenciosidade com as sacerdotisas que prostituíam no templo de Baal.

        Será que o Senhor Jesus Cristo tem sido o Bastante, o Único para nós? Ou estamos trazendo mais algum elemento pensando que passa ajuda-lo? É um culto santo ou profano? Quando que o culto se torna profano em nossos dias? Quando aprendemos e vamos a igreja com o pensamento para receber de Deus as bênçãos e não para oferecer, ofertar de nós ao Senhor!

        VEMOS EM NONO LUGAR: QUE DEUS CHOROU POR CAUSA DA VERGONHA QUE SEU POVO PASSARIA E DEUS TAMBÉM, COMO DE FATO PASSOU, (Jer. 13:22,26).
        Pelo fato de o povo perder a guerra e ser levado como escravo para outra nação, isso para as demais nações significava que o Deus de Israel era um Deus sem poder, um Deus fraco, um Deus derrotado pelos deuses da Babilônia. Pois a ideia que se tinha era que os deuses que guerreavam pela sua nação e que venciam as guerras. Logo, Israel perdendo a guerra e sendo levado como escravo, significava que os deuses da Babilônia eram mais poderosos do que o Deus de Israel. Isso era vergonhoso não só para o povo de Israel, mas também para o seu Deus.

        VEMOS EM DÉCIMO LUGAR: QUE DEUS CHOROU POR CAUSA DA SOBERBA, OU SEJA, POR CAUSA DO ORGULHO DE SEU POVO, (Jer. 13:15).
        O orgulho cega as pessoas ou um povo. O orgulho faz com que a pessoa se considere superior ou melhor do que os outros. Ele distancia as pessoas, porque não mede as consequências em ofender. Vê o outro, não como parceiro, mas como oponente ou inimigo. O orgulho mata o amor, que deve ser o verdadeiro sentimento a predominar na vida do ser humano. O Diabo veio a existir por causa do orgulho, como citado por David McClister:

“O Velho Testamento indica que Satanás foi criado por Deus como um anjo governante chamado Lúcifer, com grandes poderes. Mas o orgulho levou Lúcifer a se rebelar contra Deus (conforme Isaías 14:12-14; Ezequiel 28:12-15). (Acrescentamos o texto de Luc. 10:18 que diz: “E disse-lhes: Eu via Satanás, como raio, cair do céu”). Torcido agora pelo pecado, Lúcifer é transformado em Satanás, que quer dizer `inimigo´ ou `adversário´ ...Satanás é um poderoso anjo decaído, intensamente hostil a Deus e antagonista do povo de Deus”,

disponível em: http://www.estudosdabiblia.net/1999439.htm, acessado em: 21/04/2016. Portanto, o orgulho não é um sentimento que vem de Deus, mas de Satanás. Logo, não pode existir na vida do verdadeiro cristão.

        Daí concluímos que...
        Em não havendo arrependimento dos pecados cometidos e mudança de atitudes, pois esse era o apelo de Deus desde o início, o castigo, a disciplina, o juízo e o sofrimento na escravidão seriam inevitáveis, como ainda é inevitável para os que querem viver como se Deus não existisse. Tais atitudes faziam e fazem Deus chorar de tristeza.


        A cura para esses males era e é a desistência, o abandono da prática dos pecados. O ouvir e o atender a orientação do Senhor em sua Palavra. O atentar, ou seja, prestar a atenção no que Deus quer de nossas vidas. O dar glória ao Deus Todo Poderoso, (Jer. 13:16). Humilhar-se, a começar pelo rei e rainha até os mais simples, (Jer. 13:18).

        O ouvir, dar atenção conforme o hebraico, (אַזַן – ´ÃZAN) e outras palavras relacionadas, é atender com obediência que envolve resposta daquele que ouve, prestando a atenção e compreendendo. É estar atento ao que o Senhor orienta através do profeta o que tem a dizer da parte de Deus e de sua Palavra, para pensar, meditar e dar a devida atenção. E (שָםַצ – SHÃMA´) é escutar prestando atenção e obedecer de verdade os mandamentos do Senhor com entendimento. Que pressupõe ouvir notícias boas ou ruins. (As citações acima encontram-se em (HARRIS, 2008, P. 44-46 e 1585). É aqui que traz implicações sérias para a pregação de nossos dias. Tanto os pastores pregam aquilo que o povo quer ouvir, como o povo vai à igreja, com raras exceções, com a intenção de ouvir o que quer ouvir. Se não ouve o que quer ouvir a mensagem não foi boa, o pastor não estava inspirado e ainda sai reclamando.

        O não ensoberbecer, (v.15 - זֵיד – ZED), o ensoberbecer que o sentido literal é: “ferver”; “fervilhar”, “o agir orgulhosamente, com presunção”, rebelar-se” o ser arrogante, o que faz parte da personalidade. É o rebelar-se contra quem está acima e que tem autoridade sobre outrem, (HARRIS, 2008, P.386).

        O dar “glória”, (V.16 - אֶדֶר – ´EDER e suas derivações), que é magnificar ao que é superior, majestoso, honrado, esplendoroso glorioso, (HARRIS, 2008, P. 18). O que livraria o povo do cativeiro, das trevas espirituais (figurativa), da calamidade, de tropeçar, de cambalear por fraqueza que pode ser física ou espiritual, e de dias tenebrosos, Horríveis, terríveis e medonhos.

        O povo evitando os pecados citados acima e obedecendo as recomendações do Senhor, só assim evitaria o choro de Deus, pois Deus só chora por tristeza em ver o seu povo em aflição, o que o povo poderia evitar, mas não evitou.

        O convite a nós é que não façamos o Senhor chorar com nossa vida pecaminosa e teimosa em pecar, achando que Deus é amor e por ser amor, não punirá a ninguém. Engam-se aqueles que assim pensam. Deus quer que vivamos uma vida de maior pureza possível para Ele, ainda que não conseguimos viver totalmente puro, que pelo menos nos esforcemos para tal pedindo a ajuda DELE, Amém!

Bibliografia

1 - Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

2 - Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo.

3 - BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

4 - Dicionário Aurélio online.

5 - HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 p, p. 235.


6 - OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: < http://www.baixaki.com.br/download/a-biblia-sagrada-versao-digital.htm>. Acesso em: 15 dez. 2014.